Página inicial

Como atiçar a brasa

 


outubro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

outubro 10, 2017

Ovo da serpente por Paula Alzugaray, seLecT

Ovo da serpente

Artigo de Paula Alzugaray originalmente publicado na revista seLecT em 6 de outubro de 2017.

Entidades e personalidades se mobilizam contra violenta onda de distorção e desqualificação de instituições e atividades artísticas e culturais no Brasil

O Ovo da Serpente, clássico de Ingmar Bergman de 1977 sobre o levante de intolerância que antecedeu a ascensão do nazismo, está na pauta do dia. O avanço da ultradireita nas eleições na Alemanha colocou o mundo em estado de alerta, mas focos de medo e conflito estão disseminados por todas as partes. No Brasil, o mapa da adversidade se adensou nas últimas semanas com uma sucessão de perigosas tentativas de cerceamento, constrangimento, desqualificação e proibição de exposições de arte e ações culturais.

No início de setembro, integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) viralizaram imagens e agrediram visitantes da exposição “Queermuseu”, alegando apologia à pedofilia e à zoofilia. As intimidações levaram ao encerramento da exposição no Santander Cultural de Porto Alegre. Uma semana depois, o espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” não pode ser encenado no Sesc Jundiaí em razão de uma liminar judicial que determinou que a peça atentaria contra a dignidade da fé cristã. Em São Paulo, colaboradores e visitantes do Museu de Arte Moderna (MAM) vem sendo alvo de ofensas, agressões verbais e físicas, desde que foi divulgado em redes sociais a gravação de um trecho da performance “La Bête”, em que uma criança e sua mãe tocam a mão e o tornozelo de um artista, que está nu. A nudez, comunicada previamente ao público, não carregava conotações sexuais. Mas, descontextualizado, o vídeo é instrumentalizado em um campanha de difamação do museu e difusão do ódio.

Com um histórico de excelência na educação cultural do público leigo da arte contemporânea, o MAM vem exercendo com responsabilidade a atividade pedagógica que cabe a um museu. Desde a sexta 29, quando sofreu o primeiro ataque, sua equipe dedica-se incansavelmente a dialogar e prestar esclarecimentos a quem a obra possa ter ofendido. A iniciativa conta com o apoio da maior parte das instituições culturais brasileiras, como a Fundação Bienal, o Goethe-Institut, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museu de Arte do Rio, etc. Além disso, psicólogos consultados afirmam que a divulgação do vídeo nas redes sociais é muito mais agressiva à criança do que a sua presença na performance artística.

A difamação também foi o objetivo de vídeo produzido por organização ultraconservadora que circulou na internet, distorcendo o sentido de obras da Trienal Frestas 2017. Em agosto, a exposição já havia sofrido um ataque moralista contra o grafite “Femme Maison”, da artista e ativista carioca Panmela Castro, cuja obra discute questões relativas aos direitos da mulher. “O Sesc Sorocaba, contudo, tem se mantido firme no propósito de oferecer uma programação cultural de qualidade acompanhada de mediação e diálogo com o público e a sociedade. Recebi o apoio integral a meu projeto original”, diz Daniela Labra, curadora da Trienal do Sesc Sorocaba, à seLecT.

A viralização de conteúdos manipulados é hoje uma arma letal de disseminação do obscurantismo e da ignorância. “Temos aqui, de um lado, um grupo irracional, que é minoria, e que não quer o diálogo, e uma maioria que está sendo impactada pelas informações”, diz Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, à seLecT. “A origem desta crise é o comportamento gerado pelos algoritmos. Com o advento das redes sociais e a dinâmica imposta pelos algoritmos – que colocam em contato apenas aqueles que se afinam entre si – aquilo que eu coloco passa a ser uma verdade absoluta”, continua ele. “Mas os algoritmos estão atravessando a rua e os museus tem que dialogar com isso. O que aconteceu com o Santander e o MAM tem que usado como aprendizado a todos nós”.

