Página inicial

Cursos e Seminários

 


outubro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Pesquise em
Cursos e Seminários:

Arquivos:
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

outubro 8, 2020

Arredores da imagem: zona de investigações poéticas no MARGS

Parceria resulta em mais uma edição do projeto que, ao longo de outubro, terá a participação de pesquisadores/as que realizam diferentes investigações em torno da noção de imagem

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), em parceria com a Faculdade de Educação da UFRGS (FACED), apresenta mais uma edição do ciclo de debates “Arredores da imagem: zona de investigações poéticas”, reunindo pesquisadores/as de diferentes áreas do conhecimento, agora por meio de encontros em plataformas digitais em decorrência do contexto de pandemia.

O primeiro convidado é o pedagogo Elisandro Rodrigues, Doutor em Educação, cuja palestra parte do tema “Não há imagem sem imaginação”, fragmento de um texto de Georges Didi-Huberman, filósofo e historiador da arte francês, que defende a imagem como processo e ato. O encontro ocorre na sexta-feira, 9 de outubro de 2020, às 10h, pelo link abre.ai/arredores2020.

Até o final do mês de outubro, serão apresentadas seis palestras realizadas semanalmente, nas quartas e sextas-feiras, com a participação de profissionais atuantes em pesquisas e estudos acadêmicos, para conversar com o público sobre assuntos relacionados à imagem. A atividade é gratuita e voltada ao público geral.

Entre os próximos convidados, estão Juliana Costa, Mayra Martins Redin, Fabricio Silveira, Ester Dreher Heuser e Silvana Boone (veja programação completa abaixo).

“Arredores da imagem: zona de investigações poéticas” é uma ação de extensão vinculada à FACED/UFRGS, com coordenação do professor e pesquisador Cristiano Bedin da Costa (DEC/FACED/UFRGS). Configura-se como um espaço de circulação e compartilhamento de investigações transdisciplinares em torno da noção de imagem e de suas multiplicidades teóricas e existenciais. A parceria com o MARGS estreou no passado, com as palestras sendo trazidas a público no auditório do Museu.

PROGRAMAÇÃO

09.10, sexta-feira, às 10h
“Não há imagem sem imaginação”, por Elisandro Rodrigues

14.10, quarta-feira, às 9h
“Cineclubes escolares: a imagem em diálogo”, por Juliana Costa

16.10, sexta-feira, às 10h
“Anotações cotidianas e as fragilidades da imagem”, por Mayra Martins Redin

21.10, quarta-feira, às 19h
"Mecanosfera/Monoambiente", por Fabrício Silveira

23.10, sexta-feira, às 10h
"Da voz ao ouvido: a imagem", por Ester Dreher Heuser

28.10, quarta-feira, às 19h
"Sobre a invisibilidade das mulheres artistas", por Silvana Boone

Link para os encontros: https://meet.google.com/pme-vtvm-ufg
Informações: facebook.com/arredoresdaimagem | margs.rs.gov.br | instagram.com/museumargs

RESUMOS DAS FALAS E BIOS

09.10, sexta-feira, às 10h
"Não há imagem sem imaginação", por Elisandro Rodrigues
"Não há imagem sem imaginação" é um fragmento de um texto de Georges Didi-Huberman no qual ele disserta sobre a aparição e a desaparição. Parte-se desse pormenor textual para pensar a imagem como processo e ato que, de certa forma, é passageira. Toma-se a imaginação como uma montagem que cria relação entre as coisas. Para montar o imaginar “é preciso ensaiar... pois leva tempo aprender como fazer”, como diria Marília Garcia. Propomos a instauração de um tempo – um hiato, uma pausa, uma fenda, um espaço fissurado – para observar os sintomas do nosso tempo ou, como diria Giorgio Agamben em sua indagação a respeito do contemporâneo, o escuro de nosso tempo. Para pensar na função política da imaginação e, quem sabe, ver onde pousam as palavras e perdem-se os olhares, assume-se como diferentes possibilidades de olhar – formas de ver o mesmo lugar, como diria Marília Garcia –, o procedimento de outros: as imaginações visuais de Evgen Bavcar; as palavras grafadas em prendedores de Elida Tessler; as linhas poéticas de Marília Garcia e o pensamento que atravessa fronteiras de Georges Didi-Huberman.

Elisandro Rodrigues
É Pedagogo; Doutor em Educação [Unisinos]; Mestre em Saúde Coletiva [UFRGS]; com Residência em Saúde Mental Coletiva pela UFRGS/EducaSaúde; Especialista em Educação em Saúde Mental Coletiva [UFRGS]; Especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação [UFSM]. Pesquisador do grupo de pesquisa Narrativas em Saúde, vinculado ao Grupo Hospitalar Conceição.

14.10, quarta-feira, às 9h
“Cineclubes escolares: a imagem em diálogo”, por Juliana Costa
A prática cineclubista como possibilidade pedagógica com o cinema e para o cinema em suas especificidades como linguagem, arte, técnica e atividade social. Como incentivar uma cultura cinematográfica em contextos educativos? De que formas as imagens do cinema podem ativar os espaços da educação, bem como criar outros, por meio das suas historicidades, estéticas e formas próprias de pensamento?

Juliana Costa
É Doutoranda em Comunicação Social pela PUCRS, com pesquisa em cinema e educação, e Mestre em educação pela UFRGS, com a dissertação “Exibição de filmes em contexto escolar: entre o Pro-grama de Alfabetização Audiovisual e a sala de aula”. Trabalha no projeto Programa de Alfabet-ização Audiovisual desde 2012, é crítica de cinema e membro fundadora do Cineclube Academia das Musas, dedicado a pesquisar e difundir a obra de cineastas mulheres.

