Página inicial

Como atiçar a brasa

 


julho 2015
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise em
Como atiçar a brasa:
Arquivos:
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

junho 25, 2015

Mostra em SP celebra centenário de Vilanova Artigas com viés intimista por Silas Martí, Folha de S. Paulo

Mostra em SP celebra centenário de Vilanova Artigas com viés intimista

Matéria de Silas Martí originalmente publicada na Ilustrada no jornal Folha de S. Paulo em 23 de junho de 2015.

João Batista Vilanova Artigas - Ocupação Vilanova Artigas, Instituto Itaú Cultural, São Paulo, SP - 24/06/2015 a 09/08/2015

João Batista Vilanova Artigas, mestre da escola paulista de arquitetura, ficou famoso pela solidez despojada de suas construções em concreto armado e de vãos livres estonteantes, como o do prédio da FAU, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Mas, por mais abrutalhadas que fossem as suas obras, ele sempre manteve a elegância.

Na mostra no Itaú Cultural que celebra o centenário do arquiteto – ele nasceu em junho de 1915 e morreu aos 69, há 30 anos –, está sua indefectível coleção de gravatas-borboleta. É por um viés intimista, aliás, que Artigas e sua obra indissociável do horizonte paulistano são relembrados.

"Ele era uma figura extraordinária, de personalidade agradabilíssima e sedutora", lembra o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, outro mestre do brutalismo e discípulo de Artigas. "Essa era a sua graça."

Parecendo um Frank Sinatra nos trópicos, Artigas foi também uma das vozes mais aguerridas do Partido Comunista e provocou uma revolução no ensino da arquitetura. No caso da USP, sua ideia de dividir a área entre ciências do homem, da natureza e da construção se reflete nos contornos que deu à FAU, sua obra-prima como arquiteto.

Seus melhores projetos, aliás, datam da mesma época –a FAU, o edifício Louveira, a garagem de barcos do Clube Santa Paula e o estádio do Morumbi são todos desenhos de antes do golpe militar em 1964, que levou à cassação de Artigas como professor e a seu exílio no Uruguai durante quase um ano.

Nesse sentido, sua obra pode ser revista à luz da atuação política. "Ele criou uma continuidade espacial que não se usava", diz a historiadora Rosa Artigas, filha do arquiteto, explicando que ele aboliu divisões entre patrões e empregados nas casas que criou.

"Em nenhum país do mundo deveria existir isso de separar as castas", diz Rosa, que lança agora um livro sobre o pai, reunindo o maior número de obras num mesmo volume. "Ele achava isso um conceito rural, escravista, que não cabia numa casa de cidade."

Sua própria casa, a primeira que Artigas construiu para viver com a mulher antes de ter filhos, é um manifesto dessa atitude –um volume que se articula em torno da cozinha como eixo central, ligando o quarto no andar de cima à sala no térreo e ao porão.

É nítida ali a influência do americano Frank Lloyd Wright, famoso pela invenção de um modernismo orgânico, em que um único espaço do prédio acaba servindo de ponto de partida para toda a sua dinâmica de circulação.

APOLO E DIONÍSIO

Enquanto olhava para Lloyd Wright, Artigas também conhecia o modernismo europeu, liderado por Le Corbusier.

"Ele dizia que Lloyd Wright era dionisíaco e Le Corbusier era apolíneo", conta Álvaro Razuk, um dos organizadores da mostra de Artigas. A obra do arquiteto pode ser entendida como um meio-termo poderoso entre as duas escolas.

Num momento de industrialização incipiente e técnicas ainda precárias, Artigas se firmou como uma espécie de dândi comunista que tentou estabelecer a contrapelo uma nova modernidade em território tropical.

Posted by Patricia Canetti at 10:05 AM

Evolução da arte digital inspira mostras no Rio e em São Paulo por Silas Martí, Folha de S. Paulo

Evolução da arte digital inspira mostras no Rio e em São Paulo

Matéria de Silas Martí originalmente publicada na Ilustrada no jornal Folha de S. Paulo em 16 de junho de 2015.

