Página inicial

Cursos e Seminários

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Cursos e Seminários:
Arquivos:
As últimas:
 

fevereiro 28, 2007

Seminário Internacional: Sentidos na/da Arte Contemporânea no Vale do Rio Doce, Vila Velha

Seminário Internacional: Sentidos na/da Arte Contemporânea

14 a 18 de março de 2007

Museu Vale do Rio Doce
Antiga Estação Pedro Nolasco s/n, Argolas, Vila Velha - ES
27-3246-1443
www.seminariosmvrd.org.br
Realização: Fundação Vale do Rio Doce
Patrocínio: Cia Vale do Rio Doce
Organização: Prof. Fernando Pessoa e Prof.Katia Canton
Produção: Suzy Muniz Produções


A edição inaugural dos Seminários Internacionais Museu Vale do Rio Doce, realizada em março de 2006, reuniu diversos professores doutores em filosofia, de universidades brasileiras e estrangeiras, em torno do tema "Arte no Pensamento", a fim de compreender como a tradição filosófica ocidental pensou a arte a partir das idéias de Platão, Aristóteles, Kant, Schiller, Walter Benjamin, Adorno, Nietzsche e Heidegger.

Seminário Internacional: Sentidos na/da Arte Contemporânea - Programação:

14 de março, quarta-feira, 19h
O nada, o sentido e a arte contemporânea
Lançamento do livro: Sentidos e arte contemporânea.

Esboço de uma ontologia e uma estética das artes contemporâneas
Eliane Escoubas

Estranheza-familiaridade, presença-ausência, afirmação-negação: assim emergem as contradições constitutivas do estatuto da imagem nas artes contemporâneas. Filósofos como Heidegger, Henri Maldiney e Maurice Blanchot contribuirão para orientar nossos questionamentos em direção das condições de possibilidades do "ser" e da potência das imagens nas artes contemporâneas e talvez jogar uma luz sobre o gesto criador de espaço e tempo, gerador das obras.

Eliane Escoubas é professora de Filosofia na Universidade de Paris XII, Val de Marne, França. Foi docente nas Universidades de Toulouse le Mirail e de Picardie, Amiens. Pesquisadora no Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Presidiu o Collège International de Philosophie, de 1987 a 1988. Diretora do Departamento de Filosofia da Universidade de Paris XII, de 1997 a 1999. Chefiou o Programme Balaton sobre fenomenologia (2001-2002). Diretora do Programa de Pós-graduação de Filosofia da Universidade de Paris XII desde 1999. Tem diversos livros e artigos publicados sobre arte, estética e fenomenologia da pintura. Traduziu para o francês obras de Hussel (Recherches phénoménologiques pour la constitution (Ideen I) (1982) e Kierkegaard, construction de l'esthétique de Adorno (1995). Publicou artigos sobre a obra de Heidegger. Suas áreas de investigação principal são a fenomenologia francesa e a alemã.

15 de março, quinta-feira, 15h
Mesa 1: Política na arte contemporânea - Arte, identidade social e globalização; os indivíduos, os grupos, os guetos, as tribos; a microfísica e a macrofísica do poder: a política, a narrativa, a linguagem; a biopolítica. Palestrantes: Jean Galard e Renato Janine Ribeiro - debatedor: Fernando Pessoa.

Ao lado da política: poderes et impoderes da arte.
Jean Galard
A arte pode se estabelecer ao lado do poder político (ou da oposição), isto é "do seu lado", quer de modo militante, quer de modo decorativo. Também pode se situar "de lado", isto é, fora, de outro lado, preocupada com a sua autonomia. Ainda pode preferir se colocar "na vizinhança" da política, levantando ou explorando temáticas politicamente sensíveis (as fronteiras, a exclusão, os massacres), sem assumir o risco de elaborar soluções. Posicionamento muito cômodo? Posicionamento honesto? Ambíguo? Por fim, a arte pode rechaçar a alternativa poder/impoder. Será que esta última opção consiste em deixar de lado a política?

Jean Galard nasceu em Aubiers, na França, em 1937. Foi diretor do Serviço Cultural do Museu do Louvre (1987-2002); professor de Estética na USP (1968-1971); diretor do Centro Cultural Francês de Casablanca, Marrocos, (1972-1973); diretor do Centro Cultural Franco-nigeriano, Niamey, Niger,(1973-1975); diretor do Instituto Francês de Istambul, Turquia (1975-1978); diretor do Instituto Francês da América Latina, no México (1978-1982); diretor da Associação Diálogo entre as Culturas (1982-1983) e diretor da Maison Descartes, Instituto Francês de Amsterdam, Holanda (1983-1987). Publicou as seguintes obras: Mort des Beaux-Arts (1971); La Beauté du geste (1984) traduzido no Brasil, sob o título A Beleza do gesto (Edusp, 1997); Les Mots du Louvre (2003); La Beauté à outrance (2004), além de um longo artigo em português "A Guerra ao vivo", em Muito além do espetáculo (Senac, 2004).

O mal na arte e na sociedade, hoje.
Renato Janine Ribeiro
O ataque às torres gêmeas terá sido "a maior obra de arte", como afirmou Stockhausen, escandalizando os que omitiram o final de sua frase: "de Lúcifer"? Esta pergunta nos faz pensar a relação entre a arte e o mal, que aparece desde meados do século XIX, com as Flores do mal e outras obras e, mais grave, as relações entre a vida social e política e o mal, que alcançaram um auge com o nazismo, mas, após a queda do comunismo, renasceram com força, em inúmeros massacres étnicos regionais, na periferia do mundo: Ruanda, Bósnia, Kossovo. Como pode o período de maior liberdade individual e política que o mundo já conheceu ser perturbado a esse ponto pelo mal, com seu cortejo - violência, medo, abjeção?

Renato Janine Ribeiro é professor titular de Ética e Filosofia Política na Universidade de São Paulo. Seus principais livros são: A marca do Leviatã (Ateliê editorial), Ao leitor sem medo - Hobbes escrevendo contra o seu tempo (Ed. UFMG), A etiqueta no Antigo Regime (ed. Moderna), A última razão dos reis - ensaios de filosofia e de política (Companhia das Letras), A sociedade contra o social: o alto custo da vida pública no Brasil (Companhia das Letras), Democracia (Publifolha), República (Publifolha) e A Universidade e a Vida Atual (Elsevier/Campus). Foi professor visitante na Universidade de Columbia em Nova York, em 2003-4. Atualmente, é diretor de avaliação da Capes.

19h
Política da arte contemporânea - O terrorismo como nova narrativa, arte e política; a violência, o medo, a abjeção como elementos artísticos; o real, a ficção e o virtual; arte e transformação social. Palestrantes: Peter Pál Pelbart e Mônica Nador. Debatedora: Katia Canton.

Tempos agonísticos
Peter Pál Pelbart
As mutações contemporâneas redesenharam a tal ponto a estrutura de nossa temporalidade, que a espessura do próprio tempo parece evaporar-se. Ao lado do aparente achatamento do tempo, porém, assistimos à gestação de novas condutas temporais, e até de um novo modo de "navegação" no tempo, implicando uma multiplicidade temporal sem precedentes. Ao acompanhar tais transformações, sobretudo no campo da filosofia, tratou-se de pensar seu entrelaçamento com o domínio estético, político e subjetivo, incluindo uma experiência concreta em que dialogam de maneira inusitada teatro e loucura.

Peter Pál Pelbart é filósofo e ensaísta. Atualmente é professor titular de Filosofia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, tradutor de Deleuze para o português (Pourparlers, Critique et Clinique e Mille Plateaux vol V com J. Caiaffa) e autor de vários livros sobre tempo, loucura e subjetividade: Da clausura do fora ao fora da clausura: Loucura e Desrazão (Brasiliense, 1989); A Nau do Tempo-rei: 7 ensaios sobre tempo e loucura (Imago, 1993); O tempo não-reconciliado: imagens de tempo em Deleuze (Perspectiva, 1998); A vertigem por um fio: Políticas da subjetividade contemporânea (Iluminuras, 2000), Vida capital: ensaios de biopolítica (Iluminuras, 2003). É coordenador da Cia Teatral Ueinzz.

Experiência de pintura com comunidades de baixa renda
Mônica Nador
A artista plástica apresenta seu trabalho junto a comunidades carentes em diversas regiões, de São Paulo à Bahia, do Amazonas ao Paraná. Mônica Nador vai mostrar como a pintura interfere, por exemplo, em estruturas sociais do bairro Jardim Miriam, em São Paulo. No Jamac (Jardim Miriam Arte Clube), a artista está, há anos, instalada em um ateliê aberto à comunidade. Mônica Nador relata uma experiência em Curitiba, por ocasião da mostra Imagética, em 2004, quando pintou um condomínio de catadores de material reciclável. Entre reflexões sobre o chamado "fim da pintura", como assinala o crítico Douglas Crimp, Mônica Nador faz experiências sem submissão a demandas do mercado de arte. Seu projeto envolve alteração de imagens em casas, paredes, ruas, praças e objetos diversos. Padronagens islâmicas, por exemplo, mediante uso de moldes vazados, produzem estamparias seriadas, que propiciam novas leituras e adaptações aos padrões de comunidades de baixa renda congregadas no ato de inventar.

Mônica Nador, nascida em 1955, em Ribeirão Preto, São Paulo, graduou-se em Artes Plásticas na FAAP, SP, em 1983. Em 2000, concluiu mestrado em Poéticas Visuais pela ECA-USP, com a dissertação Paredes Pinturas, orientação de Regina Silveira. A artista plástica participou da mostra coletiva Como Vai Você Geração 80?, no Rio de Janeiro, em 1984. Suas últimas exposições foram: Bienal de La Habana, Cuba, em 2000; In site 2000 - Tijuana, México/EUA, em 2000; Bienal de Sydney, Austrália, em 2004; Rencontres Paralleles, Centre D'Art Contemporaine de Basse-Normandie, em 2005; Galerie Croix Baragnon, nas Comemorações do Ano do Brasil na França, em Toulouse, em 2005, e 27ª Bienal de São Paulo, em 2006. Atualmente, desenvolve parcerias com moradores do bairro Jardim Miriam, SP, no Jamac (Jardim Miriam Arte Clube), inventando padronagens para telas, papéis e paredes.

16 de março, sexta-feira, 15h
Mesa 1: Tempo na arte contemporânea - A diferença entre o tempo como duração cronológica (o tempo do relógio) e o tempo como acontecimento original (o tempo da criação); a relação entre arte, memória e história. Palestrantes: Jeanne Marie Gagnebin e Bernardo Barros Coelho de Oliveira - Debatedor: Fernando Pessoa.

O tempo pela janela, o tempo pela escritura
Jeanne Marie Gagnebin
A partir da análise de trechos dos três primeiros livros da Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust, a autora mostra como o tempo pelo qual a obra procura não é nem o da lembrança nem o idealizado da infância, mas o tempo entrecruzado da emergência do real e da elaboração escritural. Este tempo singular encontra sua metáfora privilegiada no jogo da luz através das janelas fechadas do quarto do eu/narrador/escritor; o jogo de luz é um apelo à evasão fora da concentração do ego na leitura, no estudo, na melancolia ou na mesmice. E é, simultaneamente, um apelo à reelaboração da realidade vivida (e, muitas vezes, decepcionante) pela escritura literária..

Jeanne Marie Gagnebin, nascida em Lausanne (Suíça) em 1949, doutorado em filosofia na Universidade de Heidelberg (Alemanha) em 1977 (Zur Geschichtsphilosophie Walter Benjamins. die Unabgeschlossenheit des Sinnes, Palm & Enke Verlag, 1978). Vive e leciona no Brasil desde 1978. Atualmente é professora titular de filosofia na PUC/SP e livre-docente de teoria literária na Unicamp. Publicações principais: Walter Benjamin. Os cacos da história (Brasiliense, 1978, São Paulo), Histoire et narration chez Walter Benjamin (Harmattan, 1994, Paris, traduções para o português e para o alemão), Sete aulas sobre linguagem, memória e história (Imago, 1997, 2005, Rio de Janeiro), Lembrar. Escrever. Esquecer (editora 34, São Paulo, 2006). Artigos em revistas especializadas sobre Escola de Frankfurt e sobre as relações entre filosofia e literatura.

