Página inicial

Cursos e Seminários

 


fevereiro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28      
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

fevereiro 19, 2018

Laura Belém e Paula Alzugaray discutem questões de gênero na arte na FAAP, São Paulo

Diálogos sobre a arte contemporânea e a moda: Encontros na FAAP vão reunir a crítica de arte Paula Alzugaray, a artista plástica Laura Belém, o consultor Luiz de Maio e a empresária Mariana Ribeiro. A Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) inicia a programação de 2018 com dois encontros gratuitos e abertos ao público, que têm o objetivo de debater importantes temas das áreas de Artes Visuais e Moda.

21 e 22 de fevereiro de 2018, quarta e quinta-feira, 19h30

Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP
Rua Alagoas 903, Higienópolis, São Paulo, SP
Informações: 11-3662-7449
Inscrições online

O primeiro evento tem como tema as "Questões de Gênero na Arte Contemporânea" e ocorrerá no dia 21/02 (quarta-feira). No dia seguinte (22/02), será a vez do encontro sobre "Comportamento do Consumidor e os Impactos no Varejo de Moda".

"É importante abrir um diálogo em torno de temas que envolvem o mundo contemporâneo com pessoas atuantes e representativas nesse universo", observa a coordenadora da pós-graduação em Artes Plásticas da FAAP, a professora Clemara Bidarra, destacando que os encontros pretendem promover uma ampla reflexão sobre gênero e pertencimento, bem como avaliar a drástica mudança no processo atual de consumo.

Questões contemporâneas

O primeiro encontro - "Questões de Gênero na Arte Contemporânea" - contará com a participação de dois grandes nomes na área de produção artística: a crítica de arte da revista Select, Paula Alzugaray, e a artista plástica, Laura Belém. A expectativa é que elas apresentem suas experiências e façam relatos sobre o lugar da mulher e do feminino na produção artística contemporânea brasileira, além de destacar como enfrentaram os rótulos que as envolveram no decorrer de suas trajetórias.

O segundo evento - "Comportamento do Consumidor e os Impactos no Varejo de Moda" - já tem a confirmação do consultor Luiz de Maio e da CEO da plataforma iLovee, Mariana Ribeiro. Eles debaterão a experiência de compra - que pode e deve continuar sendo emocional - e identificarão quais apelos, sugestões e motivos definem os atos de consumo na atualidade.

Os eventos destacam a importância dos temas que integram as grades curriculares da pós-graduação da Faculdade de Artes Plásticas da FAAP para 2018: Design de Interiores - Repertório Projetual; Design Gráfico - Conceito e Aplicação; Gestão Estratégica em Negócios e Varejo de Moda; História da Arte; e Práticas Artísticas Contemporâneas. Os cursos estão com as inscrições abertas e as aulas começam em março.

Sobre os palestrantes

Laura Belém
Mestre em Artes Plásticas pela Central Saint Martins College of Art, Londres, recebeu o ?CIFO Grants and Commissions Program" da Cisneros Fontanals Art Foundation (Miami, EUA) e foi selecionada para o Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas. Recebeu ainda a Bolsa Pampulha, do Museu de Arte da Pampulha (Belo Horizonte), e participa de exposições no Brasil e no exterior. É especialista na investigação dos campos da instalação, da escultura contemporânea e do desenho.

Luiz De Maio
Com experiência de mais de 30 anos em varejo, atua como executivo de grandes empresas e em consultoria própria, onde atende mais de 50 clientes nos mais diferentes formatos e segmentos de mercado. Tem sólida experiência em desenvolvimento de coleções (estilo, planejamento e compras), revisão de processos, análise de resultados e monitoramento do mercado nacional e internacional.

Mariana Vilela Ribeiro
A especialista em Marketing, Mariana Ribeiro fundou a plataforma iLovee em 2012, aos 26 anos, após trabalhar com moda, branding e planejamento estratégico com Ana Lúcia Zambon, da Tastemakers. Hoje, o modelo de negócios é composto pelo site agregador de mais de 40 e-commerces e a agência multimídia focada em serviços para marcas e lojas voltadas para o público feminino.

