Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

maio 8, 2012

Eliane Costa deixa a Petrobras por Deolinda Vilhena e Eliane Costa, Terra Magazine

Eliane Costa deixa a Petrobras

Matéria de Deolinda Vilhena e Eliane Costa originalmente publicada no Terra Magazine em 6 de maio de 2012

so meu espaço nesse blog para homenagear uma pessoa importantíssima nos últimos anos na vida dos que trabalham com cultura nesse Brasil: Eliane Costa, Gerente de Patrocínios da Petrobras desde 2003 e que se prepara para deixar a empresa na qual trabalha há 37 anos!

Conheci Eliane em Paris, mais precisamente em novembro de 2010 quando integramos uma equipe de cerca de vinte brasileiros contemplados pelo Ministério das Relações Exteriores e pelo Ministério da Cultura da França, o Courants du Monde. Foi um ano especial, a Promotion 2010 do Courants du Monde há de ficar na história do projeto. Éramos uma equipe da pesada: Eliane Costa, Eva Dóris Rosental, Fernanda Celidônio, Vitor Ortiz (hoje Secretário Executivo do Ministério da Cultura), Eliana Bogéa, enfim pessoas com uma trajetória em suas vidas profissionais que se cruzaram num dos mais bonitos programas de formação do qual eu tenho conhecimento.

Durante três semanas moramos no mesmo hotel, andávamos em turma e eu meio que funcionava como a guia da tchurma pelo fato de haver morado anos e anos em Paris – e claro pela minha paixão infinita por essa cidade. Tínhamos aula de segunda à sexta, das 9h às 12h e das 14h às 17h em Paris Dauphine. E Dauphine é apenas um universidade de referência na área da Economia da Cultura, ou seja havia muito trabalho. Mas havia muita festa também porque Paris é – e o será eternamente! – uma festa.
Duas coisas me impressionaram na figura de Eliane Costa: sua simplicidade e sua capacidade de trabalho. Simplicidade porque o cargo que ela ocupava fazia dela a mulher mais cortejada do Brasil, Dilma ainda não era Presidente do Brasil e Graça Foster também não havia chegado à presidência da Petrobras. Quanto a capacidade de trabalho só tenho a dizer que era de impressionar. Porque ela ia diariamente às aulas, nos acompanhava nos teatros e nas mesas de bar/café de Paris, fazia sua caminhada diária às margens do Sena e ainda encontrava tempo para redigir o final de sua dissertação de Mestrado, sim ela é Mestre em Bens Culturais e Projetos Sociais pela FGV-Rio com pesquisa sobre políticas públicas para a cultura digital na gestão Gilberto Gil, que resultou em seu livro Jangada Digital, publicado em 2011.

Nossos caminhos se cruzaram nos carrefours parisienses e são para toda a vida. Como profissional da cultura lamento sua saída, vai fazer falta para muita gente. Mas como sua amiga confesso que estou feliz, vai sobrar mais tempo para tudo o que quero fazer em parceria com ela e com quem mais quiser se juntar a nós.

Eliane será Doutora pela Sorbonne, e uma vez sorbonnarde toujours sorbonnarde, o que nos unirá mais ainda…e estarei lá na sala de defesa da grande Sorbonne para aplaudir mais essa conquista dessa libriana, que toca cavaquinho e gosta de boa música. Mas antes disso terei o prazer de recebê-la daqui a uns dias em Salvador para participar como palestrante do 1º Seminário Internacional de Formação e Capacitação em Cultura, que acontecerá nos dias 28, 29 e 30 de maio, no Teatro Vila Velha e do qual sou Presidente da Comissão Organizadora mas sobre isso falaremos outro dia.
Deixo aqui meu abraço apertado para Eliane e desejo muito muito sucesso nos novos caminhos que a levarão com frequência à la Cour d'Honneur de la Sorbonne. Daqui a alguns poucos anos postarei aqui as fotos da defesa de tese dela sob a direção do Michel Maffesolli e a menção: très honorable avec félicitations du júry à l'unanimité. A mais alta concedida a um doutorando na França. Porque da Eliane é o mínimo que eu espero.

Aqui embaixo vocês a carta de despedida encaminhada por ela a seus amigos e parceiros ao longo desses anos de trabalho.

Caros colegas, parceiros e amigos

Como alguns de vocês já sabem, desde o início do ano me preparo para me aposentar da Petrobras, deixando, por conseguinte, a Gerência de Patrocínios, o que faço agora, nos primeiros dias de maio. Não foi uma decisão abrupta: ao contrário, posso dizer que comecei a pensar nisso há dois anos, após terminar o Mestrado e lançar meu livro Jangada Digital, sobre as primeiras políticas públicas do Ministério da Cultura para o cenário das redes: os Pontos de Cultura, na gestão Gilberto Gil.