"Até que o instante ou a hora participem de sua manifestação": a temporalidade da experiência estética, a partir de Kant e Benjamin
Bernardo Barros Coelho de Oliveira
Dois autores fundamentais para a filosofia da arte, Immanuel Kant e Walter Benjamin, trataram a experiência estética como uma dinâmica de recepção, acentuando o caráter temporal desta, fornecendo elementos para pensarmos uma temporalidade própria à observação das produções da arte. O primeiro, em sua Crítica da faculdade do juízo, fala de uma demora na observação, provocada por um prazeroso jogo entre busca de sentido e renúncia e este. Já Benjamin, em suas esparsas e heterogêneas observações sobre a "aura" da obra de arte, fala de uma participação do espectador na temporalidade da obra, em seu aqui e agora, o que pode, em linhas gerais, ser aproximado da proposta kantiana. Bernardo Barros Coelho de Oliveira tenta indicar, brevemente, que a experiência "pós-aurática" da arte pode ser tematizada através de um debate entre Kant e Benjamin.

Bernardo Barros Coelho de Oliveira nasceu em Recife, em 1965. Fez graduação, mestrado e doutorado na UFRJ. Sua tese de doutorado, defendida em 1997, intitulou-se O que significa orientar-se pela arte?: uma leitura da Crítica da Faculdade do Juízo. É professor do Departamento de Filosofia da UFES, em Vitória, onde mora desde 1993. Em 2006, publicou o livro de ensaios Olhar e narrativa: leituras benjaminianas (Edufes) e também o romance O fotógrafo da primeira-dama (Secult).

19h
Tempo da arte contemporânea - Artistas que trabalham o tempo, a noção de tempo espiralado na pós-modernidade, rapidez, virtualização e simultaneidade; memória e semi-amnésia. Palestrantes: Josely Carvalho e José Rufino - Debatedora: Katia Canton.

Os fios de uma rede
Josely Carvalho
O tempo se interliga com o espaço (local). Com o corpo e com a política. Memória, história, presente social são fios que tecem a rede do projeto Livro das Telhas (www.book-of-roofs.net), trabalho de uma vida, sem começo ou fim, uma construção feita a partir dos acúmulos, dos deslocamentos espaço-temporais. Navegando por essa teia, a Tracajá, pequena tartaruga de pintas amarelas, animal nativo das margens do Rio Amazonas, atualmente em processo de extinção. Juntas, Tracajá e eu entrelaçamos passado e presente, como páginas soltas de um livro que enlaça outros livros.

Josely Carvalho é artista plástica. Formou-se em Arquitetura pela Washington University, St. Louis, MO. Incorpora na sua obra o objeto, a gravura, a pintura, a poesia, o vídeo, o livro-arte, a fotografia e a internet em formato de instalações. Vive em Nova York desde 1976. Desde 2004 mantém um segundo ateliê no Rio de Janeiro. Exposições individuais nos seguintes lugares, entre outros: Pinacoteca de SP; Centro Cultural da Caixa, DF; MAC de SP; Des Lee Gallery, St. Louis; Art in General, NY; Intar Gallery, NY; Casa de Las Americas, Cuba; Masp; Museu de Arte Contemporânea do Paraná; Tyler Gallery, Tyler School of Art, Filadélfia; Gallery North e Dade College, Miami; Olin Gallery, Kenyon College, Ohio; Instituto de Arte da Universidade de Brasília; Hillwood Museum, NY e Paço das Artes, SP. Entre suas obras públicas: Memorial Armenia, no Metrô de SP; Painel do Times Square, Public Art Fund, NY, Turtle News 1; III Eletromídia da Arte, Noticiário da Tartaruga 2; projeto de internet, Book of Roofs/Livro das Telhas. O livro Diário de Imagens sobre sua obra está sendo lançado pela Contracapa Editora em 2007.

No baú da infância
José Rufino
Usando desenhos e textos que partem do universo de sua infância no interior da Paraíba, o autor promove uma investigação poética dos mecanismos da memória. Conhecimentos interdisciplinares, incluindo paleontologia, história e filosofia, dialogam entre si, numa reorganização do legado de família como possibilidade de recriação do tempo. A arte da memória entrega-se a uma certa iconografia, mas termina por subverter o passado irreversível. O papel dos envelopes de velhas cartas dá dramaticidade ao ato de criar imagens e a nostalgia é reconhecida como ferramenta transformadora do passado, eivado de melancolia, mas não autônomo. Os detalhes de uma vivência são recolhidos para engendrar uma nova ficção. A memória se inventa como linguagem, entre intervenções minuciosas a um só tempo literárias e pictóricas.

José Rufino é artista plástico, graduado em Geologia, mestre e doutorando em Sedimentologia e professor de Paleontologia na UFPB. A partir dos anos 80, dedicou-se à poesia, poesia visual e arte-postal e posteriormente a desenhos, objetos, esculturas e complexas instalações. Suas obras, inicialmente ligadas ao contexto familiar e político da cultura canavieira nordestina, ampliaram-se para a apropriação de memórias alheias, especialmente coletivas e institucionais. Principais mostras individuais: Respiratio (Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco); Lacrymatio (Espaço Cultural Sérgio Porto, Rio de Janeiro); Murmuratio (Museu Ferroviário, Vila Velha); Retrospectiva no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife e Museu Oscar Niemeyer, Curitiba e Incertae Sedis (MAC-Niterói). Principais coletivas: Lacrymatio (Bienal de Havana); Laceratio (Bienal de Artes Visuais do Mercosul), Plasmatio, (Bienal de São Paulo).

17 de março, sábado, 11h
Mesa 1: Espaço na arte contemporânea - A diferença entre o espaço físico (a extensão tridimensional) e o espaço habitado (as relações afetivas, familiares, o ordinário e o extraordinário, a identidade cultural e geográfica).
Palestrantes: Sônia Salzstein e Nelson Brissac Peixoto - debatedor: Fernando Pessoa.

Palestra de Sônia Salzstein
Sônia Salzstein é professora de História da Arte no Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da USP, tendo se doutorado em Filosofia pelo Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Escreveu, entre inúmeros trabalhos, os livros Volpi (Ed. Sílvia Roesler/Campos Gerais, 2000) e Franz Weissmann (Ed. Cosac & Naify,2001). Organizou publicação sobre a obra de Mira Schendel, No vazio do mundo/Mira Schendel, ed. Galeria de Arte do Sesi/Marca D'Água, 1997, e o volume Diálogos com Iberê Camargo (Cosac & Naify Edições, 2003). Atualmente dirige coleção dedicada a arte e teoria junto à Editora CosacNaify. De 1989 a 1992, dirigiu o setor de artes visuais do Centro Cultural São Paulo. Organizou mostras de José Leonilson, José Resende, Carmela Gross e outros. Foi curadora de mostras de Tarsila do Amaral, Alberto da Veiga Guignard, Mira Schendel, Iole de Freitas, Antonio Dias e Carlos Fajardo.

Aquém ou além do espaço
Sônia Salzstein
A palestra Aquém ou além do espaço discute o sentido constitutivo que a imagem tem no trabalho do artista plástico Waltercio Caldas, apontando-a como espécie (paradoxal) de núcleo construtivo do trabalho e investigando as raízes anti-clássicas e as referências simbolistas e surrealistas que a alimentam.

Mapear novos territórios
Nelson Brissac Peixoto
A estrutura variável dos territórios contemporâneos torna problemático todo mapeamento. Os aparelhos óticos alteraram radicalmente nossa percepção geográfica. A percepção só pode se fazer por meio de instrumentos, não é mais dada pela experiência. As perspectivas aéreas _ como o GoogleMap _ redefiniram a cultura visual, com sua ilusão do acesso absoluto ao mundo. Os reordenamentos intensivos da paisagem, no entanto, colocam novos desafios para a arte. A arte aérea nos torna conscientes desta nova paisagem abstrata.

Nelson Brissac Peixoto é filósofo, trabalhando com questões relativas à arte e ao urbanismo. Doutor pela Universidade de Paris I - Sorbonne (1886), é professor do curso Tecnologias da Inteligência e Design Digital, da PUC-SP. É organizador e curador de Arte/Cidade, um projeto de intervenções urbanas em São Paulo, desde 1994. Publicou: A sedução da barbárie, Brasiliense, 1982; Cenários em ruínas, Brasiliense, 1987. América, Companhia das Letras, 1989; Paisagens Urbanas, Ed. Senac, 1996; Brasmitte, catálogo, 1997; Arte/Cidade - Intervenções Urbanas, Editora SENAC, 2002. Está preparando um projeto territorial na região sudeste do Brasil (MacroBR) e coordenando a implantação do CIAC - Centro da Indústria, Arte e Cidade de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

15h
Espaço da arte contemporânea - Museus, galerias, ruas; o mercado, a curadoria, a crítica; o espaço público e o espaço privado; o cyber-espaço, a globalização. Palestrantes: Agnaldo Farias e Fernando Cocchiarale - Debatedora: Katia Canton.

A montagem de exposições entendida como exercício de tradução.
Agnaldo Farias
O peso crescente do aspecto midiático, corolário da necessidade de se atrair o maior público possível, provocou uma alteração substancial no caráter das instituições museológicas e centros de arte que, a partir dos últimos 20 anos, para o bem e para o mal, viram-se obrigadas a repensar o modo de expor as obras de arte. Assim, como uma necessária reação a exposições tão espetaculares quanto ocas, instituições como Tate Modern, MoMa de Nova York e DIA Beacon, nomeadamente no que se refere as suas coleções, realizaram nos últimos cinco anos exposições que não escamoteiam suas adesões teóricas, das quais se pretendem efetivas traduções espaciais.

Agnaldo Farias nasceu em Itajubá, Minas Gerais, em 1955. É professor doutor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e crítico de arte. Foi curador da Representação Brasileira da 25a. Bienal de São Paulo (1992), curador adjunto da 23a. Bienal de São Paulo (1996) e da 1a. Bienal de Johannesburgo (1995). Foi curador geral do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1998/2000) e curador de exposições temporárias do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (1990/1992). Atualmente é consultor de curadoria do Instituto Tomie Ohtake. É autor dos livros As Naturezas do Artifício, sobre a obra de Amélia Toledo (São Paulo: Editora W11, 2004) e Daniel Senise - The piano factory (Rio de Janeiro: Andréa Jacobsen, 2003), entre outros.

O Espaço da Arte Contemporânea
Fernando Cocchiarale
Recente do ponto de vista histórico, nosso conceito de arte é bastante diferente daquele aceito pela antiguidade, já que decorre da distinção funcional que opõe os utensílios de nosso cotidiano às obras de arte, destinadas somente à contemplação. Uma das conseqüências específicas dessa distinção é vital: a autonomia da arte preparada pelos artistas desde a Renascença e teorizada pelo Iluminismo (Séc.XVIII). Nessa época surgem as principais instituições artísticas que conhecemos como escolas, museus, galerias, o mercado, a crítica e a mídia especializada, cuja existência está na origem dos desdobramentos da produção artística até o fim do modernismo. Precipitada nas últimas décadas, sua crise propõe-nos a discussão da permanência, transformação e até mesmo o abandono desses mecanismos institucionais para a emergência de um espaço da arte comprometido com o mundo contemporâneo.

Fernando Cocchiarale nasceu no Rio de Janeiro em 1951. Crítico de arte, curador e professor de Filosofia da Arte do Departamento de Filosofia da PUC-RJ (desde 1978) e do curso de especialização em História da Arte e Arquitetura do Brasil, da mesma universidade, entre 1983 e 2005. Professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Autor, com Anna Bella Geiger, do livro Abstracionismo Geométrico e Informal ( Funarte) e de centenas de artigos, textos e resenhas publicados em livros, catálogos, jornais e revistas no Brasil e no exterior. Foi curador-coordenador do programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais, das edições 1999 / 2000 e 2001 / 2002 e Coordenador de artes visuais da Funarte, entre 1991 e 1999; membro de júris e comissões de seleção de mais de 20 mostras e salões tais como o 10o , o 15o e o 16° Salões Nacionais de Artes Plásticas, RJ (em 1987, 1995 e 1998); e curador, entre outras, de exposições como O Moderno e o Contemporâneo, Coleção Gilberto Chateaubriand, MAM-RJ, 1981 (com Wilson Coutinho); Rio de Janeiro 1959 / 1960, Experiência Neoconcreta, MAM, RJ, 1991; O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira, Itaú Cultural, SP, 2005 (com Viviane Matesco) e É Hoje na Arte Contemporânea Brasileira, Santander Cultural, RS, 2006 (com Franz Manata). Em novembro de 2000, assumiu a curadoria do MAM-RJ.

