Página inicial

Cursos e Seminários

 


junho 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise em
Cursos e Seminários:
Arquivos:
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
As últimas:
 

maio 22, 2017

Tania Rivera faz palestra sobre arte contemporânea e psicanálise no CPF do Sesc, São Paulo

O Avesso do Imaginário: arte contemporânea e psicanálise

Ganhadora do prêmio Jabuti na categoria psicologia/psicanálise pelo livro "O Avesso do Imaginário. Arte Contemporânea e Psicanálise" (CosacNaify, 2013), a ensaísta, psicanalista e professora Tania Rivera faz uma palestra no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc tendo como referência o livro.

26 de maio de 2017, sexta-feira, das 19h às 21h

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc
Rua Dr. Plínio Barreto 285 – 4º andar, São Paulo, SP
Segunda a sexta, das 10h às 22h; sábados, das 9h30 18h30
11-3254-5600

O Avesso do Imaginário: arte contemporânea e psicanálise explora as relações entre arte e psicanálise. Nascida num ambiente cultural inovador - a Viena fin-de-siècle - e concebida por um homem sensível às manifestações da cultura, a psicanálise logo entrou para a circulação sanguínea da arte. Na França, com a barreira inicial nas faculdades de medicina, os livros de Freud foram acolhidos em vários círculos de artistas da vanguarda, especialmente no grupo surrealista, em torno do qual orbitava um jovem Lacan.

Na palestra, Rivera estabelece um caminho de mão dupla entre dois campos, tomando como fio condutor a desestabilização da noção de sujeito e sua relação com o Outro em várias dimensões da arte contemporânea, através de obras de artistas como Joseph Kosuth, Gary Hill e Louise Bourgeois, além dos brasileiros Lygia Clark, Hélio Oiticica, Milton Machado, Ernesto Neto, Waltercio Caldas e Cildo Meireles.

O Avesso do Imaginário: arte contemporânea e psicanálise
Dia 26 de maio de 2017, sexta, das 19h às 21h.
Recomendação etária: 16 anos. Número de vagas: 30.
R$ 15,00 (inteira); R$ 7,50 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública); R$ 4,50 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação com no mínimo dois dias de antecedência da atividade por e-mail.
Informações e inscrições pelo site (sescsp.org.br/cpf) ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo.

Posted by Patricia Canetti at 4:12 PM

maio 17, 2017

Seminário Curadoria em artes visuais no Santander Cultural, Porto Alegre

O seminário Curadoria em artes visuais – Um panorama histórico e prospectivo propõe uma reflexão sobre a prática e o pensamento curatorial no mundo contemporâneo. O programa gratuito organizado por Fernanda Albuquerque e Gabriela Motta traz uma série de indagações que permitem traçar um espectro sobre a atividade da curadoria, da sua gênese ao seu papel na reconfiguração de um mapa político da arte. Até 13 de julho, os oito encontros de três horas de duração cada, proporcionam um espaço de fala ampliado tanto para os palestrantes quanto para os alunos. O caráter político, perspectivas educativas e dimensões históricas da curadoria contemporânea estão no programa das aulas.

Ministrantes: André Venzon, Cauê Alves, Ceres Storchi, Frederico Morais, José Augusto Ribeiro, Marília Panitz, Marta Mestre, Moacir dos Anjos, Mônica Hoff, Nico Rocha, Suely Rolnik

18 de maio a 13 de julho de 2017, às quintas-feiras, sempre das 18h30 às 21h30

Santander Cultural
Rua Sete de Setembro 1028, Centro Histórico, Porto Alegre, RS
Informações: 51-3287-5941
Inscrições gratuitas por e-mail

PROGRAMA

18 de maio, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
ABERTURA: Curadoria em diálogo – A prática curatorial e suas relações com a história da arte, a educação e os processos artísticos
Como ponto de partida do seminário, esta mesa de abertura aborda a atividade do curador sob três perspectivas que se cruzam nos projetos envolvendo arte contemporânea.
Participantes:
Cauê Alves – Curadoria e história da arte
André Venzon – Curadoria e prática artística
Mônica Hoff – Curadoria e educação

25 de maio, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 1 – Ministrante: Marília Panitz
Afinal, o que é curadoria?
Um possível mapeamento da atividade na segunda metade do século XX: curadoria como organização; curadoria como sintaxe; curadoria como discurso autoral; curadoria, acompanhamento crítico e crítica; curadoria e parceria.