Paula Alzugaray
É curadora independente, critica de arte, editora e jornalista especializada em artes visuais. É diretora de redação da revista cultural Select, editora da seção quinzenal de artes visuais da revista IstoÉ e autora do livro "Regina Vater: Quatro Ecologias". Entre seus projetos curatoriais recentes incluem-se as exposições "A invenção da Praia: Cassino" e "Circuitos Cruzados - Centre Pompidou Encontra o MAM".

Encontros abertos ao público - Faculdade de Artes Plásticas

Questões de Gênero na Arte Contemporânea
Data: 21/02/2018
Horário: 19h30
Inscrições: http://bit.ly/FAAP-PÓS-21FEV

Comportamento do Consumidor e os Impactos no Varejo de Moda
Data: 22/02/2018
Horário: 19h30
Inscrições: http://bit.ly/FAAP-PÓS-22FEV

Publicado por Patricia Canetti às 8:43 AM


fevereiro 4, 2018

3º Ciclo de Palestras Ready Made in Brasil: projeção e palestra no Fiesp, São Paulo

O 3º Ciclo de Palestras Ready Made in Brasil: Entre Trópicos irá abordar a relação de Duchamp com a artista brasileira Maria Martins e a fronteira de seu trabalho com outras linguagens, como o cinema e a literatura. A programação contará com a exibição do filme Maria – Não Esqueça que Eu Venho dos Trópicos (2017), com direção de Francisco C. Martins, seguida de palestra proferida pelo professor e escritor argentino Raúl Antelo, autor do livro Marcel com Maria: Duchamp nos Trópicos, que abordará o período que Duchamp esteve na América do Sul. Nessa ocasião, também será lançado o catálogo da exposição.

7 de fevereiro de 2018, quarta-feira, das 15h30 às 18h30

Centro Cultural Fiesp - Teatro do SESI-SP
Av. Paulista 1313, São Paulo, SP
(em frente à estação Trianon-Masp do metrô)

PROGRAMAÇÃO

15h30
Exibição do documentário Maria - Não Esqueça que Eu Venho dos Trópicos

17h
Palestra com Raúl Antelo

18h30
Lançamento do catálogo da exposição (Livraria)

Curadoria do ciclo de palestras
Daniel Rangel e Martin Grossmann do Grupo de Pesquisa Fórum Permanente entre o público e o privado do IEA – USP.

Reserva de ingresso para entrada franca; ingressos remanescentes distribuídos no dia do evento a partir das 13h, no balcão da chapelaria. (465 lugares)

TRANSMISSÃO

O evento será transmitido AO VIVO pelo Fórum Permanente AQUI.

Além da transmissão o Fórum Permanente fará os relatos críticos das mesas de debates.

Publicado por Patricia Canetti às 12:28 PM


janeiro 31, 2018

Lançamento do lab eXtremidades - cursos e oficinas

A plataforma lab eXtremidades será lançada com a palestra Extremidades: Como pensar os limites da arte e do audiovisual hoje?, com Christine Mello e João Simões e participação de Cyntia Calhado, Larissa Macêdo e Lucas Lespier. O evento marca o início das inscrições do curso e oficinas quando serão sorteadas cinco bolsas, uma para cada atividade.

3 de fevereiro de 2018, sábado, das 11h às 14h

Ateliê Casinha
Rua Dr. Augusto de Miranda 760, Pompéia, São Paulo, SP
(entre o metrô Vila Madalena e o Sesc Pompéia)

APRESENTAÇÃO

As atividades realizadas pelos pesquisadores, curadores e artistas Christine Mello, Cyntia Calhado, João Simões, Larissa Macêdo e Lucas Lespier exploram os limites entre os espaços sociais, as ações artísticas e as linguagens midiáticas

Seguindo a proposta de abordar criticamente as práticas artísticas e midiáticas, a plataforma lab eXtremidades oferece um curso e quatro oficinas que discutem, no campo do audiovisual, as intensidades da imagem cinematográfica, a projeção mapeada e estética de banco de dados e, no âmbito das redes digitais, a performatividade dos corpos e a construção de poéticas do efêmero no Instagram Stories, além de propor a ativação de pesquisas, projetos artísticos, textos críticos e curatoriais. As ações buscam refletir estes fenômenos da arte contemporânea a partir da noção das extremidades, instrumental de leitura para trabalhos que transitam entre arte, práticas midiáticas e experiência contemporânea, interconectados entre múltiplas plataformas, comunidades e linguagens.

