Página inicial

Cursos e Seminários

 


outubro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

outubro 16, 2017

Em Debate: Conservação e preservação no Brasil no IEA-USP, São Paulo

Jornada crítica realizada em parceria com o IEA-USP, a Universidade Federal de Pelotas e a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin lançam a primeira mesa: Atuação do Conservador-Restaurador: O Conservador de Museu e o Conservador de Ateliê.

Convidados: Ana Carolina Delgado Vieira (Museu de Arqueologia e Etnologia da USP - MAE), Karen Barbosa (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP), Stephen Schäfer (Stephan Schäfer Conservação e Restauro Ltda) e Teresa Cristina Toledo de Paulo (Museu Paulista da USP); Mediadora: Isis Baldini; Relatora Crítica: Verônica Spnela

26 de outubro de 2017, quinta-feira, às 10h - inscrições até dia 18!

Instituto de Estudos Avançados da USP - IEA-USP - Sala de Eventos
Rua da Praça do Relógio 109, bloco k, 5º andar, Cidade Universitária, São Paulo, SP

O objetivo principal deste conjunto de debates é reunir especialistas de diversas áreas da conservação e restauração de bens culturais, tais como museólogos, conservadores, restauradores, curadores e cientistas da conservação, para discutir tópicos de relevância com transmissão online e participação em tempo real dos espectadores, permitindo acesso e participação o mais abrangente e democrático possível.

Inscrições
Somente serão necessárias para participação presencial e a seleção será por ordem de inscrição, sendo condicionada à capacidade do auditório.

As inscrições para a primeira mesa ocorrerá de 13 a 18/10, através do e-mail bbm@usp.br

A confirmação das inscrições será enviada por e-mail até dia 20/10.

Transmissão
O evento será transmitido pelo IEA Aqui e o Fórum Permanente Aqui

Organização
Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM - USP)
Departamento de Museologia, Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas (DMCOR-UFPEL)
Grupo de Pesquisa Fórum Permanente: Sistema Cultural entre o Público e o Privado pertencente ao Instituto de Estudos Avançados (IEA – USP)

Publicado por Patricia Canetti às 11:53 AM


IV Encontro do Grupo MODOS: Histórias da Arte em Museus - chamada de resumos

Edital – IV Encontro do Grupo MODOS: Histórias da Arte em Museus
Universidade de Brasília
04 a 07 de dezembro
Envio dos resumos até 30 de outubro
Organização: Grupo MODOS
Realização: Programa de Pós-graduação em Arte da Universidade de Brasília e Grupo MODOS.
Apoio: Departamento de Artes Visuais/UnB; Programa de Apoio a Eventos no País PAEP/CAPES;
PPGCINF/UnB; PPGGAV EBA/UFRJ; PPGARTE/UERJ; PPGAV-Unicamp; PPGAV-EBA-UFBA e PPGAV-UFRGS.

1. Tema: Histórias da Arte em Museus
Trata-se de lugar comum estabelecer relações entre museus de arte e a história da arte. Nossa proposta é inverter e aprofundar o debate, sem tomar o museu como mero acolhedor de obras que possibilitariam narrativas derivadas da história da arte. Antes, o Encontro busca apontar a História da Arte como organizadora das narrativas decupadas pelas instituições. Temos, desta forma, uma especulação diretiva: tal organização merece atenção particular visto que parece produzir novas configurações, reorganizações, usos e abusos de toda espécie. Propomos, assim, uma inversão: qual “história da arte” os museus nos oferecem? Essa perspectiva busca explicitar e apontar o museu como espaço privilegiado para a atuação profissional do historiador da arte, bem como lugar específico para suas pesquisas. No Brasil, a presença dos museus de arte é nova. Se não levarmos em conta as coleções e os acervos dos oitocentos, só a partir do início do século XX temos de fato instituições dedicadas à produção artística, em especial a das artes visuais. Data da primeira metade do século XX a emergência de nosso ciclo tradicional-moderno de instituições museológicas: Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu Nacional de Belas Artes, Museu de Arte de São Paulo e os museus de arte moderna do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Florianópolis. Na segunda metade do século outras dezenas de museus de arte foram fundados. Grandes centros como Belo Horizonte, Porto Alegre, Belém, Recife, Salvador, Cuiabá, Brasília, Fortaleza, Curitiba e Goiânia viram surgir variadas instituições, com acervos heterogêneos. Do mesmo modo, cidades de diferentes latitudes conceberam na passagem para o século XXI seus próprios museus, dedicados a refletir ambições culturais e patrimoniais específicas. Hoje a lista é grande. Debater uma nova postura do historiador da arte frente aos museus, de modo a capacitá-lo a compreender seu papel não apenas como usuário de tais instituições, mas como agente necessário, ao lado de tantos outros, para as práticas museológicas contemporâneas nos parece o ponto fundamental e o objetivo maior do evento. Assim sendo, nos perguntamos como historiadores da arte, na compreensão de sua expertise, podem impactar no modo como as instituições selecionam, narram, arquivam e expõem Arte.