Qual o papel dos museus em um país que não prioriza a educação, e que (desin)forma cidadãos avessos ao diálogo? Embora estejam sob a mira de ataques de virulência imprecedente, cabe aos museus e aos agentes culturais a mediação de conflitos e a atuação em torno das grandes questões que incomodam a sociedade. Este é o parecer do ICOM Brasil (Internacional Council of Museums), expresso em um manifesto em favor da liberdade de expressão e em respeito à toda forma de diversidade humana. O mesmo manifesto pontua ainda que “repudia a decisão do Banco Santander de interromper a exposição ‘Diferenças da Arte no Mundo Contemporâneo’”.

“Os pareceres do Ministério Público comprovaram aquilo que nós acreditávamos: as obras da exposição ‘Queermuseu’ não fazem qualquer apologia à pedofilia ou a zoofilia”, disse Marcos Madureira, vice-presidente de comunicação e marketing do Santander, à seLecT. A instituição, no entanto, não pretende voltar atrás na decisão de não reabrir a exposição, que afinal tornou-se a caixa de pandora da violência à cultura.

“A liberdade é o maior valor da democracia. Agredir funcionários do MAM-SP ou ameaçar destruir a exposição é inaceitável. A arte deve ser livre. Cabe aos gestores informar sobre o conteúdo do que apresentam. E o MAM-SP fez isso”, disse André Sturm, Secretário Municipal de Cultura de São Paulo à seLecT, em clara divergência de opinião com governantes das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. Mas divergência não é problema. A diversidade de opinião deve ser cultuada para o amadurecimento da vida social. “A palavra que temos que pensar frente a manifestações raivosas e obscurantistas é responsabilidade. A arte não é o problema. Ela traz a solução”, diz Juliana Braga, gerente de Artes Visuais e Tecnologia do Sesc São Paulo, ao anunciar a suspensão da liminar que proibia a exibição do espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, na terça feira 3.

Enquanto isso, em Paris, o Museu D’Orsay e o Museu da Orangerie retomaram uma campanha de comunicação que em 2015 viralizou positivamente, mostrando a tela “Femme Nue Couchée”, realizada em 1907 por Renoir, com a aplicação do texto: “Tragam seus filhos para ver gente nua”. O debate a respeito da boa aplicação do estatuto da criança e do adolescente (ECA), do fortalecimento da liberdade de expressão e do comportamento da sociedade sob a influência dos algoritmos é o grande desafio que a sociedade brasileira tem hoje.

Publicado por Patricia Canetti às 12:56 AM


outubro 2, 2017

Abaixo-assinado: Profissionais das instituições culturais do Brasil e seus públicos se posicionam, Avaaz.org

Carta pública de diretores, curadores e profissionais dos museus e das instituições culturais brasileiras

Por que isto é importante: Para mobilizar a sociedade em defesa da arte, dos museus e das instituições culturais, em prol do respeito mútuo, da diversidade e da educação.

Assine este abaixo-assinado no Avaaz.org

Curadores e diretores de museus e instituições culturais brasileiras, em consonância com os princípios constitucionais de direito à diversidade, à liberdade de expressão e à prática democrática da cidadania, vêm em conjunto manifestar o mais absoluto repúdio pelas ações orquestradas contra espaços institucionais de arte, assim como a toda e qualquer tentativa de cercear, constranger, desqualificar ou proibir as legítimas atividades artísticas que se desenvolvem no Brasil, construídas responsavelmente pelas instituições culturais.
 
São notoriamente falsas as alegações de incitação à pedofilia e de apologia ao sexo nas obras ou nas exposições que têm sido objeto dessas ações.

Porque lidam com o universo do simbólico, do imaginário e do discurso, as práticas artísticas e culturais são fundamentais para o presente e para o futuro de sociedades calcadas na diversidade, no respeito e na educação. Limitar e impedir artistas, curadores e instituições é uma clara política de retrocesso face ao processo histórico que implantou um estado democrático de direito no Brasil.
 