A oficina Extremidades: ativação de pesquisas, projetos artísticos, textos críticos e curatoriais com Christine Mello busca fomentar entre os participantes análises críticas de processos artísticos e midiáticos em suas relações com as práticas sociais. O curso Intensidades da Imagem Cinematográfica com Cyntia Calhado discute quais procedimentos audiovisuais são acionados para que um filme se torne uma experiência estética intensa a partir da análise de filmes contemporâneos. A oficina Extremidades dos corpos nas redes audiovisuais com João Simões reflete como os ícones Kardashians, Rihanna, Karol Conka, Pabllo Vittar, Jojo Todynho entre outros, performam seus corpos nas mídias e redes digitais. Já Instagram Stories: construindo poéticas do efêmero com Larissa Macêdo ativa e explora as temporalidades e potências do tempo real nos vídeos que circulam nas redes digitais. Por fim, Extremidades da performance audiovisual: projeção mapeada e estética de banco de dados com Lucas Lespier propõe a realização de uma performance audiovisual supervisionada com ferramentas de manipulação do vídeo ao vivo.

PROGRAMAÇÃO

Local: Ateliê Casinha - Rua Dr. Augusto de Miranda, 760, Pompéia - entre o metrô Vila Madalena e o Sesc Pompéia.
Valor: R$ 200,00 por curso/oficina.
Inscrições online: www.extremidades.art; https://www.sympla.com.br/labextremidades

Extremidades: ativação de pesquisas, projetos artísticos, textos críticos e curatoriais
com CHRISTINE MELLO
// Dias e horários
4 encontros, às sextas, em 23/02, 09/03, 23/03 e 13/04, das 19:30h às 21:30h.

// Descrição
Extremidades traz dimensões sobre limites, fronteiras, conflitos, crises e atravessamentos. Há motivos vitais para se pensar sob sua perspectiva, principalmente quando associamos tais dimensões a problemas concretos, ligados diretamente à vida cotidiana. O signo das extremidades se faz hoje presente no cotidiano concreto de modo continuado, sem interrupções, não podendo ser considerado, como antes, um estado de exceção. O que aparece como evidente é a mudança da natureza dos investimentos do que se considera extremidade em relação ao corpo sensível e social. A oficina relaciona uma abordagem crítica a partir da noção de extremidades. Busca, com isso, ativar conversas e escutas entre os participantes no sentido de produzir reflexões acerca de pesquisas, projetos artísticos, textos críticos e curatoriais no contexto das redes audiovisuais, do cinema, da performance e da arte contemporânea. A presente abordagem das extremidades compreende atividade crítica decorrente da análise de processos artísticos e midiáticos, bem como das problematizações estabelecidas entre eles e as práticas sociais. Tem como princípio as ações limítrofes entre linguagens. Estabelece, para tanto, vetores de leitura associados aos procedimentos da desconstrução, contaminação e compartilhamento.

// Programa
1 || 23/02, 19:30h às 21:30h: Rede de conversa e escuta: por que pensar pelo caminho das extremidades? Leitura em referência: Extremidades do vídeo (2008)
2 || 09/03, 19:30h às 21:30h: Dimensões e problemas concretos ligados diretamente a vida cotidiana: experiências das extremidades. Debate aberto e interesses de trabalho.
3 || 23/03, 19:30h às 21:30h: Como pensar pela abordagem das extremidades? Leitura em referência: Extremidades: experimentos críticos (2017).
4 || 13/04, 19:30h às 21:30h: Em ação: ativando pesquisas, projetos artísticos, textos críticos e curatoriais a partir da abordagem das extremidades.

Intensidades da Imagem Cinematográfica
com CYNTIA CALHADO
// Dias e horários
4 encontros, às sextas, em 23/02, 09/03, 23/03 e 13/04, das 14h30 às 16h30.

// Descrição
Como uma imagem nos afeta? Por que algumas imagens nos marcam, permanecendo em nosso imaginário muito tempo depois de as termos visto? Quais procedimentos audiovisuais são acionados para que um filme se torne uma experiência estética intensa? Esses são alguns dos questionamentos que motivam este curso. A proposta de análise da imagem cinematográfica que desenvolveremos nestes quatro encontros segue a leitura das extremidades, as plasticidades da imagem e a experiência estética, tendo como foco a análise de cenas de filmes do cineasta brasileiro Walter Salles. O objetivo do curso é oferecer parâmetros para a atuação na área de crítica cinematográfica e instrumental para realização de projetos audiovisuais acadêmicos ou profissionais.

