Página inicial

Como atiçar a brasa

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

janeiro 23, 2007

APCA 2006 premia "O Céu de Suely" e "vilões" da Globo

APCA 2006 premia "O Céu de Suely" e "vilões" da Globo

Matéria originalmente publicada no Folha Online, no dia 12 de dezembro de 2006

A APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) divulgou na noite de segunda-feira, em assembléia no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, os melhores de 2006 em dez áreas distintas: artes visuais, cinema, dança, literatura, música popular, música erudita, rádio, teatro adulto, teatro infantil e televisão.

Cerca de 50 jornalistas especializados em cultura e variedades participaram da eleição. O prêmio será entregue aos vencedores em cerimônia ainda a ser marcada no final de março de 2007. Reconhecido como a mais tradicional premiação na área de cultura, a primeira edição do APCA ocorreu em 1956.

Na categoria cinema, "O Céu de Suely" levou como melhor filme do ano, Karin Aïnouz como melhor diretor e Hermila Guedes como melhor atriz. Em música, Caetano Veloso venceu com o álbum "Cê" como melhor disco e Marisa Monte foi escolhida a melhor artista.
Em televisão, uma das categorias mais disputadas, "Os Filhos do Carnaval", de Cao Hamburger, ficou com o Grande Prêmio da Crítica. O melhor programa do ano, para os jurados, foi "Central da Periferia", comandado por Regina Casé na Globo, e os melhores atores foram Lília Cabral, por "Páginas da Vida", e Lázaro Ramos, por "Cobras & Lagartos", dois personagens que ganharam o público.

Apesar de não serem considerados vilões, Foguinho, vivido por Lázaro Ramos, e Marta, interpretada por Lília Cabral, surpreenderam por mostrarem suas fraquezas e, mesmo assim, cativarem a audiência. Na trama global, Foguinho roubou a fortuna do melhor amigo e, mesmo após crise de consciência, seguiu com a mentira.

Confira a lista completa dos vencedores:

ARTES VISUAIS
Grande Prêmio da Crítica: León Ferrari
Retrospectiva: Volpi (MAM)
Mostra Internacional: Calder no Brasil (Pinacoteca)
Exposição: Cildo Meireles (Estação Pinacoteca)
Obra Gráfica: Livio Abramo (Inst. Tomie Ohtake)
Fotografia: Geraldo de Barros (Galeria Brito Cimino)
Iniciativa Cultural - Iac - Inst. de Arte Contemporânea

CINEMA
Filme: "O Céu de Suely"
Diretor: Karin Aïnouz ("O Céu de Suely")
Fotografia: Murilo Salles (Árido Movie)
Roteiro: "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias" (Cao Hamburger, Cláudio Galperin. Anna Muylaert, Bráulio Mantovani)
Montagem: Vania Debs ("Árido Movie")
Ator: Matheus Nachtergaele ("Tapete Vermelho")
Atriz: Hermila Guedes ("O Céu de Suely")

DANÇA
Espetáculo: "Sertão" - Marcelo Evelin
Intérpretes: Diogo Granato e Sheila Áreas
Revelação: Alexandre Tripiciano
Dança para Crianças: "Balangandança - O Tal do Quintal" (Georgia Lengos)
Iluminação: André Boll
Novos Circuitos: Sala Crisantempo

LITERATURA
Romance: "O Movimento Perdular" - Alberto Mussa (Record)
Contos: "A Máquina de Ser" - João Gilberto Noll (Nova Fronteira)
Tradução: "O Exército de Cavalaria" - Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade (Cosac)
Biografia: "Pretobrás" - Luiz Chagas e Mônica Tarantino (Ediouro)
Infanto-juvenil: "O Flautista Misterioso e Os Ratos de Hamelin" - Bráulio Tavares (Editora 34)
Poesia: "Poesia Reunida" - Orides Fontela (Cosac)

MPB
Disco: "Cê" -Caetano Veloso
Artista: Marisa Monte
Compositor: Lirinha (Cordel do Fogo Encantado)
Show: Bonde do Rolê
Grupo: Mombojó
Revelação: Érika Machado
Projeto especial: CD "Tributo a Odair José"

MÚSICA ERUDITA
Grande Prêmio da Crítica: Edino Krieger
Regente: Roberto Minczuk
Obra Vocal: Te Deum - Vilani Cortes
Obra Experimental: A Tempestade - Ronaldo Miranda
Personalidade: Arthur da Távola
Conjunto de Câmara: Trio Images Brasil
Especial: João Carlos Martins - Bachiana Filarmônica

