Página inicial

Cursos e Seminários

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
Cursos e Seminários:
Arquivos:
As últimas:
 

junho 29, 2012

Museologia, Colecionismo e Curadoria na Faculdade de Belas Artes, São Paulo

Coordenação: Profa. Dra. Marilúcia Bottallo
Docentes de apoio: Profa. Dra. Marilúcia Bottallo e Profa. Ma. Débora Gigli Buonano

O curso de Museologia, Colecionismo e Curadoria fornecerá dados e conceitos que vão tratar desde as origens do colecionismo até as formas mais especializadas de mediação cultural por meio de ações museológicas dando destaque às práticas curatoriais.

Sua preocupação central será fornecer aos alunos tanto aspectos teóricos quanto a participação em vivências museológicas e curatoriais. Serão estimulados a participar de ações que envolvem a mediação cultural institucional em relação às artes visuais.

Início das aulas: 6 de agosto de 2012, segunda - feira

Período: segunda e quarta, 19 - 22h40, e um sábado por mês, 8 - 16h40

Valor: 20 parcelas de R$ 994,00

Inscrições pelo site: www.belasartes.com.br

Pós-Graduação Belas Artes
Rua Dr. Álvaro Alvim, 90
Cobertura da Unidade 2
Vila Mariana - São Paulo - SP
11 - 5576-7300

O projeto pedagógico da Pós-Graduação Lato Sensu do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo escolhe seus fundamentos e princípios a partir de valores históricos, construídos ao longo de 80 anos pela FEBASP, no contexto das áreas educacionais e culturais da cidade de São Paulo.

A relação dinâmica entre Ensino, Pesquisa e Extensão em cadeias interinfluentes constitui a política institucional do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e fundamenta sua estrutura organizacional e regimental.

Programa

O curso tem duração de 420 horas incluindo o Trabalho de Conclusão de Curso. Considerando todas as atividades podemos estimar um prazo de 18 meses para a conclusão do curso.
Objetivo

O Curso fornecerá amplo repertório sobre questões relacionadas à museologia, assim como permitirá a vivência, por meio do contato com profissionais da área, de aspectos diferenciados no trato com obras de arte.

Os alunos conhecerão aspectos fundamentais do circuito cultural considerando questões relativas ao colecionismo, à preservação patrimonial e a divulgação via curadorias de exposições permitindo uma experiência complexa dos processos de gestão cultural.

Linhas de Pesquisa

Colecionismo público e privado
Museologia teórica e aplicada
Curadoria de coleções
Mercado de Arte

Público

O curso foi configurado para profissionais com nível superior completo tais como especialistas, museólogos, historiadores, arte-educadores, artistas plásticos, profissionais de museus, galerias e de áreas de preservação, bem como estudantes e interessados no aperfeiçoamento de seus conhecimentos relativos aos processos de preservação e divulgação patrimonial.

Metodologia

Aulas expositivas com computadores e projetores multimídia, sala de exposição museológica para exercício prático de montagem, recursos de comunicação visual e de montagem de exposições (sinalização, material gráfico de divulgação, bases, vitrinas etc..), material didático (objetos) para exercícios de conservação e documentação de acervos, armários para guarda de material didático.

Sistema de avaliação

A avaliação de cada disciplina é composta 50% por trabalhos práticos realizados em sala de aula e 50% por meio de uma prova de avaliação final de conhecimentos adquiridos. A prova deverá ser realizada sempre individualmente e sem consulta, em um tempo mínimo de 60 minutos e máximo de 90 minutos. Ela deverá ser aplicada, pelo(a) próprio(a) professor(a), na segunda parte do último encontro da disciplina. A média mínima para aprovação é 7,0 (sete).

Coordenadora

Profa. Dra. Marilúcia Bottallo - Doutora em Ciências da Informação e Mestra em Artes, ambas pela Escola de Comunicações e Artes da USP; graduada em História pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Como experiência docente: Docente das disciplinas de Museologia e Museografia: a Salvaguarda Patrimonial nos Museus, do Curso de Especialização em Museologia do MAE/USP (1996-2000); Ética Patrimonial do Instituto Paulista de Restauro (1990-1999). Atualmente é Professora da Disciplina Arte, Literatura e Cultura no Brasil na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP (2010). Como experiência profissional: Coordenadora do Centro de Memória da Fundação Bunge (2007-2010); Coordenadora de Implantação do Núcleo de Documentação e Pesquisa do Instituto de Arte Contemporânea (1994); Diretora do Serviço Técnico de Curadoria da Divisão Científica do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP (2003-2006); Museóloga do Museu de Arte Moderna de São Paulo (1986-1991) e da Pinacoteca do Estado de São Paulo (1991-1994); Bolsista Fulbright, Capes e Laspau para aperfeiçoamento profissional no National Museum of American Art, Smithsonian Institution (1989-1990).

