Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 22, 2013

Rochelle Costi na Luciana Brito, São Paulo

Rochelle Costi - “O Tempo todo” e “Lugar comum”, Luciana Brito Galeria, São Paulo, SP - 25/09/2013 a 01/11/2013

“Intertextualidade” – Processo de produção de um texto literário, que parte de vários outros e com eles se imbrica (Michaelis). Essa definição, embora seja voltada para produção textual, muito poderia se aplicar à próxima exposição individual de Rochelle Costi na Luciana Brito Galeria. Primeiramente, sob seu olhar sempre colecionista, a narrativa expositiva não linear da instalação “O Tempo todo” (Galeria 1) segue um retrospecto único e inédito, que toma conta do espaço através de imagens. Sob curadoria de Ricardo Resende, a instalação apresenta uma seleção de trabalhos realizados desde meados da década de 80 até 2013, que se inter-relacionam para contar a história da poética de sua obra.

O fio condutor transversal de “O Tempo todo” induz o espectador a conhecer “Lugar comum” (Galeria 2), série inédita que culmina exatamente no amadurecimento de uma forma de trabalhar muito peculiar da artista. Ricardo Resende explica: “Rochelle sempre trabalhou seu acervo pessoal de objetos comuns, além de situações banais observadas diariamente, resgatando e atribuindo significado ao que seria facilmente desprezado”.

Por meio da instalação “O Tempo todo”, o espectador pode rever algumas das mais icônicas obras de Rochelle Costi, como as das séries “Toalhas”, “Quartos”, “Mudanças”, “Vende-se Tudo”, “Uma Festa”, “Desmedida” e “Residência”. Uma disposição quase profusa desses trabalhos é propositalmente apresentada nas paredes da sala principal da galeria, numa narrativa histórica da obra da artista, que tanto se equipara à sua própria poética de criar. Rochelle Costi é conhecida por sua capacidade de lidar com a memória intrinsicamente associada a elementos e lugares comuns, não só atribuindo-os um significado extra, mas mais do que isso, criando uma nova realidade e atraindo o espectador para esse cotidiano, muitas vezes nada surpreendente, apenas ordinário.

Esse cotidiano captado pelos nossos olhos vem sendo massificado atualmente pelas lentes e aplicativos de celulares e redes sociais. Para Rochelle Costi, no entanto, isso não tira o brilho das imagens capturadas, mas confere a elas uma qualidade extraordinária de conquista de mais um espaço comunicação, como uma crônica visual, um ‘lugar comum’, simplesmente como parte natural do seu processo de evolução a partir da tecnologia digital. “Lugar comum” é sua mais nova série de fotografias que, além de trabalhar com essa realidade, traz a naturalidade intrínseca do dia a dia de Rochelle Costi.

SOBRE A ARTISTA

Rochelle Costi
Caxias do Sul, RS, Brasil, 1961
Vive e trabalha em São Paulo

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS (1981), Rochelle Costi frequentou ateliês de Arte na Escola Guignard e UFMG, em 1882. Em 1991/92 estudou Fotografia na Central Saint Martins College of Art & Design, em Londres. Atualmente, seus trabalhos podem ser vistos na I Bienal de Fotografia Masp Pirelli. Além disso, participou da 24ª e 29ª Bienal de São Paulo (1998 e 2010); 6ª e 7ª Bienal de Havana, em Cuba (1997 e 2000); II Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (1999); Tokyo Photography Biennial, no Japão (1997); XXVI Bienal de Pontevedra, na Espanha (2000); I Bienal del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina (2007); 11th International Architecture Exhibition, Veneza, Itália (2008); X Bienal de Cuenca, Equador (2009), entre outras mostras internacionais. Desde Tentativa de Vôo, em 1983, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli – Margs, tem realizado exposições individuais, dentre as quais: Dinâmica Comum, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo (2005); Reprodutor, Museu da Imagem e do Som, São Paulo (2008); e Pele, Projeto Parede Museu de Arte Moderna de São Paulo (2010); e recentemente, na Casa da Imagem, em São Paulo (2012) e outras coletivas, Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo (1995); Mirades Impúdiques, na Fundació La Caixa, em Barcelona, Espanha (2000), Ultra Baroque: Aspects of Post Latin American Art, no San Diego Museum of Contemporary Art, em La Jolla, EUA (2000/01); Más Allá del Documento. Centro de Arte Reina Sofia, Madri, Espanha (2000); Arte Contemporânea: Coleção Caixa Geral de Depósitos, Culturgest, Porto, Portugal (2002); Miradas Cómplices, no Centro Galego de Arte Conteporánea, em Santiago de Compostela, Espanha (2003); Farsites: Urban Crisis and Domestic Symptoms in Recent Contemporary Art, Centro Cultural Tijuana, México, e San Diego Museum of Art, EUA (2005); Transactions: Contemporary Latin American and Latino Art, Museum of Contemporary Art San Diego, La Jolla, EUA (2006); Arte e Sociedade - uma relação polêmica, no Itaú Cultural, São Paulo (2007).

Posted by Patricia Canetti at 10:30 PM