Página inicial

Salões & Prêmios

 


novembro 2013
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise em
salões & prêmios:

Arquivos:
As últimas:
 

outubro 29, 2010

Prêmio Registros - vídeos sobre arte: As Menções Honrosas

Beam Drop Inhotim (2008) de Pablo Lobato
Conjunto K + Concerto Artificial - Lucia Koch + Kassin de Registro de Arte
Ensino da arte: Um espaço poético de Greice Cohn
Procura-se de Grima Grimaldi
#07 Piratão Gentil de Coletivo Filé de Peixe
Premiados
Selecionados
Regulamento
Patrocinadores


Beam Drop Inhotim (2008), 0:05:37
Pablo Lobato

Verbete biográfico
Bom Despacho, 1976. Vive e trabalha em Belo Horizonte. Formado na Faculdade de Comunicação e Artes-PUC Minas. Especializou-se em cinema-PUC Minas/UFMG. Estudou fotografia na escola Guignard–UEMG. Um dos criadores da Teia-Centro de pesquisa audiovisual. Co-diretor do filme Acidente, premiado como melhor Doc Ibero-Americano em Guadalajara, México, 2007. Em 2008 foi contemplado pelo 29º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte – Bolsa Pampulha e passou a se dedicar continuamente a outras linguagens que não o cinema. Foi bolsista da John Simon Guggenheim Foundation, NY, 2008-09 e contemplado pelo Prêmio Marcantonio Vilaça, Funarte, 2009-2010. Em 2010 realizou sua primeira exposição individual, O Que Pode a Expiração, no Museu Inimá de Paula, BH.

Ficha técnica
Realização da Obra do artista Chris Burden: Instituto Inhotim
Produtora do vídeo: Teia
Direção: Pablo Lobato
Produção: Luana Melgaço
Câmera: Clarissa Campolina, Helvécio Marins Jr., Pablo Lobato, Roberto Bellini, Sérgio Borges
Montagem: Pablo Lobato
Finalização: Fabiano Waewell
Som direto: Osvaldo Gomes Ferreira
Edição de som: O Grivo

Memorial da obra
O vídeo documenta a performance realizada pelo artista Chris Burden em Inhotim, que resultou na obra Beam Drop Inhotim (2008). Dirigido por Pablo Lobato, o vídeo foi produzido pela Teia.

Beam Drop Inhotim (2008) é uma escultura em grande formato, localizada no alto de uma montanha, feita de 71 vigas de construção jogadas por um guindaste de uma altura de 45 metros, dentro de uma vala cheia de cimento fresco, durante um período de 12 horas. O padrão aleatório das vigas caídas formou a obra, numa interpretação da gestualidade do expressionismo abstrato, ao mesmo tempo propondo uma desconstrução da escultura moderna. Esta peça é a recriação, em formato maior, de um trabalho originalmente instalado em 1984, no Art Park, no Estado de Nova York, e destruído em 1987.

Para a realização do vídeo foram utilizadas 3 câmeras, sendo que uma delas, em alguns momentos, ficou instalada no guindaste usado para içar as vigas. O caráter sonoro da performance conduziu de modo especial a captação do áudio para que este pudesse ser devidamente incorporado ao vídeo.

volta ao topo


Conjunto K + Concerto Artificial - Lucia Koch + Kassin, 0:07:59
Leticia de Azambuja Ramos/Registro de Arte

Verbete biográfico
"Registro de Arte" é um selo audiovisual criado e dirigido pela artista Letícia Ramos.
O objetivo do selo é extrapolar o mero aspecto documental do registro de arte e apostar na experimentação e desenvolvimento de uma linguagem própria para cada obra e artista.

Letícia Ramos é artista e montadora cinematográfica Seu foco de investigação artística é a criação de aparatos fotográficos próprios para a captação e reconstrução do movimento e sua apresentação em vídeo. Seus trabalhos já foram expostos em importantes mostras e galerias, como a Tate Modern em Londres, 16º Videobrasil em São Paulo, Laboratório de Arte Alameda, México. Em 2009 Foi selecionada pelo prêmio RUMOS de Artes visuais do Instituto Itaú Cultural realizando uma intenerância de exposições pelo Brasil entre elas no Museu de Arte Moderna em Salvador, Itau Cultural, SP e Paço Imperial , Rio de Janeiro . Em 2090/2010 Realizou a exposição individual ERBF ‐ estação radiobasefotográfica , dentro do programa de exposições do Centro Cultural São Paulo. Recetemente foi selecionada para a residência “ The Artic Circle” para desenvolver o projeto Bitácora a bordo de um veleiro no Polo Norte. Também ganhadora do Premio Marc Ferrez 2010 - FUNARTE para criação fotografica. Es te ano, cria o selo Registro de Arte a fim de organizar e direcionar suas produções a pesquisa de linguagem do registro de arte e suporte tecnico para artistas que desenvolve desde 2007.

