Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

outubro 25, 2012

Eduardo Kac é destaque em mostra no Museu Reina Sofia por Mariel Zasso, Select

Eduardo Kac é destaque em mostra no Museu Reina Sofia

Matéria de Mariel Zasso originalmente publicada na seção Da hora da revista Select em 16 de outubro de 2012.

Eduardo Kac é destaque em mostra no Museu Reina Sofia

A exposição Perder a Forma Humana fica em cartaz até março de 2013

De 25 de outubro até março de 2013, a Rede Conceitualismos do Sul apresenta a mostra Perder a Forma Humana no Museu Reina Sofia em Madrid.

O brasileiro Eduardo Kac, artista pioneiro em interações e cruzamentos da arte com ciências – sejam elas robóticas, digitais, biotecnológicas - e um dos dinamizadores da cena underground brasileira nos anos 1980, exibe dentro da mostra sua série radical de fotoperformances Pornograms, criada entre 1981 e 1982.

Sob ditadura militar, Kac liderou o Movimento de Arte Pornô e fez apresentações públicas semanalmente nas ruas do Rio de Janeiro. Vestindo sua icônica minissaia rosa, o Bufão do Escracho – personagem de Kac na Gang, braço performático do movimento – poetava com o corpo e a cidade, executando performances que eram experiências físicas de suas poesias pornográficas, textos escritos para serem gritados, literalmente incorporados.

Os registros desses espetáculos que marcaram o Rio de Janeiro serão exibidos pela primeira vez em um museu – não só as publicações originais e fotografias, mas também um vídeo raro do memorável evento vivido pela Gang de Kac na praia de Ipanema.

Com a exposição Perder a Forma Humana, o grupo de pesquisa Conceitualismos do Sul - atuante desde 2007 no Museo Reina Sofia - reativa práticas artísticas e políticas que ocorreram durante a década de 1980 em diferentes contextos internacionais. A imagem do título da mostra remete à transformação física do humano, imposta ou voluntária, como processo com um epicentro de coordenadas geográficas e cronológicas bem determinadas: a América Latina durante a década de oitenta.

Aqui, a perda da forma humana diz respeito tanto à violência física exercida pelas ditaduras militares, estados de sítio e guerrilhas revolucionárias quanto às experiências de liberdade fruto da subversão ou insubordinação a essas imposições. O corpo é objeto de mutação, de questionamentos, é suporte e elemento que encarna as circunstâncias históricas mas também é capaz de transformá-las. A exposição mostra como simultaneamente, táticas de subversão e ativismo artísticos apareceram em diferentes países que sofriam com os sufocamentos provocados pelos regimes ditatoriais.

Além da exposição, o grupo organiza um seminário nos dias 26 e 27 de outubro, com entrada gratuita (para quem estiver em Madrid!), e transmissão ao vivo pela internet.

Confira abaixo a programação completa do seminário (horário de Brasília):

Dia 26/10

13h - Apresentação do Projeto - Jesús Carrillo e Jaime Vindel (Red Conceptualismos del Sur)

13:30h - Fazer política com nada. Materialidade marginal e ativismo artístico - Guillermo Giampietro, Eduardo Kac, Marta Cocco e Mauricio Guerrero. Mediação de Fernanda Nogueira e Ana Longoni

15:30h - Corpos desobedientes. A irrupção de sexualidades rebeldes - Pedro Lemebel e Francisco Casas (Yeguas del Apocalipsis), Sergio Zevallos e Maris Bustamante. Mediação de Fernanda Carvajal e Fernando Davis

Dia 27/10

06:30h - Cenas under. A festa e a ocupação urbana como nova política - Alfredo Márquez, Sarah Minter, Ral Veroni, Gonzalo Rabanal (Los Ángeles Negros). Mediação de Miguel López e Daniela Lucena

12:30h - O que nos dizem hoje os anos oitenta? - Rachel Weiss, Suely Rolnik, Ana Alvarado e Roberto Amigo. Mediadores: Sol Henaro e André Mesquita

Saiba mais:
Perder la forma humana. Una imagen sísmica de los años ochenta en América Latina

De 25 de outubro de 2012 a 11 de março de 2013

Museo Reina Sofia - Madrid
Curadoria: Red Conceptualismos del Sur

Posted by Cecília Bedê at 11:09 AM