RÁDIO
Grande Prêmio da Crítica: Arnaldo Jabor - CBN
Musical: Solano Ribeiro e a Nova Música do Brasil - Cultura AM
Cultura Geral: "A Voz Popular" - Luis Antonio Giron - Cultura AM/FM
Rádio Web: www.universidademetodista. Br
Humor: "Buemba Buemba" - José Simão - Band News
Iniciativa: "Rádio Parachoque" - Eldorado AM

TEATRO
Espetáculos: "Camaradagem" - Eduardo Tolentino de Araújo
"Inocência" - Rodolfo Garcia Vázquez
"A Pedra do Reino" - Antunes Filho
"Zona de Guerra" - André Garolli
Atriz: Cleyde Yáconis ("A Louca de Chaillot")
Ator: Marco Antônio Pâmio ("Edmond")
Autor: Rudifran Pompeu ("A Casa")

TEATRO INFANTIL
Espetáculo: "Era Uma Vez Um Rio" - Lavínia Pannunzio
Juvenil: "Os Meninos e As Pedras" - Núcleo Entrelinhas de Teatro
Texto Adaptado: "Evill Rebouças" - Teresinha e Gabriela
Direção: Henrique Sitchin - "Guarda Zool"
Ator: Ando Camargo - "Era Uma Vez Um Rio"
Atriz: Ana Luisa Lacombe - "Lendas da Natureza"
Revelação: Doutores da Alegria - "Vamos Brincar de Médico"

TELEVISÃO
Grande Prêmio da Crítica: "Os Filhos do Carnaval" - Cao Hamburger (HBO/O2)
Documentário: Série Chico Buarque de Hollanda - Roberto de Oliveira (DirecTV/Band)
Programa: "Central da Periferia" - Regina Casé (Globo)
Atriz: Lília Cabral - "Paginas da Vida" (Globo)
Ator: Lázaro Ramos - "Cobras & Lagartos" (Globo)
Infantil: "As Novas Aventuras do Menino Maluquinho" (TVE)
Humor: Dira Paes - "A Diarista" (Globo)

Posted by João Domingues at 10:23 AM

janeiro 17, 2007

Estatal doou R$ 500 mil a instituto de FHC, por Daniel Bramatti

Estatal doou R$ 500 mil a instituto de FHC

Matéria de Daniel Bramatti, originalmente publicada no Terra Magazine, no dia 17 de janeiro de 2007

O Instituto Fernando Henrique Cardoso, ONG criada pelo ex-presidente tucano com a ajuda de grandes empresários, foi contemplado no ano passado com uma doação de R$ 500 mil de uma empresa estatal do governo paulista, que no período 2003-2006 foi comandado por Geraldo Alckmin (PSDB) e Claudio Lembo (PFL).

O dinheiro saiu da Sabesp - então presidida por outro tucano, Dalmo Nogueira Filho - e foi direcionado para um projeto de conservação e digitalização do acervo do instituto, conhecido pela sigla iFHC.

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) é uma das sete empresas que, até o final do ano passado, haviam doado R$ 2.095.000,00 para o projeto de preservação e digitalização do acervo do iFHC, com incentivos fiscais da chamada Lei Rouanet - as contribuições podem ser descontadas do Imposto de Renda.

O acervo é formado por livros, fotos e obras de arte de FHC e também de sua mulher, Ruth Cardoso. Reúne não apenas itens coletados durante a passagem do tucano pela Presidência, mas também da época em que era professor e um dos líderes da oposição ao regime militar. Entre os objetos em processo de catalogação estão os presentes que FHC recebeu durante seu governo - vasos, quadros, tapetes e até capacetes de pilotos de Fórmula 1.

O projeto de preservação e digitalização do acervo está orçado em mais de R$ 8 milhões - valor que equivale a cinco vezes o orçamento anual da Biblioteca Mário de Andrade, a maior de São Paulo, com mais de 3,2 milhões de itens.

O site do iFHC afirma que a digitalização dos documentos será feita com softwares e equipamentos cedidos pela IBM e pela Sun Microsystems do Brasil, mas não faz referência à Sabesp e aos outros patrocinadores, nem detalha como serão aplicados os R$ 2 milhões já recebidos. Segundo o instituto, os logotipos dos demais doadores serão associados ao projeto quando os recursos começarem a ser gastos.