1 de junho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 2 – Ministrante: Suely Rolnik
O saber-do-corpo nas práticas curatoriais
Driblando o inconsciente colonial-capitalístico
A nova versão do capitalismo, financeirizado, passa a ter como sua principal fonte de exploração e acumulação, a vida como potência de criação, sua essência. Tal fenômeno afeta especialmente o campo da arte, gerando uma constante negociação entre os interesses da arte e aqueles do capital. A figura do curador nasce neste contexto como mediador de tal negociação, do que resultam perspectivas divergentes que materializam-se em suas práticas. Usaremos as noções de ‘saber-do-corpo’ e de ‘inconsciente colonial-capitalístico’, para avaliar o que as difere e, sobretudo, problematizar seus efeitos nos públicos a que se dirigem.

8 de junho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 3 – Ministrante: Frederico Morais
Curadoria como mediação – Sobre a dimensão educativa da prática curatorial
A mediação como instrumento de aproximação entre obra e espectador. A relação entre projetos educativos e projetos curatoriais. De que maneira projetos expositivos podem contribuir para a formação humanista e plural da sociedade como um todo?

22 de junho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 4 – Ministrante: Marta Mestre
A curadoria como crítica – Imaginários institucionais e instituintes de uma prática
Imaginários em disputa e subjetividades em construção nas práticas críticas e curatoriais, desde os anos 1970 até hoje. Se o "institucional" se refere à sociedade e aos seus instrumentos políticos e econômicos operando de forma “harmoniosa”, o "instituinte" implica uma abertura às dinâmicas conflitivas da sociedade civil e seus diversos capitais simbólicos.

29 de junho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 5 – Ministrantes: Ceres Storchi e Nico Rocha
Curadoria e percursos museográficos
Desenho interpretativo e desenho de exposições de arte: questões da construção de um pensamento para uma narrativa museográfica. Autoralidade, autonomia, compartilhamento e subordinação. Visualidade, raciocínio, percepção e interpretação.

6 de julho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 6 – Ministrante: Moacir dos Anjos
Pensamento curatorial como prática social – Curadoria em diálogo com o contexto
De que maneira a organização de mostras de arte pode se vincular ao ambiente social e político no qual está inserida ou sobre o qual se debruça? Como proposições expositivas podem agregar ou agredir contextos sociais?

13 de julho, quinta-feira, 18h30 às 21h30min
Aula 7 – Ministrante: José Augusto Ribeiro
A arte contemporânea desde a globalização
Este encontro aborda a expansão do circuito de arte para regiões até então negligenciadas, África, América Latina, Ásia e leste europeu, a partir de 1980, e discute a posição que a arte brasileira assume nesta reconfiguração do mapa cultural do mundo.

Posted by Patricia Canetti at 8:00 PM

maio 7, 2017

VII Semana de Artes Visuais da UFRN, Natal

Organizada pelo Curso de Licenciatura em Artes Visuais do DEART, a VII Semana de Artes Visuais da UFRN tem como tema Processo & Poética nas Artes Visuais. O objetivo é abrir um espaço para reflexão sobre a arte contemporânea e suas múltiplas formas de constituição, expandida em múltiplas redes de significações, na medida em que faz confluir diferentes práticas artísticas, territórios e dispositivos. A VII Semana de Artes Visuais faz uma homenagem ao professor e artista Vicente Vitoriano, nosso querido colega e grande colaborador para formação do Curso de Artes Visuais da UFRN. O evento traz palestras, depoimentos de artistas e curadores, exposições e oficinas.

8 a 12 de maio de 2017

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Departamento de Artes
Av. Senador Salgado Filho s/n - Campus Universitário, Lagoa Nova, Natal
84-3215-3550 ou deart@cchla.ufrn.br

PROGRAMAÇÃO

8 de maio, segunda-feira
11:30
ABERTURA: Exposição GUAP. Homenagem ao professor e artista Vicente Vitoriano.
Galeria do DEART

15:00 -17:00
[PALESTRA & VIVÊNCIA] - Reperformar o Afeto
Esta palestra trata da importância que o conceito de afeto tem tomado em pesquisas na área de Performance e Arte. Essa noção engloba diversas áreas do conhecimento científico, um verdadeiro "circuito de afetos" (Safatle, 2015) uma carga afetiva que emana das ideias que constitui-se num dos legados da performance. (Heike Roms, 2013, p. 37) O encontro e compartilhamento dos nossas performances, movimentos corporais, escrituras e materiais no espaço e no tempo.
Profa. Dra. Naira Ciotti
Sala 30

