Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 23, 2019

Teresa Poester na UFRGS, Porto Alegre

Inéditos de Teresa Poester na Sala Fahrion

Teresa Poester (Bagé, 1954) é a convidada da nova edição do projeto Percurso do artista, promovido pelo Departamento de Difusão Cultural (DDC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), órgão ligado à Pró-Reitoria de Extensão.

A exposição, intitulada Até que meus dedos sangrem, apresenta a partir de 30 de setembro, na Sala João Fahrion, no prédio da Reitoria (Paulo Gama, 110), em Porto Alegre, apenas trabalhos inéditos, concebidos especialmente para a ocasião. Ao mesmo tempo, deve funcionar como uma espécie de apanhado do trabalho da artista ao longo dos últimos dois anos. Na noite de abertura, a partir das 20h, Vagner Cunha executará ao vivo a peça musical que compôs especialmente para a videoperformance Labografias.

Desde que se aposentou como professora do Instituto de Artes da UFRGS, no início de 2018, Teresa está morando na França, país em que já havia cumprido o doutorado (na Universidade de Paris I, Sorbonne) e o pós-doutorado (na Universidade da Picardia Jules Verne). Nesse período, sua produção desdobrou-se de modo bastante profícuo e foi exibida em galerias parisienses.

Reconhecida pela trajetória como pintora e desenhista, Teresa explorando nesses novos trabalhos algumas nuances mais experimentais tanto do desenho como do gesto mesmo de desenhar, fundindo essa linguagem com outras possibilidades estéticas, como gravura, fotografia, impressão digital, performance, videoperformance e animação.

A exposição, com curadoria de Eduardo Veras, exibe dois conjuntos de desenhos de grandes dimensões, construídos parte no ateliê de Teresa em Eragny-sur-Epte, na Normandia, parte em Porto Alegre, combinando lápis de cor e pigmento, em um emaranhado de forte gestualidade. A mostra também inclui vídeos desenvolvidos em parceria com os músicos Vagner Cunha, no Brasil, e Januibe Tejera, na França.

No pergolado que acompanha a Sala Fahrion, voltado para a Avenida Paulo Gama, Teresa apresenta o trabalho que dá título à exposição. Até que meus dedos sangrem é um desenho coletivo, resultante de uma performance que a artista orquestrou no último feriado de 7 de setembro, com a participação de mais de 20 artistas visuais – entre amigos, colegas, alunos e ex-alunos do Instituto de Artes. Vestidos de preto, ao longo de quase seis horas, eles riscaram com canetas esferográficas Bic, na cor vermelha, sobre uma superfície de linóleo fosco com 26 metros quadrados de área. O esforço produziu um desenho de eloquente impacto visual e político.

Além de exposições no Brasil e na França, Teresa já realizou individuais na Argentina, na Espanha e na Bélgica. Iniciou sua trajetória artística nos anos 1970, ligada ao então nascente movimento de arte postal, e em atividades de cenografia, ilustração e artes gráficas. Formou-se pelo Instituto de Artes da UFRGS em 1982. Entre 1986 e 1989, estudou na Universidade Complutense de Madri, na Espanha. Entre 1998 e 2002, cursou o doutorado na Universidade de Paris I, na França. De volta ao Brasil, em 2012, cria o grupo de pesquisa Atelier D43, dedicado à experimentações com desenho, performance e vídeo.

O projeto Percurso do artista está voltado à apresentação de trabalhos de artistas-professores. Já exibiu as produções de Nico Rocha, Luiz Eduardo Robinson Achutti, Eduardo Vieira da Cunha, Flávio Gonçalves e Luiz Gonzaga de Mello Gomes.

Até que meus dedos sangrem será inaugurada às 18h30 do dia 30 de setembro (segunda-feira), na Sala João Farhion, no prédio da Reitoria da UFRGS (Paulo Gama, 110, 2º andar). Pode ser visitada até maio de 2020, sempre às terças e quintas, das 10h às 17h; nas quartas e nas sextas, das 12h às 17h. A exposição não funciona nos fins de semana. A entrada é franca.

Teresa Poester nasceu em Bagé, extremo sul do Brasil, em 1954. O desenho combinado a linguagens e tecnologias contemporâneas é o centro de seu trabalho. Realiza exposições individuais a partir dos anos 80 no Brasil, Argentina, Espanha, Bélgica e França, obtendo premiações de desenho.

Como professora, ensina no Instituto de Artes da Universidade Federal UFRGS em Porto Alegre de 1996 a 2018. Nos anos 80 dedica-se à arte postal trabalhando também como cenógrafa de teatro e cinema, grafista e ilustradora. De 86 a 89 estuda pintura na Universidade Complutense de Madri. Entre 1998 e 2002, realiza doutorado na França, Paris 1-Sorbonne, sobre a relação entre pintura de paisagem e abstração.

Retornando da França, de 2006 à 2009, continua sua pesquisa mesclando o desenho à gravura, à fotografia e ao vídeo. Em 2012, cria em Porto Alegre o Atelier D43, grupo de desenho e performance cujo principal suporte é o vídeo.

Em 2015, realiza pós-doutorado na França sobre sua residência artística com o Atelier D43 no espaço Anis Gras, conhecido centro experimental na periferia de Paris. Neste mesmo ano ministra disciplinas de desenho na Universidade Jules Verne em Amiens.

Atualmente, vive e trabalha em Eragny sur Epte na França.

www.teresapoester.com.br / www.bolsadearte.com.br

Posted by Patricia Canetti at 8:28 AM