2. Objetivo do Encontro
O Grupo de Pesquisa MODOS - História da Arte: modos ver, exibir e compreender busca em seu quarto Encontro discutir uma questão pontual: qual História da Arte narram, veiculam e debatem as instituições museológicas brasileiras e internacionais? O evento procura consolidar a discussão sobre como os museus são espaços privilegiados não apenas para veicular narrativas que consolidam a história da arte, mas também como espaços de atuação profissional para o historiador da arte. Nesse tocante, o evento ajudará a aproximar profissionais de distintas formações na compreensão do museu enquanto ambiente científico e profissional. Em especial, historiadores, historiadores da arte e museólogos. Assim, o museu não será debatido apenas como lugar de exibição e arquivamento, mas como espaços de constituição de distintas “histórias das artes”, importantes para a circulação da produção artística, crítica e historiográfica dedicada às artes visuais em suas várias dimensões. “Histórias das artes” que instituem como percebemos, interpretamos e divulgamos a produção artística. Nesse tocante, partimos de uma antiga aliança, mais ou menos consensual, entre a constituição dos museus modernos de arte e a consolidação da história da arte como disciplina. Os museus de arte possuem presença destacada no mundoocidentalizado diante de seus pares dedicados às ciências, à antropologia, à história, à tecnologia etc.. Tal destaque está sobremaneira vinculado ao modo como muitos de nós privilegiamos parte da cultura material, oferecendo a ela o estatuto de arte. O debate é longo. O IV Encontro pode contribuir para o debate do lugar da Arte em nossas sociedades, de modo a compreender como os museus de arte constituem alianças poderosas com os discursos patrimoniais, identitários, com o sistema de trocas do capitalismo internacional, acionando redes tão antigas como a da educação escolar, tão flexíveis e voláteis como a do turismo cultural. Desta forma, o evento busca debater “histórias das artes” afetadas por essa ordem de alianças, trocas e usos.

3. Estrutura
O IV Encontro do Grupo MODOS: Histórias da Arte em Museus será composto por conferências, palestras e comunicações devotadas ao tema do evento. O encontro acolherará comunicações em português e espanhol. As submissões são avaliadas pela Comissão Científica do evento.
As submissões e inscrições dos trabalhos aceitos serão gratuitas.

4. Envio dos Resumos
As propostas para comunicação no evento serão avaliadas por meio da submissão de resumos. Os resumos devem conter: nome do proponente; instituição de origem; titulação máxima obtida; título da comunicação na formatação: fonte Arial, tamanho 11, em negrito e caixa alta, alinhamento justificado e itálico para palavras estrangeiras. Abaixo deve vir o resumo com até 20 linhas e na formatação: fonte Arial, tamanho 11, espaçamento simples, alinhamento justificado e margens 2,5 cm. Não serão aceitos resumos que contenham notas e imagens. Os resumos devem ter até 250 palavras. Além do resumo, o proponente deve enviar um mini-currículo de até 5 linhas, na formatação: fonte Arial, tamanho 11, espaçamento simples, alinhamento justificado.

Serão aceitos trabalhos submetidos por um número máximo de dois autores. No caso de co-atuoria será necessário o envio dos mini-currículos e dados dos autores.
Os resumos em português/espanhol serão avaliados segundo os seguintes critérios: relevância e pertinência do tema à proposta do Encontro; legibilidade da proposta enviada; clareza na exposição das ideias; coerência do quadro teórico ao tema e atendimento do presente Edital.

Resumos serão recebidos até o dia 30 de outubro de 2017 pelo e-mail 4egmodos@gmail.com
As apresentações terão duração máxima de 15 minutos.
Os proponentes cujos resumos forem aceitos serão contatados via email até 10/11/17.

5. Envio dos Textos Completos
Os textos finais, para publicação nos anais eletrônicos do evento, serão recebidos até 30/01/2018, pelo e-mail 4egmodos@gmail.com, na seguinte formatação: formato .doc, fonte Arial, tamanho 11, espaçamento 1,5, alinhamento justificado, margem esquerda e superior 1,5, margem direita e inferior 2 cm; mínimo de 4mil palavras; máximo de 5 mil palavras, título em Arial, tamanho 11, em caixa alta e negrito; autor abaixo do título e alinhado à direita com nota de fim de página constando instituição de origem, titulação e agência financiadora (para bolsistas); citações entre aspas até 3 linhas, no corpo do texto com indicação das referências entre parênteses (SOBRENOME DO AUTOR, ano de publicação: páginas); citações maiores seguem a mesma fonte, tamanho 10, com recuo de 4 cm e referências acompanham a formatação mencionada; bibliografia segundo normas da ABNT; páginas numeradas na margem superior direita; notas de fim em números sequenciais, fonte Arial, tamanho 10, espaçamento simples, justificadas. São permitidas até 5 imagens alocadas dentro do texto, acompanhadas das legendas (Nome do artista; título da obra, datação; técnica; dimensões; localização - museu, coleção etc -; fonte da imagem reproduzida).

6. Inscrição de Ouvinte
Ouvintes devem inscrever-se antecipadamente até o dia anterior à abertura do evento. A frequência de 90% garantirá ao ouvinte um certificado de participação, sendo exigido que assine a lista de presença durante o período de ocorrência do Encontro.

