Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

maio 16, 2012

Artista constrói instalação interativa 3D em museu no Recife por Júlio Cavani, Diário de Pernambuco

Artista constrói instalação interativa 3D em museu no Recife

Matéria de Júlio Cavani originalmente publicada no Diário de Pernambuco em 11 de maio de 2012.

Daniel Santiago - De que é que eu tenho medo?, Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães - MAMAM, recife - PE, 15/05/2012 a 08/07/2012

Monumento à Juventude é o nome de uma obra de Daniel Santiago mas poderia ser o título da exposição que começa na segunda-feira no Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam). A arte de Daniel, que nasceu em 1939, é essencialmente libertária. Sua subversão está em sua alegria e na sua liberdade. Sua política é o amor. Tanto em seus trabalhos mais antigos, da decada de 1970, quanto em seus experimentos inéditos, concretizados em 2012, sente-se uma energia criativa jovial.

A recente febre do 3D, por exemplo, está presente em sua nova instalação, chamada Na Floresta do Alheamento de Fernando Pessoa. O público deve usar óculos com filtro azul-vermelho para literalmente entrar dentro da obra, formada por fitas brancas penduradas e iluminadas com luzes dessas cores.
Quem for à abertura da exposição, na segunda, das 19h às 22h, também encontrará, ao lado da escadaria do museu, uma mulher pendurada de cabeça para baixo, com uma corda amarrada ao tornozelo. Trata-se de uma nova versão da performance O Brasil É Meu Abismo, feita pelo próprio Daniel no começo da década de 1980, que agora será repetida pela artista Marie Carangi.

Marie é uma das jovens artistas convidadas pelas curadoras Cristiana Tejo e Zanna Gilbert para colaborarem com a obra de Daniel Santiago na exposição, cujo título é De que É que Eu Tenho Medo?. Tião, Jonathas de Andrade Eduardo Souza e Nicolas Robbio também estão entre os que participam do processo de recriação coletiva.

"Não existe regra no trabalho de Daniel. Quando percebe que há um padrão aparecendo, ele tenta desviar", aponta a inglesa Zanna Gilbert (pesquisadora independente com projetos desenvolvidos junto à galeria londrina Tate Modern e ao Museu de Arte Moderna de Nova York - MoMA), que assina a curadoria da mostra junto com Cristiana Tejo. Com obras em diversos formatos (poesia, vídeo, instalação 3D, performance, desenho, pintura, arte postal, etc), a exposição é um empurrão inicial que pode revelar Daniel Santiago definitivamente como um dos grandes nomes da arte contemporânea brasileira (como ocorreu recentemente com Paulo Bruscky, que trabalhava em dupla com ele).

Posted by Guilherme Nicolau at 9:42 AM | Comentários(1)
Comments

É com grande entusiasmo, que vejo essa reportagem sobre esse artista contemporâneo Daniel Santiago, em meio as minhas pesquisas sobre a arte contemporânea no universo atual como relação ao pertencimento e identidade artística ultural dentro das Políticas Culturais e o mercado canibalista que se apropria da arte e transforma em produto de massa,e também a era digital, que assusta quanto a oferta mais globalizada do mercado, sua Obra mostra que o homem transgride e sua arte sobressai em qualquer cenário, imaginar sua obra se beneficiando da Tecnologia 3D, foi um refresco de cajú em meio a seca do nordeste. Parabéns e obrigada por mostrar que nada e maior que a vontade do homem

Posted by: Maria Araujo at maio 22, 2012 3:25 PM
Post a comment









Remember personal info?