Página inicial

Como atiçar a brasa

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
As últimas:
 

julho 7, 2011

Fora de controle por Nina Gazire, Istoé

Fora de controle

Matéria de Nina Gazire originalmente publicada no caderno Cultura da revista Istoé em 7 de julho de 2011.


RUMOS ARTE CIBERNÉTICA/ Itaú Cultural, SP/ até 4/9

O termo cibernética vem do idioma grego e originalmente se relacionava ao comando do prumo de uma embarcação. Como ciência, a cibernética surgiu em 1948, quando o cientista americano Norbert Wiener escreveu o artigo “Cibernética e sociedade”, dando à palavra a função de definir o controle de qualquer sistema de comunicação, seja ele maquínico, seja animal. Assim como diferentes disciplinas se somaram às artes visuais, como a biologia, que resultou na bioarte, a junção entre arte e cibernética ganha uma vitrine dentro desta segunda edição do Rumos Arte Cibernética. Realizado desde 2006 pelo Itaú Cultural, o programa visa selecionar, por meio de edital, trabalhos de artistas que possuem pesquisa dentro deste campo.

Na arte cibernética é imprescindível que exista uma coprodução entre os diferentes sistemas que compõem a obra de arte. “Quando se fala em arte cibernética, pensamos em um conceito mais abrangente do que vem a ser a interatividade.

O artista transfere toda a poética e autoria para as reações que acontecem no sistema da obra, seja com pessoas, seja com máquinas”,
explica Marcos Cuzziol, gerente do Itaulab – Núcleo de Arte Cibernética do Itaú Cultural.

Um exemplo é o trabalho do paulistano Márcio Ambrósio, “12i – A Roda da Vida”. O artista realizou uma releitura de um zootrópio (foto), tambor circular com cortes, através dos quais o espectador pode observar desenhos colocados em seu interior que, ao girar, ganham movimento. Nessa obra, o público possui seus movimentos captados por uma câmera. Posteriormente, por meio de um tíquete inserido no zootrópio, o visitante pode ver 12 imagens de seus movimentos organizadas por um software que as transforma em uma animação. Dessa forma, tanto a autoria da animação, que fica a cargo do software e do público, quanto a exibição que acontece no zootrópio funcionam como sistemas independentes da ação do artista.

Além dessa obra, outros seis trabalhos, selecionados para o Rumos Arte Cibernética, participam da mostra que inclui também obras do artista Ricardo Nascimento e Juliana Cerqueira, selecionadas na primeira edição, em 2006.

Posted by Gilberto Vieira at 1:34 PM