Ficha técnica
Direção e Montagem _ Leticia Ramos
Direção de Fotografia - Gabriel Barros
Direcão de Produção - Aline Rizzoto
Musica : Kassin
Mixagem - FLU

Memorial da obra
Video Registro da Performace Artificial,de Kassin e do Trabalho Conjunto K da artista Lucia Koch durante \"De Rasgos Arabes\" promovido pelo Centro Cultural da Espanha.
Midia de captação - HD
Midia Final HD

volta ao topo


Ensino da arte: Um espaço poético, 0:26:35
Greice Cohn

Verbete biográfico
Greice Cohn é graduada em Licenciatura em Ed. Artística – Artes Plásticas – EBA/UFRJ (1985), Especialista e Mestra em Tecnologia Educacional – NUTES/UFRJ (2004), cuja pesquisa buscou novas abordagens de materiais educativos em vídeo para o ensino da Arte. Tem formação profissional também na área de Artes Cênicas, na Casa das Artes de Laranjeiras (1987).

Leciona Arte desde 1984, na rede privada e pública, e é professora de Artes Visuais do Colégio Pedro II desde 1994.

É, desde 2007, Coordenadora Pedagógica do Pólo Arte na Escola/UFRJ, onde coordena grupos de estudos e ministra cursos de Extensão. Tem artigos publicados em diversas revistas e Anais de Encontros de Arte-Educação nos quais tem participado.

Ficha técnica
cinegrafia: antonio gonzalez
edição: daniel terra, greice cohn
Direção: greice cohn

depoimentos
martha pagy • curadora e dir. largo das artes
miguel sayad • dir. largo das artes
flávio colker • artista
jaqueline vojta • artista
alunos: gabriel soares, daniel bressan, guilherme de carvalho, caio varela, carolina Saldanha, daniele Ximenes, juliana de Paula, lina neves

Memorial da obra
Este vídeo descreve um método de trabalho desenvolvido no ensino da arte e se apresenta como um arquivo audiovisual do conjunto de práticas vividas numa escola pública do Rio de Janeiro, onde o encontro com a arte contemporânea, permeado pelo desenvolvimento de parcerias entre escola, artistas e galeria, nos permite apresentar o ensino da arte como um espaço poético.

Iniciamos, em 2008, uma parceria entre o Colégio Pedro II e a Galeria Largo das Artes, que têm possibilitado experiências significativas para alunos, artistas, curadores, galeristas e professores. Esse vídeo se apresenta como uma memória deste processo que envolve a interação entre diferentes contextos do sistema da arte (produção, formação, difusão), cuja mais recente realização foi a visita dos alunos à Exposição Jaqueline Vojta e os desdobramentos desta experiência.

Poesia e memória são questões presentes no trabalho de Jaqueline, então estabelecemos a história familiar como elemento de ligação entre sua obra e a produção dos alunos. Os alunos iniciaram um processo de investigação e evocação de memórias, histórias, tradições e hábitos familiares para, em seguida, elaborarem formas poéticas que traduzissem e/ou problematizassem essas imagens resgatadas. O resultado foi a Exposição “Famílias, Memórias, Poéticas”, e o vídeo apresenta depoimentos dos alunos e dos profissionais que visitaram a exposição, as obras expostas e outras realizações anteriores no âmbito da parceria mencionada.

Escolhemos o vídeo como linguagem para arquivar uma poética em construção pelas afinidades que as imagens em movimento têm com o pensamento construtivo e processual. Uma obra videográfica que traz no seu corpo o desenvolvimento de uma poética visual é uma imagem que aborda outra imagem, e não um veículo reprodutor transparente, mas uma linguagem visual à parte, que exerce seu potencial representativo.


volta ao topo


procura-se, 0:04:24
Grima Grimaldi

Verbete biográfico
09/12/1955 Salvador-Bahia
Residindo em São Paulo desde 1978 tendo iniciado a carreira em 1984.
Vídeomaker, artista gráfico, diretor de arte, vem realizando documentários de arte e programas para TV, vídeos para instalações e performances desde 1984, em parceria com vários artistas, como Procuro-me, (Des)Encorpa – o corpo não mente, Retrovisão Pussyclip (com Lenora de Barros) Portinari Leitor, Xilo VT ou Elogio a Xilo, sobre a artista Maria Bonomi (com Walter Silveira) e Street Wall (com Daniela Thomas e poetas como Décio Pignatari. Augusto e Haroldo de Campos, Walter Silveira, Arnaldo Antunes, Lenora de Barros, Ronaldo Azeredo e Cid Campos). Realizou a concepção geral do vídeo-cenário para o espetáculo Galáxia Haroldo (São Paulo, 2003), Participou entre outros projetos para TV de Arte Cidade 3 (canal 21), Profissão Perigo (TV Cultura SP), No Caminho da Escola (TV Cultura SP) Rumos Dança Contemporânea ( TV Cultura SP) Nova Vera Cruz (TV Cultura SP).