Comissão Científica
Dra. Ana Lúcia de Abreu Gomes – Universidade de Brasília
Dr. Marco Pasqualini de Andrade – Universidade Federal de Uberlândia
Dra. Marize Malta – Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dra. Raquel Henriques da Silva – Universidade Nova de Lisboa
Dra. Vera Beatriz Siqueira – Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Dra. Vera Pugliese – Universidade de Brasília

Comissão Organizadora – Universidade de Brasília
Ms. Anna Paula da Silva
Ms. Bianca Andrade Tinoco
Dr. Emerson Dionisio Gomes de Oliveira
Dra. Maria do Carmo Couto da Silva
Ms. Maria de Fátima Medeiros de Souza
Ms. Marijara Queiroz
Dra. Monique Magaldi
Ms. Pedro Ernesto Freitas Lima
Ms. Renata Azambuja

Equipe - – Universidade de Brasília
Clarissa Coelho de Castro
Fernanda Werneck Côrtes
Juliana Pereira Sales Caetano

Grupo MODOS - https://gpmodosdever.wordpress.com
Dra. Ana Maria Albani de Carvalho – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Dra. Ana Maria Tavares Cavalcanti – Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dr. Emerson Dionisio Gomes de Oliveira – Universidade de Brasília
Dr. Luiz Alberto Freire - Universidade Federal da Bahia
Dr. Luiz Cláudio da Costa – Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Dra. Marize Malta - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dra. Maria de Fátima Morethy Couto – Universidade Estadual de Campinas

Publicado por Patricia Canetti às 11:41 AM


outubro 10, 2017

Jornadas de Outubro na EAV Parque Lage, Rio de Janeiro

Enquanto o Dia da Criança no Brasil é festejado no dia 12 de outubro, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage estende a comemoração ao mês inteiro com jornadas dedicadas a crianças de todas as idades.

Importa dotar pessoas jovens de sensibilidade artística "mesmo que nunca mais peguem num lápis ou num pincel." (Mário Pedrosa)

APRESENTAÇÃO

Jornadas de Outubro , programa público da Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, entra na sua segunda edição graças ao apoio da marca A Fábula, oferecendo diversas oficinas criativas e encontros educativos. Outubro é uma data que a EAV elegeu para repensar o mundo sob a perspectiva daqueles que carregam o arrojo das mudanças. À frente estão os organizadores: Ana Luiza Fonseca, Lisette Lagnado, Ulisses Carrilho e Rosa Melo.

No mês tradicionalmente dedicado à criança, a EAV receberá também escolas municipais e estaduais para atividades gratuitas (fechadas) desenvolvidas por educadores do núcleo pedagógico parquinho lage .
Uma parceria extramuros com o Redes de Desenvolvimento da Maré levará também oficinas extramuros da EAV para o Complexo da Maré. Dando continuidade ao compromisso de valorizar a pluralidade de origens da cultura brasileira, o Jornadas traz representantes Kaingang e histórias do universo da mitologia
africana.

PROGRAMAÇÃO RESUMIDA (ao longo do mês, cada oficina será conduzida por um artista educador, valorizando meios de "tirar alegria não só das coisas grandes como das coisas insignificantes e pequeninas" (Mário Pedrosa).


12 de outubro

Atividade aberta ao público e gratuita
De Criança para Criança – Artes Marciais Infantis, com Tuan, mostrando diferentes estilos de luta e técnicas de autodefesa
Horário: das 14h às 15h
Local: Chafariz

Atividade aberta ao público e gratuita
Vivências... na ciranda da vida, oficina de percussão e ciranda com Lia de Itamaracá
Horário: das 15h às 17h
Local: Salão Nobre e piscina

Atividade aberta ao público e gratuita
Piscina liberada para crianças (acompanhadas pelos pais)
Horário: das 15h às 17h
Local: Piscina

15 de outubro
Atividade aberta ao público e gratuita
Orquestra e Coro Nova Sinfonia
Horário: das 16h às 17h
Local: Chafariz

Obs: A Orquestra e Coro Nova Sinfonia é formada por crianças e jovens, traz 42 músicos que realizarão um concerto aberto. Os visitantes poderão usufruir do seguinte repertório:
1. Pout-pourri The Beatles
2. Handel - Hallelujah
3. Ennio Morricone - O bom, o mau e o feio
4. Villa Lobos - Trenzinho Caipira
5. Michael Jackson - Thriller
6. Tom Jobim - Trem de Ferro
7. Cazuza - Pro dia nascer feliz
8. Queen - Bohemian rhapsody


18 de outubro
Atividade aberta ao público e gratuita , em parceria com Redes de Desenvolvimento da
Maré, serão abertas 20 vagas para as oficinas "Mitologias Afro-Brasileiras", de Bruno
Balthazar e "Artistas Viajantes por Universos Imaginados", de João Kammal.
Horário: das 14h às 17h
Local: Sala das Crianças

22 de outubro/ ENCERRAMENTO

Atividade aberta ao público e gratuita
Destaque: "Modelo Vivo, Modelo Bicho", com Laura Lima
A artista Laura Lima conduz uma aula performativa de desenho de modelo vivo, a partir da observação de animais nas Cavalariças da EAV Parque Lage em parceria com Instituto Vida Livre (organização brasileira que cria e desenvolve projetos de reabilitação e conservação da fauna silvestre), e apoio IBAMA e ICMBIO. Horário: das 14h às 17h
Local: Cavalariças

Crianças, jovens, trabalhadores, desempregados e aposentados, poetas e políticos, transviados e cis, malabaristas e cientistas, profanos e amadores da arte serão convidados a desenhar diversos bichos trazidos especialmente para um grande exercício imaginativo e criativo. Para a ocasião contaremos com as ilustres presenças de uma arara, um tucano, uma coruja, um jabuti, um tamanduá, uma jibóia, três pulgas, e outros...