// Programa
1 || 23/02, 14h30 às 16h30 - Endereçamentos da imagem - transparência, opacidade e sensorialidade.
2 || 09/03, 14h30 às 16h30 - Como uma imagem nos afeta?
Extremidades da imagem no cinema contemporâneo. Acionamentos do corpo pela imagem.
3 || 23/03, 14h30 às 16h30 - Por que algumas imagens nos marcam, permanecendo em nosso imaginário muito tempo depois de as termos visto? As plasticidades da imagem cinematográfica - cores, formas e iluminação.
4 || 13/04, 14h30 às 16h30 - Quais procedimentos audiovisuais são acionados para que um filme se torne uma experiência estética intensa? Perda do efeito de tridimensionalidade, desfiguração e texturas da imagem.

Extremidades dos corpos nas redes audiovisuais
com JOÃO SIMÕES
// Dias e horários
4 encontros, aos sábados, em 24/02, 10/03, 24/03 e 14/04, das 14h30 às 17h30.

// Descrição
"Somos todos performers. Nós performamos ideias de nós mesmos em nossas cabeças, projetamos nossos eu futuros. Reencontramos momentos de nossas vidas em nossas memórias, temos diferentes maneiras de interagir entre aqueles que conhecemos e aqueles que não. Cada centímetro de nós é um performer.”
Gillian Wearing, 2012

A oficina propõe pensar e vivenciar a performatividade dos corpos a partir dos processos de construção da imagem diante e para as mídias. O trabalho se desenvolverá por meio de ícones como Kardashians, Rihanna, Karol Conka, Pabllo Vittar, Jojo Todynho entre outros, que em seus perfis nas redes digitais ativam práticas sociais do cotidiano como manifestações políticas. Também discutiremos como as redes KondZilla e Afropunk tensionam e potencializam corpos e discursos. Como as questões de gênero, racialidade e classe desses performers atravessam os corpos e moldam suas formas de se apresentarem nas redes audiovisuais? Os participantes realizarão uma performance audiovisual supervisionada no último encontro.

// Programa
1 || 24/02, 14:30h às 17:30h: Pensando performatividade a partir dos ícones relacionados a chamada geração tombamento.
2 || 10/03, 14:30h às 17:30h: Tensionamento e potencialização de corpos e discursos: Afropunk, Kondzilla e outra redes sociais.
3 || 24/03, 13:30h às 17:30h: Elaboração de projetos com os participantes dessa oficina juntamente com os da oficina Extremidades da performance audiovisual.
4 || 14/04, 10h às 17:30h: Exibição dos trabalhos audiovisuais desenvolvidos no encontro anterior.

Instagram Stories: construindo poéticas do efêmero
com LARISSA MACÊDO
// Dias e horários
4 encontros, às sextas, em 23/02, 09/03, 23/03 e 13/04, das 17h às 19h.

// Descrição
“Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força o resgata.”
Carlos Drummond de Andrade

“Está tudo mudando muito rápido”, quantas vezes falamos e ouvimos essa frase? Será que vivemos um momento de compressão do tempo? Que tempo é esse que vivemos? Efêmero? Impermanente? Suspenso? A revolução digital é constante e a cada novidade que nos é apresentada nos dispositivos móveis, vivenciamos mudanças no cotidiano, na forma que nos relacionamos e nos comunicamos. Isso te instiga? Diante de tantos questionamentos que surgem, a proposta desse grupo é discutir o efêmero, ou melhor, as poéticas que ele constrói nos vídeos que circulam nas redes digitais, mais especificamente, no Instagram Stories. Vamos refletir sobre esse momento, sob uma ótica diferente, olhando as poéticas que os vídeos de poucos segundos, que desaparecem em 24hs no Stories produzem. Para isso, vamos utilizar a abordagem de leitura das Extremidades, a teoria dos incorporais de Anne Cauquelin, atuações artísticas, performance e outras lentes que podem nos ajudar a olhar essas manifestações pelas suas extremidades. É uma proposta conceitual, para ampliar mindsets, que ativa e explora as temporalidades e potências do tempo real. Pode ajudar a abrir a cabeça na realização de projetos pessoais, audiovisuais, acadêmicos ou profissionais. A partir daqui é com você ;)