18 de março, domingo, 11h
Mesa 1: Corpo na arte contemporânea - A memória, a percepção, o desejo; identidade (o mesmo) e alteridade (o outro); o fenômeno e o sujeito.
Palestrantes: Maria Filomena Molder e Paulo Herkenhoff - debatedor: Fernando Pessoa.

Corpo e Filosofia na Arte Brasileira.
Paulo Herkenhoff
A década de 1950 foi o campo de uma construção teórica do estatuto da arte e de suas relações com a filosofia. As relações entre forma e subjetividade aproximaram alguns artistas do conceito de duração em Bergson, da fenomenologia de Husserl, Cassirer, Merleau-Ponty e S. Lange no neoconcretismo. Corpo, percepção e epistemologia estarão imbricados na obra de artistas como Lygia Clark e Hélio Oiticica. Em paralelo, estarão Nietzsche, a teoria da Gestalt, a psicologia da forma, a teorias do signo e a Semiologia e a Filosofia da Linguagem.

Paulo Herkenhoff nasceu em Cachoeiro de Itapemirim (ES) em 1949 e vive no Rio de Janeiro. Diretor do Museu Nacional de Belas Artes (2003/2006); Curador de Departamento de Pintura e Escultura do MoMA (1999/2002); Curador geral da XXIV Bienal de São Paulo, (1998); Curador, MAM-RJ (1985-1990); Diretor Instituto Nacional de Artes Plásticas/Funarte (1983-1985). Publicou diversos livros sobre arte e realizou palestras ou cursos nas universidades de Bard, Duke, Harvard, Lisboa, South Florida, Texas, UFSC, USP e Yale.

Disciplina e ousadia
Maria Filomena Molder
Para os modernos, o artista mede-se pela disciplina do esgrimista, em que é vencido pelo adversário, não sem antes lançar um grito de horror (Baudelaire), e também pela ousadia de implantar verrugas no seu próprio rosto (Rimbaud). A professora Maria Filomena Molder vai tentar mostrar as irradiações destas experiências na obra do artista português Fernando Calhau.

Maria Filomena Molder, Professora Associada do Departamento de Filosofia na Universidade Nova de Lisboa e respectiva coordenadora; membro do Conseil Scientifique du Collège International de Philosophie, Paris. Doutoramento em 1992 sobre "O Pensamento morfológico de Goethe". Escreveu sobre questões de estética e linguagem, arte e artistas para revistas de filosofia e literatura, catálogos e coletâneas. Participou como conferencista de seminários em vários países. Obras principais: O Pensamento morfológico de Goethe (1995); Semear na neve. Estudos sobre W. Benjamin (1999, Prêmio Pen-Club 2000); Matérias Sensíveis (2000); A Imperfeição da Filosofia (2003) e O Absoluto que pertence à Terra (2005). Traduziu A Metamorfose das Plantas de Goethe (1993); O Passo da Floresta de Ernst Jünger (1995) e Escritos sobre Nietzsche de Giorgio Colli (2000).

15h
Corpo da arte contemporânea - Modernidade e pós-modernidade; o real e o virtual; o erotismo, a política dos gêneros, o hibridismo.
Palestrantes: Suely Rolnik e Denise Bernuzzi de Sant'Anna - Debatedora: Katia Canton.

Corpo e Alteridade
Suely Rolnik
As propostas de Lygia Clark envolvem o corpo e a alteridade. Depois de 16 anos dedicados à pintura e à escultura, a artista passou a criar uma série de proposições através das quais ganha corpo progressivamente um território inédito. A construção, à qual a artista se dedicou durante 26 anos, culminou com Estruturação do Self (1976-1988), dispositivo ao qual se agrega uma dimensão deliberadamente terapêutica. Irredutível às categorias da arte como da clínica, o território que Lygia Clark criou constitui a abertura de um possível. Alteridade e corporeidade estão no coração desta abertura. Não objetiváveis, tais proposições se realizam enquanto acontecimento da relação poética entre seus receptores e o mundo. Como reativar a obra de arte como acontecimento no campo problemático de nossa contemporaneidade?

Suely Rolnik, psicanalista, crítica cultural e curadora, é Professora Titular da PUC-SP, onde coordena o Núcleo de Estudos da Subjetividade Contemporânea no Pós-Graduação de Psicologia Clínica. Autora, em colaboração com Félix Guattari, de Micropolítica. Cartografias do desejo (7ª edição revista e ampliada, 2005, publicada na Espanha e Argentina e no prelo nos EUA por Semiotext/MIT e na França pela Seuil). Realizadora de um projeto de construção de memória viva em torno de Lygia Clark (66 DVDs de entrevistas), apresentado em exposição de sua curadoria (Musée de Beaux-arts de Nantes e Pinacoteca do Estado de São Paulo). Tradutora, entre outros, dos Vol. III e IV de Mille Plateaux, de Deleuze e Guattari (Ed.34, 1997). Tem transitado entre Brasil, Europa, Américas e Ásia, com conferências e publicações em livros, revistas culturais e catálogos de arte.

O corpo e suas evidências
Denise Bernuzzi de Sant'Anna
A visibilidade espetacular alcançada na época contemporânea pelos extremos de padecimento ou fortalecimento do corpo tende a transformá-lo em dado avesso ao que parece opaco ou sem destaque. No entanto, nada garante uma coincidência entre o corpo e as evidências produzidas a seu respeito. Há invenções culturais indicadoras das inadequações entre aqueles termos, capazes de, no limite, deslocar a atenção rumo ao insípido, às virtualidades pouco contrastantes, por vezes insosas e, ao mesmo tempo, distintas da estetização niilista.

Denise Bernuzzi de Sant'Anna
Denise Bernuzzi de Sant'Anna é professora livre docente da PUC-SP, doutora em História das Civilizações Ocidentais pela Universidade de Paris VII com a tese La recherche de la beauté, defendida em 1994. Tem várias publicações sobre as relações entre corpo e cultura, tais como: Políticas do Corpo (1995) e Corpos de Passagem (2001) ambos
pela editora. Estação Liberdade. Tem no prelo o livro Cidade das águas, previsto para ser publicado em 2007 pela editora Senac. É pesquisadora do CNPq e professora convidada da EHESS para o ano de 2007.

Fernando Pessoa é doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo e editor da revista Sofia. Autor do livro O assunto e o caminho do pensamento de Heidegger e organizador do livro Arte no pensamento.

Katia Canton é PhD em Artes Interdisciplinares pela Universidade de Nova York. É Livre Docente em Teoria e Crítica de Arte pela ECA USP. Atualmente é professora associada e curadora do Museu de Arte Contemporânea da USP e autora de vários livros, entre eles Novíssima Arte Brasileira, um Guia de Tendências (ed. Iluminuras) e Retrato da Arte Moderna (ed. Martins Fontes).

Posted by João Domingues at 11:45 AM

Arte Contemporânea - autonomia e pertencimento, com Marcelo Campos no Ateliê da Imagem, Rio de Janeiro

Arte Contemporânea - autonomia e pertencimento, com Marcelo Campos

Inscrições abertas

Ateliê da Imagem
Av Pasteur 453, Urca, Rio de Janeiro - RJ
21-2244-5660 / 2541-6930 ou info@ateliedaimagem.com.br
www.ateliedaimagem.com.br
Horário: quartas e sextas, 19-22h
Período: 21, 23, 28 e 30 de março de 2007
Preço: R$ 250

Objetivo

O curso proposto pretende discutir dois paradigmas nas artes visuais: a autonomia e o pertencimento. Procura-se, com isso, estabelecer relações entre a cultura material e a reflexividade da arte. Os objetos tornam-se, nesta abordagem, sintomáticos das definições de identidade (pertencimento) e de auto-reflexão estética (autonomia).


Plano de Curso

Módulo I: Contradições modernistas.
Crise nos modelos de representação.
As vanguardas em busca da autonomia.

Módulo II: Sintomas Locais.
O modernismo em busca de pertencimentos nacionais.
Encenações do popular.

Módulo III: Realidades Recodificadas.
O real e seus objetos.
A desmaterialização da arte.

Módulo IV: Memória e etnografia.
O artista como etnógrafo.
Memória e subjetividade.


Marcelo Campos é Doutor em Artes Visuais pelo PPGAV da Escola de Belas Artes/ UFRJ. Professor Adjunto do Departamento de Teoria e História da Arte do Instituto de Artes da UERJ. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (Mestrado e Doutorado) da EBA/ UFRJ. Curador das exposições: Desenho Contemporâneo, na MCO Galeria de Arte, na cidade do Porto, Portugal, em 2006; Dupla Herança, no Centro Cultural BNB, Fortaleza, em 2006; Memórias Heterogêneas, no Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho (Castelinho do Flamengo), Rio de Janeiro, em 2004.

Posted by João Domingues at 11:16 AM | Comentários (1)

Dynamic Encounters International Art Workshops Rio de Janeiro

Dynamic Encounters International Art Workshops Rio de Janeiro
Artistas/palestrantes: Alice Miceli, Ângelo Venosa, Beatriz Milhazes, Cadu, Daniel Senise, Fábio Cardoso, Franklin Cassaro, Lúcia Laguna, Luiz Ernesto, Michel Groisman, Marco Veloso, Paulo Vivacqua

12 a 15 de abril de 2007

Informações: 21-2553-3748 / 9224 ou wats352@attglobal.net

O Dynamic Encounters conduz grupos de pessoas interessadas em aprimorar seus conhecimentos em arte, fazendo uma abordagem especulativa da produção contemporânea.

Em sua primeira edição nacional de 2007, o projeto apresenta uma programação especial. Serão 4 dias de visitas a ateliês, galerias e instituições do Rio de Janeiro, incluindo encontros com artistas de renome internacional, além de profissionais que começam a consolidar sua carreira no mundo da arte contemporânea.

Cada encontro proporciona o contato com a produção atual dos artistas, que mostram suas obras e discutem os processos de desenvolvimento que levaram até elas. São diálogos instigantes e abertos, dirigidos não apenas a galeristas e colecionadores interessados em acompanhar a produção artística contemporânea, mas também a qualquer pessoa que queira aprofundar seus conhecimentos sobre o processo criativo de concepção das obras.

Posted by João Domingues at 10:33 AM

fevereiro 23, 2007

MBA em Gestão Cultural na Candido Mendes, Rio de Janeiro

MBA em Gestão Cultural

Inscrições abertas

Universidade Candido Mendes
Rua da Assembléia 10, Praça XV, Rio de Janeiro - RJ
Informações: 21-2531-2000 r. 236 ou gestaocultural@candidomendes.edu.br
www.gestaocultural.org.br
www.candidomendes.edu.br
Carga Horária: 429h / 16 meses
Inscrição: R$ 50
Mensalidade: R$ 580
Desconto de 15% na matrícula antecipada
Início: 9 de abril de 2007
Horário: segundas e quartas, 19-22h
Coordenação Acadêmica: Prof. Ms Kátia de Marco

Seleção:
- Análise de currículo
- Entrevista
Documentação para matrícula:
- 03 fotos 3 x4
- cópia de RG
- cópia de CPF
- cópia autenticada do diploma de curso superior
- cópia autenticada do histórico escolar de curso superior

MBA em Gestão Cultural: Pós-Graduação Lato Sensu, no formato Master in Business Administration, na área de Administração para Instituições e Projetos Culturais, com o objetivo básico de otimizar os resultados das propostas programáticas e executivas, junto às crescentes demandas dos setores culturais públicos e privados.