Atividade aberta ao público e gratuita
Apresentação e mostra
“Desafios de vida livre: o tráfico de fauna silvestre no Rio de Janeiro”
com Roched Seba I Instituto Vida Livre e Taciana Sherlock I IBAMA
Horário: das 14h às 17h
Local: sala ICMbio

Atividade aberta ao público e gratuita
Inventando Geometrias, com Yasmim Flores (A Fábula promove a criação coletiva de um painel de estamparia corrida, a partir de matrizes afro-ameríndias)
Horário: das 10h30 às 13h30
Local: Sala 1

Atividade aberta ao público e gratuita
Fome de mistura, Coletivo Kókir (consiste numa roda de conversa seguida da construção de petecas, que unem a tecnologia manual indígena aos aspectos lúdicos e cotidianos dos jogos, por meio da construção de um brinquedo)
Horário: das 15h30 às 18h30
Local: Oca


Maiores informações:
As inscrições são gratuitas para todas as atividades.
Secretaria de ensino: tel.: 21- 2334-4088 (com Katia Rosendo e Carolina Azeredo)
Segunda-feira a quinta-feira, das 11h às 19h30
Sexta-feira, das 9h às 17h. Sábado das 9h às 12h -
Saiba mais: http://eavparquelage.rj.gov.br



ARTISTAS E EDUCADORES

Alexis Zelensky
Cineasta franco-russo, depois de se formar em Matemática em Paris, Alexis estudou Ciências Políticas no Chile. Dirigiu documentários em diferentes países como França, Togo, Niger, Rússia, Chile e Brasil. Alguns de seus filmes foram difundidos em canais de televisão como TV5 Monde, CineBrasil TV e Canal Futura. Realizou também ateliês de cinema para crianças na Cinémathèque Robert Lynen em Paris. Atualmente integra o corpo de artistas educadores do parquinho lage da EAV, dirige uma série para o CineBrasil TV e um documentário para o SESC – SP, ambos sobre o tema da imigração no Brasil.

Bruno Balthazar
Formou-se em Artes cênicas pela Uni-Rio em 2001 e desde então é professor de artes e mídia educação. Como ator trabalhou em companhias de teatro e com diretores como Ana Kfouri e Bia Lessa. Sua vida no universo da cultura afro-brasileira começou aos quatro anos de idade quando foi batizado na Umbanda. Aos dezesseis anos iniciou-se no Candomblé e aos trinta e dois no culto a Ifá. É integrante do coletivo de artes Rebola onde atua como pesquisador, Dj e produtor em parceria com o artista visual João Penoni; da instituição de arte e educação “Solar dos Abacaxis”; e do corpo de artistas educadores do parquinho lage
da EAV.

Coletivo Kókir
O Coletivo Kókir, que significa “fome", em língua Kaingang, explora noções da antropologia e arte, contemporânea, constituindo a situação de não lugar dos indígenas no Paraná. Para isto, traz obras realizadas com os Kaingang da terra indígena Ivaí (PR), produzidas no período em que permanecem na Associação Indigenista – ASSINDI – Maringá. Atualmente, o projeto é formado pelos artistas Tadeu dos Santos e Sheilla Souza, ampliando o número de participantes de acordo com as ações a serem realizadas. Foram finalistas do 1º Prêmio Select de Arte e Educação (2017). Para a atividade “Fome de Mistura”, que apresentam no Jornadas de Outubro, também estarão presentes Ana Maria Silva Kariri, o cacique Felix Karaí Brisuela e Niara do Sol .

/Ana Maria Silva Kariri viveu com sua avó Kariri até os 7 anos, depois veio com sua mãe para o Rio de Janeiro. Naquele momento presenciou o problema da fome e desnutrição infantil nas terras indígenas do Nordeste. Retornou a comunidade Kariri algumas vezes, mas conta que “só agora está fazendo o caminho de volta”, para registrar a história da sua família e de sua etnia. Em 2018 participará do registro da reconstrução da história do povo Kariri. Em seu caminho de volta, Ana começou a reunir todas as informações possíveis sobre a história de sua avó, nascida em 1920. Ana é, como muitos brasileiros, a personificação da resistência indígena em busca do reconhecimento e da valorização de sua identidade.

/Cacique Felix Karaí Brisuela , de 70 anos de idade, pertence à etnia Guarani Mbyá e atualmente
vive em itaipuaçu, distrito de Maricá (RJ). Lá ele conheceu a terra indígena Guarani Ara Owy Re,
onde vivem cerca de 25 pessoas. Estar sempre caminhando é a condição de vida do povo
Guarani, em busca de Iwy Porã, a Terra sem males. Este é um lugar de abundância e felicidade,
local que, segundo a cultura Guarani, não existe fome, nem necessidades.

/ Niara do Sol , Pajé-terapeuta da etnia Funil-ô/Kariri-Xokó, de Pernambuco.

Júlio Castro
Artista e coordenador do Estúdio Dezenove em Santa Teresa. Ex-aluno da EAV Parque Lage, é graduado em Gravura pela EBA-UFRJ e trabalha principalmente com imagem gráfica. Realizou exposições no Espaço Cultural Sergio Porto (2000), Galeria Cândido Mendes (2001), Centro Português de Serigrafia (Lisboa, 2007), Galeria Marcantônio Vilaça (Bruxelas, 2008).