// Programa
1 || 23/02, 17h às 19h: Previsão do tempo agora: efêmero, poético, em fluxo
Extremidades do vídeo e os incorporais. Que conexão é essa?
2 || 09/03, 17h às 19h: eXtremidades do vídeo: e o tempo com isso?
As novas linguagens para o vídeo no Instagram Stories e o seu caráter efêmero.
3 || 23/03, 17h às 19h: Insta eXperiences: cadê as poéticas?
Reflexão crítica e poéticas presentes no Instagram Stories.
4 || 13/04, 17h às 19h: E agora? Que que eu faço com tudo isso?

Extremidades da performance audiovisual: projeção mapeada e estética de banco de dados
com LUCAS LESPIER
// Dias e horários
4 encontros, aos sábados, em 24/02, 10/03, 24/03 e 14/04, das 10h30 às 13h30.

// Descrição
A oficina oferece reflexão e exercícios práticos para concepção e realização de experiências poéticas com performance audiovisual. A partir da abordagem das extremidades, trataremos de convergência de técnicas de projeção e maneiras de produção de imagens com o objetivo de ampliar as ferramentas de manipulação do vídeo ao vivo. Entre os recursos para a criação em performance audiovisual, utilizaremos projeção mapeada em diferentes superfícies, imagens de arquivo. Os participantes realizarão uma performance audiovisual supervisionada no último encontro.

// Programa
1 || 24/02, 10h às 13h30 - Extremidades da imagem na performance audiovisual.
Introdução a softwares de manipulação de vídeo ao vivo e levantamento de projetos dos participantes.
Convidado: Felipe Neves, pesquisador e realizador audiovisual.
2 || 10/03, 10h às 13h30 - Trabalhando com imagens de arquivo: Estética de banco de dados. Apresentação de bancos de dados disponíveis e seus possíveis usos. Como criar e manipular um banco de dados na internet. Discussão do projeto Verde e Amarelo: Trilogia Incompleta.
Convidado: Juliana Garzillo, pesquisadora e realizadora audiovisual..
3 ||24/03, 10h às 14h30 – Elaboração de projetos com os participantes dessa oficina e da Oficina Performance e videoclipe. Exercícios de gravação e projeção com câmeras 360 graus.
Convidados: Felipe Neves, pesquisador e realizador audiovisual.
4 || 14/04, 10h às 17h30 - Exibição dos trabalhos desenvolvidos no encontro anterior.

SOBRE OS INTEGRANTES

// Christine Mello
Crítica, curadora e pesquisadora, é autora de Extremidades do vídeo (Senac, 2008) e coautora de Tékhne (MAB, 2010). Doutora e mestre em comunicação e semiótica pela PUC-SP, é professora da pós-graduação em comunicação e semiótica e do curso artes do corpo da PUCSP, assim como dos cursos de artes visuais e da pós-graduação em fotografia da FAAP, em São Paulo. Como crítica de arte e curadora, trabalhou para Bienal de São Paulo, Videobrasil, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia (Madri), Itaú Cultural, Laboratório Arte Alameda (México DF), Paço das Artes, Sesc São Paulo, entre outros. É coordenadora do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiovisuais, cinema, performance e arte contemporânea, e é integrante do lab eXtremidades.

// Cyntia Calhado
Crítica, pesquisadora e professora universitária em cursos de Comunicação e Audiovisual. É doutoranda em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), onde desenvolve a pesquisa Narrativa como acontecimento no cinema de Walter Salles e mestre pela mesma instituição. É uma das autoras do livro Extremidades: Experimentos Críticos, organizado por Christine Mello, e integrante do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiovisuais, cinema, performance e arte contemporânea, coordenado por Christine Mello, e do lab eXtremidades. Possui dez anos de experiência profissional em jornalismo, com passagens por diversos veículos, entre eles, publicações da Editora Abril, as revistas Reserva Cultural e Revista E, do Sesc, e o site Guia da Semana. É coidealizadora do site de cinema brasileiro Caleidoscópio.