Minha decisão ganhou força quando fui convidada, no final do ano passado, para fazer um Doutorado na Sorbonne, levando para lá a pesquisa sobre essa experiência brasileira, agora acrescida dos igualmente originais e potentes movimentos de sociedade civil que trabalham nessa mesma interseção cultura / redes digitais / território / cidadania, dentre os quais Afroreggae, Fora do Eixo, Central Única das Favelas, Nós do Morro, Viva Favela, Agência de Redes para a Juventude, Casa da Cultura Digital, Universidade das Quebradas, Observatório de Favelas, PontoCine Guadalupe, Narrativas Digitais, Redes da Maré, Tramas Urbanas, Regiões Narrativas, Crescer e Viver, Conexão Felipe Camarão, Tangolomango e tantos outros. Isso sem deixar de fora o fenômeno de microempreendedorismo representado pelas mais de 100 MIL lan-houses que se espalham pelos bairros populares e favelas brasileiras: um número impressionante, principalmente quando comparado às 5 mil bibliotecas públicas, 2200 salas de cinemas ou 2500 livrarias no país. Devo dizer que essa cena brasileira é muito reconhecida no exterior por sua originalidade, ousadia e potência transformadora.

Parte expressiva dessa efervescência cultural foi incentivada pelo enfoque das políticas públicas a partir de 2003, que então passaram a enfatizar a perspectiva da diversidade e dos direitos culturais, ao lado de uma concepção contemporânea de cultura e da percepção dos desafios que estão hoje a ela colocados. Essa cena foi, ao mesmo tempo, energizada pela Petrobras, que identificou nessas manifestações algumas das prioridades de sua própria política de patrocínio cultural: “contribuir para a realização de projetos de interesse público, não necessariamente na evidência do mercado e que contemplem a cultura brasileira em toda a sua diversidade étnica e regional”, bem como “contribuir para a afirmação da cultura como direito social básico do cidadão”.

Eu não poderia, portanto, perder a oportunidade de, após essa experiência de formulação e gestão de uma política cultural institucional articulada com as políticas públicas para o setor, continuar refletindo sobre a “cultura das redes” e seu diálogo com a chamada “cultura da periferia”, assuntos que, “juntos e misturados” aos seus valentes protagonistas, me proporcionaram as experiências mais ricas e motivadoras que tive durante os quase nove anos em que fui gerente de patrocínios na Petrobras.
Assim, acabo de começar o doutorado no Centre d’Études sur l’Actuel et le Quotidien (CEAQ / Paris V), sob a orientação do professor Michel Maffesoli que, há algum tempo, já dissera que “o Brasil é o laboratório da pós-modernidade”. Não precisarei me mudar para a França nesse primeiro momento, visto que meu campo de pesquisa é aqui, mas preciso ter tempo pra estudar e disponibilidade para estar lá, por algumas semanas, pelo menos duas vezes ao ano.

Minha decisão não é nada fácil: deixo a empresa após 37 (trinta e sete!) anos de casa, durante os quais vesti a camisa da Petrobras com muita paixão. Nesses últimos nove, estive à frente das seleções públicas nacionais de projetos e da gestão do Programa Petrobras Cultural (PPC), que, desde 2003, viabilizou mais de três mil projetos provenientes de todas as regiões do país: a maior parte dos filmes brasileiros produzidos/lançados no período, ao lado de espetáculos, concertos, livros, exposições, ações de arte-educação, CDs, DVDs, portais na internet, redes, orquestras, festivais, seminários, oficinas, óperas, balés, obras de restauro de edificações históricas, ações de salvaguarda e registro do patrimônio imaterial brasileiro, festas populares, manutenção de espaços culturais e de formação, além de companhias de teatro, dança e circo.

Essas ações envolveram cultura popular, tradicional e de vanguarda; de “centro” e de “periferia”; analógica e digital; focadas não só em produção, mas também em difusão, memória, reflexão, formação de públicos, talentos e técnicos para o setor; projetos singelos e de grande porte; realizadores consagrados e os novos protagonistas da cena cultural contemporânea. Vozes, cores, linguagens, olhares, trajetórias, narrativas e sotaques que fazem jus à diversidade étnica, regional e social da cultura brasileira.
Tenho a convicção de ter trazido ao meu trabalho as idéias e energias de muitas outras pessoas que vieram antes de mim, e de outras tantas que estiveram ao meu lado nesse percurso e o continuarão, não necessariamente da mesma maneira. Certamente o período com que pude contribuir para essa atividade faz parte de uma linha muito mais longa, para trás e para frente.

Nesse momento de partida, agradeço, em primeiro lugar, à minha equipe, competente, carinhosa e companheira nos desafios de todos os dias, especialmente à Taís, minha substituta durante a maior parte desses nove anos, e aos demais gerentes setoriais e coordenadores que me acompanharam mais de perto, como Thompson, Gilberto, Claudio Jorge, Romildo e Regina, que, juntos, deram o suporte indispensável à minha gestão. Não posso citar cada um de vocês, mas sintam-se todos prestigiados e tocados por minha gratidão.