O Instituto Fernando Henrique Cardoso é uma espécie de "organização ex-governamental" - reúne em seu conselho deliberativo diversas estrelas dos dois mandatos presidenciais tucanos, entre eles ex-ministros como Pedro Malan (Fazenda), Luiz Carlos Bresser-Pereira (Administração) e Celso Lafer (Relações Exteriores e Desenvolvimento).

A entidade tem como fonte de inspiração as fundações mantidas por ex-presidentes norte-americanos. Mas as semelhanças são limitadas. A ONG do ex-presidente Bill Clinton, por exemplo, atua na prática: apóia e implementa programas de combate à aids, de redução do custo de medicamentos e de controle do aquecimento global, entre outros. Também administra uma biblioteca pública no Estado de Arkansas que recebe cerca de 300 mil visitantes por ano.

Já o iFHC afirma ter dois objetivos básicos: o primeiro é a preservação do próprio acervo do ex-presidente e de sua mulher; o segundo é a promoção de debates e seminários - que são restritos a convidados. O site do instituto na internet destaca que "o iFHC, entidade privada, não está aberto à visitação pública".

O site também anuncia que parte do acervo será aberto ao público quando for concluído seu processo de catalogação e digitalização. Não há informações sobre a possibilidade de pesquisar os itens mais interessantes, do ponto de vista histórico e jornalístico: as gravações e anotações que o ex-presidente fez, durante seus oito anos de governo, sobre temas polêmicos como privatizações e reeleição.

O auxílio estatal ao instituto, via Sabesp, foge à regra: o iFHC nasceu e é mantido graças a contribuições privadas. Quando inaugurado, em 2004, tinha R$ 10 milhões em caixa. O tucano começou a pedir doações a empresários quando ainda era presidente.

Em um jantar no Palácio da Alvorada, em 2002, FHC expôs os planos de sua futura ONG a convidados como Emílio Odebrecht (grupo Odebrecht), Lázaro Brandão (Bradesco), Olavo Setubal (Itaú), Benjamin Steinbruch (CSN), Pedro Piva (Klabin) e David Feffer (Suzano). Na época, o colunista Elio Gaspari criticou o fato de a coleta de fundos ser feita entre representantes de empresas financiadas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ou contempladas no processo de privatização.

Já as relações da Sabesp com políticos do PSDB não constituem propriamente uma novidade. No ano passado, reportagens da Folha de S.Paulo revelaram que a estatal patrocinou uma edição da revista Ch'an Tao, do acupunturista do então candidato à Presidência Geraldo Alckmin - o tucano foi assunto de capa e apareceu em 9 das 48 páginas da publicação.

A estatal também destinou R$ 1 milhão de sua verba publicitária para uma editora e um programa de TV do deputado estadual Wagner Salustiano (PSDB). O Ministério Público abriu uma investigação sobre o eventual uso de empresas do Estado para beneficiar aliados de Alckmin na Assembléia Legislativa.

Terra Magazine procurou ontem a Sabesp e FHC, em busca de esclarecimentos sobre a doação de R$ 500 mil. Não houve resposta da estatal. A assessoria do iFHC informou apenas que o ex-presidente não se encontrava no local.

Além da Sabesp, da Sun e da IBM, os outros patrocinadores do projeto de digitalização do iFHC são as empresas Philco Participações (R$ 600 mil), Arosuco Aromas e Sucos (R$ 600 mil), Mineração Serra Grande (R$ 200 mil), Norsa Refrigerantes (R$ 140 mil), Rio Bravo Investimentos (R$ 30 mil) e BES Investimentos do Brasil (R$ 25 mil).

A Rio Bravo Investimentos foi fundada e é dirigida por Gustavo Franco, que presidiu o Banco Central nos anos FHC. O BES Investimentos faz parte do grupo português Espírito Santo, cujo representante no Brasil, Ricardo Espírito Santo, teve seu nome relacionado ao escândalo do mensalão por supostas relações com o publicitário Marcos Valério. Em 2005, o banqueiro foi acompanhado por Valério a uma reunião com o então ministro da Casa Civil, José Dirceu. Em 2002, Ricardo Espírito Santo também estava no jantar do Palácio da Alvorada em que FHC pediu contribuições para a criação de sua ONG.

Posted by João Domingues at 10:03 AM | Comentários (2)