Quando a informática ainda engatinhava, uma geração de artistas já tentava criar uma arte computacional, com trabalhos estruturados a partir de algoritmos –o termo que parecia um palavrão entre estetas está hoje na base de um dos campos que mais cresce nas artes visuais.

Duas mostras em cartaz no país exibem agora momentos distintos da evolução da chamada arte digital. Enquanto o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica leva à galeria da Fiesp, em São Paulo, um panorama do mais atual nesse meio, o Oi Futuro, no Rio, revê os primórdios dele com obras de quatro artistas pioneiros da cena eletrônica.

Nos anos 1960, Londres e sua Slade School formavam o centro nevrálgico de experimentações com computadores. Harold Cohen, Ernest Edmond e Paul Brown eram alguns dos nomes quebrando a cabeça ali para transformar algoritmos em belas imagens.

"Houve uma ruptura. Queríamos fazer uma arte sem assinatura, sem o gesto do artista", conta Brown, que está agora na mostra carioca. "Minha ideia era desenvolver um processo autônomo e observar que imagens poderiam surgir desses mecanismos independentes do autor."

Nesse sentido, a obra de Brown, que antes de entrar no mundo dos computadores iluminava shows das bandas Pink Floyd e The Who, estava em sintonia com as ideias da arte conceitual que despontava então como vanguarda que pensava a criação de obras a partir de instruções precisas.

Ou seja, importava menos o resultado final e mais o código por trás da obra. "Eles lançaram as sementes do que acontece hoje", observa Fabrizio Poltronieri, um dos organizadores da mostra no Rio. "Perceberam naquela época que os computadores virariam uma parte integral da vida."

Da mesma forma que os algoritmos da turma britânica deram corpo a imagens figurativas e abstratas, trabalhos da novíssima geração agora em São Paulo também resgatam noções de pintura, como o da americana Carla Gannis, que revisita "O Jardim das Delícias Terrenas", obra do século 16 de Hieronymus Bosch.

"Ela se apropria do quadro e cria uma nova iconografia toda estranha nele", diz Paula Perissinotto, diretora do festival paulistano. "A imagem já foi um desafio na tecnologia, mas os códigos se sofisticaram, já existe um domínio da técnica. Estamos caminhando para novas poéticas."

FESTA PARA OS OLHOS

Tanto que sua mostra também abriu espaço para esculturas, instalações e até um filme, longa do austríaco Gustav Deutsch inspirado nas pinturas de Edward Hopper –parece ser um esforço dessa cena para romper com a ideia de gueto em que a arte digital ficou isolada das demais linguagens artísticas.

Mas é talvez nessa aproximação com outros campos estéticos que a arte digital arrisque perder seu viés crítico. "Estamos presos aos nossos telefones e não prestamos atenção no mundo que existe além deles", diz Frieder Nake, artista alemão também na mostra do Oi Futuro.

"Em tempos em que tudo é controlado por dados e algoritmos, deveríamos ser mais críticos e céticos. A arte não pode ser engolida pelas redes sociais. Deveria ser uma festa para os olhos e para o corpo."

FESTIVAL INTERNACIONAL DE LINGUAGEM ELETRÔNICA
QUANDO todos os dias, das 10h às 20h; até 16/8
ONDE Centro Cultural Fiesp, av. Paulista, 1.313, tel. (11) 3528-2000
QUANTO grátis

CÓDIGOS PRIMORDIAIS
QUANDO de ter. a dom., das 11h às 20h; até 16/8
ONDE Oi Futuro, r. Dois de Dezembro, 63, Rio, tel. (21) 3131- 3060
QUANTO grátis

Posted by Patricia Canetti at 9:56 AM

junho 21, 2015

Dominique Gonzalez-Foerster cria espaço de imersão em mostra no Rio por Camila Molina, Estado de S. Paulo

Dominique Gonzalez-Foerster cria espaço de imersão em mostra no Rio

Matéria de Camila Molina originalmente publicada no Caderno 2 do jornal Estado de S. Paulo em 19 de junho de 2015.