9 de maio, terça-feira
09:00 - 12:00
[MESA REDONDA] - Processo na Pesquisa Acadêmica e o Exercício do Olhar
A Profa. Arlete Petry propõe que a pesquisa em Artes Visuais pode se dar de diferentes maneiras. Na a/r/tografia a criatividade é elemento central da pesquisa e nosso lado artista e educador se fará presente. A fala irá explorar o que significa ser um a/r/tógrafo e como um trabalho de pesquisa pode ser uma experiência estética.
Prof. Pellejero traz sua experiência realizada durante 2015, quando fez uma pesquisa no Museu Reina Sofia, em Madrid, sobre algumas obras e as aventuras do olhar que propõem a quem se aproxima delas, cujo resultado foi um romance crítico ou ensaio ficcional, no qual conjugam-se notas sobre o sentido das imagens e o exercício do olhar, a política da arte e o espaço museológico.
Prof. Dr. Eduardo Pellejero e Profa. Dra. Arlete Petry
Sala 26

14:00 - 15:30
[DEPOIMENTO] - Conversa com a artista Adriana Rocha
Este depoimento e conversa com a artista Adriana Rocha será por videoconferência. Adriana Rocha é pintora, vive e trabalha em São Paulo. Sua pintura lida com questões que falam de memórias, do tempo e de seu apagamento. Em sua produção trata os vestígios deixados por tais passagens, manipulando imagens que possam evidenciar esses rastros, essas marcas. A interferência que faz sobre imagens impressas resulta numa prática mestiça que evidencia a artificialidade de sua constituição como paisagem e de sua construção como metáfora.
Adriana Rocha
Sala 38

18:00 - 21:00
[PROGRAMAÇÃO AUDIOVISUAL] - Filmes sobre artistas
A mostra de vídeos tem como objetivo trazer ao público produções audiovisuais criadas, em sua maioria, por artistas potiguares, seguida de conversa sobre as obras apresentadas.
Anfiteatro

10 de maio, quarta-feira
09:00 - 12:00
[MESA REDONDA] - Conversa com os artistas Vicente Vitoriano e Artur Souza
O artista e professor Vicente Vitoriano, a partir de sua experiente trajetória, irá expor seu processo criativo a partir da produção de trabalhos em pintura e aquarela.
Partindo da apresentação de alguns trabalhos realizados durante os últimos dez anos, o artista Artur Souza pretende abordar possíveis linearidades, rupturas e influências de artistas e teóricos sobre seu trabalho, que geralmente versam sobre a relação entre os meios gráficos (desenho e gravura) e o espaço onde acontecem, com a tendência a modificar-se de alguma forma, ora em seu processo de constituição, ora no espaço em que são apresentados.
Prof. Dr. Vicente Vitoriano e Prof. Artur Souza
Sala 28

09:00 - 12:00
[OFICINA] – Fotografia e processos criativos na contemporaneidade
A fotógrafa e gestora do Espaço Duas apresenta vetores da fotografia contemporânea em suas relações com as Artes Visuais. A fotografia é uma linguagem potente e acessível nos dias atuais e nesta oficina o aluno será estimulado a pensá-la como suporte para expressar suas ideias e conceitos. Serão abordados alguns processos de criação, portfólio e elementos que constituem o repertório cultural do artista/fotógrafo.
Elisa Elsie - Duas Estudio
Sala L

15:00-17:00
[PALESTRA] - Processos Criativos
Carito Cavalcanti fala sobre sua vida artística e seu desenvolvimento em várias linguagens (cinema, poesia, música e arquitetura). A exposição de seu processo criativo, a partir de alguns exemplos específicos, será seguida da mostra de cinco curtas, da sua análise e de um debate com o público.
Carito Cavalcanti
Sala 28

18:00- 21:00
[EXPOSICÃO] - Tristes Trópicos _ Bom Jardim
Tristes Trópicos _ Bom Jardim é uma instalação multimídia que aproxima ruínas contemporâneas às ruínas do passado. Matriz do projeto é o espaço rural e urbano do Rio Grande do Norte, tido como um complexo de narrativas e relações sedimentadas, e a busca por entendê-lo em articulação aos grupos sociais e contextos simbólicos relevantes para nossa história. A exposição traz uma vídeo-projeção que toma toda a sala Dorian Gray da Pinacoteca do Rio Grande do Norte, e também uma instalação sonora chamada Quanto coco se dança, em homenagem ao cantador Potiguar Chico Antônio.
Artista: Regina Johas
Pinacoteca do RN

