Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

maio 4, 2012

Artista Rodolfo Mesquita retrata o cotidiano com uma visão crítica sobre o homem, Diário de Pernambuco

Artista Rodolfo Mesquita retrata o cotidiano com uma visão crítica sobre o homem

Matéria originalmente publicada no Diário de Pernambuco em 2 de maio de 2012.

Rodolfo Mesquita, Amparo 60 Galeria de Arte, Recife - PE, 04/05/2012 a 02/06/2012

Seres humanos apáticos, que parecem perdidos na banalidade do cotidiano, são os protagonistas do quadros de Rodolfo Mesquita, que inaugura nova exposição na Galeria Amparo 60. Os desenhos e pinturas do artista possuem uma forte carga plástica e podem ser considerados lindos apesar de serem protagonizados por personagens esencialmente feios, assim como atingem a harmonia por meio de traços tortos. As obras também são carregadas de críticas sociais, ideológicas e políticas, apesar de não atacarem nenhum alvo explícito.
A exposição começa nesta quinta, com abertura às 20h, e fica em cartaz até 2 de junho, de segunda a sábado, na Avenida Domingos Ferreira, 92, Pina. Informações: 3033-6060.

Leia íntegra do texto de apresentação da exposição escrito pela curadora Clarissa Diniz:

Invenção compulsória

Certa inabilidade e as invenções que dela decorrem atravessam a obra de Rodolfo Mesquita. Qualquer aspecto que pareça advir do voluntarismo atribuído ao “estilo” — com suas escolhas repletas de singularidade autoral — é, em verdade, invenção compulsória: o artista não sabe fazer de outro modo e está, assim, obrigado a ser como nos aparece. Nesse sentido, quando Rodolfo afirma sua inabilidade formal e seu não virtuosismo técnico, devemos entender que não se trata de uma “dificuldade em afirmar-se” como artista, mas, antes, de uma incomum disposição em enfrentar a difícil afirmação de uma subjetividade compulsoriamente alienada: nós não sabemos o que fazemos. Assim, uma visão política da história, da economia e do sujeito se presentifica em seu modo de entender e de fazer arte: “Nós não somos mestres do que produzimos. O que produzimos se impôs a nós. Alguém que parte do nada, que tem consciência de que a verdadeira intuição artística deve sair do nada. […] Desenhar só o que não sei. Rude prova de existência como quem diz ′foi sem saber`”1.

O que poderia parecer um vago marxismo recoloca-se, na obra de Rodolfo Mesquita, em precisa crítica política. O projeto doutrinário e voluntarista de quase todo o pensamento revolucionário de esquerda é secamente posto em perspectiva por uma obra que, cada vez mais, nada pretende afirmar. O artista responde à frustração generalizada diante da “falência” da utopia socialista com um cotidiano trabalho de esvaziamento — ou, tomando de empréstimo um conceito deleuziano, de esgotamento — do próprio pensamento utópico. Assim, se até meados dos anos 1990 o trabalho de Mesquita estava às voltas com um esforço de engajamento social, aos poucos a energia é transposta para outro foco. O desaparecimento dos textos que ofereciam chaves de leitura de caráter habitualmente crítico e social; a paulatina ênfase sobre situações eminentemente corriqueiras (e, portanto, menos narrativas e/ou épicas); o surgimento de personagens menos socialmente demarcados (tantas vezes lidos como “idiotas”, mas, fundamentalmente, equivalendo a “qualquer um”); o crescente protagonismo do fundo diante da figura e, com isso, a complexificação da espacialidade na obra do artista são aspectos que evidenciam essa transformação. De modo geral, o artista esgota seus personagens e suas narrativas que, assim, diariamente mais desgarrados socialmente, tornam-se, por outro lado, cada dia mais políticos.

Liberados de “ser alguém” (dessubjetivados, portanto) e habitantes de um espaço não ortodoxo — ao passo que igualmente não cartografável —, seus personagens performam uma existência que, indisposta com meios e fins, funções sociais ou vontades narcísicas, tende a ser pura intensidade: gestos repetidos e sem sentido, olhares destituídos de ponto de fuga, caminhadas para lugar algum, quedas e saltos no vazio, verbalizações mudas — inutilidades que conferem caráter político à inabilidade. Igualmente inaptos, portanto, o artista e sua obra paulatinamente esgotam suas próprias possibilidades e, girando em torno de si mesmos, fundam uma experiência de imanência, de uma continuidade que só se faz porque é, por si, persistente.

Compreendendo que “Sentir não é ter sensações, assim como pensar não é ter ideias”2, a obra de Rodolfo Mesquita tem esgotado os substantivos e adjetivos de outrora para lançar-se a um vazio-pleno — evidente na espacialidade em queda de suas obras recentes —, potencializado pela ação3. Para o artista, cujos personagens e espaços parecem ter esgotado todas as possibilidades, continuar inventando perdeu seu caráter de escolha e tornou-se potente e ativamente compulsório: “Está em ação, processo em movimento, o verbo é dominante: você está fazendo”4.

1 Excerto de texto de Rodolfo Mesquita (1993).
2 Idem.
3 “O vazio-pleno contém todas as potencialidades. É o ato que lhe dá sentido”. Lygia Clark no texto Do Ato (1965).
4 Excerto de texto de Rodolfo Mesquita (1993).

Posted by Guilherme Nicolau at 8:17 AM