Artista francesa coloca filtros vermelhos e azuis no MAM carioca em exposição que apresenta obras criadas desde a década de 1980

Dominique Gonzalez-Foerster transformou o Museu de Arte Moderna do Rio em um grande “óculos 3D”, ela diz. Ao colocar filtros vermelhos e azuis no segundo andar do prédio projetado por Affonso Eduardo Reidy, clássico da arquitetura moderna brasileira, a artista francesa transporta o espectador para outro tempo em sua referência ao aparato que surgiu na década de 1950 para se ver filmes no cinema. “É como se você estivesse em uma ficção científica”, explica Dominique sobre a experiência imersiva e visual que propõe na exposição Temporama, a ser inaugurada neste sábado, 20, às 15 horas, na instituição carioca.

Não apenas a paisagem do lado exterior do MAM, com o Parque do Flamengo, como as obras da artista dentro do edifício (entre elas, uma inédita, de 2015), ganham vida diferente na nova atmosfera em vermelho e turquesa. Aliás, o título da mostra, primeira individual da francesa no Brasil apesar de sua proximidade com o País – desde 1998 ela se divide entre Paris e o Rio –, remete, como afirma, a uma “espécie de máquina do tempo” – e neste caso, que conecta o século 20 com o agora.

Primeiramente, a exposição é uma volta ao passado pelo fato de apresentar uma série de trabalhos criados por Dominique Gonzalez-Foerster, de 49 anos, no início de sua carreira, na década de 1980. “Por muito tempo, não pensei sobre essas obras. Mas agora é muito interessante, as vejo como o começo de tudo”, diz a artista por telefone, durante os retoques finais da montagem da mostra, que ficará em cartaz até 9 de agosto. Das mais destacadas criadoras contemporâneas, ela chega até mesmo a dizer que Temporama, com curadoria do mexicano Pablo León de la Barra, é como um “prelúdio” da grande retrospectiva que vai ser aberta em setembro no Centre Pompidou.

“Quando fiz esses trabalhos iniciais, eu não sabia muito sobre a arte brasileira. Talvez conhecesse um pouco sobre (Hélio) Oiticica e Lygia Clark, mas quando descobri mais, porque comecei a passar mais tempo aqui, me dei conta de que tenho uma conexão muito forte com essa família de artistas e seus trabalhos”, afirma. “De uma maneira estranha, senti algumas das minhas origens e influências mais fortes no Rio do que na França. Com a exposição, agora, é como conectar os pontos.”

As ligações com o Brasil, na verdade, têm sido intensas na obra da artista, cuja produção nos campos do cinema, do vídeo e da instalação é repleta de referências, citações e apropriações. “O diálogo com a arquitetura brasileira é uma pesquisa em curso”, define.

Dominique Gonzalez-Foerster, que participou da 27.ª Bienal de São Paulo (2006) com uma peça que replicava as colunas de concreto da marquise e do prédio da Bienal projetados por Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera, também já criou a permanente Desert Park (2010) para o Instituto Inhotim, em Minas Gerais, além de obras relacionadas aos arquitetos Sergio Bernardes e Lina Bo Bardi e ao paisagista Roberto Burle Marx (autor do desenho que a inspirou a realizar o belo filme Plages, de 2001, sobre Copacabana). Agora, no MAM-Rio, ela transforma o projeto de Reidy, símbolo da modernidade, edifício “completamente aberto”, em uma “espécie de nave espacial com vista panorâmica”.

Mas a volta ao passado em Temporama compreende, ainda, outras camadas. Dominique retorna ao cinema e cita The Girl from Rio (1969) – um “filme B” de Jesús Franco com partes curiosamente rodadas no museu carioca – como inspiração. Até se chegar, afinal, a outra importante referência, Marilyn Monroe e, especialmente, sua cena na piscina em Something’s Got to Give (1962), última obra da atriz.