Núcleo Docente de Apoio

Profa. Dra. Marilúcia Bottallo
Profa. Ma. Débora Gigli Buonano

Matriz Curricular

Colecionismo de Arte Moderna e Contemporânea
Crítica de Arte e Arte Contemporânea: novas proposições para a crítica e para a curadoria
Estética e teoria da arte moderna e contemporânea
Estética e teoria da Arte: origens e desenvolvimento
Estudos Integrados de Caso
Exposição museológica: Curadoria, produção e montagem
História da Arte e museus: séculos XX e XXI (novas mídias e arte tecnológica)
História da arte: das origens ao século XIX
História da história da Arte: métodos de pesquisa
História do colecionismo: Colecionismo público e privado (gabinetes, thesauri e museus)
História dos processos curatoriais
Metodologia da Produção Científica
Museologia aplicada: Ação Educativa e Avaliação de Exposições
Museologia aplicada: Concepção, planejamento e montagem de exposições
Museologia aplicada: Conservação preventiva e Documentação museológica
Museologia: História, Teoria e Método
Princípios de Gestão de Cultura: legislação patrimonial; leis de incentivo à cultura; processos de captação de recursos
Visitas Técnicas: museus, galeria de arte, casa de leilão e antiquário
Processo Seletivo

A seleção é constituída das seguintes etapas:

Envio on-line, pelo candidato, da ficha de inscrição e documentos.
Análise do currículo e da ficha de inscrição (em alguns casos serão realizadas entrevistas).
Aos candidatos aprovados serão solicitados documentos complementares para efetivação de matrícula


Matrícula

Para efetivar a matrícula, além do preenchimento do formulário on-line, o candidato deverá apresentar, na secretaria da Pós-Graduação, os seguintes documentos:

1 Cópia do Diploma (graduação);
1 Cópia do RG e do CPF (Não será aceita CNH);
1 Cópia da certidão de nascimento; se casado(a), certidão de casamento;
1 Cópia do comprovante de residência (conta de água, luz, telefone);
1 Fotos 3x4

Obs.: as cópias devem ser autenticadas ou podem ser simples desde que sejam apresentados os originais.

Posted by Marília Sales at 12:21 PM

junho 5, 2012

Seminário Internacional: Das artes e seus territórios sensíveis no CCBNB, Fortaleza

Seminário Internacional: Das artes e seus territórios sensíveis

Participantes: Profa. Dra. Ana Maria Tavares (USP), Profa. Dra. Andrée Martin (UQUAM/Canadá) , Profa. Dra. Antonia Pereira (UFBA/CAPES), Profa. Dra. Beatriz Rauscher (UFU) , Profa. Dra. Cecília Almeida Salles (PUC/SP), Profa. Dra. Christine Mello (FASM), Prof. Dr. Daniel Lins (UFC) , Prof. Dr. Guto Nóbrega ( EBA/UFRJ) , Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand (UNICAMP) , Prof. Dr. Jorge La Ferla (Universidad de Buenos Aires) , Profa. Dra. Lúcia Gouvêia Pimentel (UFMG) , Profa. Dra. Maria Beatriz Medeiros (UNB) , Prof. Dr. Milton Sogabe (UNESP/CAPES), Prof. Dr. Ricardo Basbaum (UERJ) , Profa. Dr. Walmeri Ribeiro e Theresa Rocha (UFC)

Diante de um cenário sócio-histórico complexo no que tange à invenção estética no país, em que experimentos artísticos e culturais manifestam uma sensível mudança no modo de se entender e se relacionar com a arte, incluindo aí a derrocada das linguagens tradicionais, a crescente hibridização de gêneros e a complexificação e transdisciplinarização das metodologias de pesquisa e análise, o I Seminário internacional Das Artes e seus territórios sensíveis se propõe à construção de um território-evento privilegiado para a produção de afetos, teorias, movimentos e pensamentos.

12 a 14 de junho de 2012

Inscrições pelo site: http://www.dasartes.ufc.br/inscricoes/

Centro Cultural Banco do Nordeste - Auditório
Rua Floriano Peixoto 941, Centro, Fortaleza - CE
85-3464-3108 ou cultura@bnb.gov.br
www.bnb.gov.br/cultura

Seminário Internacional: Das artes e seus territórios sensíveis
dasartes2012@gmail.com
http://www.dasartes.ufc.br/
Idealização: Mestrado em Artes ICA-UFC
Realização: Centro Cultural Banco do Nordeste, Instituto de Arte e Cultura da UFC, Universidade Federal do Ceará - UFC, Capes

Ao reunir pesquisadores em artes, de todo o país e do exterior, para além das especificidades de seus domínios de pesquisa, borrando assim as fronteiras entre as associações formais e entidades, o seminário visa a reflexão e problematização pública da pesquisa em artes no Brasil frente à complexidade do fenômeno artístico contemporâneo e para a formulação de um novo pensamento histórico acerca das relações entre pesquisa e arte, teoria e prática, universidade e mundo, hoje.

Programação

12 de junho – Terça-Feira

18:30h
Abertura oficial do evento:
Discursos de boas vindas proferidos pelo Magnífico Reitor Prof. Dr. Jesualdo Pereira Farias e por Jacqueline Medeiros do CCBNB.