João Kammal
Graduado em design pela PUC-Rio, com pós graduação em Psicomotricidade somática, pelo instituto Anthropos, RJ. É professor de ilustração na Escola Parque desde 2016 e, como facilitador do projeto Cadernos & Caminhos, leva pequenos grupos pelo interior do Brasil, investigando através do desenho o registro sensível dessas experiências.

Laura Lima
Estudou na EAV Parque Lage e é graduada em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Constrói obras com a participação de seres vivos. Expôs em diversas mostras nacionais e internacionais, entre elas duas Bienais de São Paulo (1998 e 2006) e a Biennale de Lyon de 2011.

Lia de Itamaracá
Dançarina , compositora e cantora de ciranda brasileira , Lia sempre morou na Ilha de Itamaracá e ainda criança começou a participar de rodas de ciranda. É considerada a mais famosa cirandeira do Brasil. Além de Lia, para a atividade “Vivências... na ciranda da vida”, participarão Cristina Campolina Vilas Boas, Toinho, Bibil, Bio Negão, Tony Boy, Ganga, Cláudio, Severina e Dulce.

Luana Vieira Gonçalves
Graduada em arte visuais pela UNICAMP. Trabalhou 3 anos no Centre Georges Pompidou, dentro da Galerie des Enfants, como mediadora e educadora artística. Fez o mestrado em arte contemporânea na Universidade Paris VIII. Viveu no Togo onde coordenou e participou de um intercâmbio entre crianças togolesas e brasileiras. No Brasil trabalhou como arte educadora com crianças em situação de rua no projeto Casa Guadalupana (instituto Padre Haroldo), participou das Jornadas de Outubro no Parque Lage e foi educadora do projeto Curumim no SESC-SP. Atualmente é arte educadora no Parquinho Lage, oferece cursos no SESC-SP e integra o coletivo Desenhação.

Orquestra e Coro Nova Sinfonia
A Nova Sinfonia é uma orquestra jovem formada pelos alunos da Escola de Música e Cidadania, uma iniciativa da Agência do Bem, organização da sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos e sem finalidade religiosa ou político-partidária.

Pedro Rocha
Idealizador do FalaPalavra (com os poetas Chacal, Guilherme Zarvos, Michel Melamed, Viviane Mosé, Eber Inácio, Ericson Pires, Guilherme Levi). Tem trabalhos publicados em diversas revistas como O Carioca, Et. Cétera, O Pasquim, Cepensamento, entre outras. É autor de 11 (Azougue, 2002), Chão Inquieto (7letras, 2010) e A Experiência do Calor – Jardim só Flor (cArtonerA cArAAtApA, 2013). Integra a antologia Cajita de Música – poetas hispanoamericanos del siglo XXI, organizada por Augusto Rodriguez (2011). Em 2014 lançou o selo LábiaGentil em parceria com A Gentil Carioca, Dantes Editora e Pedro Lago, onde editou o livro “Experiência do Calor”, com o artista visual Cabelo.

Pequeno Lab (Marrytsa Melo e Filipe Machado)
O pequenoLAB é formado pela dupla Marrytsa Melo e Filipe Machado. Marrytsa é artista visual e mestre em Estudos Contemporâneos das Artes (UFF). Filipe é cientista ambiental (UNIRIO), pesquisador da ciência livre. Desde 2013 o projeto atua como um laboratório de inventos e pesquisas em artes visuais, tecnologia e meio ambiente. Trabalha realizando diversos cursos, oficinas e vivências a partir de uma metodologia transdisciplinar para crianças e jovens. Ambos integram o corpo de artistas educadores do parquinho lage da EAV

Patrícia Alves Dias
É cineasta especializada pelo National Film Board of Canada e Embrafilme e foi artista residente nos Estúdios de Cinema de Barrandov Jirí Trnka, na República Tcheca. Tem mestrado em educação pela UERJ na área de infância, juventude e cultura contemporânea e atua como criadora e produtora de filmes para/com crianças e jovens. Foi produtora-criadora da série de filmes para crianças "Juro que Vi" (Japaz Prize) e Carta Animada pela Paz (Prêmio Unesco Melhores Práticas de Mídia nas Escolas da América Latina)
na Multirio. Integra o corpo de artistas educadores do parquinho lage da EAV

Tuan
Aficionado por artes marciais, Tuan, de 8 anos de idade, é filho dos artistas Nadam Guerra e Jaya Pravaz. Tuan será mestre por um dia na EAV Parque Lage, participando da programação "De criança para criança", com uma aula de artes marciais infantis.

