Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 7, 2017

Fabio Zimbres na Bolsa de Arte, São Paulo

A individual mostra cerca de 20 obras inéditas, nas quais o artista emprega técnicas diversas, como desenho e monotipia, em suportes que vão do papel à chapa de impressão offset

Quadrinista, designer e artista visual, o paulistano radicado no Rio Grande do Sul Fabio Zimbres abre no dia 11 de março, sábado, na Galeria Bolsa de Arte (Mourato Coelho, 790, Pinheiros) a exposição intitulada Fantasma. Em sua primeira individual na Galeria de São Paulo, o artista apresenta cerca de 20 obras inéditas, entre monotipias, desenhos, pinturas e técnica mista em tela, papel sobre tela e chapa de impressão offset.

O ponto de partida do trabalho de Fabio Zimbres é o desenho, sobretudo sobre papel – muitas vezes papel colado sobre tela. Neles, volumes e formas surgem a partir de linhas e tomam os espaços livremente, sem o compromisso de preencher a tela, em um pensamento menos associado à pintura que às artes gráficas. O artista valoriza a concisão em sua cartela de cores, que privilegia o preto e branco e as cores primárias num traço bruto e espontâneo, que bebe no expressionismo e seus discípulos. “Estou muito ligado ao desenho e à gravura, à coisa gráfica”, afirma.

Zimbres é um nome bastante conhecido no universo dos quadrinhos e design gráfico. Colaborador de publicações históricas do gênero quadrinhos, como Animal e Chiclete com Banana, seu trabalho como desenhista foi publicado diariamente entre os anos de 1999 e 2001 no jornal Folha de São Paulo, na tira Vida Boa, selecionada por um concurso promovido pelo jornal. Nele, o personagem Hugo vivia situações cotidianas com uma pegada existencialista, um tanto ácida e surreal. As tiras foram reunidas em 2009 em livro publicado pela editora Zarabatana Books. O artista possui ainda, como desenhista, publicações na Argentina, Bélgica, Estados Unidos, Espanha, França, México e Uruguai.

Nos trabalhos que serão expostos é possível observar muitas das características de seu método como quadrinista, como a ausência de rascunho e o traço cru e pulsante. Outros aspectos de seu trabalho gráfico influenciam a produção como artista visual, que incorpora a surpresa do desenho no trabalho final. Para a mostra na Galeria Bolsa de Arte, há ainda obras que incorporam a palavra e o aspecto modular, com desenhos pequenos que dialogam entre si numa quase narrativa, ou ainda incorporam camadas de significado de seu suporte, como a chapa em offset de alumínio reutilizada, com um conteúdo do que seria impresso em sua função original.

Figuras antropomorfizadas, presentes em seu trabalho gráfico, estarão mais presentes nessa individual do que na exposição apresentada em 2015 na Bolsa de Arte de Porto Alegre. “Nesta exposição mantenho o aspecto abstrato das obras da exposição de Porto Alegre, mas dessa vez há uma presença maior de silhuetas e figuras”, diz o artista. Ainda que tais figuras sejam elas também em alguma medida abstratas, elas podem ser entendidas como inspiração para o título da exposição: Fantasma.

Mas essa não é a única leitura possível para o título: além desses “resíduos de personagens”, silhuetas sem rosto ou incompletas, a palavra eleita por Zimbres remete a uma série de situações transitórias, como sua obra, que migra do concreto para o abstrato – e faz também o caminho inverso, conforme o período criativo. “Fantasma é uma imagem que aponta várias possibilidades, todas elas residuais”, diz. “O desenho tem a instantaneidade do pensamento, mas o que aparece no papel é um resíduo, a ponta do iceberg – ou um fantasma – desse pensamento”, conclui.

Outra faceta importante de seu trabalho como artista gráfico pode ser conferida entre os dias 18 e 19 de maio, na Feira Plana, que acontece dessa vez no prédio da Bienal, no Parque Ibirapuera. No evento, Zimbres apresenta livros de artista, alguns feitos em parceria com Jaca, com quem desenvolveu em outras edições da feira de publicações independentes o projeto Desenhomatic Ltda. Nele, os desenhistas produziam no próprio espaço da feira, às vistas do público.

Livros de artista são outro destaque entre os trabalhos autorais de Zimbres. Nos últimos meses o artista esteve em cartaz na feira Tokyo Art Book Fair, no Japão; na exposição coletiva Libri Finti Clandestini, na Demetra Gallery, na Itália; e na coletiva See How The Land Lays, em West Den Haag, em Haia (Holanda).

A exposição Fantasmas pode ser visitada na galeria Bolsa de Arte até o dia 29 de abril.

Fabio Zimbres nasceu em São Paulo em 1960. Estudou arquitetura na FAU-USP (não concluído) e no Instituto de Artes da UFRGS.

Colaborador das revistas Animal e Chiclete com Banana, marcos do gênero quadrinhos no Brasil, Zimbres criou em 1997 junto a outros artistas, como Allan Sieber, a Tonto, uma editora independente que publicou nomes brasileiros e latino-americanos como Guazelli, Lourenço Mutarelli e Fido Nesti, entre outros.
Em 2015, Zimbres recebeu o prêmio Homenagem da Feira Miolo(s), na Biblioteca Mario de Andrade, em São Paulo, e, em 2009, o Açorianos de Artes Visuais como Melhor Exposição Coletiva pela “Entre o Traço e o Espaço”. Em 2010 o artista foi indicado ao PIPA (Prêmio Investidor Profissional de Arte).

Em 2016, ganhou o X Prêmio Açorianos de Melhor Exposição Coletiva para “A Casa do Desenho”, no Museu do Trabalho, em Porto Alegre (RS). O nome da coletiva é também o do projeto que integra junto a Eduardo Haesbaert e Gelson Radaelli (casadodesenho.blogspot.com), no qual os três criam obras que sofrem interferências de todos e são assinadas coletivamente.

Animações e outros trabalhos de artes gráficas que vão de fanzines undergrounds a ilustrações de livros, como Panamá ou as aventuras de meus sete tios, de Blaise Cendrars, a ainda livros-CD e arte de discos, como o álbum Casa, da cantora e compositora Gisele de Santi; o livro-CD Além, do músico Vagner Cunha, e o tb livro-CD Música para Antropomorfos, do grupo de rock Mechanics.

Posted by Patricia Canetti at 4:38 PM