Programa:
Módulo I - Sistema Organizacional na Administração Cultural
Coordenação: Yole Mendonça

- Bases Administrativas na Gestão Cultural - Yole Mendonça e Marcelo Mendonça
- Gerência de Recursos Humanos - Martha Mangueira
- Gerência Financeira de Instituições e Projetos Culturais - Isabel Lito
- Direito Autoral e Trâmites Jurídicos na Produção Cultural- Sydney Sanches
- Gestão em Patrimônio Cultural - Paulo Sergio Duarte

Módulo II - Marketing Institucional e Gestão de Projetos
Coordenação: Eva Doris Rosental

- Fundamentos e Estratégias de Marketing Cultural - Ivan Lee
- Gestão e Curadoria de Projetos Culturais - Clarice Magalhães
- Análise de Experiências Corporativas em Marketing Cultural - Eva Doris Rosental
- Ferramentas de Comunicação Social - Meise Halabi
- Responsabilidade Social Corporativa - Marcio Schiavo

Módulo III - Captação de Recursos à Cultura
Coordenação: José Carlos Barboza

- Legislação de Incentivo ao Setor Cultural - José Carlos Barboza
- Projetos e Estratégias de Captação de Recursos - Ricardo Falcão
- Patrocínio e Investimento Privado - Yacoff Sarkovas e Sharon Hess
- Análise de Fundos Alternativos Nacionais e Internacionais - Ricardo Falcão

Módulo IV - Produção Executiva em Ações Culturais
Coordenação: Denise Mattar

- Engenharia em Produção Cultural - Denise Mattar
- Produção em Audiovisual - Samantha Ribeiro
- Produção Teatral - Fábio Ferreira
- Produção Musical - Eliane Fonseca
- Produção em Artes Plásticas - Denise Mattar

Módulo V - Informação Estratégica e Desenvolvimento
Coordenação: Luiz Carlos Prestes Filho

- Micro e Macro Economia da Cultura - Luiz Carlos Prestes Filho
- Políticas Públicas para a Cultura - Sérgio Sá Leitão
- Antropologia do Consumo Cultural - Antônio Rafael Barbosa
- Pesquisa de Mercado e de Opinião - Antonio Carlos Alkmin
- Metodologia de Pesquisa - Lamounier Villela

Módulo VI - Cultura e Tecnologia
Coordenação: Eliane Costa

- Cultura Digital - Eliane Costa
- TV Digital no Brasil - Nelson Hoineff
- Novas Mídias no Jornalismo Cultural - Regina Zappa
- Novas Mídias na Comunicação Corporativa - Patrícia Fraga
- Direitos Autorais na Produção Digital - Ronaldo Lemos

Posted by João Domingues at 12:07 PM

Cursos b_arco virgilio Primeiro Semestre 2007, São Paulo

Cursos b_arco virgilio Primeiro Semestre 2007

Inscrições abertas

Galeria Virgilio - virgilio b_arco
Rua Dr Virgilio de Carvalho Pinto 426, Pinheiros, São Paulo - SP
11-3062-9446 / 11-3061-2999 ou contato@barcovirgilio.com.br
www.barcovirgilio.com.br


Cursos b_arco virgilio:

Breve Introdução aos Conceitos Básicos de Conservação/Restauração
Janaína Guisato

O curso tem como objetivo especializar os interessados neste oficio a ter um amplo conhecimento da prática e teoria, dentro de certas normas exigidas, formando assim profissionais aptos a atuar em diversos segmentos da área de restauração, desenvolvendo uma capacitação técnica-científica com ênfase na atividade prática.

Destinado a: Egressos do ensino médio ou de curso superior com interesse, experiência prévia ou aptidão nas áreas de arqueologia, belas-artes, história, arquitetura, sociologia, colecionadores e outras.
Horário: segundas, 15-17h30
Mensalidade: R$ 300

Desenho - Percepção e Raciocínio Visual Através do Desenho de Observação
Rachel Magalhães

O que se pretende neste curso é fornecer ao aluno os meios necessários para conjugar sua capacidade de ver com sua capacidade de pensar sobre aquilo que efetivamente vê e representar o que pensa sobre aquilo que vê, ou seja, capacitá-lo no exercício de uma linguagem visual.

O método escolhido como o mais adequado e simples para tal propósito é o do Desenho de Observação, por ser a prática de uma observação acurada - precisa e direta - do mundo visível, o fator fundamental para sua compreensão e subsequente desenvolvimento de um raciocínio visual claro. Favorece não só a formação de um amplo repertório pessoal na linguagem específica do Desenho, como é aplicável a todas as áreas dos campos das Artes Visuais em que o Desenho é, direta ou indiretamente, parte constitutiva como Pintura, Escultura, Gravura, Instalação, Fotografia, Cenografia, Cinema, Video, Dança etc.

Destinado a: Aplica-se, também, a candidatos a vestibulares que exigem exames específicos de Desenho (ECA/USP - FAU/USP - UNESP, entre outros).

Horário: terças, 14-18h
Mensalidade: R$ 250

Pintura - Acompanhamento e Ateliêr
Fábio Miguez

O curso é de natureza prática e visa preparar o aluno a intervir com sua produção no sistema de arte com autonomia crítica e criatividade, valorizando a singularidade dos projetos.

Tem como objetivo desenvolver e discutir projetos em qualquer área das artes visuais através de reflexões sobre questões da arte comtemporânea.

Dirigido a: Artistas, artistas iniciantes e interessados em Artes Plásticas.

Horário: quintas, 20-23h; quartas, 14-18h
Mensalidade: R$ 300

A Formação da Arte Contemporânea
Rodrigo Andrade

Através de aulas expositivas e da observação e discussão de obras da arte moderna e contemporânea, o curso pretende fornecer uma visão geral da arte contemporânea e sua formação, estabelecendo ligações de influência e rupturas desde o início da arte moderna. Embora na arte contemporânea os gêneros não são mais definidos como eram antes, haverá ênfase na pintura e seus desdobramentos.

Destinado a: Artistas, interessados em arte contemporânea e arte geral.

Início: Turma em formação
Horário: terças, 20-22h
Mensalidade: R$ 250

Pintura - Pintura Contemporânea
Paulo Monteiro

Apresentação: O curso procura, através de aulas práticas, iniciar o aluno na reflexão das recentes transformações da pintura, a sua eficácia como meio de comunicação abordando questões como a fragmentação do plano pictórico, a crise do retângulo e a multiplicação das técnicas e dos suportes da pintura.

Destinado a: Artistas, interessados em arte contemporânea e arte geral.

Início: Turma em formação
Horário: quartas, 10-12h
Valor: R$ 250

Desenho - Desenho, Representação, Pensamento e Síntese
Felipe Cohen

O curso pretende explorar a prática do desenho a partir de um desenvolvimento que pode
ser dividido em três fases:

Representação: a prática do desenho de observação.
- desenho a partir de um modelo vivo.
- as implicações de se representar algo concreto.
- o desenho como recorte e escolha.
- entender a realidade como estímulo para a criação de uma poética.

Pensamento: pensar sobre a prática do desenho.
- o desenho como forma de pensar o espaço tridimensional.
- identificar a importância do desenho como fator estruturador. de uma poética.
- as transformações e as especificidades do desenho no decorrer da história da arte.

Síntese: o desenho como símbolo.
- desenvolver a capacidade projetiva do desenho para antecipar e elaborar um pensamento.
- a partir da essencialidade do desenho desenvolver nossa capacidade de simbolizar,
construir sentido.

Dirigido a: Artistas iniciantes, profissionais das áreas de moda, publicidade,
arquitetura, entre outras, que necessitem aperfeiçoar a técnica de desenho e candidatos a
vestibulares que exigem exames específicos de desenho.

Início: 6 de março de 2007
Horário: terças, 10-12h
Mensalidade: R$180

Escultura - O objeto como alegoria
Sergio Romagnolo

O curso tratará da questão da utilização de objetos de uso comum para a confecção de obras de arte. O curso mostrará as mudanças dessa atitude durante o século XX. Para tanto serão estudados três artistas que serão referência para a trajetória dessas mudanças: Marcel Duchamp, Joseph Beuys e Matthew Barney.

O curso terá aulas em forma de palestras e aulas em forma de atelier tanto com discussão de trabalhos como oficina.

Dirigido a: Artistas, artistas iniciantes estudantes de artes plásticas.

Período: 15 de março a 10 de maio de 2007
Horário: quintas, 10-13h ou 14-17h
Mensalidade: R$ 250

Artes Plásticas - Leitura de Portfólios/ Acompanhamento de Projetos
Laura Vinci

Curso de orientação e acompanhamento de projetos, portifólios e produção artística.

objetivo do curso é fornecer, através de um ambiente informal de discussões e comentários, um repertório instrumental/teórico de mídias atuais a partir do acompanhamento da produção individual do artista.

Dirigido a: Artistas iniciantes, artistas e interessados em iniciar ou desenvolver um projeto nas áreas das artes plásticas e mídias afins.

Horário: segundas, 20-23h
Mensalidade: R$ 250

Teatro
O Corpo em Cena
Renata Melo

O curso oferece o conhecimento de uma série de conceitos físicos, intelectuais e emocionais aliados a técnicas corporais e métodos de improvisação. Propõe uma preparação corporal específica para o suporte coreográfico da palavra, do texto e da dramaturgia. Integração da capacidade individual de imaginação, inteligência, estilo e energia, rompendo com padrões de pensamento, de ações e comportamento. Estimula e desenvolve requisitos corporais básicos que potencializam a comunicação. Fornece informações de forma que o aluno possa utilizá-las, mais como conceitos do que como técnicas, para ser ele próprio o seu tutor, como ferramentas para construção de seu vocabulário, de seus personagens e melhor performance em cena. O curso busca não só o conhecimento do próprio corpo mas também estimular a ler, interpretar e interagir com o corpo do outro.

Destinado a: Atores, bailarinos e coreógrafos.
Início: 8 de Março de 2007, Inscrições Abertas
Horário: quintas, 10h30-12h30
Mensalidade: R$ 170

Interpretação e Criação Dramatúrgica
Juliana Galdino e Roberto Alvim

O Curso consiste em dois módulos:

PRIMEIRO MÓDULO - CURSO PREPARATÓRIO:
Exibição de Filmes, seguidas de Palestras sobre Interpretação e Roteiro

Este módulo preparatório visa dar aos alunos as ferramentas teóricas para o SEGUNDO MÓDULO do curso de INTERPRETAÇÃO E CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA, através da análise de uma série de atuações e roteiros de filmes de arte e espetáculos teatrais, que serão exibidos no decorrer deste workshop.

O objetivo é munir os alunos de referências relativas a grandes interpretações do cinema e do teatro. Serão exibidos filmes e gravações de espetáculos teatrais, seguidos por palestras nas quais os professores procederão à minuciosa análise técnica do trabalho dos atores e das estratégias de construção dos roteiros dos filmes apresentados.

Destinado a: Atores e dramaturgos
Horário: 6 aulas , dias 5 e 6, 12 e 13, 26 e 27 de fevereiro; segundas e terças, 19-23h
Valor Integral: R$ 100

SEGUNDO MÓDULO - INTERPRETAÇÃO E CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA

Aulas de interpretação teatral nas quais cada aluno desenvolverá sua sensibilidade e seu potencial expressivo, através de um trabalho técnico (coordenado por Juliana Galdino) sobre os fundamentos da atuação: o corpo, o gesto, a voz, a palavra. O trabalho de atuação será realizado tendo como base textos desenvolvidos em aula pelos alunos (sob a orientação de Roberto Alvim). Os textos serão escritos, apresentados, analisados, e re-trabalhados pelos alunos ao longo do curso. Ao final dos dois primeiros meses de aula, as cenas desenvolvidas pelos alunos serão apresentadas ao público. Então serão trabalhadas novas cenas, e ao final dos dois meses seguintes, será realizada outra apresentação, com os novos trabalhos dos atores.

Destinado a: Atores e dramaturgos

Início: 5 de Março de 2007, Inscrições Abertas
Horário: segundas e terças, de março a junho de 2007; 19-23h
Mensalidade: R$ 300

Teatro - Voz em Movimento
Madalena Bernardes

O curso se divide em 4 momentos:
1. Saúde vocal:
Corpo como instrumento, tocar e ser tocado, anatomia e fisiologia da integração entre voz-corpo-sentir-mente, aquecimento e sua manutenção, respiração e regeneração, colocação e ressonância, metodologia de trabalho: a sua própria técnica.

2. Integração voz e corpo em movimento:
Os sentidos e a fala, física do movimento-percepção e continuidade, campo de ressonância e os diferentes planos espaciais, apoio e sustentação no deslocamento, projeção vocal e geometria espacial.

3. As três fases da atuação: Performer, o ator e o cantor, noções de composição e improviso cênico.

4. O som, a fala e o canto: Apreciação histórica do desenvolvimento da técnica do canto, dentro da música ocidental, canto étnico e sua razão social, a escolha do repertório e comparações estéticas, técnica e estética: ovo ou a galinha?

