Página inicial

Como atiçar a brasa

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
abril 2021
março 2021
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

fevereiro 27, 2008

Masp vai do modernismo à arte contemporânea, por Silas Martí, Folha de São Paulo

Masp vai do modernismo à arte contemporânea

Matéria de Silas Martí, originalmente publicada na Folha de São Paulo, no dia 27 de fevereiro de 2008

Mostra reúne trabalhos de nomes como Portinari, Malfatti, Volpi, Geraldo de Barros, Rego Monteiro, Tarsila e Flavio de Carvalho

Seria preciso encavalar os espaços para contar esta história. Na porta do primeiro andar do Masp (Museu de Arte de São Paulo), o curador Teixeira Coelho conclui que é difícil dispor as obras da exposição que inaugura hoje sem criar uma falsa cronologia e, ao mesmo tempo, tentar ser fiel ao conceito de modernidade que quis ilustrar.

Reunindo 135 obras de 74 artistas brasileiros, a mostra abarca um período que vai de 1911 a 1980, ou seja, do início do modernismo à era contemporânea. "Vi que, enquanto havia artistas que queriam ser modernos, como Portinari e Segall, outros queriam ficar de fora dessa modernidade", diz Coelho, que escolheu os trabalhos entre os 3.500 da coleção particular do banco Itaú.

Obras antes expostas na sede do banco, na zona sul de São Paulo, agora ganham o espaço do Masp, na primeira grande exposição de artistas brasileiros após o furto de duas telas do museu, um Picasso e um Portinari, em dezembro de 2007.

Divididas em cinco grupos, as obras da exposição que será aberta hoje mostram como Lasar Segall, Flavio de Carvalho, Candido Portinari, Anita Malfatti, Vicente do Rego Monteiro, Maria Martins, Alfredo Volpi e Geraldo de Barros, entre outros, aderiram ou não aos cânones do modernismo.

Percurso comportado
Longe da polêmica causada pelo projeto da cenógrafa Bia Lessa, que pôs algumas obras no chão do Itaú Cultural no ano passado, quando o banco expôs destaques de sua coleção de arte contemporânea, a museografia de Daniela Thomas é mais comportada e tenta juntar, com portas e janelas, idéias simultâneas de modernidade.

A grande tela "Transporte do Café" (1960), de Portinari, recebe o público da mostra. Os retratos "A Pequena Aldeã" (1911), de Lasar Segall, e "Retrato de Renato Magalhães Gouvêa" (1964), de Flavio de Carvalho, seguem, neste primeiro momento, a preocupação exacerbada com a forma que marcou o modernismo brasileiro.

Um retorno à simplicidade, retratos imediatistas da paisagem do país em mutação, marca o segundo momento da exposição. "Marinha" (1953), de José Pancetti, é uma vista quase fotográfica do mar. Ao lado, uma foto de Pierre Verger, que retratou o pintor na praia, dá a dimensão desse realismo.

Abandonando o modernismo de toada clássica, que desbancou a perspectiva e deu novo peso à tinta sobre a tela, Anita Malfatti retrata, nos anos 50, um vaso de flores simplório, quadro raro da exposição. "Ela entrou para a modernidade, levou uma cassetada e se retirou", opina o curador.
No terceiro momento, sai a forma e entra o conteúdo. Gravuras de artistas gaúchos, como Glênio Bianchetti, preocupados com o trabalhador na era do Estado Novo, e grandes telas de Carybé e de Clóvis Graciano, estas com temas como a colheita do café e do algodão, dão o tom de uma arte engajada, que dispensava os arroubos formais do primeiro modernismo.

A escultura "O Impossível", de Maria Martins, peça-chave da artista que foi amante de Marcel Duchamp e parece ter herdado dele um matiz subversivo, introduz o quarto grupo de obras, que fogem das linhas gerais de um movimento para mergulhar no mundo individual de cada artista.

As obras abstratas -que dialogam com o modernismo, mas vão além dele- estão organizadas em três grupos: o abstracionismo figurativo, exemplificado por telas de Aldo Bonadei; experimentos geométricos, com destaque para as colagens fotográficas de Geraldo de Barros; e o informalismo de Wega Nery e Maria Bonomi.

A mostra reúne ainda artistas que fizeram uma ponte com o contemporâneo. Cildo Meireles é um dos destaques, ao lado de Hélio Oiticica e Lygia Pape.

Posted by João Domingues at 9:27 AM