11 de maio, quinta-feira
09:00 - 12:00
[PALESTRA] - Cinema, cérebro e arte
Um neurocientista conta sobre o ver e a arte. Sergio Neuenschwander é professor do Instituto do Cérebro - UFRN, onde atua no ensino e pesquisa relacionados à percepção e atenção visual. Além do seu trabalho científico, Sergio colabora com a artista plástica Rivane Neuenschwander em uma série de vídeos de arte (Love Lettering, The Fall, Sunday e Enredo), que fazem parte de acervos internacionais (http://www.ubu.com/film/neuenschwander.html).
Prof. Dr. Sérgio Neuenschwander
Sala D

15:00 - 17:00
[MESA REDONDA] - Bom Jardim: aspectos da abordagem curatorial
Daniela Bousso analisa as bases conceituais da exposição Tristes Trópicos: Bom Jardim de Regina Johas. Operando um viés transdisciplinar na exposição, a artista aborda a dura realidade brasileira e sua estagnação no tempo. A mostra é um desdobramento do trabalho de investigação que resultou nas séries fotográficas Sendas e Remanências realizada em Natal no final do ano passado.
Regina Johas e Daniela Bousso (Curadora)
Sala D

18:00 - 21:00
[PROGRAMAÇÃO AUDIOVISUAL] - Filmes sobre artistas
A mostra de vídeos tem como objetivo trazer ao público produções audiovisuais criadas, em sua maioria, por artistas potiguares, seguida de conversa sobre as obras apresentadas.
Anfiteatro

12 de maio, sexta-feira
09:00 - 11:00
[PALESTRA] - Processo Criativo e Cadernos Gráficos
A Profa. Laís Guaraldo irá apresentar metodologias de pesquisa para abordagem de processos de criação, partindo das referências da Crítica de Processo. Integrante do Grupo de Pesquisa em Crítica de Processo da PUC de São Paulo, coordenado por Cecília Almeida Salles, a professora Laís tratará de suas pesquisas dentro desse campo de interesse.
Profa. Dra. Laís Guaraldo
Sala L

12:00 - 14:00
[EXPOSIÇÃO] - Eu Identidade
Visita-guiada e bate-papo com o artista Natã Ferreira em sua exposição Eu Identidade.
Artista: Natã Ferreira
Capitania das Artes

15:00 - 17:30
[OFICINA] - Portfolio
A oficina irá instrumentalizar os alunos à criação de seus portfolios a partir de perfis e parâmetros exigidos no mercado e sistema de artes na atualidade. São oferecidas 40 vagas.
Profa. Dra. Regina Johas
Sala D

18:00 - 22:00
[CONFRATERNIZAÇÃO] – Encerramento da VII Semana de Artes Visuais.
Evento de confraternização. Apresentação performática do Gato Ludico (20:00)
Anfiteatro

Posted by Patricia Canetti at 7:47 PM

maio 3, 2017

Palestra: Práticas curatoriais com Josué Mattos no Red Bull Station, São Paulo

Analisando algumas obras icônicas do circuito artístico nacional e internacional do final dos anos 1960 e início dos anos 1970 — como a “Exposição Não-Exposição” proposta pelo artista paulistano Nelson Leirner e a obra “Che fare?!”, do italiano Mario Merz –, o curador e pesquisador Josué Mattos discorre sobre o indeterminismo artístico da época e o fato de tais obras serem, ainda hoje, tão replicadas. Além desta análise, a conversa abordará a relação da arte com outras esferas sociais para construir um debate sobre a prática curatorial.

4 de maio de 2017, quinta-feira, 20-22h

Red Bull Station - Auditório
Praça da Bandeira 137, Centro, São Paulo, SP
11-3107-5065 ou station@redbull.com.br
Entrada gratuita. Capacidade: 100 pessoas

Josué Mattos graduou-se em História da Arte e Arqueologia e concluiu mestrado em História da Arte Contemporânea, na Université Paris X Nanterre. Em 2009, concluiu o segundo mestrado — este, em Práticas Curatoriais, na Université Paris I Panthéon-Sorbonne. Concebeu e assumiu a curadoria da primeira edição de Frestas – Trienal de Artes / O que seria do mundo sem as coisas que não existem? e Nossa proposição é o diálogo (Sorocaba, 2014-2015). Entre os projetos realizados, destacam-se o programa de ações e performances É crédito ou débito? (Sesc SP, 2010-2013) e as exposições Eu fui o que tu és e tu serás o que eu sou (Paço das Artes, 2012), Como o tempo passa quando a gente se diverte (Casa Triângulo 2011) e Por aqui, formas tornaram-se atitudes (Sesc Vila Mariana, 2010). É curador do Museu de Arte de Santa Catarina e trabalha no desenvolvimento do Centro Cultural Veras, ambos em Florianópolis.

Posted by Patricia Canetti at 11:35 PM