Diretor, Diretor de Fotografia, Editor de Avid Express HD e After Efects 7 Pro.

Ficha técnica
direção: Grima Grimaldi e Walter Silveira
cameras Grima Grimaldi e Walter Silveira
Edição Grima Grimaldi
musica Cid Campos
artista Lenora de Barros

Memorial da obra
Vídeo arte da performance da artista Lenora de Barros no Centro Cultural Maria Antonia onde seu trabalho sofreu uma intervenção de um grupo auto intitulado Art Atack. Participou da feira de Artes Arco em Madri, Espanha.
Walter Silveira/Grima Grimaldi

volta ao topo




#07 Piratão Gentil, Alex Topini - Filé de Peixe, 0:08:34
Alex Topini

Verbete biográfico
Formado por Alex Topini, Felipe Cataldo e Fernanda Antoun, o coletivo Filé de Peixe desde 2006 realiza ações de intervenção urbana com base no audiovisual e projetos de ocupação artística em espaços não convencionais.

Desde 2009 desenvolve o projeto "Piratão" , que ao modo e preços praticados pelos camelôs piratas dos grandes centros urbanos, comercializou mais de 2800 vídeos de autores clássicos e recentes, da produção videoartística nacional e internacional.


Ficha técnica
Video digital, Cor / Sonoro, 2010

A cada realização do projeto "Piratão" um registro em vídeo é gerado, como forma de introduzir e documentar, dentro do campo das artes plásticas, no atual estágio da arte contemporânea, um amplo debate sobre direitos autorais, pirataria, flexibilidade e democratização de acesso a bens artísticos, entendidos em sua dimensão imaterial/informacional.

Em 15 meses, foram realizadas 9 edições do projeto, que já percorreu 5 estados, em 4 regiões brasileiras, comercializando mais de 1300 Encartados, num total de 2800 vídeos difundidos.

Foram realizadas 21 Sessões Piratas ( mostras de videoartes e filmes de artista), num total de 42 horas de projeção, com 489 vídeos exibidos, dos quais 278 diferentes, de 169 autores distintos.

Até agora, foram gerados aproximadamente 30 horas de material bruto em vídeo registrando as 9 ações, e 4 video-registros já foram editados e publicados no site e youtube do coletivo Filé de Peixe.

Memorial da obra
Registro da performance "Piratão #07", realizada na exposição Abre Alas, na galeria A Gentil Carioca, em 06 de fevereiro de 2010.

"Piratão" é uma prática artística que investiga e simula a economia informal e pirata como situação para inserção, visibilidade, acesso e circulação a trabalhos de videoarte. A ação desdobra-se a partir da comercialização de um objeto do coletivo Filé de Peixe denominado "Encartado".

Francamente inspirados nos dvds piratas comercializados informalmente, os "Encartados" consistem numa mídia dvd print table + capa xerocada + embalagem plástica + carimbo manual + vídeos apropriados.

Os "Encartados" reproduzem infinitamente os vídeos do acervo do coletivo Filé de Peixe, mantendo-se, contudo, únicos enquanto objetos, já que são manualmente carimbados, com número de série que não se repete, portando marcas e intervenções do processo caseiro e não industrial de produção. Os "Encartados" são objetos performáticos, elementos constitutivos da ação, comercializados somente no momento do "Piratão", aos moldes e preços praticados pelos camelôs: “1 é 5(reais), 3 é 10”.
Em 15 meses, foram realizadas 9 edições do projeto, que já percorreu 5 estados, em 4 regiões brasileiras, comercializando mais de 1300 "Encartados", num total de 2800 vídeos difundidos.

Ao se deslocar, "Piratão" difunde/exibe por outros lugares o acervo de vídeos aglutinado no local de origem do coletivo, na mesma medida em que gera condições para que novos trabalhos de artistas locais sejam incorporados ao projeto, difundindo-se em seqüência, num movimento polinizador que opera constantemente aglutinação – deslocamento – difusão. Com isso, "Piratão" ativa redes de troca em torno da produção audivisual voltada para o campo das artes plásticas, evidenciando a novíssima e vasta produção no campo da videoarte, facilitando o acesso/contato com trabalhos clássicos, propiciando um ponto aglutinação e difusão desse trabalhos a partir de um modelo que faz referência ao comércio popular, informal e pirata.

volta ao topo


logosOK_1000.jpg

volta ao topo

Posted by Marília Sales at 3:27 PM