Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 26, 2017

Hermelindo Fiaminghi no IAC, São Paulo

O IAC - Instituto de Arte Contemporânea com a exposição Fiaminghi - Pensamentos Compostos apresenta ao público mais uma ação de seu Grupo Experimental de Curadoria e segue seu programa de exposições que tem por objetivo divulgar a importância de suas coleções.

“Fiaminghi - Pensamentos Compostos” reúne mais de 150 obras e documentos entre desenhos, esboços, projetos, produtos gráficos e estudos realizados por Fiaminghi cobrindo um período que vai desde o começo dos anos 1950 até a década de 1990, passando por seu período concreto.

Dos desenhos e projetos para logomarcas passando por suas experiências junto ao Grupo Ruptura e a breve fase concreta, a produção em têmpera influenciado por Volpi e os offsets produzidos a partir dos anos 1960, a exposição traz uma importante amostragem da obra de Fiaminghi ao mesmo tempo em que apresenta aspectos importantes de seu pensamento visual e modo de produção.

Com uma obra plástica marcada por uma forte influência de suas experiências profissionais como litógrafo da indústria gráfica e como publicitário, a mostra apresenta aspectos fundamentais das soluções poéticas encontradas pelo artista. A questão da imagem fotográfica acentuou essa busca e marcou em projetos, esboços e obras de arte sua versão artística de discussões sobre a questão da cor na sua relação com a luz. Fiaminghi passa a denominar de corluz essa produção na qual utiliza, de maneira extremamente original e criativa, a presença dos fotolitos e das provas gráficas, como princípios de estudo para a produção de obras com a técnica do offset acentuando os efeitos criados por uma enorme ampliação das retículas.

Fiaminghi, junto aos artistas Judith Lauand e Maurício Nogueira Lima, aderiu ao Grupo Ruptura em 1955. Estes, junto aos artistas fundadores do Grupo – Waldemar Cordeiro, Anatol Wladyslaw, Leopoldo Haar, Lothar Charoux, Kasmer Féjer, Geraldo de Barros e Luiz Sacilotto e com o apoio dos poetas concretos paulistas, organizam a 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta em 1956. Sobre esse período, o próprio Fiaminghi afirma que somente na 3ª Bienal se deu conta – devido à crítica que o enquadrou na arte concreta – de que ele era um artista concreto. Foi nesse período em que buscou descobrir do que se tratava esse tipo de arte e quais seus pressupostos. Ao refletir sobre essa fase, o Fiaminghi afirmou que “O quadro concreto começa quando você chega. (...). Na arte concreta a coisa é limpa, é clara! O que você está vendo, é!”

O artista, após seu período concreto, frequentou, durante sete anos, o ateliê de Alfredo Volpi entre 1959 e 1966. No âmbito dessa convivência acentuou o desenvolvimento de pinturas utilizando a têmpera, ao mesmo tempo em que, a essa técnica, incorporou sua experiência com os fotolitos e com as retículas na produção de obras nas quais a importância da luz se acentua.

Ao longo dos anos 1980, Fiaminghi permite-se uma maior liberdade em relação à estrutura da tela e do papel e realiza suas séries de desretratos e despaisagens. Nessas, contudo, sua busca continua sendo a mesma: a luz tendo a cor como recurso.

Sobre o artista
Hermelindo Fiaminghi nasceu em São Paulo em 1920. Tornou-se conhecido como pintor e desenhista, mas também atuou profissionalmente como publicitário, litógrafo e artista gráfico. Suas experiências profissionais, em todas essas áreas correlatas, influenciaram mutuamente sua pesquisa imagética. No Liceu de Artes e Ofícios, aluno entre 1936 e 1941, estudou com Waldemar da Costa. Trabalhou em várias empresas de publicidade e, também, na indústria gráfica. Participou das mudanças iniciadas pelos movimentos construtivos e aderiu ao Grupo Ruptura. Nesse âmbito, atuou junto aos poetas concretos, desenvolvendo o projeto gráfico de vários poemas. Frequentou o atelier de Alfredo Volpi de 1959 a 1966. Junto com Cordeiro, Féjer, Mauricio Nogueira Lima e Décio Pignatari fundou o Atelier Livre do Brás em 1958. Ali desenvolveu a série virtuais que pode ser considerada como uma passagem de uma produção construtiva, vinculada aos pressupostos concretos, para uma pesquisa nas quais começa um trabalho de desconstrução, por meio do qual torna suas formas e o uso de cores e do espaço menos rígidas. Não é de se estranhar que, no ano seguinte, em 1959, ele tenha rompido com Waldemar Cordeiro, fundador e mentor do Grupo Ruptura. Logo em seguida, a partir dos anos 1960, passa a nomear parte importante de sua produção com o uso adaptado do termo corluz. Nessa fase, utiliza retículas na forma de fotolitos e o offset por meio do sistema CMYK de cores no qual cada cor é impressa separadamente. Por outro lado, nessa mesma década, começa, também, a trabalhar com têmpera e, nela, da mesma forma, privilegia os estudos com a cor.
Hermelindo Fiaminghi expôs em várias Bienais Internacionais de São Paulo, em exposições individuais e coletivas e sua obra faz parte de importantes coleções públicas e privadas no Brasil e no exterior. Além disso, atuou como professor, júri e membro de conselhos. Faleceu em 2004 também na cidade de São Paulo. Desde 2017, o Instituto de Arte Contemporânea abriga seu arquivo pessoal.

Sobre o Grupo Experimental de Curadoria do IAC
Já pela segunda vez, o Instituto de Arte Contemporânea abre espaço para que o processo curatorial – das coleções e das exposições – seja colocado em questão por meio do envolvimento de distintos personagens e, portanto, de múltiplos olhares sobre seu acervo. A criação do Grupo Experimental de Curadoria envolveu, na preparação da exposição “Fiaminghi - Pensamentos Compostos”, formações conceituais diferenciadas em uma elaboração final coletiva. O processo de conhecimento do arquivo pessoal de Hermelindo Fiaminghi tem sido bastante rico: seus desenhos, gravuras, fotolitos, offsets, pinturas, fotografias, projetos, estudos, revelam-se de maneira inusitada, a cada novo olhar. Trabalhar em conjunto e contar com diversas consultorias tem sido um processo complexo e bastante afinado com a própria produção de Fiaminghi que foi um pesquisador incessante e que, a partir de um certo momento, compreendeu – e nos deu a conhecer – sobre a importância fundamental da des-construção para a compreensão da arte como manifestação. Suas despaisagens e desretratos são ‘apenas’ mais uma faceta dessa personalidade inquieta e riquíssima que, agora, o Grupo Experimental de Curadoria do Instituto de Arte Contemporânea apresenta ao seu público.

Posted by Patricia Canetti at 9:53 PM