Como bem definiu Mário Pedrosa, a arte "é o exercício experimental da liberdade" e é dentro de sua prática que resistiremos a esse trágico e obscuro momento no que se refere ao respeito mútuo e à garantia da liberdade de expressão.

Assine este abaixo-assinado no Avaaz.org

Adriano Pedrosa, diretor artístico do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, MASP – São Paulo
Agnaldo Farias, curador geral do Museu Oscar Niemeyer, MON – Curitiba 
Ana Pato, curadora do 20 o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil – São Paulo
Ana Paula Cavalcanti Simioni, docente e pesquisadora do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, IEB-USP – São Paulo
Ângela Mascelani, curadora do Museu Casa do Pontal – Rio de Janeiro 
Antônio Grassi, diretor executivo de INHOTIM, Brumadinho – Minas Gerais 
Áurea Vieira, gerente de relações internacionais do Sesc São Paulo – São Paulo
Beatriz Lemos, curadora do 20 o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil – São Paulo Benjamin Seroussi, diretor executivo da Casa do Povo – São Paulo
Bernardo de Souza, diretor do Museu Iberê Camargo – Porto Alegre 
Beth da Matta, diretora do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, MAMAM – Recife
Bitu Cassundé, curador do Museu de Arte Contemporânea do Ceará, MAC-CE – Fortaleza
Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand, presidente do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, MAM-RJ – Rio de Janeiro
Carlos Barmak, coordenador educativo do Museu da Casa Brasileira – São Paulo
Carlos Gradim, diretor presidente do Instituto Odeon/Museu de Arte do Rio - MAR – Rio de Janeiro
Carlos Roberto Brandão, diretor do Museu de Arte Contemporânea da USP, MAC-USP – São Paulo
Carolina Vieira, coordenadora do Programa de Formação Básica de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes – Fortaleza
Cauê Alves, curador do Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia - MuBE – São Paulo
Clarissa Diniz, curadora do Museu de Arte do Rio, MAR – Rio de Janeiro 
Cláudia Saldanha, diretora do Centro Cultural Paço Imperial – Rio de Janeiro 
Cristina Freire, docente e curadora Museu de Arte Contemporânea da USP, MAC-USP – São Paulo
Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo – São Paulo 
Denise Grinspum, coordenadora da área de educação do Instituto Moreira Salles, IMS – Rio de Janeiro e São Paulo
Diego Matos, curador do 20 o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil – São Paulo
Eliana Souza Silva, Centro de Artes da Maré – Rio de Janeiro 
Emanoel Araújo, diretor curador do Museu Afro Brasil, São Paulo – São Paulo 
Ennio Candotti, diretor geral do Museu da Amazônia, Musa – Rio de Janeiro 
Evandro Salles, diretor cultural do Museu de Arte do Rio, MAR – Rio de Janeiro 
Fernanda Lopes, curadora assistente do Museu de Arte Moderna do Rio de 
Janeiro, MAM-RJ - Rio de Janeiro Fernando Cocchiarale, curador de artes visuais do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, MAM-RJ - Rio de Janeiro
Flávio Pinheiro, superintendente-executivo do Instituto Moreira Salles, IMS – Rio de Janeiro e São Paulo
Gabriel Bogosian, curador adjunto do Galpão Videobrasil – São Paulo 
Gabriel Pérez-Barreiro, curador da 33 a Bienal de São Paulo – São Paulo 
Gaudêncio Fidélis, curador de Queermuseu - cartografias da diferença na arte brasileira - Porto Alegre 