“Marilyn é um ponto alto dos anos 60”, diz Dominique, que entrou “emocionalmente e artisticamente” na persona da americana e representou-se como ela para uma série de retratos. As fotografias de 2015 foram transformadas em silhuetas e ficam agora na mostra, instaladas ao redor de uma piscina também simulada no museu. Uma das obsessões de Dominique, ela própria afirma, é dissolver os limites entre tempo e espaço.

Posted by Patricia Canetti at 8:45 PM

junho 12, 2015

Reler Marx por Paula Alzugaray, Istoé Dinheiro

Reler Marx

Matéria de Paula Alzugaray originalmente publicada na revista Istoé Dinheiro em 10 de junho de 2015.

Em tempos de crise e incerteza, O Capital de Marx é tema de evento na 56ª Bienal de Veneza e de obra em exposição em galeria paulistana

Embalados pelo best-seller do momento, O Capital no Século 21, do economista francês Thomas Piketty, estudiosos de países de alta renda alardeiam o que na América Latina e em tantas outras regiões do planeta – longe das capitais do mundo – vive-se na pele: o capitalismo e a concentração de riqueza produzem desigualdades insustentáveis. O debate se estende à 56ª edição da Bienal de Veneza, intitulada All The World’s Futures (Todos os Futuros do Mundo), com curadoria do nigeriano Okwui Enwezor, o primeiro negro a dirigir a mais antiga e influente bienal do mundo.

Se Piketty traz à tona um conjunto de dados econômicos de 20 países nos últimos 200 anos para realizar sua análise sobre a desigualdade e as dinâmicas do capitalismo contemporâneo, Orkui Enwezor reúne 136 artistas de 53 países (14% deles vindos de países africanos), para falar sobre as crises, as incertezas e “a mais profunda instabilidade” de todas as regiões do mundo.

Entre os trabalhos em cartaz até 22 de novembro, destaca-se a Arena, um espaço no pavilhão central dos Giardini de Veneza, formatado para receber performances, recitais e fóruns de discussões públicas. A principal atração é o livro Das Kapital, de Karl Marx, que está sendo lido página a página, diariamente, por um grupo de atores, sob a direção do artista e cineasta britânico Isaac Julien, ao longo dos sete meses de duração da mostra.

Enquanto isso, em São Paulo, o mesmo Das Kapital foi dividido em 16 partes pelo artista pernambucano Lourival Cuquinha, que participa da exposição coletiva O Tempo e os Tempos, na galeria Carbono. Com curadoria de Daniela Bousso, a exposição investiga as trajetórias do meio fotográfico ao longo da história das técnicas de reprodutibilidade da imagem. Intitulada “1/16avos do Kapital”, a obra de Cuquinha, um múltiplo com tiragem de 16 cópias, consiste em um painel de led que transmite 16 fragmentos do texto da obra de Marx.

A obra dá sequência a uma pesquisa do artista sobre os sistemas de formação de valor da obra de arte. Consequentemente, faz todo sentido que a etiqueta com o preço da obra – R$ 6.000,00 – faça parte dela, e seja colada no canto inferior do quadro de led.

De volta aos paralelos entre arte e economia, se Piketty inicia no século 18 sua investigação sobre a dinâmica mundial da distribuição da riqueza, até chegar ao século 21, Daniela Bousso busca na fotografia contemporânea os rastros das três grandes revoluções que marcaram o homem moderno: a revolução industrial, que dá origem à fotografia e ao cinema; a revolução eletro-eletrônica no século 20, com a TV e o vídeo; e a revolução digital, a partir de 1970.

A exposição O Tempo e os Tempos fica em cartaz até 18 de julho, com obras de Albano Afonso, André Parente, Angela Santos, Bob Wolfenson, Caetano Dias, Cássio Vasconcellos, Celina Portela, Claudia Jaguaribe, Eide Feldon, Isidro Blasco, Katia Maciel, Lourival Cuquinha, Lucas Lenci, Raquel Kogan, Ricardo van Steen e Yuri Firmeza.

Posted by Patricia Canetti at 11:28 AM