Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

janeiro 18, 2012

Steegman Mangrané dissocia contundência de exagero por Fabio Cypriano, Folha de S. Paulo

Steegman Mangrané dissocia contundência de exagero

Matéria de Fabio Cypriano originalmente publicada na Ilustrada do jornal Folha de S. Paulo em 21 de dezembro de 2011.

Banalizando suas formas em suportes simples, o artista vai na contramão do fetichismo das obras de Oiticica

Numa folha de árvore ressecada, o artista espanhol Daniel Steegmann Mangrané entalhou nove círculos. Sobre ela, projeta um facho de luz, que ressalta as formas arredondadas esculpidas.

Trata-se de "Elegancia y Renuncia", primeira obra de Mangrané em sua exposição "Four Walls", em cartaz na galeria Mendes Wood.

Simples, artesanal, sem truques, "Elegancia y Renuncia" dá o tom das 12 obras na mostra, a primeira individual do artista espanhol radicado no Brasil.

A mostra é composta por trabalhos que lidam com a tradição construtiva no país, mas que dela retiram o caráter formal e um tanto perfeccionista em suas relações geometrizantes, para introduzir métodos precários.

Steegman Mangrané revisita, por exemplo, os "Metaesquemas", de Hélio Oiticica, compostos de figuras geométricas que vibram no espaço.

Em sua versão, numa obra sem título, o espanhol isola as figuras geométricas para que sozinhas ou em duplas ocupem dez folhas de caderno e, às vezes, a parede.

Dissolvendo os metaesquemas, banalizando suas formas em suportes simples, o artista vai na contramão do fetichismo que as obras de Oiticica alcançam.

Essa operação segue em projeções sobre imagens de floresta sobrepostas com formatos de losango, como na obra "Kiti Ka'aeté", ou no díptico "Madre", duas pinturas que lembram os "Espaços Modulados", de Lygia Clark, mas se constroem por acúmulo de tinta branca, cujo óleo mancha o próprio suporte.

A fragilidade ganha tônica ainda nos aparatos que dão certa magia à sua obra, como um projetor que cria uma misteriosa imagem branca numa parede, mas que pode ser desvendada. Com delicadeza, Daniel Steegmann Mangrané mostra que contundência não se faz com exagero.

FOUR WALLS - DANIEL STEEGMANN MANGRANÉ

QUANDO de seg. a sáb., das 10h às 19h; até 23/12

ONDE galeria Mendes Wood (r. da Consolação, 3358, São Paulo; tel. 0/xx/11/3081-1735)

QUANTO grátis

CLASSIFICAÇÃO livre

AVALIAÇÃO ótimo

Posted by Patricia Canetti at 10:29 AM