Página inicial

Como atiçar a brasa

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

abril 21, 2021

Arte e os desafios do Antropoceno por Luiz Camillo Osorio, Prêmio Pipa

Arte e os desafios do Antropoceno

Artigo de Luiz Camillo Osorio originalmente publicado no Prêmio Pipa em 8 de abril de 2021.

Uma das razões pelas quais nos sentimos tão impotentes quando chamados a nos preocupar com a crise ecológica – a razão pela qual eu, para começo de conversa, me sinto tão impotente – é a total desconexão entre, de um lado, a extensão, a natureza e a escala dos fenômenos e, do outro, o conjunto de emoções, hábitos de pensamento e sentimentos que seriam necessários para lidar com essa crise.
Bruno Latour(1)

Este é um tema urgente. Aqui é só uma tentativa de começar uma conversa sobre os modos como a arte pode nos ajudar diante da catástrofe ambiental. A arte nos expõe ao que há de mais periclitante no mundo à nossa volta. Muita coisa se passa ao mesmo tempo e no meio de tudo está uma compreensão mutante do que seja arte. Essa indecisão constante, essa flutuação de possibilidades sobre o que tomamos como arte, acaba gerando uma certa exasperação pública. Se tudo parece poder ser arte, acabamos deduzindo que qualquer coisa de fato se torna arte. Dedução apressada. Falta aí um aspecto bastante desprestigiado hoje – a experiência subjetiva de cada um, o que se produz, em termos de subjetividade e sociabilidade, no encontro com algo neste estado “provisório” de arte.

A mesma inquietação diante da condição mutante da arte está presente diante do que denominamos natureza. Temos visto nos últimos anos algumas exposições bastante interessantes que se afirmam como “não sendo de arte”, apesar de exporem obras de arte junto a outros materiais não artísticos. Não são “de arte”, mas querem nos expor ao conjunto complexo de emoções e sentimentos associados ao modo como vivemos ou recusamos, por exemplo, nosso desastre climático; sendo ao mesmo tempo exposições de arte, de ciência, de política. Quiçá uma nova tentativa, mais que urgente, de reeducação estética da humanidade. Elas enxergam neste espaço da arte um território interessante para se forçar alguma reconfiguração das nossas formas de perceber e pensar o mundo atual e seus impasses. Como a arte pode abrigar este debate sobre o antropoceno? Como falar e mostrar os desafios desta nova época em que a atividade humana é a principal força geofísica planetária? Uma força de transformação e de ameaça iminentes.

O que a arte pode aqui é simplesmente pôr em cena os dilemas, dar alguma configuração sensível ao que nos escapa na ânsia de objetividade e eficiência cotidianas. Mais que isso não caberia à arte, mas isso já é bastante tendo em vista que o trabalho da imaginação que aí se desdobra é fundamental para a recomposição dos termos do debate político. Apresentarei brevemente dois projetos recentes de exposições que buscaram levar aos museus o debate ambiental, sua estética e sua política. Já aviso que não visitei presencialmente estas exposições, apenas visitei suas plataformas online. A tecnologia é uma aliada incontornável.

As exposições são “Critical Zones: Observatories for earthly politics” no ZKM na Alemanha, com curadoria de Bruno Latour e Peter Weibel e “Countryside: the future”, no Guggenheim de NY, com curadoria de Rem Koolhaas e Samir Bantaal. Ambas realizadas entre 2020 e 2021. O estatuto de ambas as exposições é muito singular. Não são exposições de arte, pelo menos não apenas, mas contam com a expectativa de usar este espaço no sentido de ampliar o escopo do debate. Expectativa essa com fortes ressonâncias no nosso modo de lidar e experienciar a arte. Conversas com dois alunos de mestrado aqui na PUC-Rio têm sido muito importantes(2); Rachel Pires (orientada pela Deborah Danovski na Filosofia) e Luiz Felipe Reis (orientado pelo Fred Coelho na Letras) discutem em suas pesquisas o Antropoceno, levando em conta as possibilidades de sensibilização da crise climática e o papel das artes. Ambos trabalham a partir dos textos, performances e curadorias de Bruno Latour.

