Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 7, 2017

Fabio Mauri na Bergamin & Gomide, São Paulo

Bergamin & Gomide reabre após reforma com primeira exposição de artista italiano no Brasil

A partir do dia 11 de março, a galeria apresenta 25 obras de Fabio Mauri, que vem ganhando notoriedade desde 2012 em todo o mundo, com presença na Bienal de Veneza e amplo espaço no New York Times e Financial Times, e venda de uma das obras por 1 milhão de dólares

Após reforma a galeria Bergamin & Gomide, no Jardins, inicia a programação do ano com a mostra individual, e inédita no Brasil, Fabio Mauri (Senza Arte) – em parceria com a galeria suíça Hauser & Wirth e organizada com Olivier Renaud-Clément.

Mauri nasceu em Roma e teve sua vida marcada pelo crescimento do fascismo, a segunda guerra mundial e os horrores do Holocausto. O artista abordou diversos temas, empregando diferentes abordagens expressivas, mas um fio comum fundamental, quase uma obsessão, percorre toda a sua obra. O elemento da tela é usado de diversas maneiras; imagens sendo centrais às projeções e representações são frequentemente evitadas para reforçar o seu peso. Quando a tela pode ser representada sem nenhuma imagem, o corpo pode então ser usado para receber a projeção.

Para esta exposição foram selecionadas em torno de 25 obras, principalmente das séries Senza Arte e Photo finish/Carboncini. Os carpetes, seu último grupo de trabalhos, criados para a dOCUMENTA (13) dirigida por Carolyn Christov-Bargakiev, ocuparão o centro da exposição. O tema recorrente de Fine/The End será apresentado ao longo da exposição como costumava ser o caso no final da maioria dos filmes clássicos. As instalações On the Liberty (1990), com a frase escrita pelo fio que conduz a eletricidade e acende a lâmpada ao centro, e Ventilatore (1990), que fixa um ventilador à frente de uma tela também farão parte da mostra.

Além disso, serão apresentadas colagens e uma projeção do vídeo Seduta su l’ombra, de 1977. “Apesar de pouco difundido no Brasil, Mauri esteve na Bienal de Veneza em 1954, 1974, 1978, 1993 e 2013. Ele colocou em discussão o papel da comuncação midiática como formadora da sociedade lá em 1960, quando a televisão ainda dava os primeiros passo”, diz Thiago Gomide, da galeria Bergamin & Gomide.

Mais recentemente, em 2014, Fundacio Proa, em Buenos Aires, recebeu uma importante retrospectiva do artista, que ficou ainda mais conhecido após a última Bienal de Veneza (2015), onde seu trabalho ocupou uma sala inteira no pavilhão central. Sua obra está presente nas principais coleções de museus europeus. Sua maior retrospectiva até hoje, “Rettrospettiva a luce solida”, foi realizada em MADRE… em Nápoles, com curadoria de Laura Cherubini e Andrea Viliani.

Fabio Mauri (Roma, 1926-2009). Sua juventude foi marcada pelos eventos de guerra e fascismo - traumas e horrores que afetariam profundamente e influenciariam a vida e o trabalho do artista. Criado entre escritores e pintores, Mauri era amigo de intelectuais da nova vanguarda italiana, entre eles: o romancista Italo Calvino, o filósofo e semiótico Umberto Eco, o diretor de cinema e aficionado Pier Paolo Pasolini Artista, o artista visual Jannis Kounellis, o historiador de arte Maurizio Calvesi e o escritor Edoardo Sanguineti. Inicialmente emergente no final dos anos 50, Fabio Mauri desenvolveu as idéias para o seu trabalho no contexto da televisão e do cinema, que a partir de 1954 se tornou uma parte da vida cultural cotidiana. Conectando temas e idéias do passado ao presente, seu trabalho injeta dentro de si uma noção de responsabilidade ética ou social que faz com que o espectador examine criticamente sua experiência do "real". Durante quase duas décadas, trabalhou para a editora Bompiani, de 1957 a 1975, dirigindo suas sedes em Milão e Roma. Junto com Umberto Eco e Edoardo Sanguineti, fundou a revista Quindici (1967) e a revista de crítica artística La citta di Riga em 1976. Muito inovador e ativo na vanguarda italiana, grande parte de seu trabalho, no entanto, permaneceu na periferia dos movimentos artísticos paralelos da época, como Arte Povera e Pop Art. Em 2015, Hauser & Wirth Londres encenou 'Oscuramento. As Guerras de Fabio Mauri', a primeira exposição individual do artista em Londres há mais de 20 anos.

Posted by Patricia Canetti at 5:21 PM