Sou muito grata, também, aos superiores que tive nessa jornada: os ex-presidentes Jose Eduardo Dutra e Jose Sergio Gabrielli, bem como a presidente Graça Foster, com quem pouco pude conviver, por conta dessa minha decisão, mas a quem desejo muita força e sucesso nesse posto que, pela primeira vez, é feminino. A Wilson Santarosa, que, como Gerente Executivo da Comunicação Institucional, foi, desde 2003, meu gerente superior imediato, agradeço muito especialmente. Todos me proporcionaram um tempo muitíssimo feliz, mesmo com todo o estresse inerente a um cargo como o que deixo agora.
Agradeço, igualmente, a todos(as) os(as) colegas e amigos(as) que fiz ao longo desses 37 anos, em todas as áreas da empresa pelas quais passei: ainda que, à época com outros nomes, a área de Tecnologia da Informação, a Universidade Petrobras, a Exploração & Produção, a Área de Negócio Internacional e em especial, a Comunicação Institucional, onde estou desde 2002, e onde aprendi muito com as demais equipes e com meus pares-gerentes. Obrigada também aos colegas e parceiros do Jurídico, Tributário, Auditoria, GAPRE, da BR e demais subsidiárias, bem como das áreas regionais de comunicação ligadas aos demais órgãos da empresa.

E, claro, aos meus amigos e familiares que estiveram perto de mim durante essa trajetória, que certamente lhes subtraiu muitas de minhas horas.

Não posso deixar de agradecer, ainda, ao Ministério da Cultura e suas fundações e autarquias vinculadas, à Secretaria de Comunicação da Presidência da República – SECOM (em especial ao seu Comitê de Patrocínios), às secretarias estaduais e municipais de cultura com os quais tive contato, às instituições culturais parceiras, aos mais de 400 especialistas que integraram as comissões anuais de seleção pública do PPC (professores, pesquisadores, críticos, realizadores vindos de todo o Brasil) e aos profissionais da imprensa (pelo respeito e consideração que sempre tiveram com a minha pessoa).
Agradeço muito especialmente aos proponentes dos milhares de projetos que tive a oportunidade de receber e ouvir (tendo a Petrobras podido, ou não, patrociná-los), tanto na sede da empresa, quanto durante as Caravanas PPC, circuito nacional de bate-papos e oficinas de projetos que inauguramos em 2005, com o objetivo de agregar à divulgação da abertura das inscrições para as seleções públicas do Programa Petrobras Cultural uma dimensão formativa, com oficinas de projetos e bate-papos diretos com artistas, criadores, produtores e agitadores culturais de todas as capitais e de algumas das grandes cidades brasileiras. Nesses circuitos, acho que ouvi quase todos os sotaques do Brasil, bem como a voz de muitos brasileiros orgulhosos de serem reconhecidos como protagonistas de nossa cultura. Nessas Caravanas, pude, acima de tudo, perceber claramente como são diversas as demandas, as dificuldades e as possibilidades dos muitos “brasis”, e como alguns pequenos detalhes nos processos, nos critérios, na política de patrocínios da empresa e no próprio relacionamento do patrocinador com os proponentes, e com seus projetos, podem fazer enorme diferença, certamente imperceptível para quem não sai de sua mesa no escritório.

Foi, realmente, uma experiência riquíssima.

Embora a importância da Petrobras para o país transcenda, em muito, os limites da cena cultural, posso afirmar que foi a partir da perspectiva da cultura que pude compreender mais profundamente a dimensão da presença dessa empresa, capaz de transformar realidades e pessoas. A possibilidade de, dentro dos meus limites, ter contribuído para essa transformação me deixa, sinceramente, muito feliz e realizada.
Vou me dedicar, a partir de agora, ao meu doutorado e a compartilhar essa experiência que tive o privilégio de acumular: dando aulas nos programas de pós-graduação da ESPM e da Candido Mendes, bem como em palestras, consultorias e projetos bacanas que surgirem. Este email da Petrobras sairá do ar no próximo dia 10.

Um grande abraço a todos! E continuemos atentos ao papel estratégico que a Cultura precisa ocupar no projeto do Brasil que queremos.

Eliane Costa

PS: Continuarei, também, como sempre, tocando cavaquinho e cantando nas rodas de samba mensais do bloco Escravos da Mauá, desde 1993 na região portuária carioca.

Posted by Cecília Bedê at 1:42 PM | Comentários(1)
Comments

Parabéns a Eliane pelo prêmio de sua aposentadoria. Sua jornada foi brilhantemente cumprida. Tive a grande sorte de ter sido seu aluno na 1ª turma da Candido Mendes de pós graduação em Produção Cultural. Fiquei impressionado pela monstruosidade de sua sabedoria e como compartilhava isso de forma simples. Parece fácil, mas aí é que reside sua genialidade. Criei no finalzinho de 2011 o site www.espacoriocultural.com.br que difunde a cultura carioca com preços que variam do 0800 a 30 reais. Isto é uma sementinha captada para dar acesso à cultura de forma mais democrática. Fruto colhido das aulas dessa mestra da vida inteira.

Posted by: Antonio Gonçalves at maio 10, 2012 12:35 AM
Post a comment









Remember personal info?