No caso de Koolhaas e Bantaal, no Guggenheim, o desafio é levar ao museu uma nova direção para o processo de “modernização” de nossas formas de vida. Neste aspecto, a tese é de que o futuro está no campo. Não se trata de uma volta ao campo, mas de uma necessária invenção de formas de vida que incluam um melhor consumo de energia, alguma desaceleração da produção, outros tipos de habitação, de alimentação, de circulação. Fizeram vários levantamentos de projetos instigantes ao redor do planeta. Enfim, buscam encaminhar possibilidades de composição entre tecnologia e agricultura, voltada para outros tipos de consumo e de temporalidade. Evidentemente, há que se imaginar menos concentração de gente, de riqueza, e mais integração entre o que fazemos e como vivemos. Ecologia política implicando outra economia ambiental.

A recepção crítica da exposição foi predominantemente negativa. Considerada esteticista, apologista da geoengenharia, ingênua etc. Como toda exposição deste porte, a escala atrapalha, o excesso de informação desorienta. A multiplicação de saberes especializados e a dificuldade de expô-los e apresentá-los é outro problema recorrente. Muitas imagens, estatísticas, projetos e informações ficaram espalhadas por todos os andares do prédio. Entre uma feira de ciência e um palácio de cristal anacrônico, o visitante se via lançado a uma série de interrogações. Todas elas pertinentes, diga-se de passagem. Como dizem os curadores, há muito mais questões que soluções, mas tratando-se de um arquiteto, a preocupação com a proposição de alternativas acaba sempre se insinuando. Independentemente disso, é do meio destas dificuldades que o debate central da exposição se anuncia: construir o futuro implica repensar formas de habitação e uma ocupação sustentável de territórios. Isso necessariamente exige novos paradigmas existenciais e novos modelos de sociedade, novas articulações entre países ricos e pobres, novas alianças entre humanos e não-humanos, entre economia e geologia, entre moedas, corpos e vida.

A denominação de Latour e Weibel de “Zona Crítica: observatórios para uma política terrena” aponta para a superfície viva do planeta na qual as formas de vida se retroalimentam e garantem as condições de habitabilidade da Terra. Um ponto importante que salientam, nas muitas “lives” e conversas de que participam promovidas pela ZKM, é não se tratar de uma exposição utópica. Pelo contrário – foram as utopias dos últimos dois séculos que nos levaram para este lugar insustentável. Usando uma metáfora da história das ciências, a utopia moderna teria começado com Galileu apontando seu telescópio para a lua. Ali nos aventuramos enquanto sujeitos desterrados, um cogito expandido tecnologicamente cujo limite era o infinito. Agora, temos que voltar todos os instrumentos para a terra e buscar retomá-la e habitá-la, afinal só aqui podemos respirar, caminhar, seguir vivendo.

A exposição também é composta por uma combinação variada de experimentos artísticos e científicos. Um trabalho curatorial que busca agregar vários campos desarticulados das pesquisas científicas e dar-lhes alguma voz, algum corpo, alguma materialidade, alguma sensibilização. A escala da exposição é mais amigável que a do Guggenheim. É interessante estas duas exposições terem acontecido simultaneamente ao longo de 2020, no meio de uma pandemia que nos faz sentir mais de perto o quanto somos dependentes um dos outros e do que fazemos com as formas vivas que coabitam o planeta.

Um vírus liberado pela manipulação desenfreada de animais silvestres junto ao desmatamento crescente e ao desprezo pelo equilíbrio ecossistêmico, parou o planeta e nos fez perceber que o antigo normal estava fora de controle. Tanto do ponto de vista das desigualdades sociais, como do atropelo ambiental e climático. A sensibilização do problema vivido por nós no antropoceno ficou mais urgente, sublinhado o fato de estarmos todos embarcados no interior de um único planeta e que ele pode nos expulsar para seguir sua viagem com formas vivas mais resistentes do que nós.