Destinado a: Atores, Cantores, professores e o público em geral interessados em aprimorar a saúde vocal como diferencial no mercado de trabalho.

Início: 8 de Março de 2007, Inscrições Abertas
Horário: quintas, 19-20h30
Preço: R$ 150 de matrícula
R$ 350 por mês (descontos para estudantes e classe teatral)
Literatura

Viagem Literária - Oficina "Narrativas breves - e outras nem tanto"
Marcelino Freire

Trata-se de uma oficina de criação literária que trabalhará desde minicontos até romances e poemas, destacando o trabalho com a linguagem e como fazer para "enxugar" o texto, preparar um livro, como exercitar a síntese, entre outras técnicas narrativas. Todo o trabalho será feito, principalmente, em cima dos textos apresentados pelos participantes, fazendo uma acompanhamento do projeto literário de cada tripulante.

Além disso, o curso proporcionará aos participantes um contato direto com alguns dos mais renomados autores nacionais, como Antonio Cícero, Moacyr Scliar e Sérgio Sant'Anna (outros autores estão sendo confirmados), que visitarão o curso ao longo da viagem e contarão um pouco da sua experiência em gêneros como poesia, conto, romance, reportagem e crônica, etc. Além do pessoal que vem de fora, o curso contará também com a participação de escritores que moram aqui em São Paulo, ou que estejam de passagem pela cidade.

No final da viagem, está prevista a publicação de um tablóide com as narrativas e poemas e textos outros desenvolvidos pela turma. E também a de um texto/memória acerca das visitas ilustres recebidas pela oficina.

Destinado a: Aspirantes a escritores e poetas, estudantes, professores, e a todos aqueles que amam a literatura.

Período: 14 de março a 11 de julho de 2007
Horário: quartas, 19h30-22h

Mensalidade: R$ 300

Filosofia
Estudos sobre as Redes Sociais e a Inteligência Coletiva: afeto, potência e multidão
Rogério da Costa

Neste curso trabalharemos com autores e conceitos que nos oferecem uma compreensão atual da dinâmica das redes sociais, da ação coletiva e de seu alcance ético-político. Nosso objetivo principal é atender aos interessados em discutir, pensar e refletir sobre a engenharia do laço social, a maneira como idéias, comportamentos e práticas podem ser promovidas e difundidas entre as pessoas, em seu benefício e de sua coletividade.

Projetos e iniciativas ligadas às artes, ao meio ambiente, cultura, educação, política, saúde, direitos humanos etc. que necessitam do engajamento de comunidades locais ou de redes sociais virtuais para seu sucesso, serão discutidos e trabalhados em nosso curso. Dentro dessa ótica, analisaremos algumas estratégias de intervenção na própria dinâmica
de um grupo ou comunidade, e que podem promover o incremento da sinergia entre seus participantes.

Para atingir esses objetivos, propomos uma nova abordagem na interpretação das relações sociais, com base nas filosofias de Espinosa, Gilles Deleuze e Toni Negri, que deverá resultar na construção de um conjunto central de conceitos que torne possível definir o campo de investigação da inteligência coletiva e das redes sociais.

A estrutura do curso se divide em três módulos. O primeiro, com duração de dois meses, será inteiramente dedicado ao estudo da filosofia de Espinosa, que constitui nossa chave conceitual. O segundo módulo será dedicado ao estudo da Inteligência Coletiva, com apoio das filosofias de Gilles Deleuze e Toni Negri. O terceiro módulo será voltado ao estudo do conceito de comunidade e de redes sociais.

Destinado a: Profissionais e demais interessados ligados a projetos ou iniciativas em artes, meio ambiente, cultura, educação, política, saúde, direitos humanos e que necessitam discutir aspectos filosóficos, de implementação e prática de redes sociais e de inteligência coletiva

Início: 7 de março de 2007
Horário: quartas, 20h30-22h30
Mensalidade: R$ 200

Posted by João Domingues at 11:00 AM

fevereiro 22, 2007

Cursos Maria Antonia, São Paulo

Cursos Maria Antonia

Inscrições abertas

Centro Universitário Maria Antonia
Rua Maria Antonia 294, São Paulo - SP
www.usp.br/mariantonia


Encontros de Arte e Cultura

Do sublime ao abjeto: percursos pela estética moderna e contemporânea
com Márcio Seligmann-Silva
Período: 6, 13, 20 e 27 de março
Horário: terças-feiras, 20 às 22h
Preço: R$ 150

O curso focaliza dois conceitos fundamentais para se entender as artes e a literatura desde o romantismo até os dias atuais: o de sublime, com suas origens pré-românticas no século XVIII e transformações ocorridas ao longo dos dois séculos seguintes, e o de abjeto, formulado por Julia Kristeva nos anos 1980, mas que tem suas origens tanto na noção de sublime como em outros conceitos formulados também na estética do século XVIII.

Márcio Seligmann-Silva é doutor pela Universidade Livre de Berlim, pós-doutor por Yale, professor de Teoria Literária e Literatura Comparada na Unicamp e autor de Ler o livro do mundo - Walter Benjamin: romantismo e crítica poética (Iluminuras, 1999), Adorno e o local da diferença - ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução (Ed. 34, 2005).


Fontes da Arte Contemporânea

As linguagens do Futurismo
com Annateresa Fabris e Mariarosaria Fabris
Período: 8, 15, 22 e 29 de março
Horário: quintas-feiras, 20 às 22h
Preço: R$150

Um exame do Futurismo, vanguarda no sentido pleno do termo, que inovou profundamente a idéia e a práxis artísticas nos campos da literatura, das artes visuais, do teatro e do cinema. Ao propor o uso de técnicas derivadas da comunicação de massa, colocou em xeque uma visão idealista da arte, cuja intangibilidade é confrontada com choques perceptivos e com ações físicas que visam colocar o espectador no centro da agitação da vida urbana.

Annateresa Fabris é professora da Pós-Graduação em Artes Visuais da ECA-USP. Autora de livros sobre arte moderna e contemporânea, como Futurismo: uma poética da modernidade (Perspectiva/Edusp, 1986). Mariarosaria Fabris é professora de Pós-Graduação em Língua e Literatura Italiana da FFLCH-USP e em Comunicação e Estética do Audiovisual da ECA-USP. Autora de, entre outros, O neo-realismo cinematográfico italiano: uma leitura (Edusp, 1996).


Habitar seu corpo
com Ivaldo Bertazzo, Maria Antonia Carneiro da Cunha e Inês Bogéa
Período: 12, 19 e 26 de abril
Horário: quintas-feiras, 20 às 22h30
Preço: R$150

Explorando diferentes formas de se conquistar a saúde corporal, Ivaldo Bertazzo trata das diferenças de comportamento corporal, dos anos 70 aos dias de hoje e Maria Antonia Carneiro da Cunha aborda técnicas diversas de fisioterapia e ginásticas corretivas. Inês Bogéa conclui o curso analisando os mais de trinta anos da trajetória de Bertazzo, cujo trabalho lida com o intercâmbio de linguagens, a autoconscientização e a experimentação da integração do corpo no espaço.

Ivaldo Bertazzo é coreógrafo, bailarino e professor de dança e terapias corporais. Recebeu vários prêmios, incluindo a Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura e o Prêmio Fundação Prince Claus do governo holandês. Maria Antonia Carneiro da Cunha é especialista em técnicas de fisioterapia e ginástica corretiva da Escola de Reeducação do Movimento, dirigida por Bertazzo. Inês Bogéa é crítica de dança da Folha de S. Paulo e autora de O Livro da Dança (Publifolha, 2002) e Kazuo Ohno (Cosac Naify, 2003).


Oficinas:
Laboratório e câmera
com Inaê Coutinho
Período: 22 de março a 21 de junho
Horário: quintas-feiras, das 19 às 22h
Preço: R$160/mês
taxa única de material R$35


O curso proporciona o contato teórico e prático com as técnicas básicas de realização de fotografias em preto e branco, desde a captação, em que a apropriação dos recursos de câmeras fotográficas é fundamental, até a ampliação da foto, incluindo a experiência em laboratório fotográfico. Saídas fotográficas e uma exposição final com trabalhos dos participantes fazem parte do curso.

Inaê Coutinho é formada em Educação Artística pela Unicamp e mestre em Poéticas Visuais pela ECA-USP. Leciona fotografia há quatorze anos. Realizou diversas exposições de suas fotos, entre elas Memória nas Coisas (CCSP, 2000), O Corpo na Construção (Atelier Piratininga, 2003) e Da Luz na escuridão (MariAntonia, 2005).

Posted by João Domingues at 1:56 PM | Comentários (2)

fevereiro 15, 2007

Cursos Primeiro Semestre 2007 Collegio das Artes, São Paulo

Cursos Primeiro Semestre 2007

Inscrições abertas

Collegio das Artes
Rua Francisco Leitão 265, Pinheiros, São Paulo - SP
11-3064-4740 ou cursos@collegiodasartes.art.br
www.collegiodasartes.art.br
Matrícula: R$ 100 (para todos os cursos)

Cursos

Carlito Contini
Fundamentos do Desenho e da Pintura Através da Observação da Figura Humana
O curso tem como objetivo trabalhar os elementos fundamentais do desenho e da pintura. Por meio de exercícios de observação (modelo vivo), visa sedimentar conceitos que compõem o vocabulário visual. O aluno terá contato com diversas técnicas e materiais, tais como: grafite, carvão, giz pastel, nanquim, guache, acrílica e óleo. Serão propostos exercícios que focarão elementos da linguagem visual: suporte, campo, enquadramento, composição, valor de linha, tratamento gráfico, texturas, volumetria, relação cromática, velatura e densidade. Conduzindo o aluno à prática; estimulará a discussão e a análise crítica dos resultados obtidos a cada aula. Proporcionando suporte técnico e teórico para a progressiva construção de método individual.
Horário: quartas, 10h30-13h30
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 235

Edith Derdyk
Entre Ser Um e Ser Mil: O Livro Objeto e Suas Possibilidades Poéticas
As possibilidades formais que se entreabrem a partir da investigação do livro como objeto poético desenham um arco extenso de experimentações, congregando o conhecimento artesanal aos processos industriais, potencializando a mixagem de várias linguagens e modalidades de registros visuais e literários, multiplicando a descoberta de estruturas narrativas dadas pelos entrelaçamentos inusitados entre a palavra e a imagem. O enunciado entre ser um e ser mil presentifica igualmente uma reflexão sobre o modo de produção do livro-objeto, que originariamente se apresenta como objeto único e, simultaneamente, quando posto em perspectiva de escala industrial, contém a possibilidade da multiplicação sem perder a natureza singular de sua poética. A partir de exemplos de alguns artistas que ingressaram neste campo de experiências, tais como Artur Barrio, Waltércio Caldas, Mira Schendel Julio Plaza, Flavia Ribeiro, Artur Matuck Lygia Pape, Anna Maria Maiolino, Marcel Duchamp, Joseph Beuys Sol Le Witt, Anselm Kiefer e outros, poderemos então folhear, desfolhar e entreabrir um leque de possibilidades poéticas.
Horário: quintas, 10h30-13h30.
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 235

Ester Grinspum
O Espaço no Desenho
O curso pretende explorar a linguagem do desenho nas suas especificidades e aplica�ões.A dinâmica do curso se estrutura no exercício com a linha, o espaço, o lugar e as aplicações que daí surgirem. O desenho tem a qualidade de ser um produto plástico de resolução rápida, o que cria uma dinâmica com o tempo, que instaura uma realidade imediata.
Horário: quartas, 19h30-22h30
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 275

Eurico Lopes
Acompanhamento de Projetos em Pintura - prática de ateliê
O objetivo deste curso é de proporcionar o desenvolvimento e o aprimoramento de projetos individuais de pintura com ênfase na prática de ateliê. Questões técnicas e teóricas serão discutidas ao longo do curso a fim ampliar as possibilidades pictóricas dos trabalhos para que cada um encontre sua própria definição artística. A aula será dividia em três momentos: uma breve apresentação teórica inicial, acompanhamento crítico dos trabalhos, e por fim, uma discussão sobre a produção diária dos alunos.
Horário: segundas ou terças, 15-18h
Vagas: 10 para cada turma
Mensalidade: R$ 255