19:00h às 20:30h
Palestras de abertura

Profa. Dra. Antonia Pereira (UFBA/CAPES)
Panorama da Pós-Graduação em Artes no Brasil

A pós-graduação em Artes Música cresceu de forma vigorosa nos últimos dez anos. Saímos de 11 programas em 1996 a 42 Programas em 2011. Há uma forte concentração de cursos no sudeste e sul. O nordeste é a terceira região em número de cursos e as regiões norte e centro-oeste são as menos bem atendidas por programas na área de Artes/Música. Há, ainda, alguns estados que não possuem cursos de pós-graduação em Artes/Música, embora possuam instituições que oferecem cursos de graduação em Artes (Maranhão no NE; Amapá, Acre, Roraima, no N). Há, por conseguinte, espaço para crescimento, especialmente se considerarmos a meta de cobrir todos os estados da federação com ao menos um curso de pós-graduação em Artes/Música. Tal meta de expansão não pode desconsiderar, entretanto, o pré-requisito de amadurecimento das condições que justificam a criação de uma pós-graduação strictu sensu, quais sejam: a existência de grupos de pesquisa já consolidados e de docentes titulados e com projetos de pesquisa e produção científica regular e de qualidade. A Área deve estimular propostas de Mestrados e Doutorados Interinstitucionais como estratégia para qualificar recursos humanos em Estados onde não exista pós-graduação strictu sensu na área de Artes/Música. Tal estratégia, com experiências bem sucedidas, já permitiu a criação, no triênio passado (2007/2009), de cursos em dois Estados das regiões norte e nordeste.

Prof. Dr. Milton Sogabe (UNESP/CAPES)
Arte e pesquisa na academia

A pesquisa em arte na academia possui um histórico recente, que altera a predominância de um artista-professor para um pesquisador-artista. Essa situação é acompanhada pela busca do reconhecimento da arte como área de conhecimento na educação e na academia. Nesse novo contexto outros compromissos surgem para o artista, pois o sistema da pesquisa envolve várias atividades. A especificidade da produção de obra como pesquisa na pós-graduação também é discutida.

20:30h às 22:00h
Recepção dos convidados coquetel

13 de junho – Quarta-Feira

14:00h
Profa. Dra. Andrée Martin (UQUAM/Canadá)
Do múltiplo ao multi e ao meta: itinerário do corpo dançando

O corpo é um envelope nos diz Jean Luc Nancy. "Ele seve, portanto, para conter aquilo que é necessário para em seguida desenvolver. O desenvolvimento é interminável. O corpo finito contém o infinito, que não é nem alma nem espírito, mas o desenvolvimento do corpo”. Na linhagem de Nietzsche, Nancy abre sobre o infinito do corpo tudo o que isso pode supor de multiplicidade de estados e de pontos de vista. É dessa abertura, sem cessar projetada em direção à pluralidade dos devires possíveis, que nasce o corpo dançante. Um itinerário complexo, às vezes múltiplo e multiplicador, do qual tentaremos dar conta através da ideia salvadora de meta-disciplinaridade.


14:30h
Profa. Dra. Cecília Almeida Salles (PUC/SP)
Algumas reflexões sobre metodologia e crítica

A proposta geral da comunicação é levantar questões que parecem ser relevantes no que diz respeito ao desenvolvimento de pesquisas em arte, visando, especialmente, a pós-graduação. Em um primeiro momento, será enfocada a formação do crítico de arte com o objetivo de discutir seus processos de produção, envolvendo questões metodológicas e articulações teóricas. Em seguida, será dado destaque ao artista que se propõe a desenvolver pesquisas no âmbito acadêmico.

15:00h

Prof. Dr. Guto Nobréga ( EBA/UFRJ)
Ecologias Híbridas

A proposta central de nossa pesquisa, articulada em questões teóricas e práticas no núcleo laboratorial NANO-EBA-UFRJ, é pensar o lugar das ligações sensíveis ativadas no processo de invenção e fruição de máquinas – objetos técnicos (Simondon, 1989) –, assim como suas redes e ecologia de natureza híbrida. O viés de nosso trabalho é determinado pelas questões da arte. Essas são as linhas gerais dessa comunicação.

15:30h

Profa. Dra. Maria Beatriz Medeiros (UNB)
A pesquisa em arte a partir das reflexões do Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos.

Em arte, o corpo e seus onze sentidos se engajam na volução* da eminência do presente. As palavras calam, os tendões escoam para fora dos limites da pele. Nem sempre resultado resulta. No entanto, a vida ocorreu, performance. Relaxo, lapso de silêncio, no mundo desobstruído. Bolhas de prazer e mente esvaziada. Provar o duro, por oposição ao doce da linguagem.

Que linguagem para falar desta vida sentida pelo ser humano, por vezes denominado artista, pelos participantes, por aqueles que ousaram “escutar” o sopro de movimentos de invisíveis tensões adubadas ou escoadas no vazio? A arte ímpar, sem par ou ímpar, sem melhor de três ou zerinho ou um, mesmo se realizada em grupo ou em alcateia, ecoa em intersubjetividades prenhas de apreensões do momento.

Que metodologia, quando se buscou por semanas enceradeiras e aspiradores de pó em ferros-velho empoeirados, risco de tétano, demasiada poeira, alguma gosma de larvas transportada nas costas e muitas gargalhadas? Que história ou teoria para o descompassado desejo de estar face a face com o aqui-agora já apagado?

