Página inicial

Como atiçar a brasa

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
Como atiçar a brasa:
Arquivos:
junho 2021
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

abril 28, 2005

Cartas ao Sistema de Arte por Ana Amorim

Post retirado a pedido da artista Ana Amorim. Clique aqui para ler o original "Carta ao MAM sobre o Roberto Marinho" no blog da artista.

Condição da artista para que o post continue no ar:

Com base em seu contrato de arte a Artista Impossível requisitou que todos os seus posts fossem retirados do Canal Contemporâneo a partir do momento que aceitamos o patrocínio da Petrobrás. A Artista Impossível não aceita que seu trabalho esteja associado a uma empresa que considera "ter um papel imperialista e políticas que vão contra tudo que artista defende em sua vida-arte". O Canal por sua vez, requisitou que a artista mantivesse os posts por que estes fazem parte do debate construído no período e também pela impossibilidade de removê-los completamente da internet. A artista aceitou mantê-los, mas registra aqui a sua total oposição a inserção da Petrobrás como mediadora das artes e da cultura do nosso país.

Troca de cartas entre a Artista Impossível e o Canal Contemporâneo:

Cara Patricia Canneti,

Desculpe não ter respondido antes Patrícia, mas viajei quase ininterruptamente nos últimos meses, fazendo as performances da Transcomunicadora. Estou escrevendo em resposta à sua email sobre a renovação da assinatura do Canal que venceu no dia 11 de Novembro e que você generosamente tem mantido desde então, mesmo sem ainda ter recebido pagamento.

Após ter recebido o Canal Contemporâneo de 24 de outubro onde o logo da Petrobrás foi usado pela primeira vez decidi, tendo em vista o meu Contrato de Arte, que iria interromper a minha assinatura e gostaria de lhe pedir que as minhas duas cartas publicadas pelo canal: Carta ao MAM sobre o Roberto Marinho - do Blog Como atiçar a Brasa e Carta ao Gilberto Dimenstein sobre a Nike - do Blog do Canal sejam retiradas do canal, assim como quaisquer outras cartas que possam ter sido publicadas em seu sítio.

Esta carta, na verdade da prosseguimento à nossa correspondência iniciada no início do ano passado sobre o Patrocínio da Petrobrás.

No anúncio em questão o logo da Petrobrás é apresentado juntamente com fotografia do Glauber, e de outras eventos artísticos, e diz:

A Cultura é a maior riqueza de um povo.
Petrobrás a maior patrocinadora de cultura do país.

Se encararmos esse anúncio como uma equação, nele a Petrobrás se torna a maior patrocinadora da maior riqueza do povo desse país. Como artista e como pessoa me recuso a aceitar essa equação, por muitas razões, mas principal e fundamentalmente por não acreditar que a cultura e a arte possam ser mediadas pelo capital, sem que haja uma perda na construção da mesma.

A Petrobrás é uma empresa semi-privatizada que tem um papel imperialista e predatório na América do Sul e não aceito de forma alguma ter qualquer trabalho meu associado direta ou indiretamente a essa empresa.

De qualquer maneira lhe desejo todo sucesso em seus empreendimentos.

Um abraço,

Ana Amorim

América Latina: realineación política e império - James Petras

Vendas das Ações da Petrobrás - Associação dos Engenheiros da Petrobrás - AEPET

Privatização Histórico -

Ultimato à Petrobrás - Léo de Almeida Neves


Cara Ana,

Acho que a decisão de tirar as suas cartas do Canal Contemporâneo não fazem muito sentido, já que elas foram publicadas quando ainda não tínhamos a Petrobras como patrocinador. Acho que o seu Contrato de Arte, como todo contrato, não vigora retroativamente. Sendo assim, acho que deveríamos respeitar o tempo e o processo de nossos trabalhos e deixar as suas cartas como testemunho desta época em que o Canal Contemporâneo e a Artista Impossível eram compatíveis.

