Página inicial

Cursos e Seminários

 


julho 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

julho 26, 2020

Seminário online Histórias indígenas no MASP, São Paulo

Este é o terceiro seminário de um projeto de longo prazo que antecipa o programa de exposições, palestras, oficinas, publicações e cursos no MASP dedicado às Histórias indígenas em 2023.

29 de julho de 2020, quarta-feira, 11h às 15h30

MASP no YouTube
com tradução em libras

O evento tem organização de Adriano Pedrosa, diretor artístico, MASP, André Mesquita, curador, MASP, Guilherme Giufrida, assistente curatorial, MASP, Lilia Moritz Schwarcz, curadora adjunta de histórias, MASP, e Sandra Benites, curadora adjunta de arte brasileira, MASP. Sandra passou a integrar a equipe do museu no final de 2019 e participou recentemente do seminário online "Histórias do Brasil", mas esse é o primeiro em que atua como co organizadora.

Os seminários se propõem a apresentar e discutir a riqueza e a complexidade de materiais indígenas e culturas imateriais, suas filosofias e cosmologias, além dos desafios e das possibilidades de trabalhar com esses campos, sobretudo no contexto de um museu. Participam desta edição: Abraham Cruzvillegas, Arial Kuaray Ortega, Carlos Fausto, Rosaura Andazabal, Sandra Gamarra e Sebastián Calfuqueo Aliste.

PROGRAMA

11H-11H10

introdução
LILIA MORITZ SCHWARCZ, curadora adjunta de histórias, MASP

11H10-12H40

ARIEL KUARAY ORTEGA
O cinema e os Guarani: espiritualidade, territórios e fronteiras
O cinema entre os Guarani, especialmente na aldeia onde vive Ariel, tem hoje uma importância política e espiritual. Interessa, para ele, pensar o significado do cinema para os Guarani e quais mudanças ele causou para esse povo que vive em uma situação de fronteira, entre Brasil, Paraguai e Argentina. O cinema é uma ferramenta que permite que os indígenas transmitam suas histórias. Ao mesmo tempo, o cinema indígena teve que transformar tal ferramenta ocidental para que ela pudesse ser aceita dentro da aldeia. Em diálogo com a comunidade, vídeos registram a cultura Guarani em seus próprios termos e tempos. Apesar de ser uma linguagem universal com certas regras, o cinema, quando entra na aldeia, funciona no ritmo dela, impondo um confronto constante e produtivo entre dois mundos.

ROSAURA ANDAZABAL
O projeto Cuentos Pintados del Perú [Contos Pintados do Peru] e sua contribuição para a educação intercultural e bilíngue
Criado e dirigido de 1994 até janeiro de 2020 pelo historiador peruano Pablo Macera, o projeto influenciou no fomento e desenvolvimento da educação intercultural e bilíngue. Projeto este que, no decorrer do que hoje são quase três décadas, compilou diversos registros plásticos que andam de mãos dadas com a oralidade própria de mulheres e homens migrantes dos Andes e da Amazônia peruana, estabelecidos com suas famílias na urbe metropolitana de Lima. Um patrimônio cultural que se tornou tangível por meio de publicações (contos, catálogos, calendários e outros itens em idioma nativo e em espanhol), exposições de arte, celebrações rituais de festas tradicionais e participações em eventos culturais de nível nacional e internacional. Obras de artistas populares que, segundo os dizeres do próprio Pablo Macera, “constroem um espaço próprio e obtêm, com certas limitações, um reconhecimento justo dentro e fora desse Quarto Mundo que opera dentro do Terceiro Mundo”.