*Entendemos que não há evolução, nem desenvolvimento. Há volução, processos em voluta, em espiral rodando sem objetivo, sem jamais atingir o centro, sem jamais manter um só movimento. A volução se aproxima da volúpia, quando paixões deixam mentes-corpos em volução. As fragatas planam em volução. “O progresso não é uma ilusão. Ele acontece, mas de forma lenta. E, invariavelmente, termina nos decepcionando.” (George Orwell)

16:00h

Prof. Dr. Ricardo Basbaum (UERJ)
A imagem do artista

Proponho trazer questões em torno da construção da imagem do artista contemporâneo, pensando o artista para além do mero produtor de obras de arte. A partir das pesquisas de Michel Foucault acerca das “tecnologias da produção de si”, tenho trabalhado questões em torno de uma “hermenêutica do artista”, no sentido de investigar as práticas a partir dos quais o artista se constrói em público.

16:30h

Profa. Dra. Lucia Gouvêa Pimentel (UFMG)
Entreterritórios

Ser artista contemporâneo é viver o nomadismo por convicção e vaguear encravado na andança. O espaço da arte apresenta-se indiferenciado e transforma-se em lugar à medida que o dotamos de valor. O próprio objeto artístico pode ser eleito um lugar. Os territórios da arte são contextos movediços, que se mostram e se escondem, nos atravessam e nos instigam, nos incomodam e nos apaziguam. Vivemos mais entre esses territórios que firmemente em algum deles. Como fixar nossa identidade, então, se é nos vãos que nos reconhecemos? Entende-se os vãos como plenos de potencialidades, não como vazios de sentido. As fontes de fruição, contextualização e experimento artístico são uma escolha em rede, que perpassam nós e vãos, que não tem caminhos exatos nem territórios precisos. O que nos move a essa escolha?

17:00h

Prof. Dr. Daniel Lins (UFC)
Artes e territórios sensíveis: experimentos

Trata-se de perceber a relação prático-teórica (experimentos) entre artes e territórios sensíveis, no cotidiano sociopolíticos de territorializados/desterritorializados, e, suas novas invenções de mundos possíveis. Por outro lado, como imaginar uma concepção da estética da existência e do prazer, da invenção e da autonomia de movimentos e desejos, no universo de territórios sensíveis, mediados por uma prática “menor” ou “minoritária” , que privilegia antes o pensamento que a opinião ou a idealização?

17:30h às 18:30h
Coffee-break

18:30h às 20:30h
Fórum reunindo todos os participantes

14 de junho – Quinta-Feira

14:30h
Profa. Dra. Walmeri Ribeiro e da Profa. Ms. Thereza Rocha (UFC)

Discutir a criação artística como pesquisa e produção de conhecimento implica em pensar a arte não somente como produtora de outros objetos mas também de outros modos de conhecer. Produzir um exercício de reflexão acerca da dissolução das fronteiras entre teoria e prática na proposição de um conhecer-fazer é o tema central desta fala, nos lançando no território da pesquisa, criação e invenção em arte que manifeste uma sensibilidade às mudanças vigentes no modo de se entender e se relacionar com a arte na contemporaneidade.

15:00h

Profa. Dra. Christine Mello (FASM/FAAP)
Pesquisa, crítica de arte e prática artística: experiências e diálogos

A partir da experiência do Grupo de Pesquisa arte&meios tecnológicos (CNPq, 2007-2012), http://artemeiostecnologicos.wordpress.com, buscaremos explorar possíveis associações entre os campos da pesquisa, da crítica e da prática artística. O grupo investiga processos artísticos tendo em vista uma posição crítica e experimental no campo das relações da arte com as mediações tecnológicas. Nele, a reflexão teórica e artística estreitam suas relações. Formado por Christine Mello, Denise Agassi e Paula Garcia (coordenação), Ana Paula Lobo, Ananda Carvalho, Bruno Mendonça, Claudio Bueno, Eduardo Salvino, Josy Panão, Leandro Carvalho, Lucas Bambozzi, Lyara Oliveira, Marcelo Salum, Mariana Shellard, Monique Allain e Natália Coutinho, vem realizando de modo aberto, semestralmente, ao longo dos últimos anos, os Encontros arte&meios tecnológicos, já estando em sua nona edição. Em seu atual projeto de pesquisa, Amplificação (2010-2012), aborda maneiras com as quais a arte contemporânea rearticula a história da arte por meio de diálogos artísticos. Para tanto, promove leituras entre uma parcela histórica da produção brasileira e a atualidade. Apresenta, com isso, interesses relacionados a artistas como Mario Peixoto, Flávio de Carvalho, Abraham Palatnik, Hélio Oiticica, Lygia Clark, Mira Shendel, Julio Plaza e Rafael França, associados a artistas como Cao Guimarães, Gilbertto Prado, Lucas Bambozzi, Lucio Agra, luiz duVa, Rejane Cantoni, Ricardo Basbaum e Rosangela Rennó. Em seu projeto anterior de pesquisa, Arte contemporânea: o processual em meios tecnológicos (2007-2009), pesquisou processos de temporalização e produziu três exposições na Escola São Paulo. As exposições contaram com curadorias de três de suas críticas-curadoras, com apresentação pública de nove trabalhos artísticos de seus integrantes e a promoção de quatro debates com o público.

15:30h

Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand (UNICAMP)
As representações topológicas nas redes artísticas

A proposta visa observar os dispositivos móveis e suas possibilidades de interação poéticas baseadas nos sistemas e nas mídias locativas e nas redes artísticas. Os dispositivos móveis permitem a construção de cartografias e mapeamentos sociais, culturais e artísticos através das redes, envolvendo práticas que apresentam questões relativas à construção de nossas subjetividades, do senso de privacidade e coletividade e a noção de espaço e tempo que se transforma e passam a constituir a noção de “espaço-tempo” como uma entidade única.