Hildebrando de Castro
Pintura a Óleo Figurativa
O aluno entrará em contato com estratégias de individualização das figuras, exercitando o olhar observador do retrato e da paisagem, estabelecendo um diálogo entre a contemporaneidade da arte e a técnica figurativa a óleo.
Horário: quintas, 10h30-13h30.
Vagas: 8
Mensalidade: R$ 235

João Carlos de Souza
Educando o Olhar
Curso de desenho, pintura e escultura para criança e adolescente.
Este curso visa incentivar o fazer artístico, apresentando as técnicas do desenho, da pintura e da escultura a partir de suas necessidades. As aulas se desenvolvem a partir da expectativa de cada aluno, apontando o que pode ser melhorado na sua arte, como fazer, o que representar, como representar e que material utilizar. E, ainda, propomos a observação de obras de artistas históricos e contemporâneos, com a intenção de conhecer e investigar como esses artistas realizaram suas obras: como a fizeram, o que representaram, como representaram e que materiais utilizaram.
Horário: sextas, 14-16h30
Vagas: 10
Mensalidade: R$ 155

Leda Catunda
Produção em Arte Contemporânea
Pretende-se abordar no curso questões pertinentes à produção em arte contemporânea. Para tanto, serão propostas leituras e discussões de textos específicos, escolhidos dentro de uma bibliografia recém publicada em português. Paralelamente, serão debatidas as produções dos participantes, através dos próprios trabalhos ou de registro fotográfico dos mesmos. Serão propostos ainda exercícios práticos visando aquecer a discussão sobre parâmetros, limites e o alcance poético na produção contemporânea.
Horário: terças, 19h30-22h30
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 285

Marco Giannotti
Arte Moderna de Giulio Carlo Argan e Acompanhamento de Projetos
Neste ano de 2007 pretendemos desenvolver um trabalho crítico sobre a pintura em dois momentos. Na primeira parte da aula, das 19:30 às 21 horas, discutiremos os trabalhos realizados pelos alunos; na segunda metade da aula, das 21:00 às 22:30 horas, faremos um seminário sobre a arte moderna de Giulio Carlo Argan.
Horário: quintas, 19h30-22h30
Vagas: 15
Mensalidade: R$ 285

Nazareth Pacheco
Ateliê Orientado: Objeto e Instalação.
Voltado para estudantes e artistas em formação, a orientação é dirigida a reflexão e ao acompanhamento de projetos. Pesquisa de novos suportes, técnicas e materiais para explorar novas possibilidades de expressão, amplia o conceito na pintura, escultura, objeto, instalação, fotografia e adequa essas descobertas ao trabalho que se pretende realizar.
Horário: quartas, 14-17h
Vagas: 8
Mensalidade: R$ 275

Paulo Whitaker
Pintura Contemporânea.
Este curso visa o desenvolvimento da expressividade através das técnicas de pintura em óleo e acrílica sobre tela.
Horário: quintas, 14h30-17h30
Vagas: 10
Mensalidade: R$ 255

Sérgio Romagnolo
Orientação Individual em Arte
O curso tem como objetivo a discussão de projetos e crítica de obras em artes plásticas contemporâneas. A discussão visa solucionar possíveis impasses surgidos durante o processo criativo, seja de ordem conceitual ou técnica. As questões de ordem conceituais serão relacionadas à bibliografia individualizada e as questões de ordem técnica serão resolvidas com trabalhos práticos durante as aulas. As questões práticas poderão se dar em diversas linguagens, tais como pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia, vídeo, instalação e performance.
Horário: quartas, 19h30-22h30
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 285

Teresa Viana
Iniciação à Pintura
O curso visa estimular a sensibilidade da construção, misturas e relações cromáticas, exercitando o olhar e seu diálogo com a cor no seu fazer artístico.
Horário: quartas, 10h30-13h30
Vagas: 12
Mensalidade: R$ 255

Posted by João Domingues at 12:41 PM

Acervo: Roteiros de Visita - Curso gratuito para professores 2007 no MAC USP, São Paulo

Acervo: Roteiros de Visita - Curso gratuito para professores 2007

Inscrições até 23 de fevereiro de 2007

MAC USP
Rua da Reitoria 160, Cidade Universitária, São Paulo - SP
Informações: 11-3091-3328 ou acaomac@usp.br
www.macvirtual.usp.br
Coordenação: Kátia Canton e Maria Angela Serri Francoio
Participação: Carmen Aranha, Sylvio Coutinho, Evandro Carlos Nicolau e Andrea Amaral
Seleção: análise de currículo e carta de intenção (apresentados no ato da inscrição) e entrevista.
Vagas: 20 para professores de artes e 5 para professores de outras áreas de conhecimento
Acervo: Roteiros de Visita - Curso gratuito para professores 2007: 2 de março a 6 de julho de 2007

O curso Acervo: Roteiros de Visita é destinado aos professores de artes e de outras áreas do conhecimento do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Apresenta o material didático de mesmo nome, desenvolvido pela Divisão Técnico-Científica de Educação e Arte do MAC, que pretende estimular a proximidade de professores e alunos com as obras do acervo, através de recursos que auxiliem no planejamento, no aproveitamento e no desdobramento das visitas ao museu.

Serão oito encontros semanais - às sextas-feiras das 9 às 12 horas - seguidos de 45 dias para a exploração do material na Instituição onde o educador participante atua, incluindo as visitas dos seus educandos ao Museu. No final, em mais três encontros - também às sextas-feiras no mesmo horário - os participantes apresentarão seminários sobre os trabalhos desenvolvidos.

Posted by João Domingues at 12:21 PM

fevereiro 14, 2007

Cursos Iº Ciclo Alagoas de Artes Visuais, Maceió

Cursos Iº Ciclo Alagoas de Artes Visuais
Arte Tecnológica: Aspectos Poéticos e Estéticos; Fotografia expandida; Poesia visual e exercícios criativos; Representações contemporâneas; Uma história da fotografia brasileira

Inscrições abertas

Senac-Poço
Rua Pedro Paulino 77, Poço, Maceió - AL
82-3216-7801
www.al.senac.br
www.anaglafira.art.br
Segunda a sexta, 8-22h; sábados, 8-12h
Carga horária: 15h cada
Certificados serão fornecidos com 80% de freqüência.
Material didático: os professores fornecerão textos e bibliografias específicas.
Preços: R$ 20 por módulo; Ciclo completo: R$ 80 (1 parcela), R$ 45 (2 parcelas)
Projeto e coordenação: Ana Glafira

A professora e artista visual Ana Glafira realiza em Maceió (AL) entre março e junho o 1º Ciclo Alagoas de Artes Visuais, com a realização de 5 cursos com conceituados críticos, curadores e artistas, 12 exposições, entre coletivas e individuais, lançamento de 5 livros, 1 palestra pública e uma performance que ocorrerá em diversos espaços e momentos do Ciclo.

As atividades do projeto são direcionadas para artistas, fotógrafos, profissionais do segmento cultural, arquitetos, professores, estudantes e toda e qualquer pessoa interessada em arte.

Cursos

Representações contemporâneas
Moacir dos Anjos
Data: 21 a 23 de março, 19-22h; 24 de março, 9-12h e 14-17h

O curso apresentará algumas das principais tendências da arte contemporânea dos últimos 25 anos. Ao longo desse período, ficou progressivamente clara a impropriedade de agrupar a produção de artes visuais a partir de proposições estéticas bem definidas e assumidamente partilhadas por um grande número de artistas. Ao contrário das vanguardas históricas, capazes de mobilizar grandes contingentes de produtores em torno de determinadas questões (cubismo, futurismo, dadaísmo, surrealismo, etc), é patente a gradual fragmentação de poéticas. Ou seja, inexiste o sentido da projeção utópica de uma universalização de princípios artísticos ou políticos. Ao contrário até mesmo da pop art, do minimalismo, da arte conceitual ou da land art - movimentos que, com diferentes graus de formalização, agregavam artistas em torno de conceitos bem definidos -, a arte mais recente parece prescindir da partilha organizada de idéias.

Moacir dos Anjos
Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, desde 1989. Diretor geral do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), do Recife (2001-2006). Membro da equipe de coordenação curatorial do Programa Itaú Cultural Artes Visuais (2001-2003). Curador do Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (2007), e co-curador da mostra Zona Franca, na Bienal do Mercosul (2007). Foi ainda curador das exposições Geração da Virada (2006), no Instituto Tomie Ohtake (co-curador: Agnaldo Farias), e Babel - Cildo Meireles (2006), na Estação Pinacoteca, ambas em São Paulo. No Mamam, foi curador, entre outras, das mostras Rosângela Rennó (2006), Ernesto Neto/Rivane Neuenschwander (2003) e Adoração - Nelson Leirner (2002). Tem ensaios e textos críticos publicados em livros, catálogos e revistas. É autor de Local/Global: arte em trânsito (Rio de Janeiro: Zahar, 2005).

Fotografia expandida e Leitura de portfólios
Angélica de Moraes
Data: 16 a 20 de abril, 19-22h

Leitura de portfólios: 19 e 20 de abril, 15-17h

Apresentar um amplo arco de leituras da contribuição da fotografia de arte, inclusive da produção nordestina, para a visualidade contemporânea, historiando os aspectos de linguagem envolvidos desde os estágios iniciais da fotografia, no século 19 - quando a nova técnica de captura do real mimetizava gêneros e procedimentos da pintura para obter legitimação artística - até o período atual, de protagonismo da fotografia na cena contemporânea, com seus códigos de representação apropriados e retrabalhados pelas artes visuais. Será analisado o diálogo da fotografia com as artes plásticas desde as vanguardas artísticas do início do século 20 até o sampleamento de imagens digitais praticado pela web art. Serão elencados e observados os momentos e autores essenciais ao desenvolvimento da fotografia no Brasil e no mundo, com foco especial no fenômeno da "fotografia expandida", extensão de princípios teóricos desenvolvidos pela crítica norte-americana Rosalind Krauss. Será feita a análise de autores e tendências que despontam no circuito das grandes mostras de arte internacional, como Bienal de Veneza e Documenta de Kassel, entre outras.

Angélica de Moraes
Crítica de artes visuais e curadora, organizou exposições para o Museu de Arte de São Paulo (MASP), Museu de Arte Moderna (MAM-SP), Paço das Artes (SP), Pinacoteca do Estado(SP) e Paço Imperial (Rio de Janeiro), entre outras instituições. Foi curadora-coordenadora do programa Rumos Visuais Itaú Cultural (1999-2001). Organizou o livro"Regina Silveira: Cartografias da Sombra" (Edusp/Fapesp, 1995) e tem texto publicado no livro "Critica de Arte no Brasil" (Funarte, 2006). Durante toda a década de 1990, exerceu a crítica no jornal "O Estado de S. Paulo".


Poesia visual e Exercícios Criativos
Tchello d'Barros
Data: 7 a 11 de maio, 19-22h

O curso faz uma abordagem histórica do desenvolvimento da Poesia Visual no Brasil e no mundo e apresenta fundamentos teóricos e conceituais de sua relação com as artes visuais e a literatura. Em cada módulo do curso são apresentadas técnicas e métodos de criação com atividades práticas para a criação de poemas visuais, capacitando os participantes a desenvolver criações na modalidade da Poesia Visual.

Tchello d'Barros - Escritor e artista visual, publicou 5 livros de poesia e realizou diversas exposições individuais com diversas técnicas em artes visuais. Realizou pesquisas culturais em 20 países e ministra oficinas de desenho, pintura e literatura. É um dos fundadores do Fórum de Artes Visuais de Alagoas e integrante da Câmara Setorial de Artes Visuais - Minc/Funarte.

Arte tecnológica: aspectos poéticos e estéticos e Leitura de portfólios
Cleomar Rocha
Data: 20 A 22 de junho, 19-22h; 23 de junho, 9-12h e 14-17h
Leitura de portfólios: 21 e 22de junho, 15-17h

Abordar os precursores da arte tecnológica no Brasil, as principais vertentes poéticas e teorias estéticas do século XX, que dialogam com a arte tecnológica. A abordagem seguirá um viés semiótico, ancorado na teoria semiótica de Charles Willian Morris, compreendendo a inserção da arte tecnológica nos padrões poéticos e estéticos do século XX e seus desdobramentos no Brasil.

