Página inicial

Como atiçar a brasa

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
junho 2021
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

março 15, 2010

Arte popular conquista novo status por Ana Paula Souza, Folha de S. Paulo

Matéria de Ana Paula Souza originalmente publicada na Ilustrada da Folha de S. Paulo em 14 de março de 2010.

Galeristas convidam grifes da arte contemporânea para assinar catálogos; peças representam 15% do volume de leilão

Trazido do interior de Sergipe para vernissage em São Paulo, o escultor Véio é a feição desse movimento que começa a se desenhar

Sandália de couro nos pés, toco de madeira nas mãos, Cícero Alves dos Santos tem os olhos baixos quando a reportagem da Folha chega à galeria Estação, em Pinheiros. Passam-se alguns segundos até que ele erga o rosto e, após uma última talhada no miúdo tronco de imburana, explique: "Se fico parado, fico meio neurótico. Tô sempre fazendo uma coisinha. Desde menino sou assim. Quando tinha 5 anos, trabalhava com cera de abelha e, escondido do meu pai, modelava uns bonequinhos".

É assim, frase ao léu, que Santos, conhecido como Véio, encurta o caminho que leva à origem da chamada arte popular. Feita por autodidatas vindos das camadas simples da população, essa arte, de difícil conceituação, não raro é tomada por artesanato ou, no máximo, como manifestação pitoresca. Naify. Primitiva.

Pois Véio, na última quinta-feira, ao conduzir uma visita guiada seguida de coquetel, começava a desvencilhar-se dessas palavras para saltar para outro verbete: arte. "Era um antigo sonho. Tratar esses artistas como artistas. E ponto", diz a galerista Vilma Eid, artífice do movimento que busca dar novo status à arte popular.

Ela chamou o pintor Paulo Pasta para escrever sobre o ex-cortador de cana José Antonio da Silva (1909-1996), o curador Rodrigo Naves para refletir sobre o escultor sertanejo José Bezerra e Paulo Monteiro para avalizar Véio. "Com essas aproximações, estamos chegando a um novo público."

Seja ou não graças à mão de verniz, a arte popular tem visto os preços subir. Em São Paulo, onde durante muitos anos uma só galeria especializada existia, a Brasiliana, hoje há outras duas: a Estação e a Pontes. "Proporcionalmente, foi a arte mais valorizada nos últimos cinco anos", diz a leiloeira Soraia Cals. Até 2005, essas obras não ouviam o barulho do martelo. Hoje, representam 15% das peças leiloadas. Mas o dinheiro ainda é mínimo.

Mesmo os nomes mais valorizados, como os escultores Vitalino (1909-1963) e G.T.O. (1913-1990) e os pintores Heitor dos Prazeres (1898-1966) e Silva, custam pouquíssimo se comparados à arte dita erudita. Um quadro de Prazeres não ultrapassa os R$ 40 mil. Uma boa peça de Vitalino, o colhedor de algodão que viu seus bonecos partirem das feiras de Caruaru para os salões de arte, sai, no máximo, por R$ 25 mil.
"Há um preconceito em relação à arte feita por quem está na base da pirâmide social", diz Roberto Rugiero, da Brasiliana. "Tanto que, muitas vezes, quem compra essas peças ainda as deixa reservadas à casa de campo. Mas houve um tempo em que não era assim."

Rugiero refere-se ao modernismo e ao desejo de fusão entre popular e erudito. Foram os modernistas que festejaram Silva e Vitalino e se deixaram levar por temas tipicamente populares - basta lembrar dos sambistas de Di Cavalcanti e dos retirantes de Portinari.

"Não consigo pensar em popular ou não popular, e sim em bons e maus pintores", diz Pasta. "O Silva tinha faro para a questão do plano, inteligência do olho, intuição." Parece que o diálogo existente nos anos 1930 e 1940 e depois silenciado volta a sussurrar. "Passamos muito tempo vendo essa arte como pitoresca", diz, numa espécie de mea-culpa, o crítico Rodrigo Naves. "Me parece que a arte contemporânea está cada vez mais acadêmica, repetitiva. Também por isso a originalidade do Zé Bezerra me atraiu."

A galerista Edna Pontes arrisca outra explicação: "A arte popular está sendo beneficiada pela valorização da brasilidade". Rugiero, por sua vez, acha boas as adesões, mas mantém um pé atrás. "A ausência de uma referência crítica dá margem a blefes. Outro risco é transformar o artista em mico de circo e enxergar autenticidade no que é só repetição."

Nuno Ramos, que não havia pousado os olhos sobre arte popular até ser apresentado a Bezerra, gostou do que viu, mas teme generalizações. "Temos que tomar cuidado com o discurso populista do "vamos dar uma chance" ou "olha que história incrível a dele'".

Esse temor estende-se, inclusive, aos artistas. "Tem vezes que só querem que a gente fale que trabalhou na lavoura, essas coisas", diz o pintor Nilson Pimenta que, quando menino, na roça, desenhava em cercas e árvores e hoje vive de arte. "Mas se virem também o que eu pinto, aí já tá bom."


Posted by Marília Sales at 2:57 PM | Comentários(1)
Comments

RECONHECIMENTO OU SAQUE CULTURAL?!?

Essa classificação da arte como erudita (de elite) ou popular (do povo) é ridícula e preconceituosa, é arte e ponto.
Mas, olho sempre com desconfiança pra esse "reconhecimento" da arte popular que já era pra ter acontecido há muito tempo atrás. Ao meu ver, em vez de reconhecer a arte popular eles costumam se apropriar dessa passando a chamar de erudita, como fizeram com Leonilson ou com o jazz, por exemplo, tirando-a do povo. Como se o fato de ser popular, portanto, uma manifestação que vem do povo, a desvaloriza-se como arte (manifesto do intelecto humano), por essa não pertencer a uma elite opressora. Como se uma manifestação artística que vem do povo não fosse manifestação intelectual. Novidade: apesar da elite olhar o povo como coisa e fazer com que este se veja como tal tecendo uma teia de alienação e manipulação que cega e impede a maioria da população de pensar, portanto de ser humano, ainda existem os resistentes, pensando, criando, criticando, fazendo ARTE e lutando por sua humanidade...
Esse “reconhecimento” me parece mais com invasão e saque cultural. E se esse "reconhecimento" for pra tirar o que nasceu do povo para o povo, e restringir a uma elíte opressora, fazendo desta arte um objeto de reafirmação de um status elítista, por favor, deixe que esta continue marginal.

A pergunta que fica no ar: RECONHECIMENTO OU SAQUE CULTURAL?!?

Posted by: ANDERSON BENELLI at abril 25, 2010 1:04 PM
Post a comment









Remember personal info?