16:00h

Profa. Dra. Ana Maria Tavares (USP)
Natural-Natural: sobre arte, arquitetura e ciência.

Em Natura-Natural a artista e pesquisadora Ana Maria Tavares examinará a maneira como sua obra vem interrogando a interseção entre arquitetura, natureza e ideologia desde o início do movimento moderno até os dias de hoje e, conseqüentemente, demonstrará a maneira como sua produção tem se transformado em um aparato de pesquisa e crítica do modernismo e da modernidade brasileira. Partindo do entendimento de que nem arquitetura nem natureza são entidades estáticas, mas entidades em estado permanente de mudança e transformação, Natural-Natural apresenta sua obra como ativadora dos componentes ideológicos presentes no centro do projeto moderno brasileiro: a modernidade como processo normalizador e normatizador, e a natureza em seu alarde de artificialização, como emblema do estado-nação.

16:30h

Profa. Dra. Beatriz Rauscher (UFU)
Tessituras com o real: ações poéticas urbanas na pesquisa universitária.

Mais que um produtor de formas, o artista é ator e personalidade de uma ação; às vezes ativista e crítico, cuja postura, mais social do que no isolamento no ateliê, o torna engajado, perturbador e vigilante: aquele que vigia os fatos e ouve seus ruídos. Assim Paul Ardenne (2004) define o modus operandi do artista que atua no campo da arte contextual. A pesquisa que conduzo no PPG Artes da Universidade Federal de Uberlândia reúne investigações de artistas visuais que têm a cidade (contexto urbano), não apenas como ponto de partida, mas, antes, sua matéria. Assim, ancora ações que se dão na esfera das operações da arte e, ao mesmo tempo, no espaço público, entendido aqui como ambiente urbano, social e cultural. Estas esferas implicam campos diferentes de reflexão para a concepção e a fundamentação dos trabalhos. Elas são chaves determinantes para a discussão e análise das produções dos artistas-pesquisadores envolvidos no projeto.

17:00h

Profa. Dr. Jorge La Ferla (Universidade de Buenos Aires)
Territórios audiovisuais: A educação sentimental

A historia do audiovisual analógico está significativamente vinculada às tecnologias que a originam, cujas materialidades estão chegando ao fim. O dispositivo do cinema e do vídeo nos remete a um relato frequente nos estudos visuais que consideram as máquinas de imagens determinantes sobre a ontologia e ideologia do cinema, da televisão e do vídeo. Esta segunda década do terceiro milênio nos confronta com práticas artísticas com um audiovisual virtual, as quais em sua vinculação com a arte contemporânea, foi transformando-se da sala escura e da tela branca, do monitor e projetor até o cubo branco do museu, as redes e os dispositivos móveis. Nesta última década, e depois de cruzar a fronteira do fotoquímico ao digital, todas as especulações sobre o futuro da imagem em movimento entraram em crise. Os estudos fílmicos, desde suas origens em 1915 até o presente uniformizado pelas denominadas novas tecnologias, derivaram em uma ambiguidade onde o simulacro fílmico se vincula a uma práxis que amalgama os suportes fechados com as redes, os teatros interativos virtuais, as instalações imersivas, os dispositivos móveis, entre outros. A imagem numérica, a programação, o design de interfaces, a interconectividade oferecem diversos parâmetros que se imbricam com a linguagem cinematográfica e videográfica, e sua simulação e a arte das instalações. Esta prática artística entrou em conflito com os estudos tradicionais das artes audiovisuais. Esta conferencia analisa aspectos da dramática, porém fascinante reconversão do audiovisual até uma práxis expandida das artes midiáticas considerando o lugar das cenas de sua instrução.

17:30h
Coffee-break

18:30h às 20:30h
Fórum reunindo todos os participantes

Sobre os palestrantes

Prof. Dr. Milton Sogabe (UNESP/CAPES)
Milton Sogabe é graduado em Licenciatura Plena em Educação Artística (Artes Plásticas) na FAAP, é mestre e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Professor desde 1976, atua na UNESP desde 1994. A partir de meados dos anos 80 passa a trabalhar com arte-tecnologia. Desde 1996 integra o SCIArts, Equipe Interdisciplinar, que atua na intersecção entre arte/ciência/tecnologia.

Profa. Dra. Antonia Pereira (UFBA/CAPES)
Antonia Pereira é Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1D. Atriz e dramaturga, graduada em Licenciatura em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (1992); Mestre (DEA) em Litterature Française pela Université de Toulouse II, Le Mirail (1994); Doutora em Lettres Modernes pela Université de Toulouse II, Le Mirail (1999) e Pós-Doutora em Dramaturgia pela Université du Québec à Montréal UQAM (2006). Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC/UFBA) por duas gestões consecutivas - biênios 2007/2009 e 2009/2011. Também foi segunda secretária eleita para o biênio 2000/2002 da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós Graduação Em Artes Cênicas. Atualmente é professora Associada I da Universidade Federal da Bahia, Integra os Grupos de Pesquisa DRAMATIS e GIPE-CIT e Coordena a Área de Artes/Música na CAPES. Tem experiência na área de Teatro e Dramaturgia, com ênfase em Literatura Comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: drama, ator, pesquisa em artes e criação.

