Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 28, 2017

Alexandre da Cunha no Pivô, São Paulo

O Pivô apresenta uma grande exposição individual - Boom - do artista Alexandre da Cunha dentro de seu Programa Anual de Exposições. O programa tem como objetivo realizar um panorama da produção contemporânea recente viabilizando e difundindo projetos inéditos de artistas nacionais e internacionais em meio de carreira. A mostra no Pivô será composta de obras inéditas especialmente comissionadas para o espaço além de uma seleção de trabalhos realizados nas últimas décadas. A exposição será o resultado de uma temporada de 2 meses do artista no espaço do Pivô.

A produção do artista brasileiro radicado em Londres Alexandre da Cunha é essencialmente escultórica. O artista raramente constrói um objeto partindo do zero, sua prática começa com a seleção de objetos da vida cotidiana e formas pré-moldadas, que posteriormente são rearranjados e reapresentados na forma de ‘colagens espaciais’. Tanto suas grandes obras públicas quanto as esculturas de menor escala, ressaltam as particularidades físicas e as potencialidades narrativas de itens que poderiam facilmente escapar à nossa atenção.

As formas, cores e texturas de vassouras, escovões, roupas e estruturas pré-moldadas da construção civil são o gatilho para associações livres e traduções inusitadas feitas pelo artista. Alexandre altera o valor e a funcionalidade dessas imagens familiares através de operações poéticas sofisticadas e de uma ironia fina, revelando seu descompromisso com as categorizações ou hierarquias a que possam estar associados os objetos eleitos como matérias-primas para o seu trabalho.

O envolvimento obstinado do artista com o potencial poético do mundano tem uma dinâmica semelhante à da criança que recebe um presente e presta atenção apenas na embalagem: o olhar não instrumentalizado dos pequenos volta-se para as formas que naturalmente os intrigam- o brinquedo e a caixa têm o mesmo valor. Da Cunha oferece uma ‘nova lente’ ao espectador, que é convidado a rever sua relação com a materialidade que o circunda.

O deslocamento do objeto encontrado para o contexto institucional já foi assimilado pela prática contemporânea há tanto tempo que atualmente o pré-fabricado já quase se equipara ao bronze ou à terracota na produção da escultura contemporânea. Levando essa afirmação em consideração, não seria um exagero dizer que Alexandre da Cunha é um ‘virtuoso’ nessa técnica.

Sobre as obras

Mix (Boom) – Nessa obra, Alexandre da Cunha desloca para o espaço expositivo do Pivô, uma betoneira que pesa mais de uma tonelada, comumente vista nas ruas da cidade. O artista optou por fracionar a betoneira respeitando sua estrutura original. Para tal, utilizou as linhas de solda do objeto para corta-lo em 4 partes que serão espalhadas pelo espaço expositivo.

Kentucky (Biombo) – O material usado por da Cunha em Kentucky (Biombo) é o resultado da manipulação e reordenação de segmentos de escovões de limpeza, produzidos na Inglaterra. Outra intervenção no objeto original é a inserção de nós complexos formando relevos e uma espécie de macramé. Estendida nos 4,5 metros de concreto do pé direito do Pivô, nos torna conscientes da escala do nosso corpo no ambiente da exposição.

Contratempo – O trabalho é formado por uma coleção de imagens estáticas de explosão que o artista vem guardando há anos. Ao retirar as fotografias de sua condição inicial, Alexandre traz para sua obra a possibilidade de um olhar contemplativo ou estético. A edição das imagens é o recurso utilizado para uma operação de deslocamento objetivamente proposta pelo artista.

Couple IV e V - Em uma nova apropriação do espaço, ao associar o peso do concreto de um mobiliário urbano à leve textura de uma chapa de mármore, ambos materiais pré-moldados, a obra explora a correlação de forças entre os materiais entrelaçados/encaixados.

Alexandre da Cunha nasceu em 1969 no Rio de Janeiro. Vive e trabalha em Londres. Entre suas principais exposições estão: “Mornings”, Office Barroque, Bruxelas, Bélgica (2017); Free Fall, “Thomas Dane Gallery”, Londres, Inglaterra (2016); “Plaza Project”, MCA – Museum of Contemporary Art, Chicago, EUA (2015/2016); “Por aqui tudo é novo”, CACI Centro de Arte Contemporânea Inhotim, Brumadinho, Brasil (2016); Soft Power, ICA Boston, Boston, EUA(2016); “Alexandre da Cunha, Le Grand Café” – Centre d’art contemporain, Saint Nazaire, França (2012); 30a Bienal de São Paulo, The Imminence of Poetics, São Paulo, Brasil (2012); CCSP – Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil (2011); Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, Brasil (2005); 50a Bienal de Veneza, The Structure of Survival, Veneza, Itália (2005); Bienal de Liverpool, Liverpool, Inglaterra (2002); 13o Videobrasil, SESC SP, São Paulo, Brasil (2001).

Posted by Patricia Canetti at 2:13 PM