Quanto a perda que você coloca :
"Se encararmos esse anúncio como uma equação, nele a Petrobrás se torna a maior patrocinadora da maior riqueza do povo desse país. Como artista e como pessoa me recuso a aceitar essa equação, por muitas razões, mas principal e fundamentalmente por não acreditar que a cultura e a arte possam ser mediadas pelo capital, sem que haja uma perda na construção da mesma."

Acredito que ela é inerente ao mundo do possível, aonde negociamos os interesses das partes envolvidas para viabilizar as ações. E como sempre, ganha-se de um lado e perde-se de outro. Construímos a História da Arte negociando estes interesses, a cada momento com um novo representante do poder e do capital - igreja, monarquias, repúblicas, mecenas, colecionadores, patrocinadores, intermediários vários - designado pela história paralela da humanidade...

Sempre te disse que nossos trabalhos são opostos e complementares. O Canal Contemporâneo busca a transformação a partir do possível e acredito que tratar um patrocinador como membro de nosso sistema e, portanto, integrante de nossa comunidade, pode resultar em novas visibilidades e mudanças.

Um abraço,
Patricia Canetti


Ola Patrícia,
Voce se importa que eu publique a sua resposta no meu weblog?

A questão das cartas que já foram publicadas não é retroativa na medida em que, quando alguém "hoje" acessa o Canal Contemporâneo, encontra o meu material publicado sob o patrocínio da Petrobrás - sob o logo da Petrobrás, isso para mim é inaceitável e vai contra o que o contrato de arte determina! Porisso volto a insistir em que todas as publicações que incluam o meu trabalho que são: o Contrato de Arte, o meu Currículo, e as duas cartas já mencionadas, sejam removidos do seu site.

Exatamente por que o seu trabalho e o meu são parte de um mesmo universo maior de reflexão é que considero fundamental que todo o meu material seja removido do seu site a partir do momento em que este passou a apresentar o logo da Petrobrás.

Agradeço a sua compreenção.
Um abraço,
Ana Amorim


Oi Ana,

Quanto a permissão para publicar a nossa correspondência no seu blog, ela está dada, mas gostaria de poder fazer o mesmo nos posts que ficarão vazios com a retirada de suas cartas. Não posso eliminá-los por completo, porque os linques estão vivos passeando pela internet e um dos posts ainda foi comentado por várias pessoas. Portanto, vamos priorizar o respeito às características de rede e interatividade de nossos trabalhos.

Em relação ao seu trabalho publicado nos e-nformes, é impossível mexer neles, já que o banco de e-nformes guarda o histórico original de todos os e-nformes publicados pelo Canal.

Espero que você compreenda a IMPOSSIBILIDADE de TODO o seu material ser retirado do Canal Contemporâneo.

Abraço,
Patricia Canetti


Ola Patrícia,

Tendo em conta a IMPOSSIBILIDADE de que TODO o meu material seja retirado do Canal Contemporâneo como você afirma, para que esse material continue no seu site eu necessito que a seguinte nota seja adicionada a cada um dos posts:

Com base em seu contrato de arte a Artista Impossível requisitou que todos os seus posts fossem retirados do Canal Contemporâneo a partir do momento que aceitamos o patrocínio da Petrobrás. A Artista Impossível não aceita que seu trabalho esteja associado a esta empresa semi-privatizada cujo papel imperialista e políticas vão contra tudo que artista defende em sua vida-arte. O Canal por sua vez, requisitou que a artista mantivesse os posts por que fazem parte do debate construído no período e pela impossibilidade de removê-los completamente da internet. A artista aceitou mantê-los, mas registra aqui a sua total oposição a inserção da Petrobrás com mediadora das artes e da cultura do nosso país.

Sem essa nota eu não posso aceitar que o canal mantenha os meus posts por que estaria violando o meu contrato e um compromisso artístico de mais de 15 anos, que tem sido respeitado por curadores e instituições independentemente das dificuldades que possa ter lhes causado, e acredite, não foram poucas.

Aguardo a sua resposta.
Ana Amorim

Posted by Patricia Canetti at 12:11 PM