Hugo Sukman, curador da nova sede do Museu da Imagem e do Som, MIS-RJ – Rio de Janeiro
Janaina Melo, gerente de educação do Museu de Arte do Rio, MAR – Rio de Janeiro
João Carlos de Figueiredo Ferraz, presidente da Fundação Bienal e do Instituto Figueiredo Ferraz – São Paulo
João Laia, curador do 20 o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil – São Paulo
Jorge Schwartz, diretor do Museu Lasar Segall / Ibram / MinC – São Paulo 
Josué Mattos, curador do Museu de Arte de Santa Catarina – Florianópolis 
Juliana Braga de Mattos, gerente de artes visuais do Sesc São Paulo – São Paulo
Júlio Martins, curador residente do Museu de Arte do Espírito Santo, MAES - Vitória
Justo Werlang, diretor Presidente da Fundação Iberê Camargo – Porto Alegre 
Lenora Pedroso, diretora do Museu de Arte Contemporânea do Paraná, MAC-PR – Curitiba
Lidia Goldenstein, vice-presidente da Fundação Bienal – São Paulo 
Lisette Lagnado, curadora de ensino e programas públicos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage – Rio de Janeiro
Lucas Pessôa, diretor financeiro e de operações, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, MASP – São Paulo
Luciana Guimarães, superintendente da Fundação Bienal São Paulo – São Paulo
Luiz Alberto Oliveira, curador geral do Museu do Amanhã – Rio de Janeiro Luiz Camillo Osório, curador do 35º Panorama da Arte Brasileira – Brasil por Multiplicação
Luiz Pizarro, curador de educação do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, MAM-RJ – Rio de Janeiro 
Luiza Mello, Galpão Bela Maré – Rio de Janeiro 
Marcello Dantas, curador Japan House – São Paulo 
Marcelo Campos, curador associado do Museu de Arte do Rio - MAR e diretor do Departamento Cultural da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ – Rio de Janeiro
Marcelo Velloso, diretor do Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC- Niterói
Marcio Doctors, curador da Casa Museu Eva Klabin, CMEK – Rio de Janeiro 
Marisa Mokarzel, conselheira curatorial do Museu da Universidade Federal do Pará, MUFPA – Belém
Milene Chiovatto, presidente do Comitê de Educação e Ação Cultural do Conselho Internacional de Museus, CECA/ICOM
Moacir dos Anjos, pesquisador e curador da Fundação Joaquim Nabuco - FUNDAJ – Recife
Orlando Maneschy, curador etc da coleção Amazoniana de arte da UFPA – Belém
Pablo León de La Barra, curador-chefe do Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC-Niterói
Paulo Linhares, presidente do Instituto Dragão do MAR – Fortaleza 
Paulo Miyada, curador do Instituto Tomie Ohtake – São Paulo 
Priscila Arantes, diretora Artística e curadora do Paço das Artes – São Paulo 
Raphael Fonseca, curador do Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC-Niterói
Raquel Fernandes, diretora do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, MBRAC – Rio de Janeiro
Renan Andrade, diretor do Museu de Arte do Espírito Santo – MAES – Vitória 
Ricardo Ohtake, presidente do Instituto Tomie Ohtake – São Paulo 
Ricardo Resende, curador do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, 
MBRAC – Rio de Janeiro Solange Farkas, diretora e curadora da Associação Cultural Videobrasil |Galpão VB – São Paulo
Wagner Barja, diretor do Museu Nacional da República – Brasília 
Xico Chaves, diretor do Centro de Artes Visuais - CEAVFunarte 
Zivé Giudice, diretor do Museu de Arte Moderna da Bahia – Salvador