CARLOS FAUSTO
A face de Deus e a face do jaguar: a arte indígena para além do humano
“Então disse Deus: – Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança.” Esse famoso versículo está na origem de toda uma tradição imagética ocidental, cujos pilares são o antropomorfismo e a verossimilhança. Contudo, nem todas as sociedades do mundo estabeleceram essa surpreendente correspondência entre o humano e o divino. As sociedades indígenas das Américas, que floresceram durante treze milênios ao largo da cultura cristã, não imaginaram nem materializaram o divino na forma humana. Ao contrário, suas artes procuram figurar as “divindades” por meio de imagens paradoxais, forjadas em um vigoroso zoomorfismo e um antropomorfismo apenas latente. Nessa apresentação, Carlos convida os ouvintes a “estranharem” sua própria tradição artística, bem como suas premissas antropocêntricas, por meio de uma viagem pelas artes indígenas.

Mediação: Guilherme Giufrida, assistente curatorial, MASP

14H-15H30

ABRAHAM CRUZVILLEGAS
Histórias indigentes
Entendendo “indígena” como uma categoria política, e não apenas cultural, além de considerar a língua como território, conforme proposto por Yásnaya A. Gil, Abraham irá falar sobre o projeto atual do Exército Zapatista, a Universidad de la Tierra, por meio do qual se confirma a transformação em projeto cultural do que era antes uma organização militar criada pelos povos indígenas de Chiapas para lutar contra o Estado mexicano. Será abordado o povo P’urhépecha do povoado de Cherán, em Michoacán, que – depois de sofrer com a presença dos cartéis de drogas, a devastação de seu ambiente e a decorrente destruição de suas economias, tradições e culturas – decidiu se organizar em “autodefesas” para se livrar de um ambiente corrompido e se declarar autônomo em relação ao estado federal, recuperando assim seu sistema de governo tradicional, independente e não ocidental. A família do pai de Abraham também é de origem P’urhépecha de Nahuatzen, vilarejo próximo a Cherán, enquanto sua mãe tem origens Hñähñu. Ele é um artista que se questiona sobre a construção da identidade do sujeito dentro de um modelo ou metodologia não binário – quiçá trinitário ou múltiplo, simultâneo: um modelo contraditório e ineficiente.

SANDRA GAMARRA
Se me sale el indio
Enquanto artista e antropólogo, ou como artista antropólogo, José María Arguedas é uma das vozes mais necessárias e importantes da cultura peruana. Ele soube, a partir de sua condição de mestiço, falar enquanto índio e enquanto ocidental, entendendo a mestiçagem não como a dissolução de uma cultura na outra, e sim como uma convivência complexa, dolorosa e bastante particular, dependendo das circunstâncias de cada grupo. As ferramentas usadas por ele para navegar nessas águas são justamente a escrita e uma antropologia subversiva. Falar em histórias indígenas quando a história que fala não é nativa pode parecer uma usurpação da voz e do imaginário desses povos. Todavia, pensando a partir de Arguedas, essas partes se encontram em convívio, e tomar a voz indígena não significa torná-la particular, e sim, pelo contrário, expor essa ficção e, assim, também sua existência. Nesse cenário, a singularidade não é mais uma qualidade, o artista passa a ser mediador da comunidade, um agente que espera que, no uso dessas formas, se manifeste seu significado.

SEBASTIÁN CALFUQUEO ALISTE
Corpos em resistência / Iñche tá kangechi [Eu sou o outro]
A performance Corpos em resistência / Iñche tá kangechi [Eu sou o outro] compila, a partir de relatos coloniais, diversas formas de denominar a sodomia em mapudungun, língua do povo Mapuche. Na mise-en-scène da performance, Sebastián analisa a colonização e a evangelização como práticas de normalização e extermínio de identidades não heterossexuais presentes antes do processo colonial europeu. A obra trabalha com o corpo, a resistência, a cor azul, o som e a relação do cabelo na cosmovisão mapuche, tensionando imaginários coloniais de gênero construídos pelo Ocidente. No capuz utilizado durante a ação, há o desenho de uma Guñelve, estrela que representa Vênus ou o astro do amanhecer, símbolo da resistência mapuche.

Mediação: Devika Singh, curadora, Tate

Confira atualizações no MASP

Posted by Patricia Canetti at 2:55 PM