// João Simões
Artista, pesquisador, curador e educador. Desenvolve a plataforma Explode!, com Cláudio Bueno, abordando questões de classe, raça e gênero a partir de manifestações de arte e cultura das periferias. É produtor executivo da Cia. Sansacroma de dança contemporânea e integra também o Coletivo Amem de arte e ativismo negro. Integra Tem participado de curadorias, falas públicas e performances em diversas instituições culturais. É integrante do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiovisuais, cinema, performance e arte contemporânea, coordenado por Christine Mello, e do lab eXtremidades.

// Larissa Macêdo
Crítica, pesquisadora, publicitária e mestranda em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (bolsista CAPES), onde desenvolve a pesquisa Poéticas do efêmero: Novas temporalidades para o vídeo em redes sociais. Graduada em Comunicação Social com ênfase em Propaganda e Marketing pela ESPM-SP, com MBA em Gestão de Negócios em Marketing pela ESPM-SP e Gestão Estratégica em EAD pelo SENAC-SP. Tem 15 anos de atuação no mercado publicitário com experiência multidisciplinar nas áreas de marketing, planejamento de projetos, desenvolvimento de pessoas, educação corporativa, responsabilidade social e compras, em empresas nacionais e multinacionais como: Globo, Adobe, TIM, Danone e F.Biz. Atualmente participa do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiviosuais, cinema, performance e arte contemporânea, coordenado por Christine Mello, é integrante do lab eXtremidades.

// Lucas Lespier
Realizador audiovisual, critico e pesquisador. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, onde desenvolveu pesquisa relacionada às extremidades do audiovisual. Editor e documentarista com longas-metragens lançados e obras em diversos festivais internacionais. Hoje trabalha com cinema expandido usando projeção mapeada em produções de artemídia e arte generativa. Participante em importantes festivais de mapping do Brasil, tendo presença nas ultimas edições do SSA Mapping e do Vídeo Guerrilha. Como vídeoartista, realizou obras para o Sesc, Prefeitura de São Paulo, galeria digital do SESI-SP,CC,BB entre outras instituições. É um dos autores do livro Extremidades: Experimentos Críticos, organizado por Christine Mello, e integrante do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiovisuais, cinema, performance e arte contemporânea, coordenado por Christine Mello, e do lab eXtremidades.

Publicado por Patricia Canetti às 10:15 AM


janeiro 19, 2018

Marcia Tiburi é a primeira convidada do ciclo de debates Ódio Sem Fio na Fundação Iberê Camargo, Porto Alegre

Filósofa vai falar sobre o fascismo e as novas formas de ódio disseminado pelas redes sociais

a próxima terça-feira, 23 de janeiro, a partir das 19h30, a Fundação Iberê Camargo realiza a primeira roda de conversa do ciclo Ódio Sem Fio, com a participação da filósofa Marcia Tiburi. Autora, entre outros, do livro Como Conversar com um fascista – Reflexões sobre o Cotidiano Autoritário Brasileiro (Record, 2015), Marcia vai abordar o tema Fascistas, racistas, haters e outros bichos da internet, em que investiga as novas formas de ódio disseminado pelas redes sociais. A entrada é franca, com inscrições prévias pelo link http://bit.ly/2mxaiK3. As vagas são limitadas.

IMPORTANTE: Atingimos o limite de 100 participantes inscritos para o evento. O Ciclo acontecerá no Átrio da Fundação e a ocupação dos assentos ocorre por ordem de chegada, não havendo reserva de lugares para os inscritos previamente. De qualquer forma, é possível assistir ao debate em pé.

Com curadoria do publicitário Marco Antonio Boa Nova Valério, o ciclo Ódio Sem Fio será realizado mensalmente ao longo de 2018, trazendo pensadores e pensadoras de diferentes áreas para fomentar a discussão em torno da polarização ideológica extrema que vem marcando a vida política no País.

Marcia Tiburi é professora doutora em Filosofia e seus principais temas de pesquisa são ética, estética, filosofia do conhecimento e feminismo. É autora de diversos livros sobre filosofia e também de ficção, além de atuar como colaboradora de diversos jornais e revistas especializadas. Dentre suas publicações estão: As Mulheres e a Filosofia (Ed. Unisinos, 2002), Filosofia Cinza – a melancolia e o corpo nas dobras da escrita (Escritos, 2004); Mulheres, Filosofia ou Coisas do Gênero (EDUNISC, 2008), Filosofia em Comum (Ed. Record, 2008), Filosofia Brincante (Record, 2010), Olho de Vidro (Record 2011), Filosofia Pop (Ed. Bregantini, 2011), Sociedade Fissurada (Record, 2013), Filosofia Prática, ética, vida cotidiana, vida virtual (Record, 2014). Publicou também romances, como Magnólia (2005), A Mulher de Costas (2006) e O Manto (2009) e Era meu esse Rosto (Record, 2012).