Yasmim Flores
Estudou na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) de São Paulo, com formação complementar na École Nationale des Beaux-Artes de Paris. Sua pesquisa busca a integração de diferentes linguagens artísticas como desenho, pintura, dança, performance e instalações cenográficas. Trabalhou como educadora de artes na escola infantil Casa Redonda e já ministrou cursos para crianças no SESC SP e no Centro Cultural Unibes. Integra o corpo de artistas educadores do parquinho lage da EAV

Zoè Gruni
Graduada em Pintura pela Accademia di Belle Arti di Firenze, Itália. Já participou de exposições no Museu da República (Rio de Janeiro, 2016), La Torre di Babele, Centro Pecci Prato (Itália, 2016), Stadtgalerie, Kiel (Itália/Alemanha, 2014-2015), Biennale Giovani Monza (Itália, 2011). Foi artista residente na FAAP de São Paulo em 2013 e em Raid Projects – Eastside International de Los Angeles em 2011. Trabalhou com a Galeria Progetti no Rio de Janeiro. Atualmente colabora com a Galerie Depardieu de Nice (França) e seu trabalho é representado pela Galleria Il Ponte de Florença (Itália). É professora da EAV Parque Lage.

Publicado por Patricia Canetti às 12:50 AM


outubro 4, 2017

I Simpósio Internacional de Relações Sistêmicas da Arte - chamada de trabalhos

I Simpósio de Relações Sistêmicas da Arte “Arte além da Arte”, que acontecerá no início de abril de 2018, se propõe a debater as transformações do(s) modo(s) de operação pelo qual passa a produção das artes visuais vem passando. Evento transdisciplinar em essência, visa abrir o diálogo entre pesquisadores das Artes, Sociologia, Antropologia, Filosofia, Letras, Tecnologia, Ciências e de todas as demais áreas interessadas em pensar o tema. Para tanto, o evento está organizado nos seguintes núcleos temáticos: Entrecruzamentos de campos nos processos artísticos; O sistema da arte na economia de mercado; Ser local, estar global: processos em trânsito.

Inscrição de comunicações até 31 de outubro de 2017

Instituto Goethe
Rua 24 de Outubro 11, Independência, Porto Alegre, RS

EDITAL – CHAMADA DE TRABALHOS

ARTE ALEM DA ARTE

I Simpósio Internacional de Relações Sistêmicas da Arte

08, 09 e 10 de abril de 2018
Instituto Goethe - Porto Alegre6

1. Do tema: “Arte Além da Arte”

Da produção ao acesso, as artes visuais têm se movido ao longo dos tempos por força de arranjos entre agentes e instituições, que juntos atuam na criação e condução das estruturas legitimadoras e na definição de conceitos do que é ou não arte. No entanto, a lógica de produção, circulação, legitimação e consumo está associada também a outras esferas que não as específicas do contexto artístico, colocando em evidência as conexões inerentes ao desenvolvimento do sistema da arte.

Nesse sentido, I Simpósio de Relações Sistêmicas da Arte “ARTE ALÉM DA ARTE” se propõe a debater as transformações do(s) modo(s) de operação pelo qual passa a produção das artes visuais vem passando.

Evento transdisciplinar em essência, visa abrir o diálogo entre pesquisadores das Artes, Sociologia, Antropologia, Filosofia, Letras, Tecnologia, Ciências e de todas as demais áreas interessadas em pensar o tema. O Simpósio busca reunir pesquisadores que tenham interesse na ampla gama de relações possíveis que permeiam o fazer artístico, sua legitimação, visibilidade, circulação e acesso.

Resultado do trabalho do Grupo de Pesquisa Territorialidade e Subjetividade: Relações Sistêmicas da Arte, vinculado ao CNPq pelo PPGAV/UFRGS, em parceria com o Instituto Goethe de Porto Alegre, o Simpósio propõe abrigar discussões que vislumbrem entrecruzamentos entre local e global como uma característica inerente ao mundo da arte contemporânea, esperamos questionar a noção de autonomia da arte nos dias de hoje, explicitando as novas relações de poder face a um campo artístico cada vez mais heterônomo; e também analisar as instâncias de legitimação contemporâneas e seus mecanismos; bem como a sobreposição de antigos atores em novos papéis: artistas-curadores, críticos-galeristas, diretores de instituições-colecionadores e o paradoxo da alta especialização do campo artístico x a constante necessidade de agregar novas competências ao perfil profissional. Isso tudo sem deixar de atentar para as reverberações éticas e estéticas das atuais configurações do sistema, constituídas em meio a processos históricos amplos e complexos.

Para tanto, o evento está organizado nos seguintes núcleos temáticos:

1. Entrecruzamentos de campos nos processos artísticos: Arte fora si – arte que foge aos princípios pré-estabelecidos, busca novas formas de ação e reflexão, expande a compreensão do conceito de arte, faz uso de novos meios tecnológico-digitais e procedimentos que transformam as relações do trabalho artístico, bem como, exercem forças de renovação a antigas práticas;

2. O sistema da arte na economia de mercado: Discute a transformação do sistema da arte, centrando o debate nos processos de institucionalização, financeirização e empresariamento pela qual a produção artística e as instituições culturais têm sido conduzidas em meio ao protagonismo da economia de mercado na construção de valores na contemporaneidade;

3. Ser local, estar global: processos em trânsito: Feiras, bienais e grandes exposições. Transformações do mundo contemporâneo: circulação de pessoas, informações e bens, pontes de diálogo entre o local e o global, suas contradições e conexões. A construção de hegemonias e o reforço das margens. Com pensar relações centro-periferia hoje.


2. Da Estrutura

O I Simpósio de Relações Sistêmicas da Arte “Arte Além da Arte” aceitará comunicações em português, espanhol e inglês que serão submetidas à Comissão Científica, além da conferência principal e de debates dos Núcleos Temáticos, com pesquisadores convidados.

