Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 20, 2018

Arthur Omar no Sesc Consolação, São Paulo

Sesc Consolação inaugura exposição A Origem do Rosto, de Artur Omar, que estabelece diálogo entre a fotografia, a percepção e a antropologia

Com curadoria de Adolfo Montejo Navas, exposição traz o tema do olhar para o outro a partir ensaios fotográficos, instalações multimídias e ciclo de debates sobre o pensamento sensorial

O fotógrafo, cineasta, artista plástico Arthur Omar propõe uma discussão sobre a fotografia, a percepção e a antropologia na exposição A Origem do Rosto, que inaugura no dia 29 de agosto no Sesc Consolação. A visitação é gratuita e acontece até 1º de dezembro, de segunda a sexta, das 11h às 21h30; e aos sábados e feriados, das 10h30 às 18h30.

Além disso, ao longo de toda a mostra, o ciclo de debates O Pensamento Sensorial convida pesquisadores para discutir a relação da fotografia com o cinema, com a antropologia e com questões contemporâneas a partir da obra artista.

Com séries fotográficas e projeções de imagens e filmes, a mostra reúne em um ambiente que funciona como uma grande instalação obras que tomam o rosto, a apercepção e o olhar como ponto de partida para pensar o presente urgente.

O premiado artista mineiro, que vive e trabalha no Rio de Janeiro, atravessa diferentes fases, séries e linguagens para expressão a violência e a empatia dos olhares. Nesses rostos – que manifestam e expressão a radicalidade do outro– passamos da forma mais figurativa, para a mais abstrata - até a dissolução da forma.

O que vemos? Quem nos olha? Olhar é um ato violento, mas os olhos que se cruzam produzem afetos, sensações, pensamentos.

Expressar estados alterados, mentais, o pensamento antes da forma é o “trabalho de campo” da obra de Arthur Omar, “sua exploração fundamental, além da categoria de beleza”. Nas palavras do curador Adolfo Montejo Navas “a origem do rosto é o descobrimento da alteridade, algo que provém de um esgarçamento das identidades do que vemos que já está onipresente na obra do artista, mas também deriva daquela vibração emocional que a câmera colada ao rosto oferece, produzindo, assim, um singular triângulo: o rosto do artista focando o rosto do outro para chegar ao rosto final da imagem”,

Para além das séries fotográficas inéditas _Antropologia Solúvel, Limbo, Multidão _ uma das atrações é a celebrada “Antropologia da Face Gloriosa”, uma série experimental in progress, que registra a multiplicidade quase alucinatória de rostos em êxtase ou delírio de foliões durante o carnaval do Rio de Janeiro. “A Antropologia da Face Gloriosa procura expressar esses sentimentos, à maneira de uma antropologia debruçada sobre o bárbaro, o difuso, o transversal da nossa realidade de brasileiros. E como se trata de rostos gloriosos, é necessária uma ciência diferente para abordá-los. Daí a fotografia como ferramenta”, comenta Ivana Bentes, coordenadora geral da mostra.

“Todas as fotos chamadas de ‘antropológicas’ talvez não passem de jogos de percepção, de jogos que aconteçam no interior e a partir da percepção, e não no mundo objetivo. Ou talvez suponham uma forte dominante lúdica percepcional, pré-construtiva, interna ao aparato sensorial e cerebral, de tal forma que a componente propriamente antropológica, que atua em nós com uma retórica de convencimento, não tenha esse status de verdade que se lhe quer atribuir”, conceitua Arthur Omar no livro “Antes de Ver”. Um livro em que desenvolve sua própria teoria fotográfica.

Outros destaques são as séries “Antes de Ver” e “Antropologia Solúvel”, nas quais os rostos emergem na sua luta por se tornarem figuras; a fotomontagem “Limbo”, em que as faces captadas na viagem do artista ao Afeganistão são superpostas a paisagens e elementos gráficos. Estamos falando de um “presente conturbado”, que discute como podemos atravessar barreiras sociais, culturais, de todos os tipos e constituir uma relação com o outro a partir do olhar e da arte.

CICLO DE DEBATES

O PENSAMENTO SENSORIAL - CINEMA, FOTOGRAFIA, ANTROPOLOGIA
Organização: Ivana Bentes

A Origem do Rosto
Sábado, 1/9, às 15h
Apresentação da exposição “A Origem do Rosto”, com a presença do artista Arthur Omar e do curador. A aparição do rosto na arte, os processos de criação das imagens e a relação da fotografia com o cinema, a antropologia e a percepção.
Convidados: Arthur Omar (artista), Adolfo Montejo (curador) e Ivana Bentes (pesquisadora, ECO/UFRJ).

