Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 30, 2015

Federico Herrero na Luisa Strina, São Paulo

AGENDA SP Hoje 02/06 às 19-22h @ Luisa Strina: Federico Herrero http://bit.ly/Strina_F-Herrero

Posted by Canal Contemporâneo on Terça, 2 de junho de 2015

Uma pintura de Federico Herrero é uma intervenção cromática no mundo, da tela à cidade. à primeira vista, esta pintura gentil aparenta propiciar atos de contemplação. O artista parece propor uma cena que, não podendo ser o sublime, pudesse ser uma festa sensorial do fulgor das cores. Os campos de cor se atraem, se desdobram em contínuo, se agregam ou ganham coesão harmônica. Azuis, tons de verde, rosas, cores quentes se defolham como camadas de energia que se ajustam no espaço como uma propagação epidêmica e quase música.
Paulo Herkenhoff

Federico Herrero - Desordem Alfabética, Galeria Luisa Strina, São Paulo, SP - 03/06/2015 a 25/07/2015

[Scroll down for English version]

A Galeria Luisa Strina tem o prazer de apresentar a primeira exposição individual de Federico Herrero. Compõem a mostra uma série de pinturas inéditas de dimensões variadas, um volume de concreto e madeira e uma grande instalação site-specific, na qual o artista desafia a convenção tradicional do espaço expositivo transformando o chão da galeria em uma tela.

As pinturas abstratas de Herrero – monocromáticas ou multi-coloridas – fazem referência à tradição norte-americana da Colour-Field Painting, assim como a Tropicália, em particular a maneira de trazer vida à arte e ao ambiente, através da interação com as cores incorporando a paisagem e o cotidiano à arte.

O artista faz uso de distintos materiais, como pintura a óleo, acrílico, canetas marcadoras, plumas e spray em um mesmo trabalho.

Federico se apropria das pinturas deixadas por terceiros nas ruas e as incorpora em seu vocabulário visual sob o nome de “pinturas telepáticas”. Como forma de retribuir e democratizar seu trabalho, realiza intervenções no espaço público, assim devolvendo em parte o que foi encontrado ao acaso.

A pintura de Federico se insere na paisagem urbana – desde a pintura da fachada de um prédio no centro de São Paulo; pilares de uma ponte em Medellín; pinturas de ônibus em Tóquio; cabanas de pescadores na Basiléia; o fundo de uma piscina em Havana; até uma parede em ruínas em Veneza.

Federico Herrero (1977) é nascido San José, Costa Rica, onde vive e trabalha. Exposições individuais recentes incluem: Sies + Höke, Düsseldorf (2014); Proyectos Monclova, Cidade do México (2014); La casa encendida, Madri (2014); 21st Century Art Museum, Kanawaza, Japão (2012); Contemporary Art Gallery, Vancouver (2011); Casa de America, Madri (2011); Kunstverein Freiburg, Alemanha (2008) e CCA Wattis Institute for Contemporary Arts, São Francisco (2008).

Exposições coletivas recentes incluem: Pangea II: New Art From Africa and Latin America, Saatchi Gallery, Londres (até Setembro 2015); Under the Same Sun: Art from Latin America Today at the Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York (2014); P33 – 33º Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo (2013), Para/site, Hong Kong (2011) e Art Parcours, Basel (2011).

Seu trabalho é parte das coleções do Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York; Hara Museum of Contemporary Art, Tokyo; 21st Century Museum of Contemporary Art, Kanazawa.

O artista, ainda em 2015, terá seu trabalho apresentado na Unlimited, parte da feira de arte de Basiléia dedicada a trabalhos em larga escala.


Federico Herrero - Desordem Alfabética, Galeria Luisa Strina, São Paulo, SP - 03/06/2015 til 25/07/2015

A Federico Herrero painting is a chromatic intervention in the world, from the canvas to the city. At first glance this gentle painting seems to give rise to acts of contemplation. The artist seems to propose a scene that, short of being the sublime, could be a sensorial feast of flashing colors. The color fields are mutually attracted, continuously playing off each other, conjoining or gaining harmonious cohesion. Blues, tones of green, pinks, warm colors exfoliate like layers of energy that shift in space like an epidemic, almost musical dissemination.
Paulo Herkenhoff

Galeria Luisa Strina is pleased to present Federico Herrero’s first solo exhibition. It is composed of a series of previously unseen paintings of various dimensions, a concrete and wooden volume and a large site-specific installation, in which the artist challenges the traditional notion of the exhibition space and transforms the gallery floor into a canvas.

Herrero’s abstract paintings – both the monochromatic and multicolored examples – draw on the North American tradition of Color-Field Painting, as well as Tropicália, particularly in the way they bring life to art and to the setting through interaction with the colors, incorporating the landscape and the quotidian into the art.

The artist makes use of different materials, such as oil paint, acrylic, marker pens, feathers and spray in a single work.

Federico borrows from paintings left by others in the streets and incorporates them into his visual vocabulary under the name of “telepathic paintings”. As a way of giving something back and democratizing his work, he performs interventions in public space, thus partly returning what was found by chance.

Federico’s painting is situated in the urban landscape: the mural on the facade of a building in downtown São Paulo, the columns of a Medellín bridge, painted Tokyo buses, fishing huts in Basel, the bottom of a swimming pool in Havana and the ruins of a wall in Venice.

Federico Herrero (1977) was born in San José, Costa Rica, where he lives and works. His recent solo exhibitions include: Sies + Höke, Düsseldorf (2014); Proyectos Monclova, Mexico City (2014); La casa encendida, Madrid (2014); 21st Century Art Museum, Kanawaza, Japan (2012); Contemporary Art Gallery, Vancouver (2011); Casa de America, Madrid (2011); Kunstverein Freiburg, Germany (2008) and CCA Wattis Institute for Contemporary Arts, San Francisco (2008).

Recent collective exhibitions include: Pangea II: New Art From Africa and Latin America, Saatchi Gallery, London (until September 2015); Under the Same Sun: Art from Latin America Today at the Solomon R. Guggenheim Museum, New York (2014); P33 – 33rd Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo (2013), Para/site, Hong Kong (2011) and Art Parcours, Basel (2011).

His work features among the collections of Solomon R. Guggenheim Museum, New York, the Hara Museum of Contemporary Art, Tokyo and the 21st Century Museum of Contemporary Art, Kanazawa.

In 2015 the artist will also exhibit at Unlimited, part of the Basel art fair dedicated to large scale works.

Posted by Patricia Canetti at 2:18 PM