O autor estará também autografando o livro: Anais do 15º Encontro Nacional da ANPAP - Arte: Limites e Contaminações. Organizador: Cleomar Rocha, Edições ANPAP (Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas ) - 20 de junho, às 20:30h

Cleomar Rocha é Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas (FACOM/UFBA), Mestre em Arte e Tecnologia da Imagem (UNB), Especialista em Gestão Universitária (UNIFACS) e Licenciado em Letras (FECLIP-GO/UEG). Coordenador dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Design da UNIFACS, onde é professor Titular. Ex-Presidente da ANPAP - Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas e membro da AEnD.BR.

Uma história da fotografia brasileira e Leitura de portfólios
Nádja Peregrino e Ângela Magalhães
Data: 9 a 13 de julho, 19-22h
Leitura de portfólios, 12 e 13 de julho: 15-17h

A produção fotográfica brasileira enfocada desde a invenção da fotografia no século XIX até a apresentação da rica e complexa poética fotográfica contemporânea e a identificação dos principais movimentos estéticos com base na apresentação da obra de diversos autores, analisadas a partir dos seus contextos históricos e culturais e dos paradigmas visuais referentes a cada período enfocado são os temas das aulas que serão ilustradas com projeções de imagens, visando exemplificar os conteúdos formais e semânticos das diversas obras apresentadas, acompanhadas de comentários críticos sobre cada obra enfocada.

As autoras estarão também autografando o livro: FOTOGRAFIA NO BRASIL um olhar das origens ao contemporâneo - no dia 9, às 20:30h

Nadja Peregrino é Profª Ms. do Curso Superior de Fotografia da Universidade Estácio de Sá / RJ. Trabalha com fotografia desde 1979, atuando ao lado de Ângela Magalhães, como curadora e pesquisadora tendo realizado mais de 100 exposições apresentadas na Funarte (RJ) e Centro de Artes da UFF (Niterói), dentre outros.

Angela Magalhães, é formada em Comunicação Social /UFRJ, foi bolsista da Fulbright / Capes junto ao International Center of Photography e à Aperture Foundation, em Nova York.Na coordenadoria de exposições do Instituto Nacional de Fotografia/Funarte, em parceria com Nadja Peregrino, coordenou as Semanas Nacionais de Fotografia (1982/89), e mais de uma centena de mostras fotográficas. É curadora e pesquisadora independente.

Posted by João Domingues at 3:28 PM

Curso de história e crítica da arte Museu Nacional de Belas Artes 1º semestre 2007, Rio de Janeiro

Curso de história e crítica da arte Museu Nacional de Belas Artes 1º semestre 2007

Inscrições abertas

Museu Nacional de Belas Artes
Av. Rio Branco 199, Centro - Rio de Janeiro - RJ
21-2240-0068
www.mnba.gov.br
Informações: Associação Pró Belas Artes: 21-2215. 5072 ou associacaoamigos@mnba.gov.br
Matrícula: R$ 30
Mensalidade: R$ 70; 50% de desconto - Estudantes, professores(as) das redes pública e funcionários(as) do IPHAN e INEPAC
Período dos cursos: março a junho de 2007

Cursos:

História da Arte IV / Século XX
Profa. Dra. Vera Siqueira (UERJ)
Horário: terças, 18-20h
Início: 13 de março

História da Arte no Brasil / Século XX
Prof. Dr. Marcelo Campos (UERJ)
Horário: quintas, 18-20h
Início: 15 de março

O Expressionismo como vanguarda alemã e suas impregnações na modernidade brasileira
Profa. Dra. Ângela Ancora da Luz (UFRJ)
Horário: terças, 15h30-17h30
Início: 13 de março

O Mobilário e as demais artes decorativas / século XX
Profa. Ms. Marize Malta (UFRJ)
Horário: quintas, 15h30-17h30
Início: 15 de março

Posted by João Domingues at 12:42 PM | Comentários (7)

Cursos Núcleo de Arte e Tecnologia da EAV Parque Lage, Rio de Janeiro

Cursos Núcleo de Arte e Tecnologia da Escola de Artes Visuais do Parque Lage - 1º semestre 2007

Inscrições abertas

Escola de Artes Visuais do Parque Lage
Rua Jardim Botânico 414, Jardim Botânico, Rio de Janeiro - RJ
21-2538-1879 / 21-2538-1091 ou eav@eavparquelage.org.br
www.eavparquelage.org.br
www.eavparquelage.org.br/nat/nat3.htm
Preços: R$ 170 a R$ 250

Cursos

Além do bem e do mal - Arte, Ciência & Tecnologia
teoria e prática
Professora: Simone Michelin
Horário: terças, 18-21h
Período: 10 de abril a 12 de junho de 2007
Preço: R$ 170

Desenvolvimento de projetos
Professor: Franz Manatta
Horário: segundas, 19h30-22h30
Aula inaugural dia 05/03/2007 às 19h30
Início 12 de março
Preço: R$ 170

Imagem, tempo e movimento
Professor: João Velho
Horário: quartas, 19-22h
Preço: R$ 250

Laboratório de Pesquisas Gráficas e Digitais
Professora: Bia Amaral
Horário: quintas, 16-18h ou 19-22h
Preço: R$ 170

Matriz Digital
Professora: Tina Velho
Horário: segunda ou quarta, 14-17h
Preço: R$ 250

Navegações, rede e mobilidade
Professora: Giodana Holanda
Horário: quintas, 14-16h
início: 5 de abril
Preço: R$ 170

Workshops

Colagens digitais
Professor: Moana Mayall
Horário: sábados, 11-13h
Período: 8, 15, 22 e 29 de abril
Preço: R$ 170

Midia e Arte
Professor: Anna Bella Geiger
Horário: sábados, 11-13h
Período: 6, 13, 20 e 27 de maio
Preço: R$ 170

Posted by João Domingues at 12:07 PM

Cursos Instituto Tomie Ohtake 2007 / 1º Semestre, São Paulo

Espaço do Olhar
Cursos Instituto Tomie Ohtake 2007 / 1º Semestre

Inscrições abertas

Instituto Tomie Ohtake
Av Faria Lima 201, Pinheiros, São Paulo - SP
11-2245-1900
www.institutotomieohtake.org.br
Mensalidades: R$ 150 a R$ 350

Espaço do Olhar é o nome do núcleo de cursos da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake, no qual a instituição afirma o seu compromisso com a formação cultural da comunidade, oferecendo, por meio de cuidadosa programação, subsídios estéticos para a expansão da sensibilidade e da capacidade de expressão das pessoas.

O objetivo principal do Espaço do Olhar é formar o público leigo e atender aquele já interessado em arte, além de oferecer cursos de aprofundamento para profissionais da área e artistas. A proposta de formação do público fundamenta-se no desenvolvimento da percepção, propondo um novo olhar, um olhar apurado sobre a arte dos últimos 50 anos, principalmente a contemporânea, conforme o período de trabalho da artista plástica que dá nome ao espaço, Tomie Ohtake.

Com salas e auditórios especialmente projetados para a realização de cursos teóricos e práticos, workshops, simpósios e seminários, o Espaço do Olhar atua em sintonia com a curadoria de artes visuais do Instituto para a definição de suas atividades, sempre coordenadas por artistas, pensadores da arte e da cultura em geral.


Relação dos cursos

Cacá Vicalvi
O vídeo e a linguagem

Público-alvo: profissionais, estudantes e interessados em geral.
Duração: 1 mês
Período: 7 a 28 de março
Horário: 9-12h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

O curso pretende discutir a ação do videodocumentário no registro da arte contemporânea. Em aulas práticas e com exibição de vídeos são apresentados os desdobramentos desse enfrentamento entre o vídeo, as linguagens e os suportes da arte, para investigar até que ponto esse relacionamento pode levar a videoarte.

Carlos Fajardo
A Arte Bidimensional Contemporânea

Público-alvo: profissionais, estudantes de artes plásticas, arquitetura, design e interessados em geral.
Duração: 1 mês
Período: 5 a 26 de março
Horário: segundas, 14-17h
Vagas: 20
Valor: R$ 250

Curso prático cujo objetivo é produzir um debate sobre os modos de produção bidimensional atuais, utilizando como instrumento crítico o meio fotográfico. A fotografia é usada como produtora de imagens e não como suporte técnico, portanto não exige nenhuma habilitação especial.
Charles Watson
O processo criativo - Módulo II
Workshop sobre o pensamento criativo

Público-alvo: artistas, designers, arquitetos, publicitários e interessados em processos de geração de novas idéias.
Duração: 20 horas - quatro dias
Período: 29 de março a 1º de abril
Horário: quinta e sexta, 16-22h; sábado e domingo, 9h30-16h
Vagas: 45
Valor: R$ 350

A qualidade da informação oferecida é infra-estrutural, interdisciplinar e reveladora dos mecanismos que limitam nossas possibilidades criativas. Acreditou-se, sempre, que a geração de idéias e a conseqüente solução de conflitos/problemas insolúveis fossem produzidas apenas por indivíduos excepcionais, gênios. O workshop mostrará de forma clara como esta afirmação é apenas um mito.

Amplamente ilustrado com textos e vídeos, o curso mostra que a semelhança entre as dinâmicas criativas em áreas diversas supera frequentemente a diferença entre as linguagens. Entendendo mecanismos que podem limitar nossas possibilidades de criação, podemos pensar e discutir estratégias que, ludicamente, podem contornar essas tendências.

Claudio Vasques
Gravura em metal

Público-alvo: profissionais, estudantes de arte e interessados em geral.
Duração: 1 mês
Período: 9 a 30 de março
Horário: sextas, 9-12h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

A finalidade do curso é mostrar aos participantes algumas possibilidades gráficas, fazendo com que obtenham resultados práticos e uma visão da arte de gravura em metal, desenvolvendo o gosto pela experimentação e busca de novos caminhos da expressão artística.

Marco Gianotti
Colagem

Público-alvo: profissionais, estudantes de artes plásticas, arquitetura, design e interessados em geral.
Duração: 1 mês
Período: 6 a 27 de março
Horário: terças, 19-22h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

O curso aborda a colagem em suas diversas manifestações na pintura. Serão objetos de estudo os principais movimentos artísticos sex. XX que utilizam a colagem como suporte, do Cubismo sintético ao neo-expressionismo.
A invenção da colagem no início do sec. XX foi um fator determinante para a arte moderna que merece um estudo específico.

Milton Cipis
Ricardo Ohtake
Experimentando o design gráfico

Público-alvo: profissionais, estudantes e interessados em geral.
Duração: 1 mês e meio
Período: 7 de março a 11 de abril
Horário: 20-22h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

Os participantes têm a oportunidade de vivenciar o desenvolvimento de um projeto, desde o recebimento do briefing até a impressão final, passando por todo processo de criação e finalização. O curso, de caráter prático, tem como objeto final a criação e impressão de material de divulgação de uma das atividades do Instituto Tomie Ohtake.

Roberto Segre
Arquitetura e urbanismo na América-Latina

Público-alvo: profissionais, estudantes de arquitetura e interessados em geral.
Duração: 12 horas - 4 dias
Período: 20 a 23 de março
Horário: terça a sexta, 14-17h
Vagas: 25
Valor: R$150

Tendências atuais da arquitetura e urbanismo na América Hispânica, incluindo o Caribe.


Curso do 1º semestre de 2007

Agnaldo Farias
Oito encontros sobre a arte contemporânea

Público-alvo: interessados em geral
Duração: 2 meses
Período: 6 de março a 24 de abril
Horário: terças, 14h30-17h
Vagas: 30
Valor: R$ 250 / mês

Introduzir alguns aspectos decisivos para a compreensão da arte que vem sendo produzida nos últimos cinqüenta anos é a proposta deste curso. Os anos 50 e 60 foram férteis em críticas ao alto modernismo e na marcação de novas posições na produção artística que durariam até o começo dos 80. Nesses anos, a expressão artística rompeu com as formas clássicas de expressão. Algumas passagens foram fundamentais, como a da escultura para a instalação; das intervenções em espaços arquitetônicos até intervenções de âmbito urbano e daí para a paisagem; o próprio corpo do artista sendo entendido como suporte expressivo; a inclusão de um sem-número de materiais e procedimentos.


