Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 17, 2017

Sérgio Sister na Nara Roesler, Rio de Janeiro

Além das Ripas, Pontaletes, Caixas e Tijolinhos, volumes que definiram o sujeito da prática artística de Sérgio Sister na última década, o artista retoma a pintura tradicional em sua primeira individual - Pintura com ar, sombra e espaço - na Galeria Nara Roesler | Rio de Janeiro, e a quarta desde que passou a integrar o time de artistas da galeria paulistana. Inéditas, as cerca de 25 obras foram produzidas entre 2015 e 2017, e dão sequência à pesquisa contínua de Sister sobre cor, luz e monocromos, num jogo entre superfície e tridimensionalidade.

[scroll down for English version]

Esta exposição é um desdobramento da individual “Ordem desunida”, que o artista realizou na unidade paulistana da galeria, em 2015. O público carioca poderá conferir novas obras das séries “Caixas” – objetos feitos com base em caixas de frutas que sintetizam a obra do artista ao criar relações entre cores, luz, sombra e profundidade –, “Pontaletes” – ripas pintadas e escoradas umas às outras, que formam uma composição geométrica –, e “Tijolinhos” – relevos de parede que reafirmam conceitos espaciais a partir de madeira, alumínio e alumínio entelado, com aplicação de cores.

Integra ainda a mostra uma variedade de telas, produzidas nos dois últimos anos, realizadas com a técnica que marca a pintura do artista: a sobreposição de camadas cromáticas que permite a coexistência de diferentes campos de cor em harmonia. Segundo Tiago Mesquita, que assina o texto sobre a exposição, Sérgio Sister transforma um plano que, a princípio, parece monocromático, em uma tela heterogênea, com inúmeras variações. O crítico ressalta que não interessa ao artista a percepção imediata da diferença entre as coisas. O contraste acontece entre elementos similares, aparecendo de maneira meditativa, em um processo conquistado com sutileza. “Sister pinta passagens delicadas de matiz e luz”, completa.

Ao misturar cera ou pigmentos metálicos à tinta a óleo, Sister revela o caminho da pincelada sobre o plano, evidenciando a complexidade e o caráter heterogêneo de sua pintura, mesmo em um ambiente com pouca variação de cor. Mesquita aponta que a superfície das telas é tanto um plano de cor contínuo, como um acúmulo de pequenos fenômenos óticos desarticulados. “Uma cor contínua a se esgarçar e uma infinidade de elementos a se reunir de maneira mais ou menos atribulada. Embora a cor mantenha a unidade, o plano ganha complexidade – podia ser um mosaico, com cacos a buscar alguma unidade. Há mais fraturas que uma imagem sintética. São essas fraturas ou intervalos o que talvez mais interesse ao artista”.

Sérgio Sister (n. 1948, São Paulo, Brasil) vive e trabalha em São Paulo, Brasil. Sérgio é mais conhecido pelas vigas de madeira que utiliza para criar pinturas esculturais que lembram caixotes, pórticos ou molduras de janela. O artista pinta as vigas de diversas cores, as envolve em tela e as organiza em configurações que possibilitam o surgimento de diferentes profundidades, sombras e experiências de cor. “Meu objetivo era permitir que o espaço e o ar operassem com e na relação entre as cores”, afirma. A prática de Sérgio eleva a pintura de campos de cor à tridimensionalidade, recontextualizando conceitos clássicos da tela enquanto janela. Em seus trabalhos mais recentes, o artista une pintura e escultura, empregando suportes derivados de estruturas encontradas e sistemas criados para atender a nossas necessidades cotidianas. Suas Caixas, Ripas e Pontaletes apropriam-se dos nomes dos produtos manufaturados dos quais se originam. A obra de Sérgio remete à tradição minimalista norte-americana e ao movimento neoconcretista brasileiro da década de 1960. Enquanto representante da Geração 80, Sérgio revisita um tema ancestral da pintura: a interação entre superfície e tridimensionalidade, numa tentativa de libertar a pintura no espaço. A sobreposição de camadas cromáticas marca sua produção, na qual campos cromáticos distintos coexistem harmoniosamente sem perder sua autonomia.


In addition to his Ripas, Pontaletes, Caixas e Tijolinhos (slats, rods, boxes and little bricks), which were the defining formats of Sérgio Sister’s art practice in the last decade, the artist returns to traditional painting in his first solo show at Galeria Nara Roesler | Rio de Janeiro, and the fourth since he joined the roster of the São Paulo-based gallery. The show features some 25 never-before-seen artworks dating from 2015 to 2017 that see Sister proceed with his ongoing exploration of color, light, and monochromes, in an interplay between surface and three-dimensionality.

This exhibition is a development of the artist’s solo exhibition Ordem desunida (Disunited order) at the gallery’s São Paulo venue in 2015. Now, the Rio public will be able to check out new pieces from a number of series: Caixas – objects built from fruit crates that sum up the artist’s oeuvre in relationships between colors, light, shadows, and depth –, Pontaletes – painted rods propped against one another to create geometric compositions – and Tijolinhos – wall reliefs that reaffirm spatial concepts by using wood, aluminum and cloth-covered aluminum, with colors applied.

Also featured are several paintings created over the last two years using the artist’s trademark technique: the superimposition of chromatic layers, allowing different color fields to coexist harmonically. According to exhibition text author Tiago Mesquita, who wrote the essay for exhibition, Sérgio Sister converts a plane which at first seems monochromatic into a heterogeneous canvas with numerous variations. The art critic notes that the artist isn’t interested in the immediate perception of the differences between things. The contrast happens between similar elements, surfacing in a meditative way, in a process that’s achieved in a subtle way. “Sister paints delicate passages of hue and light,” he concludes.

In combining wax or metallic pigments with oil paint, Sister reveals the brush’s path across the canvas, evidencing the complexity and heterogeneity of his painting, even when color variations are few. Mesquita points out that the surface of the canvas is at once a continuous plane of color and an accumulation of small, unrelated optical phenomena. “A continuous color stretching itself out and countless elements coming together in a more or less chaotic way. Although the color keeps it all together, the plane takes on added complexity – it might be a mosaic, with shards seeking some unity. There are fractures, more so than a synthetic image. These fractures or intervals are perhaps what the artist is interested in the most.”

Posted by Patricia Canetti at 10:42 AM