16.10, sexta-feira, às 10h
“Anotações cotidianas e as fragilidades da imagem”, por Mayra Martins Redin
Leonilson anota em uma tela: “na neblina, o bom piloto”. Um amigo me conta um sonho repleto de olhos que o observam de dentro de um retângulo pequeno. Leio o texto de uma artista que ficou um ano sem se olhar no espelho. Escuto uma criança dizer que o sonho é uma imaginação “sozi-nho”. Confundo o nome de um livro e em um ato falho, ao invés de dizer “Eu sei porque o pássaro canta na Gaiola”, pergunto “Porque os pássaros cansam da janela?”. Partirei desta coleta de pe-quenas anotações cotidianas, – atravessadas por uma trágica pandemia –, para propor um pen-samento sobre imagens completas e que não nos permitem parar e também sobre aquelas, frágeis, que urgentemente criamos para dar conta daquilo que nos aparece como inexplicável e insuportável. Estas estão a nos pedir um tempo de suspensão e de deriva na neblina, onde criar e ver imagens talvez tenha a ver com não olhar tão de frente para o que está a se mostrar: como um astrônomo que utiliza a “visão lateral” para observar objetos de brilho tênue.

Mayra Martins Redin
Atua na intersecção entre a arte, a escrita e a clínica psicanalítica. Doutora em Artes, atua também na clínica e como professora. Participa de exposições e residências artísticas desde 2004. Publicou o livro “Poema de começo de construção” (Quelônio, 2018) e “Histórias de observatório” (Confraria do Vento, 2013), e também ensaios e artigos em torno das temáticas da palavra, da imagem e da escuta. Integra o grupo-oficina Artesania dos Dias, que trabalha a partir de coleta de sonhos e co-lagens coletivas.

21.10, quarta-feira, às 19h
"Mecanosfera/Monoambiente", por Fabrício Silveira
Asfixia e debilidade psíquica, currículos fraudados e hiperprodutivismo burocrático. Esses temas povoam o universo acadêmico e foram perseguidos no livro “Mecanosfera / Monoambiente” (Porto Alegre: Zouk, 2020), uma novela de ficção teórica recém-lançada. O objetivo do encontro é discutir esse exercício de theory fiction, descrevendo-o, seja em termos formais, seja em termos de seus arranjos dramáticos ou mesmo de suas proposições de fundo, das janelas e dos precedentes que tentou abrir. Uma narrativa de ficção para reinventar/reimaginar uma universidade em crise?

Fabrício Silveira
É escritor e professor universitário. Formado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo (UFSM), Mestre em Comunicação e Informação (UFRGS), Doutor em Ciências da Comunicação (Unisinos, RS) e Pós-Doutor pela School of Arts and Media (Salford University, UK). Autor de uma série de livros de ficção e não-ficção. Atualmente, realiza estágio pós-doutoral – bolsa PNPD Capes – junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

23.10, sexta-feira, às 10h
"Da voz ao ouvido: a imagem", por Ester Dreher Heuser
A partir das experimentações com os projetos áudio-fônicos, “Doses literárias” e “Eu li filosofia pra ti”, o encontro tratará da questão posta por Deleuze: "o que pode a voz fazer com o conceito?", para problematizar acerca da ação da imaginação para criar imagens, sem ver, mas ouvindo.

Ester Dreher Heuser
É professora-pesquisadora Associada da UNIOESTE, Campus Toledo (PR), no curso de Filosofia – Licenciatura, Mestrado e Doutorado (Linha: Ética e Filosofia Política). Pesquisa, publica e leciona em torno da Filosofia de Deleuze e seus intercessores; da Filosofia Política de Rancière; Filosofia da Educação e do Ensino de Filosofia. Interessa, sobretudo, ocupar-se das variações e possibilidades de modos de existência que desafiam a lógica da identidade, da representação e do juízo e que afirmam o devir e a invenção. Participa da Rede de Pesquisa "Escrileituras da diferença em filosofia-educação" oriundo do Projeto interinstitucional (UFRGS, UNIOESTE, UFPEL, UFMT) "Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida", (2011-2014) do Programa Observatório da Educação DEB/CAPES/MEC; do Grupo de Pesquisa da UNIOESTE Ética e Filosofia Política/CNPq. Graduada em Filosofia (Licenciatura - 1998) e mestre em Educação nas Ciências, área Filosofia (2002), pela UNIJUÍ e doutora em Educação, linha de pesquisa Filosofia da diferença e educação (2008), pela UFRGS.

28.10, quarta-feira, às 19h
"Sobre a invisibilidade das mulheres artistas", por Silvana Boone
Este encontro busca debater, não somente o questionamento da historiadora americana Linda Nochlin, "Por que não houve grandes mulheres artistas?", mas apontar os processos de educação através da imagem para diminuir as lacunas da história da arte.

Silvana Boone
É professora e pesquisadora na Universidade de Caxias do Sul (UCS) desde 1995. Doutora em História, Teoria e Crítica pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013). Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999). Especialista em Artes Visuais pela Universidade de Caxias do Sul (1993). Graduada em Licenciatura Plena em Educação Artística pela Universidade de Caxias do Sul (1990). Principais atuações no ensino da História da Arte e Arte Contemporânea, curadoria e crítica da arte.

Posted by Patricia Canetti at 4:37 PM