Experimental Tropical
Sábado, 29/9, às 15h
É possível pensar por imagens? O efeito-cinema na arte e o pensamento sonoro e por música. Fotografia, arte e cinema experimental na obra de Arthur Omar.
Convidados: Ismail Xavier (pesquisador, ECA/USP), Guiomar Ramos (pesquisadora, ECO/UFRJ) e Rosane Kaminski (historiadora, UFPR).

Imagens do Êxtase e Políticas da Alteridade
Sábado, 20/10 às 15h
A questão do êxtase, do delírio e da arte como formas de atravessar as barreiras sociais e nossa relação com o outro e sua expressão na obra de Arthur Omar.
Convidados: Tania Rivera (pesquisadora e curadora, UFF–RJ), Charles Cosac (historiador e editor) e Vera Casanova (pesquisadora, UFMG).

As Portas da Percepção
Sábado 10/11 às 15h
Um antropólogo e um neurologistas falam sobre arte, antropologia, sonho e rituais e como essas questões aparecem na obra de Arthur Omar.
Convidados: Carlos Fausto (antropólogo, Museu Nacional/PPGA), Sidarta Ribeiro (neurocientista, UFRN) e Lúcia Monteiro (pesquisadora, USP).

A Vida das Imagens
Sábado, 24/11 às 15h
Como viver entre imagens? As questões interculturais, de mídia, política e filosofia e como a arte contemporânea e a obra de Arthur Omar dialogam com o presente urgente. Conferência de encerramento e diálogo com Arthur Omar.

SOBRE O ARTISTA

Arthur Omar é um artista múltiplo, cineasta, fotógrafo, artista plástico. Seu trabalho alia inovação tecnológica, experimentação com as linguagens e uma grande intensidade dramática, destinada à excitação dos sentidos, visando montar uma nova iconografia para a representação do Brasil.

Como artista visual, participou de duas Bienais de São Paulo. Na de 1998, apresentou, a série fotográfica “Antropologia da Face Gloriosa”, objeto de livro com o mesmo nome, reunidas em uma instalação com 100 fotografias de rostos ocupando uma parede de quarenta metros com o título de “A Grande Muralha”. Na Bienal de 2002, exibiu fotografias feitas no Afeganistão central, na região de catástrofe entre Cabul e Bamyian.

Sobre essas experiências, publicou o livro “Viagem ao Afeganistão”, com prefácio do filósofo italiano Antonio Negri. Outros livros de Omar são “O Zen e a Arte Gloriosa da Fotografia”, “Lógica do Êxtase” e “O Esplendor dos Contrários”, este último com paisagens da Amazônia e o mais recente: “Antes de Ver. Fotografia, Antropologia e as Portas da Percepção”.

Uma grande retrospectiva de seus filmes e vídeos foi apresentada no Museu de Arte Moderna de Nova York e nas sedes do Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro e em São Paulo, com o conjunto dos seus curtas-metragens experimentais e os seus vídeos. Seu longa-metragem “Triste Trópico” é considerado um clássico do cinema brasileiro.

Omar também dirigiu e produziu diversos filmes para Channel Four e ZDF Arte, como o longa-metragem “Sonhos e História de Fantasmas”, um documentário metafórico em linguagem experimental sobre a cultura negra nos quilombos de Minas Gerais e nas favelas do Rio de Janeiro. Seu filme mais recente é “Cavalos de Goethe”, filmado no Afeganistão.

Pioneiro do uso de instrumentos eletrônicos na música de cinema no Brasil, o artista compôs a trilha sonora da maioria de seus filmes e instalações, propondo relações inovadoras entre imagem.

Entre suas exposições, destaca-se “O Esplendor dos Contrários”, com paisagens em 3D, vistas com óculos especiais, que foi premiada com o troféu da APCA de melhor exposição do ano em São Paulo. Outras mostras do artista foram: “Frações da Luz” (também recebeu o prêmio APCA), “Demônios, Espelhos e Máscaras Celestiais” e “Um Olhar e Sete Véus”.

Em 2006, no Rio de Janeiro, apresentou “Zooprismas”, conjunto de 12 videoinstalações, apontada pelo jornal O Globo como a melhor exposição do ano. No festival Vídeobrasil, apresentou a “Trilogia Cognitiva”, composta por três instalações – “Dervixxx”, “Infinito Maleável” e “Ciência Cognitiva dos Corpos Gloriosos”, em projeções circulares.

No Oi Futuro de Belo Horizonte, apresentou “As Portas da Percepção”, com fotografias e instalações. Seu último livro, lançado em setembro de 2014, é “Antes de Ver — Fotografia, Antropologia e as Portas da Percepção”, uma obra de conceituação teórica sobre a imagem, com 160 fotografias inéditas. Em 2016, apresentou no Rio de Janeiro a exposição “Outras Portas da Percepção”, com seus trabalhos fotográficos mais radicalmente experimentais, ocupando várias salas encadeadas, com imagens e textos referentes à natureza antropológica da percepção.

Posted by Patricia Canetti at 1:10 PM