Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

janeiro 30, 2012

Estudo sério, exposição sugere que MAC poderá tratar com dignidade seu acervo por Fabio Cypriano, Folha de S. Paulo

Estudo sério, exposição sugere que MAC poderá tratar com dignidade seu acervo

Crítica de Fabio Cypriano originalmente publicada na Ilustrada da Folha de S. Paulo em 28 de janeiro de 2012.

"O Tridimensional no Acervo do MAC: uma Antologia" é, visivelmente, uma mostra organizada para ser coadjuvante na inauguração do museu. Montada na área de recepção dos visitantes, que não terá exposições no futuro, reúne 17 trabalhos, que abordam alguns caminhos da escultura, desde os anos 50.

Mas, apesar de disposta em espaço improvisado, a mostra tem méritos. O primeiro, por apontar que o edifício projetado por Oscar Niemeyer passa a ter sentido, agora, graças à significativa coleção do MAC, e ela já pode ser vista mesmo que o museu não esteja plenamente instalado.

O segundo, mais importante: não se trata de mostra improvisada ou apenas com peças conhecidas, mas um estudo sério, organizado pelo diretor do MAC, Tadeu Chiarelli, que é o que se espera de um museu universitário.

A metamorfose da escultura no século 20 é um dos principais exemplos das alterações dos parâmetros do que se considera arte.

Nos 50 anos que se passam entre "O Implacável" (1947), de Maria Martins até "A Negra" (1997), de Carmela Gross, obras vistas na exposição, há todo um questionamento sobre a escultura como um monumento visto apenas em materiais sólidos e perenes.

Várias obras abordam essa transformação e um dos melhores exemplos da mostra é "Impresso sobre Rocha" (1973), de Chihiro Shimotani. Com 31 pedaços de rochas com palavras impressas, a obra torna-se uma metáfora do esfacelamento da matéria bruta e de novos usos, como o textual, elemento constituinte da arte conceitual.

A mostra traz ainda trabalhos poucos vistos do acervo, até então restrito a espaços acanhados, como esculturas sem título de Gustavo Rezende e Ângelo Venosa, o que sugere que, em sua nova casa, o MAC poderá tratar com dignidade o que até pouco tempo atrás estava condenado à sua reserva técnica.

O TRIDIMENSIONAL DO ACERVO DO MAC
QUANDO abre amanhã (29/01) para o público; ter. a dom., das 10h às 18h
ONDE MAC (av. Pedro Álvares Cabral, 1301; tel. 0/xx/11/5573-0032)
QUANTO grátis
AVALIAÇÃO ótimo

Posted by Patricia Canetti at 11:38 AM