Na introdução do livro Diante de Gaia, Bruno Latour revela uma cena de um espetáculo de dança da coreógrafa Stefany Ganachaud, que reorientou suas pesquisas sobre Gaia, sobre o que estamos fazendo de nosso planeta e de como buscar alguma visibilidade a algo que todas as estatísticas evidenciam, mas que segue na ordem intangível dos números. Esta imagem ecoa no desdobramento de sua pesquisa e, consequentemente, em seus projetos curatoriais. “Tudo começou com a imagem de um movimento de dança a que assisti, há dez anos, e da qual não consegui me livrar. Uma dançarina, correndo de costas para escapar de algo que devia lhe parecer assustador, não parava de olhar para trás, sempre mais inquieta, como se sua fuga acumulasse a suas costas obstáculos que constrangiam cada vez mais seus movimentos, até que ela foi impelida a se virar por completo; e aí, suspensa, imóvel, ela via, vindo em sua direção, algo ainda mais assustador do que aquilo de que fugia – a ponto de forçá-la a ensaiar um gesto de recuo. Ao fugir de um horror, ela encontrava outro, em parte criado por sua fuga”(3).

Fugindo do passado pela crença cega no progresso, nós modernos fomos fazendo do futuro um campo de ruínas que, agora, se precipita sobre nós. Estamos no meio do turbilhão e temos que imaginar formas de lidar com isso. Esse é o principal objetivo destas exposições. Uma imagem poética da força de Gaia e deste embate entre nossa empáfia e nossa dependência, foi dada pelo curador Ricardo Sardenberg em um post recente nas redes sociais. Ele falava do super navio com 400 metros de extensão, 60 metros de largura e 200.000 toneladas de peso, além dos seus 20.000 containers, que encalhou no Canal de Suez por conta de uma forte ventania que o fez inclinar como se fora uma caravela. Em seguida desencalhou quando a lua cheia com sua força gravitacional fez a maré subir e ajudou a levantar 200 mil toneladas sem grandes malabarismos. O planeta, Gaia, e suas forças naturais, é muito mais potente do que imaginamos.

O que mais chama a atenção nestas curadorias é o fato das montagens apresentadas, recompondo pesquisas e experimentos que se complementam, buscarem acima de tudo enfrentar um negacionismo subliminar. Negacionismo indireto, escondido na esperança, mais do que nunca perigosa, de que a mesma hybris que gerou o problema é capaz de resolvê-lo. Como se o cogito tecnologizado, turbinado pelo capital, bastasse para nos impedir de irmos aceleradamente para o abismo. As proposições da geoengenharia são relevantes no debate, as invenções futuras podem encaminhar algumas soluções, mas não parecem suficientes. Ambas as exposições explicitam a complexidade dos desafios, mas apostam em soluções ao mesmo tempo mais radicais, mais singelas, mais difíceis – não há caminho sem mudarmos nossas formas de vida. Isso exigirá imaginação, negociação, conflitos, transformações. A arte é, certamente, um dos lugares privilegiados para lidarmos com o desconhecido e assumirmos nossa fragilidade constitutiva. Para não terminarmos apenas no tom trágico, sugiro o vídeo do artista indígena Isael Maxakali (vencedor do PIPA Online de 2020) intitulado “O dilúvio Maxakali”. Pode ser visto aqui abaixo ou na página do artista, aqui no site do PIPA. É uma lição de resistência e poesia através do naufrágio iminente.

(1) LATOUR, B. Esperando Gaia. Piseagrama, Belo Horizonte, seção Extra!, XX fev. 2021 (tradução de Alyne Costa)
(2) Conversas que se iniciaram no semestre passado em um curso que dei na pós-graduação sobre curadorias de filósofos e se desdobra neste em um novo curso sobre a atualidade do sublime
(3) LATOUR, B. – Diante de gaia. São Paulo: UBU editora, 2020 (tradução Maryalua Meyer)

Posted by Patricia Canetti at 4:36 PM