Na categorias Comunicações, será permitido o número máximo de três autores por trabalho. No caso de trabalhos com co-autoria, será necessário envio dos comprovantes de inscrição de todos os autores indicados na Ficha de Submissão de Resumo.

Os resumos em português/espanhol e inglês submetidos serão avaliados segundo os seguintes critérios: relevância e pertinência do tema à proposta do Simpósio; adequação do trabalho à modalidade pretendida; clareza na exposição das ideias; coerência do quadro teórico ao tema.

3. Cronograma

1a fase - 31 de outubro de 2017
Prazo final para inscrição de comunicações, mediante o envio da ficha de submissão

2a fase - 1o. de dezembro de 2017
Divulgação da lista de comunicações aceitas

3a fase - Pagamento até 26 de janeiro de 2018
R$75,00 (estudantes) e R$150,00 (profissionais)
Pagamento até 05 de março de 2018
R$90,00 (estudantes) e R$190,00 (profissionais)
O pagamento das inscrições deverá ser realizado somente após o aceite das comunicações, em conta bancária a ser divulgada em breve.

4a fase - 05 de março de 2018
Prazo final para envio textos completos das comunicações por e-mail. Os textos não enviados até esta data não entrarão nos anais do evento

5a fase - 08 de março de 2018
Divulgação da programação completa do evento

6a fase - 08, 09 e 10 de abril de 2018
Realização do evento

4. Submissão de Resumos de Comunicações

PERÍODO: 02 de julho a 31 de outubro de 2017

4.1 Deve constar da Ficha de Submissão de Resumo em anexo, em português e inglês, conforme as seguintes normas: Nome do(s) autor(es), Nome do orientador, no caso de graduandos ou pós-graduandos, vínculo institucional, Título do trabalho, Resumo, três a cinco palavras-chave. A Ficha de Submissão de Resumo, segundo o modelo abaixo, como arquivo aberto formato Word, extensão "docx”, deverá ser enviada juntamente com o comprovante de pagamento em anexo, exclusivamente para o endereço eletrônico: 1simposioirsa@gmail.com

4.2 No Campo Resumo, devem ser preenchidos, na Ficha de Submissão de Resumo, mantendo-se espaçamento simples:

4.2.1 O Título do trabalho, utilizando-se caixa-alta (CA) apenas na primeira palavra e o restante em caixa baixa (CB), fonte Arial 14, negrito, centralizado. O uso de itálico deve ser reservado a palavras estrangeiras. Pular uma linha.

4.2.2 Escrever o nome do autor, precedido pela titulação (se houver) sem negrito, Arial 12, justificado à direita (se houver mais de um autor, seu/s nome/s deve/m constar nas linhas subsequentes). A instituição de origem dos autor/es deve/m constar na linha abaixo de seu/s nome/s. Pular duas linhas.

4.2.3 O Resumo deve conter entre 500 e 700 caracteres com espaços, em Arial 12, justificado, podendo-se utilizar itálico apenas nas palavras de língua estrangeira, sem citações, referências bibliográficas ou imagens. Pular uma linha.

4.2.4 Palavras-chave: três a cinco, separadas por vírgulas, Arial 11, justificado. Pular duas linhas

4.2.5 Currículo resumido de até 3 linhas por autor. No caso de orientandos de Iniciação Científica ou de pós-graduandos, deve constar o nome do orientador.

5. Envio de Comunicações

PERÍODO: até 5 março de 2018

5.1. A Comunicação deve ser enviada até o dia 5 março de 2018, conforme as normas abaixo, exclusivamente para o endereço eletrônico: 1simposioirsa@gmail.com, em arquivo formato Word, extensão “docx”, margens: superior 3 cm, inferior 2 cm, esquerda 3 cm e direita 2 cm. Os textos não devem conter tabulação, colunas ou separação de sílabas hifenizadas. Os textos e as comunicações poderão ser apresentadas em português, inglês e espanhol.

5.2. O Título do trabalho, utilizando-se caixa-alta (CA) apenas na inicial e o restante em caixa baixa (CB), fonte Arial 14, negrito, centralizado, reservando-se o itálico para palavras estrangeiras, espaçamento 1,5. Pular uma linha.

5.3. Escrever o nome do autor, precedido pela titulação (se houver) sem negrito, Arial 12, espaçamento 1,5 justificado à direita (se houver mais de um autor, seu/s nome/s deve/m ser constar nas linhas subsequentes). A instituição de origem dos autor/es deve/m constar na linha abaixo de seu/s nome/s. Em nota de rodapé deve ser colocado um currículo resumido de até 3 linhas por autor. No caso de estudantes de Iniciação Científica ou de Pós-graduandos, deve constar o nome do orientador no currículo resumido. Pular duas linhas.

5.4. O Texto deve ser escrito em Arial 12, espaçamento 1,5, justificado, podendo-se utilizar itálico apenas nas palavras de língua estrangeira. As citações até a três linhas devem estar no corpo do texto, entre aspas e, acima disto, deve-se recuar o texto em 4 cm da margem esquerda, Arial 11, espaçamento simples. As imagens, em número máximo de 3 (cada imagem não deve ultrapassar 10 cm na dimensão maior, com resolução de 300 dpi), devem estar presentes no texto já na localização desejada, precedida por uma linha. Abaixo dela/s, deve-se colocar a legenda em Arial 10, espaçamento 1, centralizado e pular uma linha.