Profa. Dra. Andrée Martin (UQUAM/Canadá)
Andrée Martin é doutora em Artes e Ciências da Arte pela Universidade de Paris 1 (Sorbonne) e professora do Departamento de Dança na Université du Québec em Montreal. Ex-jornalista especializado em Dança (Le Devoir e Radio-Canada), ela é responsável pelo evento internacional Territoires en mouvance (2003) e também pelo Le corps au travail (2006). Roteirista e diretora, Andrée concebeu e realizou Danser Perreault (2003) e Sans titre rouge (1999). É autora de mais de 40 artigos publicados em todo o mundo (França, Alemanha, Bélgica, etc.). Também dirigiu as obras Territoires en mouvance e o dossier Le corps en mouvement (Vie des arts). Suas pesquisas e criações centram-se no corpo, em sua dimensão rizomática, mais especificamente na complexa relação tecida entre a teoria e a prática, bem como em aspectos voltados a transversalidade em arte. Atualmente trabalha em seu Abécédaire du corps dansant, projeto de longo prazo, trazendo uma série de ensaios literários e cênicos sobre o corpo dançante (já apresentado no Canadá, México, Chile, Bélgica, Espanha, França e Brasil).

Profa. Dra. Cecília Almeida Salles (PUC/SP)
Cecília Almeida Salles é professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC/SP. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Processos de Criação. Foi curadora do evento Redes da Criação 2008 (Itaú Cultural). Autora dos livros Gesto inacabado (1998), Crítica Genética (2008), Redes da Criação (2006) e Arquivos de Criação: arte e curadoria (2010). Dirige a editora e o espaço cultural Intermeios: casa de artes e livros em São Paulo/Brasil.

Prof. Dr. Guto Nóbrega ( EBA/UFRJ)
Guto Nóbrega é Doutor (2009) em Interactive Arts pelo programa de pós graduação Planetary Collegium (antigo CAiiA-STAR), University of Plymouth UK, onde desenvolveu pesquisa sob orientação do Prof. Roy Ascott durante 4 anos com bolsa de doutorado pleno pela CAPES. Sua pesquisa de caráter transdisciplinar nos domínios da arte, ciência, tecnologia e natureza investiga como a confluência desses campos (em especial nas últimas décadas) tem informado a criação de novas experiências estéticas.

Profa. Dra. Maria Beatriz Medeiros (UNB)
Maria Beatriz Medeiros é mestre em Estética - Université de Paris I, doutora em Arte e Ciências da Arte- Université de Paris I, pós-doutora em Filosofia no Collège International de Philosophie, Paris. Professora associado 2 da UnB. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos desde 1992. Pesquisadora do CNPq (2008-2011-2015). Coordenadora Adjunta para a área de Artes na CAPES (2005-2010). Suplente na cadeira de Artes Digitais no CNC-MINC (2005-2009). Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Arte da UnB.

Prof. Dr. Ricardo Basbaum (UERJ)
Ricardo Basbaum (São Paulo, 1961). Vive e trabalha no Rio de Janeiro.
Exposições individuais mais recentes incluem conjs., re-bancos*: exercícios & conversas, Museu de Arte da Pampulha (2011), vibrosidades&vibrolução, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro (2011) e membranosa-entre (NBP), Galeria Luciana Brito, São Paulo (2009). Participou da documenta 12, Kassel (2007) e da 7ª Bienal do Mercosul (2009). Autor de Além da pureza visual (Editora Zouk, 2007) e Ouvido de corpo, ouvido de grupo (Universidade Nacional de Córdoba, 2010). Professor do Instituto de Artes UERJ e da Faculdade Santa Marcelina (São Paulo).

Profa. Dra. Lúcia Gouvêia Pimentel (UFMG)
Lucia Gouvêa Pimentel é Professora da Escola de Belas Artes da UFMG. Possui Doutorado em Artes/Arte-Educação, Mestrado em Educação, Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais. É representante da América do Sul no Conselho Mundial da InSEA, membro do CLEA, da FAEB, AMARTE e ANPAP. Tem livros e artigos publicados sobre Ensino de Arte, Gravura e Formação de Professores. É líder do Grupo de Pesquisa Ensino de Arte e Tecnologias Contemporâneas (CNPq).

Profa. Dr. Walmeri Ribeiro e Theresa Rocha (UFC)
Walmeri Ribeiro é Doutora em comunicação e semiótica pela PUC-SP e mestre em artes cênicas pela UNICAMP. Professora adjunta do curso de cinema e audiovisual da Universidade Federal do Ceará - ICA/UFC, onde coordena o projeto Conexões Estéticas e o Laboratório de pesquisas cênicas e audiovisuais (LPCA). É autora do livro “Poéticas do ator no cinema brasileiro contemporâneo” (Intermeios, 2012/ no prelo). Atualmente, desenvolve a pesquisa “Poéticas do corpo no audiovisual: corpo|imagem|tecnologia” (PIBIC-CNPQ/FUNCAP)

Thereza Rocha é Doutoranda em Artes Cênicas pelo PPGAC/UNIRIO, Mestra em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ. Diretora de espetáculos, pesquisadora de dança e professora-assistente dos cursos de bacharelado e licenciatura em dança do ICA/UFC onde desenvolve a pesquisa Por uma (des)ontologia da dança em sua (eterna) contemporaneidade. Criadora do espetáculo 3Mulheres e um Café: uma conferência dançada com o pensamento em Pina Bausch (Espaço SESC, RJ, 2010). É coautora do livro Diálogo|Dança (São Paulo: SENAC, no prelo) e coorganizadora do livro Bienal Internacional de Dança do Ceará: um percurso de intensidades (Fortaleza: Expressão Gráfica, 2011). Colunista do portal idança.net (www.idanca.net).

