Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

outubro 17, 2012

Projeto Figura 12 leva arte contemporânea para ruas de Santa Teresa, Revista Fator

Projeto Figura 12 leva arte contemporânea para ruas de Santa Teresa

Matéria originalmente publicada na revista Fator Brasil em 17 de outubro de 2012

Claudia Tavares, Monica Mansur, Flávia Vianna, José Diniz, Patricia Gouvêa e o Coletivo Imaginário ocupam, dia 20 (sábado), o bairro carioca.

Apartamentos, casas, galpões e os mais diversos lugares não destinados à exposição de trabalhos de arte, tampouco à visitação pública, utilizados como alternativa ao circuito das artes plásticas. Essa é a proposta do Projeto Figura 12, que desembarca agora no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, no dia 20 de outubro.

Sob o tema Oriente-se, esta edição fica a cargo do Ateliê Oriente e traz os trabalhos dos artistas Claudia Tavares, Monica Mansur, Flávia Vianna, José Diniz, Patricia Gouvea e o Coletivo Imaginário, convidados a intervir especificamente no bairro.

Em “Migração”, de Claudia Tavares, a obra apresentada durante a ArtRio – a representação contemporânea do fluxo migratório de aves que cruzam os ares ao longo do tempo tirada de um muro branco grafitado em Londres -, ganha sequência em fotografias fotocopiadas e coladas no melhor estilo “lambe-lambe” em muros espalhados pela cidade, na Urca, no Cais do Porto, em Paraty.

“A ocupação da cidade tem a intenção de devolver os pássaros à sua origem: os muros de uma grande cidade”, diz Claudia, idealizadora do Projeto Figura, ao lado de Dani Soter e Monica Mansur.

Nos demais trabalhos, Patrícia Gouvêa mostra um vídeo produzido na Índia sugerindo um diálogo entre o tema desta edição e a ideia de orientalizar-se; enquanto José Diniz captura imagens subaquáticas, refletindo sobre a desorientação ao emergir; e o Coletivo Imaginário trata desse mesmo estado a partir de um sonho, usando cor e lente de forma poética.

Completando esta edição, Monica Mansur trabalha em “Sobrevôo” a ausência de horizonte e a duplicidade do reflexo, no momento em que o olhar do espectador se perde dentro da imagem.

Posted by Marília Sales at 2:44 PM