5.4.1. As referências textuais devem ser indicadas entre parênteses, no corpo do texto, com nome do autor em CA, ano da publicação e página/s, p.e. (WARBURG, 2000: 156-157), no corpo do texto, e remetidas às Referências, ao final do texto. No caso de mais de uma publicação de um autor no mesmo ano, elas devem ser diferenciadas por a, b etc. após a data, conforme constará nas Referências, p.e. (SANTOS, 1998a: 95).

5.4.2. As notas de rodapé, em algarismos arábicos, devem ser em número reduzido e reservadas a explicações adicionais.

5.5. O texto deve conter entre 18.000 e 22.000 caracteres com espaços, incluindo as Referências.

5.6. As Referências, sejam elas bibliográficas ou eletrônicas, deverão ser colocadas no final do texto, em ordem alfabética por autor.


6. Das inscrições

6.1 As inscrições devem ser enviadas, segundo os prazos mencionados, para o e-mail:
1simposioirsa@gmail.com

Comunicadores/as
Profissionais - R$ 150,00 / R$ 190,00
Estudantes - R$ 75,00 / R$ 90,00
Primeiro valor Até 26/01/2018, segundo Até 05/03/2018

Ouvintes
Público geral - R$ 50,00 / R$ 70,00
Estudantes - R$ 25,00 / R$ 40,00
Primeiro valor Até 26/01/2018, segundo Até 08/04/2018

6.2. Inscrições de Resumo de Comunicação.

As inscrições das Propostas de Comunicação deverão ser realizadas mediante o envio da Ficha de Submissão até o dia 31 de outubro, em anexo, e o envio da cópia digitalizada do comprovante de pagamento somente das propostas aceitas até 05 de março de 2018.

6.3 Inscrições de ouvintes:
Devem ser realizadas mediante envio de Ficha de Inscrição, em anexo, até 08 de abril de 2018 ou durante o evento.
6.4 Dados da conta bancária para depósito das inscrições:
Em breve será divulgado.

I Simpósio de Relações Sistêmicas da Arte

Coordenação:
Profa. Dra. Maria Amélia Bulhões

Comissão Organizadora:
Bruna Fetter
Nei Vargas da Rosa

Consultoria Técnica-Institucional:
Alberto Semmler

Comissão Científica:
Profa. Dra. Adelaide Duarte (Universidade Nova de Lisboa, Portugal)
Dra. Bruna Fetter (Pesquisadora e curadora independente, Porto Alegre, Brasil)
Profa. Dra. Ana Leticia Fialho (Ministério da Cultura, Brasil)
Prof. Dr. Emerson Dionísio (Universidade Federal de Brasília, Brasil)
Prof. Dr. Jorge Menna Barreto (Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Brasil)
Profa. Dra. Lisbeth Rebollo Gonçalves (Universidade de São Paulo, Brasil)
Profa. Dra. Lygia Dabul (Universidade Federal Fluminense, Brasil)
Profa. Dra. Maria Lucia Bueno (Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil)
Profa. Dra. Nathalie Moureau (Université Paul-Valéry Montpellier, França)
Prof. Dr. Ramón Castillo (Universidad Diego Portales, Santiago, Chile)

Programação Visual:
Fernanda Pujol

Equipe:
Adauany Zimovski
Bettina Rupp
Cristiane Marçal
Denis Rodrigues
Luiza Abrantes
Mirele Pacheco

Realização:
Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV)/Instituto de Artes (IA)/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Instituto Goethe Porto Alegre

Fonte: I Simpósio Internacional de Relações Sistêmicas da Arte

Publicado por Patricia Canetti às 2:46 PM


outubro 2, 2017

Aula pública de Guilherme Wisnik na EAV Parque Lage, Rio de Janeiro

Professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e crítico de arte e arquitetura, Guilherme Wisnik, dará uma aula pública sobre intuição trágica e repouso, com mediação de Ulisses Carrilho. A aula é parte da programação do seminário que integra a terceira edição do Prêmio Reynaldo Roels Jr., que acontece em parceria com o MAC-Niterói.

4 de outubro de 2017, quarta-feira, das 14h às 17h

Escola de Artes Visuais do Parque Lage
Rua Jardim Botânico 414, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, RJ

Oscar Niemeyer: intuição trágica e repouso – Frequentemente interpretada como expoente de um hedonismo tropical e barroco, a arquitetura de Niemeyer, no entanto, pode ser interpretada como emblema de uma ruptura definitiva (moderna) com a unificação espacial barroca, individuando a arquitetura em formas isoladas e escultóricas. Daí o vazio impenetrável que envolve muitos de seus edifícios, como uma paisagem pintada por De Chirico.

Guilherme Wisnik (São Paulo, 1972) Vive em São Paulo. Professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Crítico de arte e arquitetura, é autor de livros como Lucio Costa (2001), Caetano Veloso (2005) e Estado crítico: à deriva nas cidades (2009). É membro da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e da Latin American Studies Association (LASA). Foi curador da X Bienal de Arquitetura de São Paulo (2013), da Ocupação Cildo Meireles (2011), e da exposição Paulo Mendes da Rocha: a natureza como projeto (2012).

Publicado por Patricia Canetti às 10:59 PM