Profa. Dra. Christine Mello (FASM)
Christine Mello (FASM/FAAP) é Pesquisadora em Arte e Comunicação, é professora do Mestrado em Artes Visuais da Faculdade Santa Marcelina, nele integra a área de concentração Arte Contemporânea e a linha de pesquisa História, Crítica e Pensamento Curatorial. É professora também da Fundação Armando Álvares Penteado/FAAP junto aos Departamentos de Artes Plásticas e Comunicação. Possui pós-doutorado em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), sendo doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Membro da Diretoria da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas/Anpap 2011-2012, nela participa como 2a. Secretária. Como crítica e curadora realizou trabalhos como a curadoria da Representação Brasileira de Net Art da 25a. Bienal Internacional de São Paulo (2002), contribuiu para Primera generacion: Arte e imagen en movimiento,1963-1986 (Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, 2006-2007) e integrou a equipe curatorial do Programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais (2008-2009). Como membro do Conselho da Associação Cultural Videobrasil, fez parte do conselho Curatorial e de Programação (2003-2008), bem como do Júri de Seleção dos 14 , 15 e 16 . Festival Internacional de Arte Eletrônica Sesc Videobrasil (2003-2007). Suas mais recentes curadorias são Espaço em relação: flluidez e simultaneidade (Museu de Arte da Bahia, Salvador, 2009); Galeria Expandida (Luciana Brito Galeria, SP, 2010); Tékhne (Museu de Arte Brasileira/ MAB-FAAP, SP, 2010, junto com Denise Mattar) e Lucas Bambozzi - O espaço entre nós e os outros (Laboratório Arte Alameda, México DF, 2011). Coordena o Grupo de Pesquisa arte&meios tecnológicos (CNPq/FASM), sendo autora do livro Extremidades do vídeo (publicado pela Editora Senac, 2008) e co-autora de Tékhne (publicado pelo MAB, 2010).

Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand (UNICAMP)
Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand tem Doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUCSP. É professor da UNICAMP e PUCSP e vice-coordenador do TIDD – Pós-Graduação/PUCSP. Participa do GIIP - Grupo de Pesquisa vinculado ao CNPq/UNESP. Desenvolve instalações artísticas interativas com o grupo de artistas SCIArts, no Brasil e MobilityLab, na Espanha atua com: artes, mídias locativas, semiótica e jogos.

Prof. Dr. Jorge La Ferla (Universidad de Buenos Aires)
Jorge La Ferla é licenciado na Université de Paris VIII - Vincennnes; Mestre em Artes - University Of Pittsburgh; Chefe de Cátedra - Universidad de Buenos Aires; Professor titular da Universidad Del Cine; Professor convidado da Universidad de los Andes – Bogotá. Curador de cinema, vídeo e novas mídias, têm publicado artigos em diversas publicações na América e na Europa e editado livros na Argentina, Brasil e Colômbia.

Profa. Dra. Beatriz Rauscher (UFU)
Beatriz Rauscher é artista, doutora em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS. Foi bolsista em Paris, na UFR Cinèma et Audiovisuel da Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3. É professora no Programa de Pós-Graduação em Artes e da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), líder do grupo de pesquisa Poéticas da Imagem/CNPq.

Profa. Dra. Ana Maria Tavares (USP)
Natural-Natural: sobre arte, arquitetura e ciência.
Ana Maria Tavares (Belo Horizonte, MG, 1958). Vive e trabalha em São Paulo. Graduada em Artes Plásticas pela FAAP (1982), Mestre pela The School of the Art Institute of Chicago (1986) e Doutora pela ECA/USP (2000), Ana Maria Tavares tem representado o Brasil em inúmeras exposições internacionais na Europa, América e Ásia e tem sido convidada como artista visitante e conferencista nas mais prestigiosas universidades do Brasil e do mundo, tais como Harvard University, MIT – Massachussets Institute of Technology (Ida Ely Rubin Artist-in-Residence), UCBerkeley, Rice University, Vanderbilt University (EUA); a Rijksakademie (HOL) e a Universidade Nacional de Bogotá e foi contemplada com o Guggenheim Award pela Guggenheim Foundation, NY (2001).
A partir de 1982 inicia suas atividades didáticas em nível superior ingressando em 1993 no Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) onde realiza até o presente atividades docentes, de orientação e pesquisa em nível de Graduação e Pós-Graduação em Poéticas Visuais. Entre outras atividades acadêmicas iniciou e coordena o programa de parceria internacional com a escola de arte da Vanderbilt University, USA, promovendo intercâmbio, pesquisa e a realização de projetos artísticos. Desde 1982 realizou diversas exposições individuais e participou de Bienais Internacionais de São Paulo, de Havana, Pontevedra, Istambul e Cingapura. Atualmente desenvolve o projeto de pesquisa "Natura In-Vitro: Interrogando a Modernidade" em co-autoria com a historiadora e crítica de arte e arquitetura Fabiola Lopez-Durán, para a exposição individual a se realizar em 2013 no MASP – Museu de Arte de São Paulo.