Assine este abaixo-assinado no Avaaz.org

ATUALIZADO EM 06/10/2017

Publicado por Patricia Canetti às 9:47 PM


Análise: Má interpretação da arte gera equívocos que duram séculos por Antônio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

Má interpretação da arte gera equívocos que duram séculos

Análise de Antônio Gonçalves Filho originalmente publicada no jornal O Estado de S.Paulo em 30 de setembro de 2017.

A performance de Wagner Schwartz, La Bête, parte de uma ideia simples – ser o simulacro de um ‘bicho’ – para criticar o sistema de comercialização da arte

Há quase meio século, em 1970, no auge da ditadura militar, o artista português Antonio Manuel, radicado no Brasil, fez uma performance no Museu de Arte Moderna do Rio (MAM/RJ), exatamente como a da noite de terça-feira, 26, quando o coreógrafo Wagner Schwartz abriu a 35.ª edição do Panorama da Arte Brasileira no MAM/SP.

As propostas das duas performances eram diferentes, mas o objetivo era o mesmo: fazer uma crítica à repressão que conduz a interpretações equivocadas da arte. Há um evidente retrocesso quando a sociedade, 47 anos depois da performance no MAM carioca, ainda considera escandalosa a nudez artística.

Evoque-se que o Brasil tinha três anos quando Michelangelo concebeu o Tondo Doni (Uffizi), uma pintura tão enigmática que tomou os últimos anos de vida do crítico americano Leo Steinberg. O ensaísta escandalizou os puritanos ao chamar a atenção para a presença de grupos de homossexuais nus no mesmo espaço em que posa a Sagrada Família. Se Michelangelo vivesse hoje, certamente o Tondo Doni não existiria. Nem a Capela Sistina. Ou mesmo seu Davi. Quem perderia com isso seria a própria sociedade.

A performance de Wagner Schwartz, La Bête, parte de uma ideia simples – ser o simulacro de um ‘bicho’ (peça de metal articulada) de Lygia Clark – para criticar o sistema de comercialização da arte, que supervaloriza o objeto e despreza o artista. Um ‘bicho’ de Lygia Clark pode atingir hoje US$ 2 milhões.

Os museus não deixam o público sequer tocar no objeto, o que contraria a intenção original de Lygia Clark. Assim, Schwartz resolveu se expor ao público no lugar do ‘bicho’, sujeitando-se à manipulação. Não houve nenhum apelo à pedofilia, como sugerem os gritos histéricos na internet. A sala do MAM estava sinalizada sobre o conteúdo da exposição. Muitos museus fazem isso. No Masp, a sala do fotógrafo Miguel Rio Branco traz a mesma advertência. Entra quem quer. Entende quem for capaz.

Graças a Leo Steinberg, hoje sabemos que a “ostentatio genitalia” (a genitália do bambino e dos gays atrás dele) do Tondo Doni era uma apresentação da teologia encarnacional. Se o crítico fosse um moralista, permaneceríamos todos na ignorância.

Publicado por Patricia Canetti às 9:39 PM


Promotoria investiga vídeo em que criança interage com artista nu por Isabella Menon e Rafael Gregorio, Folha de S. Paulo

Promotoria investiga vídeo em que criança interage com artista nu

Matéria de Isabella Menon e Rafael Gregorio originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 29 de setembro de 2017.

A interação, na última terça (26), entre uma criança e um artista nu no MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo resultou em inquérito e em protesto na frente do museu, localizado no parque Ibirapuera.

O Ministério Público de São Paulo abriu investigação para apurar se houve crime ou violações ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) por parte da instituição, do artista ou da mãe da menina.

Citando a Constituição e o ECA, o órgão solicita informações ao MAM e demanda um parecer à seção do Ministério da Justiça responsável pelas classificações indicativas.

O documento pede ainda documentos à Secretaria Estadual de Cultura.

Por fim, ordena que os sites YouTube e Facebook retirem do ar vídeos da performance –inclusive links de notícias que reproduzam cenas da apresentação.

Imagens publicadas no YouTube e em redes sociais mostram quando uma menina é estimulada pela mãe a interagir com o artista Wagner Schwartz. Agachada, ela se movimenta ao lado dele e toca sua perna e sua mão durante a apresentação da performance "La Bête".

O coreógrafo realizou o trabalho na abertura da exposição "Brasil em Multiplicação". Nela, seu corpo pode ser tocado pelo público, como se movimentasse a obra "Bicho", de Lygia Clark.

Para Antonio Carlos Malheiros, 66, desembargador do Tribunal de Justiça de SP, houve potencial desrespeito ao ECA, mas falar em pedofilia parece exagerado.

