Página inicial

Como atiçar a brasa

 


fevereiro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28        
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

fevereiro 6, 2017

Sérvulo Esmeraldo juntou luz do sertão, concretismo e arte cinética por Silas Martí, Folha de S. Paulo

Sérvulo Esmeraldo juntou luz do sertão, concretismo e arte cinética

Análise de Silas Martí originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 2 de fevereiro de 2017.

"Estamos sempre entre o olhar e o ver", escreveu Sérvulo Esmeraldo. "Sou um observador, um colecionador de imagens. Meus primeiros desenhos eram linhas. Eu observava a incidência da luz, que evidenciava e definia os volumes ao longo do dia. Nunca passei para o abstrato. Minha escrita sempre foi concreta."

Tão concreta e dura quanto a luz sem trégua do Crato, o oásis do sertão cearense, onde nasceu. Esmeraldo, morto nesta quarta, aos 87, fez esses seus primeiros esboços ainda no sótão da casa-grande do engenho de Bebida Nova, com vista para um "vale que se estende por milhares de léguas".

Não espanta, aliás, que ele tenha se firmado na gravura, uma arte de contornos rígidos cavados na madeira, antes de inventar as imensas esculturas metálicas que espalhou por Fortaleza e a famosa série dos "Excitáveis", que criou nas décadas que passou em Paris.

Sua obra, na verdade, parece arquitetada a partir do encontro de três elementos distantes no mapa-a luz do sertão inundando a serra do Araripe, o auge do concretismo que viu em São Paulo e o movimento cintilante da arte dos cinéticos que dominaram a capital francesa ao longo das décadas de 1950 e 1960.

Esmeraldo primeiro levou influências da literatura de cordel ao ofício de ilustrador do "Correio Paulistano", onde trabalhou enquanto estudava arquitetura. Também viu na capital paulista as primeiras edições da Bienal de São Paulo, maior vitrine para a arte geométrica então em voga.

Esse geometrismo de formas elementares depois ganhou movimento em seus anos parisienses, quando conheceu Julio Le Parc, um dos maiores nomes da vanguarda calcada na ideia de movimento, além da "escrita impecável, seca, dinâmica" de mestres como Picasso e Matisse.

Os "Excitáveis", quadros com peças de acrílico que se movem em contato com a eletricidade estática das mãos, foram a síntese máxima de sua obra plástica, aliando a instabilidade do movimento à contenção formal e a uma luminosidade singular.

Era um contraponto brilhante aos anos de chumbo que asfixiavam o Brasil -mesmo longe, ele chegou a mandar o dinheiro da venda de suas peças para ajudar presos políticos do regime militar. Ele ainda participou três vezes da Bienal de São Paulo -em 1961, 1963 e 1987.

Quando voltou ao Ceará, na década de 1970, Esmeraldo deu um passo monumental, ampliando suas delicadas estruturas geométricas para a escala urbana de Fortaleza. Nessa fase, maravilhado com a força da luz tropical, construiu uma série de esculturas metálicas, todas ainda brilhando à beira do Atlântico esverdeado.

Posted by Patricia Canetti at 3:18 AM