Prof. Dr. Daniel Lins (UFC)
Daniel Lins é filósofo, autor de inúmeros livros, dentre os quais: Antonin Artaud: o artesão do corpo sem órgãos (Reedição LUMME São Paulo, 2011); Espinosa em Deleuze, Deleuze em Espinosa (Forense Universitária, 2007), Nietzsche/Deleuze: Natureza/Cultura X Simpósio Internacional de Filosofia (Lumme São Paulo 2011 e organizador de O devir-Criança do pensamento (Forense Universitária, 2009)). Curador e conferencista do Café de Filosofia CPFL-TV Cultura-SP.

Posted by Cecília Bedê at 2:59 PM

junho 4, 2012

Projeto Experiência com Paula Braga, Ana Maria Maia e Albano Afonso no Itaú Cultural, São Paulo

Projeto Experiência

Coordenação: Paula Braga

Orientadores: Ana Maria Maia, Albano Afonso, Paula Braga

Incentivar o pensamento sobre arte e o fazer artístico. Este é o objetivo do projeto Experiência, promovido pelo Itaú Cultural. Alunos inscritos em cursos de graduação de ensino superior de quaisquer cursos e períodos - desde que tenham produção em artes visuais - podem participar desta terceira edição coordenada pela pesquisadora e crítica de arte Paula Braga. O programa tem como foco principal abordar aspectos do fazer artístico, propondo questões relacionadas à atuação do artista no mundo de hoje.

Inscrições até 13 de julho de 2012

Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô
11-2168-1876
www.itaucultural.org.br

Podem se candidatar ao projeto Experiência estudantes de graduação de qualquer curso de ensino superior, desde que tenham produção em artes visuais. A ficha de inscrição está disponível no site - www.itaucultural.org.br/experiencia - e deve ser enviada pelo correio ou entregue pessoalmente no Itaú Cultural com carta de interesse, currículo, comprovante de matrícula da universidade e portfólio com cinco imagens impressas ou DVDs (para mídias digitais e DVDs), no mínimo, e, no máximo, 10.

A divulgação dos selecionados, em um total até 15, está programada para 31 de julho.

Sobre o programa

Por um período de cinco meses, eles participarão de encontros periódicos com Paula Braga para debates teóricos em que acontecerá leitura de portfólios, avaliação dos trabalhos e discussão sobre produção artística contemporânea, práticas possíveis, relações sociais, entre outros temas. Esse tipo de acompanhamento também será realizado por meio de conversas em grupo e individuais com o artista Albano Afonso e a crítica e curadora Ana Maria Maia.

Também estão previstas visitas técnicas à ateliês de artistas, instituições de arte e espaços em que acontecem práticas de arte e educação.

Mesas de debates abertas ao público também são novidade este ano. As palestras que em 2011 eram restritas a um grupo específico, estarão abertas a participação do público em geral - serão ao todo quatro encontros abertos ao público. As discussões giram em torno de temas pertinentes a formação de jovens artistas no Brasil, como mercado de arte e residências artísticas.

Todos esses encontros que integram o projeto Experiência se propõem a complementar a formação dos jovens que estão começando a atuar no mercado de arte, incentivando o diálogo e mostrando as diversas possibilidades de atuação - não só a produção artística como também arte-educação, mercado entre tantas outras áreas.

Biografia dos orientadores
Paula Braga é pesquisadora e crítica de arte independente, mestra em história da arte pela Universidade de Illinois, Estados Unidos, e doutora em filosofia da arte pela USP. Atualmente é pós-doutoranda no Instituto de Artes da Unicamp. Trabalhou em instituições de arte brasileiras e no Krannert Art Museum, Estados Unidos, e organizou o livro Fios Soltos - a Arte de Hélio Oiticica (Perspectiva, 2008). Seus projetos e publicações concentram-se em arte contemporânea brasileira.

Ana Maria Maia é jornalista, curadora e crítica de arte independente, além de mestra em história e crítica de arte pela Faculdade Santa Marcelina. Membro do Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto Tomie Ohtake, foi assistente de curadoria na 29ª Bienal de São Paulo e uma das curadoras da exposição Convite à Viagem, do Itaú Cultural.

Albano Afonso é artista multimídia e um dos fundadores e organizadores do Ateliê Fidalga, espaço aberto para trocas e discussões que estimulem o desenvolvimento de poéticas pessoais. Participou da 29ª Bienal de São Paulo e do Le Mois de laPhoto à Montréal, no Canadá, em 2011. Recentemente, integrou a exposição 7SP - SevenArtistsFrom São Paulo, no ContemporaryArtBrussels, na Bélgica.

* A entrega do material pode ser feita pessoalmente ou via correio no endereço:
Itaú Cultural: Avenida Paulista, 149 - 4º andar / Núcleo de Educação Cultural
São Paulo - SP - CEP 01311 000

Posted by Cecília Bedê at 5:25 PM