Marco Antônio Valério atuou como repórter (Zero Hora), redator e diretor de criação (Standard, Ogilvy&Mather e McCann-Erickson) e como sócio-diretor da MAP/COM. Criou o Ciclo "Filhos Criados", realizado em 2004 e 2005, no auditório da Livraria Cultura (Shopping Bourbon Country). Organizou a coletânea de ensaios "Umbigo é nosso rei? – Considerações sobre o individualismo dos brasileiros" da qual participaram autores, como Affonso Romano de Santana, Luiz Antônio de Assis Brasil, Moacyr Scliar, Martha Medeiros, Fabrício Carpinejar, David Coimbra, dentre outros. Nos últimos anos, tem se dedicado à produção de conteúdo para multimeios.

Publicado por Patricia Canetti às 1:43 PM


dezembro 13, 2017

O teor político das artes hoje: debate com curadores no CPF do Sesc, São Paulo

Curadores de quatro exposições em cartaz em São Paulo - "Ensaio de Tração"/Estação Pinacoteca; "Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina"/Memorial da Resistência; "Levantes"/ SESC-Pinheiros; e "20o Festival de Arte Contemporânea SESC-VIDEOBRASIL"/SESC Pompéia – debatem os (des)encontros entre arte e política no Sesc.

15 de dezembro de 2017, sexta-feira, das 14h às 18h30

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc
Rua Dr. Plínio Barreto 285 – 4º andar, São Paulo, SP
11-3254-5600
Segunda a sexta, das 10h às 22h., sábados, das 9h30 18h30

APRESENTAÇÃO

Curadores de quatro exposições em cartaz em São Paulo - "Ensaio de Tração"/Estação Pinacoteca; "Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina"/Memorial da Resistência; "Levantes"/ SESC-Pinheiros; e "20o Festival de Arte Contemporânea SESC-VIDEOBRASIL"/SESC Pompéia – se reúnem no dia 15 de dezembro no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc para debaterem sobre a atual paisagem artística, destacando seu momento de ação/transformação política. São eles: Jochen Volz, Juliana Braga de Matos, Márcio Seligmann-Silva, Miguel Chaia, Ana Pato e Diego Matos, Marilia Bonas, e Priscila Arantes (Paço das Artes; PUC-SP). Na pauta das discussões, as novas versões do (des)encontros entre política e as artes.

Se desde os anos 1960 percebe-se com certa clareza um viés político das artes, como elas tensionam criticamente o mundo, não deixa de ser verdade que esse compromisso com a política se transformou. O derretimento das grandes narrativas levou tanto à crise da política e das utopias, como alavancou novas propostas heterotópicas.

As artes se inserem aí como agentes tanto de inscrição da violência institucional e cotidiana, como também enquanto agenciadoras de novas sensibilidades. Elas permitem uma ação tanto na micropolítica como além dela. Seja em exposições, nas cidades, na mídia ou na web, existe uma prática artística plural que entra em conflito e responde também aos neo-discursos-nomológicos, fundamentalistas e fascistas, que não admitem o jogo diferencial, a linguagem das artes com seu caráter aberto, criativo e desestruturador/estruturador das identidades.

PROGRAMAÇÃO

1° Mesa: 14h - 16h
Jochen Volz (co-curador de "Ensaio de Tração"/Estação Pinacoteca);
Juliana Braga de Matos (co-curadora da "Levantes"/ SESC-Pinheiros);
Márcio Seligmann-Silva (curador de "Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina"/Memorial da Resistência) -
Mediador: Miguel Chaia (PUC-SP)

2° Mesa: 16h30 - 18h30
Ana Pato e Diego Matos (curadores convidados do 20o Festival de Arte Contemporânea SESC-VIDEOBRASIL/SESC Pompéia);
Marilia Bonas (diretora do Memorial da Resistência) -
Mediadora: Priscila Arantes (Paço das Artes; PUC-SP)

Publicado por Patricia Canetti às 7:22 PM