Artur Lescher
Escultura: o suporte informado

Público-alvo: estudantes de artes plásticas e arquitetura
Duração: 3 meses
Período: 7de março a 23 de maio
Horário: quartas, 9-12h
Vagas: 20
Valor: R$ 150/mês

Com atividades teóricas e práticas é discutida a utilização de materiais cotidianos como suporte de um objeto de arte. O curso estimula a reflexão sobre procedimentos e meios para a produção de um trabalho plástico e possibilidades de instauração de uma poética. Por meio de exercícios específicos, são apresentadas questões como: o suporte informado, a construção tridimensional, a elaboração do discurso visual e a situação do objeto no espaço relacionado.

Cláudio Cretti
Bruno Dunley
Aproximações com a arte contemporânea brasileira

Público-alvo: destinado a jovens artistas, professores e interessados em geral
Duração: 3 meses
Período: 8 de março a 24 de maio
Horário: quinta, 14-17h
Vagas: 30
Valor: R$ 150/mês

O curso tem como eixo a produção brasileira presente nas exposições realizadas pelo Instituto Tomie Ohtake. As aulas são expositivas, com o auxílio de imagens e textos, e diante das próprias obras, durante visitas às exposições.
A intenção é estabelecer relações entre obras e artistas, refletindo sobre contradições e semelhanças e a inserção da arte na vida contemporânea, com um enfoque a partir dos últimos 50 anos.

Dudi Maia Rosa
Monotipia
Público-alvo: artistas em formação e interessados em geral
Duração: 3 meses
Período: de 8 de março a 24 de maio
Horário: quinta, 18h30- 21h30
Vagas: 20
Valor: R$ 150 / mês

A monotipia é uma técnica que proporciona um contato alternativo com questões da pintura. A simplicidade de sua fatura permite a livre experimentação de composições formais e cromáticas e encaminha os resultados para discussões diretas. Os materiais trabalhados no curso cabem ao aluno trazê-los: vidro ou acrílico; tinta a óleo; pincéis; papel tipo vergê; estopa e querosene para limpeza.
O espaço, no caso da monotipia, é considerado pela própria realidade do suporte e revelado pelo tamanho do papel da impressão. Um espaço não representativo e sem virtualidade, mas carregado de imaginação.

Edith Derdyk
ESCRITURAS DO OLHAR: o espaço entre a palavra e a imagem
Público-alvo: artistas, estudantes e interessados em geral
Duração: 4 meses
Período: 6 de março a 26 de junho
Horário: terças, 19-22h
Vagas: 15
Valor: R$ 150/mês

Este curso tem como eixo a observação de um olhar que opera entre a palavra e a imagem, estimulando a criação de uma poética pessoal. O ponto de partida para os encontros é a leitura de alguns fragmentos dos seguintes livros: Palomar de Ítalo Calvino, A paixão segundo G.H de Clarice Lispector e O partido das coisas de Francis Ponge. São textos que estimulam algumas motivações e formulações poéticas ao anunciar possibilidades da construção do olhar como gerador de múltiplos significados. O curso pretende proporcionar um trânsito entre distintas técnicas, linguagens, recursos e procedimentos gráficos: desenho, fotografia, poesia visual, xerox, colagem, vídeo, livro-objeto.

Fernando Vilela
Pintura - Módulo I

Público-alvo: artistas em formação e interessados em geral
Duração: 4 meses
Período: de 5 de março até 25 de junho
Horário: segundas, 18h30-21h30
Vagas: 20
Valor: R$ 150

O foco deste curso é ensinar o uso de alguns dos principais materiais, técnicas e procedimentos da pintura: preparação de tintas de têmpera a ovo e com outros aglutinantes; pintura a óleo; pintura com tinta acrílica; aquarela e guache; preparação de bases em papel, madeira e telas para pintura a óleo, a têmpera e acrílica.

As aulas são práticas, em ateliê, e cada aluno pode desenvolver seu trabalho de criação explorando as diversas técnicas e materiais, aprofundando as possibilidades do espaço na pintura. Em cada aula são apresentadas pinturas de diferentes épocas, por meio de projeção em datashow, proporcionando um breve panorama da história da pintura, da origem e usos dessas técnicas, e como a questão do espaço foi explorada nos trabalhos analisados.

Flávia Ribeiro
Desenho: Investigações

Público-alvo: estudantes, artistas em formação e interessado em geral
Duração: 3 meses
Período: de 6 de março a 29 de maio
Horário: terças, 14-17h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

A linha, com sua origem no movimento, lida com a superfície, composição e construção de espaços através do gesto. A linha corta, justapõe, invade, separa, circula, questiona atravessa, constrói, informa...cria novas relações que nos levam a olhar e pensar de maneiras diferentes as coisas do mundo.

O desenho amplia o vocabulário expressivo nos dando consciência de como pensamos, sentimos e agimos nesse fazer; como um lápis ou outra ferramenta qualquer se torna extensão de nosso olho, da nossa mão, do nosso próprio corpo.
O objetivo deste curso é a conscientização do olhar e ampliação de suas potencialidades, e, através do desenho de observação, incentivar o aluno não só a produzir como também a pensar questões relativas a essa linguagem.

Inaê Coutinho
Olhar fotográfico 1

Público-alvo: interessados em geral
Duração: 4 meses
Período: de 6 de março até 26 de junho
Horário: terças, 9-12h
Vagas: 20
Valor: R$ 150

Uma introdução à fotografia que apresenta os equipamentos básicos e seu funcionamento, além de habilitar os alunos a conhecer e se apropriar das diversas etapas do processo fotográfico, desde a captação até a ampliação da foto. Estímulo à percepção visual da luz através de apreciação de imagens significativas da história da fotografia. A fotografia como linguagem expressiva inserida no contexto histórico, social e artístico contemporâneo. Além de aulas teóricas, há exercícios práticos individuais e em grupo.
Equipamento necessário: câmera fotográfica própria.

Laura Vinci
INSTALAÇÃO E O ESPAÇO CONTEMPORÂNEO

Público-alvo: artistas em formação
Duração: 3 meses
Período: de 5 de março a 28 de maio
Horário: segundas, 14-17h
Vagas:20
Valor: R$ 150/mês

O curso tem como objetivo discutir e compreender o que é instalação e o espaço contemporâneo, através da apreciação e reflexão de obras da produção contemporânea e da leitura de textos críticos e teóricos significativos. Além disso, é acompanhado de uma prática focada nos projetos individuais, proporcionando ao aluno um ambiente para o desenvolvimento e a elaboração de uma produção pessoal.

Lili Caffe
Cinema
Público-alvo: público geral
Duração: 3 meses
Período: de 8 de março a 28 de junho
Horário: quintas, 9-12h
Vagas:20
Valor: R$ 150/mês

Marcia Xavier
Metamofose da Imagem

Público-alvo: estudantes, artistas, interessados em geral
Duração: 3 meses
Período: 7 de março a 23 de maio
Horário: quartas, 19-22h
Vagas: 15
Valor: R$ 150 / mês

A técnica inventada pelos dadaístas em 1915, e usada de maneira diferenciada até hoje, deu à fotografia uma autonomia artística com seus recortes nas imagens e as associações absurdas feitas entre elas. O curso, com aulas teóricas e práticas intercaladas, percorre a linha do tempo, passando por movimentos artísticos que vão incorporar essa linguagem:

Marina Saleme
Pintura e seu processo criativo

Público-alvo: artistas em formação e interessados
Duração: 3 meses
Período: de 7 de março a 23 de maio
Horário: quartas, 14-17h
Vagas: 15
Valor: R$ 150/mês

Potencializar o processo criativo é o objetivo deste curso para os interessados na pintura como linguagem e pensamento. Por meio de aulas práticas, em ateliê, e com propostas coletivas, são abordados os fundamentos da pintura como cor, espaço, figura, fundo, figuração e abstração. A idéia é explorar as diferentes possibilidades dos materiais, técnicas e suportes, conforme o projeto e o interesse de cada aluno, enfatizando assim a criação e a expressão individual. Livros e catálogos de artistas selecionados são apresentados no início das aulas para dialogar com cada proposta de trabalho e também proporcionar ao grupo um panorama visual da pintura contemporânea e as eventuais relações com o trabalho que o aluno pretenda realizar.

Odilon Moraes e Fernando Vilela
A imagem narrativa e ilustração de livros

Público-alvo: profissionais, estudantes de arte, design e de literatura, ilustradores e interessados em geral.
Duração: 4 meses
Período: 6 de março a 26 de junho
Horário: terças, 18h30-21h30
Vagas: 30
Valor: R$ 150/mês

O foco é penetrar no universo da ilustração como linguagem narrativa. A oficina é composta de aulas expositivas acerca da ilustração de livros, intercaladas por exercícios práticos com o objetivo de desenvolver um protótipo, boneco de um livro, ilustrado a partir de textos escolhidos. Nas aulas teóricas são abordadas questões relativas ao desenvolvimento da ilustração enquanto narrativas visuais através dos tempos, por meio de discussão de textos, análises de imagens e de livros. Nas aulas práticas são introduzidos alguns materiais e procedimentos para a criação das ilustrações, como a pintura com aquarela e algumas formas de gravura (monotipia, carimbo), entre outras técnicas. Ao longo do curso, cada aluno desenvolve seu próprio projeto.

Pablo Vilar - Estúdio Guaiamum
Curso de Montagem

Público-alvo: estudantes de artes plásticas, arquitetura, design e interessados em geral
Duração: 2 meses
Período: 5 de março a 23 de abril
Horário: segundas, 19h-21h
Vagas: 15
Valor: R$ 150 / mês

De abordagem teórica e prática, o curso exibe trabalhos de artistas que se utilizam da imagem e da tridimensionalidade como meio de expressão, sobretudo aqueles que abordem as possíveis relações entre esses dois meios. A partir daí, são propostos exercícios práticos de fotografia e escultura, acompanhados e discutidos individualmente.

Paulo Pasta
Pintura: prática e reflexão

Público-alvo: alunos selecionados por portifólio
Duração: 3 meses
Período: de 7 de março a 23 de maio
Horário: quartas, 19-22h
Vagas: 25
Valor: R$ 150/mês

A pintura é um trabalho investigativo no qual as idéias pré-concebidas não valem muito sem a justa resposta do fazer. Pinta-se, assim, para se poder ver - e não o contrário - e a próxima pintura, ou a do futuro, nascerá da anterior, da experiência passada; e desta forma, quase sempre, vamos precisar de tempo para compreender o que fizemos. Ela, a pintura, lança uma luz no exato lugar onde estamos. Para frente, quase nunca: progredimos à medida que o trabalho também progride. Estes são alguns dos principais aspectos abordados no curso, que busca equilibrar a reflexão e a prática. O propósito é ajudar o aluno a pensar seu trabalho e, ao mesmo tempo, oferecer uma interlocução que lhe proporcione meios importantes de tornar rico e revelador seu diálogo com a própria obra.

Peter Pal Pelbart
O pensamento da atualidade

Público-alvo: interessados em geral
Duração: 3 meses
Período: de 8 de março a 24 de maio
Horário: quintas, das 18h30-20h30
Vagas: 30
Valor: R$ 150/mês

A partir de alguns filósofos contemporâneos, tais como Deleuze,
Foucault, Agamben, Negri, trata-se de compor um panorama das questões
candentes de nossa atualidade. São abordadas três temáticas
principais: a do poder, a da subjetividade, e a da vida. O curso pode
servir tanto de introdução aos autores mencionados, como de
aprofundamento das problemáticas citadas. Pretende-se, com isso,
iluminar o contexto presente a partir de uma filosofia voltada para o
presente.

Ponto de encontro
CLÁUDIO CRETTI - Coordenação Geral
Matheus Leston, Mayra Saito, Rogério Mourtada
PONTO DE ENCONTRO: PRÁTICA ARTÍSTICA PARA ADULTOS E CRIANÇAS

Público-alvo: interessados em geral
Duração: 4 meses
Período: de 10 de março a 14 de julho
Horário: sábados, das 15-17h 30
Vagas:15
Valor: gratuito

A Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake a fim de proporcionar um encontro entre adultos, crianças e adolescentes, oferece atividades que possam gerar produções criativas. Estimulando um diálogo entre as diferenças por meio de modalidades artísticas, os encontros, sempre aos sábados, das 15h às 17h, incluem visitas às exposições e atividades práticas no ateliê.

Posted by João Domingues at 11:40 AM | Comentários (1)