"Não percebo intenção de levar a criança a ter atitudes sexuais com um adulto", diz Malheiros. "Mas", ressalva, "a presença de menores é contraproducente; a gente nunca sabe como aquilo vai afetar a cabeça da criança".

O MAM afirma que havia sinalização alertando sobre nudez e diz que "o trabalho não tem conteúdo erótico". O museu ressaltou ainda que a criança estava com a mãe e lamentou "manifestações de ódio e de intimidação".

Na internet, porém, a obra –e, em particular, sua apresentação a crianças– foi vista como incitação à pedofilia.

A hashtag #pedofilianao earte foi uma das mais populares ao longo do dia, embutida em posts como "um pedreiro olhar para mulheres é assédio, induzir meninas a tocar um estranho nu não".

Na tarde desta sexta (29), a onda extrapolou as redes: cerca de 20 pessoas fizeram protesto na frente do MAM.

Gritando palavras de guerra, o grupo cobrou posicionamento de governantes e acusou o museu de incitar pedofilia. Os manifestantes protestaram ainda contra o uso de "verbas públicas" na exposição –a performance tem parte dos recursos captados via Lei Rouanet.

"Trata-se basicamente de uma criança tocando um homem pelado, e chamam isso de arte", afirmou Kim Kataguiri, coordenador do Movimento Brasil Livre, em vídeo publicado no Facebook.

"Não se trata de ideologia, se trata de bom senso de não colocar uma criança perto de um homem pelado, não usar dinheiro público para atentar contra os valores da sociedade brasileira."

Procurado pela Folha, o curador do museu, Felipe Chaimovich, afirmou que a exposição não será fechada e que a performance "não tinha nenhum caráter erótico".

OUTROS CASOS

A polêmica em torno da performance no MAM vem na sequência do fechamento da mostra "Queermuseu", pelo Santander Cultural, em Porto Alegre, após campanha bem-sucedida de boicote à exposição promovida por grupos conservadores.

Em Campo Grande (MS), um delegado da Polícia Civil ordenou o confisco de um quadro em uma mostra.

Em Jundiaí (SP), um juiz proibiu a apresentação de uma peça que tem uma atriz transgênero no papel de Jesus.

Nesta quinta (28), em recomendação endereçada ao Santander Cultural, o Ministério Público Federal do RS afirmou que o fechamento de uma exposição remete a "situações perigosas da história, como o período nazista".

O MPF recomendou "a imediata reabertura da exposição", sob pena de "adoção das medidas judiciais cabíveis".

O Santander reafirmou que a mostra não será reaberta.

Embora ressalte que é preciso "ter proporcionalidade quanto tratamos de crianças", o desembargador Malheiros afirma que "essa sequência de campanhas só pode ser censura".

Publicado por Patricia Canetti às 9:37 PM


Museu em SP é acusado de pedofilia após performance com nudez, Folha de S. Paulo

Museu em SP é acusado de pedofilia após performance com nudez

Matéria originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 28 de setembro de 2017.

Uma performance realizada durante a abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, na terça-feira (26), está sendo acusada de incitação à pedofilia por internautas que se manifestaram nas redes sociais do museu.

A polêmica surgiu após fotos e vídeos da apresentação viralizarem na internet. Nelas, o coreógrafo carioca Wagner Schwartz apresenta "La Bête", em que seu corpo nu pode ser manipulado pelo público. A performance evoca um "Bicho", obra manipulável da artista Lygia Clark (1920-1988).

Na ocasião, uma criança que estava entre os espectadores interagiu com o artista, tocando em sua perna e em sua mão.

Em nota de esclarecimento publicada na página do Facebook do museu, os organizadores afirmam que a sala da apresentação estava sinalizada sobre o conteúdo de nudez e que "o trabalho não tem conteúdo erótico".

A instituição também afirma que a criança estava acompanhada de sua mãe.

A mesma performance havia sido apresentada nos dias 19 e 20 de agosto no Instituto Goethe, em Salvador.

Publicado por Patricia Canetti às 9:22 PM