Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 18, 2015

Carlos Bevilacqua na Fortes Vilaça, São Paulo

AGENDA SP Hoje 21/05 às 19-22h: Carlos Bevilacqua @ Fortes Vilaça http://bit.ly/Fortes_C-Bevilacqua

Posted by Canal Contemporâneo on Quinta, 21 de maio de 2015

Em sua nova exposição na Galeria Fortes Vilaça, Carlos Bevilacqua apresenta três novos trabalhos que refletem sobre o exercício do fazer artístico, do conhecimento e da memória. As esculturas em madeira e aço possuem uma escala maior, inédita em sua trajetória, e revelam um imbricado sistema de relações simbólicas.

[Scroll down for English version]

Bevilacqua articula aspectos elementares da escultura através de sínteses onde tensão, equilíbrio e espacialidade tornam-se questões latentes. Sua pesquisa, porém, não é puramente formalista; trata-se de uma plataforma para discutir temas fora do espectro racional, indo em direção ao existencialismo e à metafísica. Nesse sentido, o título da mostra, Let it Go, torna-se uma declaração de leveza, ao passo que indica o caminho da percepção poética.

O trabalho central, O Inexorável Caminho do Saber, é composto por três peças de madeira sobre rodas, cada qual com um arco de aço carbono sobre si, que o artista denomina de "veículos de transcendência". Eles são alinhados sobre um rastro de papéis em branco, dispostos aleatoriamente no chão. O artista esboça aí relações entre a escrita e a memória, partindo das considerações que Freud descreveu no artigo "Uma nota sobre o bloco mágico" (1924).

Na parede ao fundo da galeria, a obra Geometria Muda lida com formas geométricas rudimentares – ponto, linha, circunferência e triângulo. Bevilacqua ordena esses elementos no espaço vazio fazendo com que, apesar de estática, a obra possa sugerir movimento. Trata-se de um estado permanente de porvir, uma tensão enigmática sobre a matéria inerte da escultura.

Em Ponte do Isolamento, uma complexa estrutura de madeira e aço configura uma ponte sem fim que, por não ligar um lugar a outro, conecta apenas a si mesma. Duas vigas são suspensas entre duas colunas, tensionadas no meio por uma peça de madeira e aço; essa armação é repetida transversalmente em duas outras pontes de menor escala que, por sua vez, se ligam por uma outra em redução. Ao mesmo tempo que sugere um eterno recomeço, o trabalho atua como metáfora da solidão.

Carlos Bevilacqua nasceu no Rio de Janeiro em 1965, onde vive e trabalha. Dentre suas exposições individuais, destacam-se as mostras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (2000) e no Museu de Arte Moderna de São Paulo (1992). Suas mostras coletivas incluem participações em: Desejo da forma, Akademie der Künste (Berlim, Alemanha, 2010); Um Mundo Sem Molduras, MAC-USP (São Paulo, 2009). Sua obra está presente em importantes coleções, como: Instituto Inhotim (Brumadinho), MAM Rio de Janeiro, MAC-USP (São Paulo), entre outras. Um catálogo da exposição será lançado neste ano com texto da curadora holandesa Carolyn Drake.


In his new exhibition at Galeria Fortes Vilaça, Carlos Bevilacqua presents three new works that reflect on the exercise of artistic practice, knowledge and memory. The sculptures in wood and steel possess a larger scale like never before in his career, revealing an interlinked system of symbolic relations.

Bevilacqua articulates elementary aspects of sculpture through syntheses where tension, balance and spatiality become latent questions. His research, however, is not purely formalist; it frames a platform for discussing themes that lie outside the realm of the rational, heading toward existentialism and metaphysics. In this sense, the title of the show, Let it Go, becomes a declaration of lightness, insofar as it points to the path of poetic perception.

The central work, O Inexorável Caminho do Saber [The Inexorable Path of Knowledge], consists of three pieces of wood on wheels, each with a carbon-steel arc rising into the space above it, constituting what the artist calls “transcendence vehicles.” They are aligned on a trail of blank pieces of paper, arranged randomly on the surface beneath them. Here the artist sketches out relations between writing and memory, based on Freud’s considerations in the article “A Note on the Mystic Writing Pad” (1925).

On the wall at the back of the gallery, the work Geometria Muda [Mute Geometry] deals with rudimentary geometric shapes – point, line, circumference and triangle. Although motionless, these elements are ordered in the empty space in a way that suggests movement. It involves a continuous state of becoming, wherein the inert matter of the sculpture is subjected to an enigmatic tensioning.

In Ponte do Isolamento [Isolation Bridge], a complex structure of wood and steel configures an endless bridge which does not connect one place to another; it only connects to itself. Two beams are suspended between two columns, tensioned in the middle by a piece of wood and steel. This framework is transversely repeated in two other smaller bridges which, in turn, are connected by another smaller bridge. At the same time that it alludes to an eternal re-beginning, the work operates as a metaphor for loneliness.

Carlos Bevilacqua was born in 1965, in Rio de Janeiro, where he lives and works. His solo shows have most notably included exhibitions at the Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (2000) and at the Museu de Arte Moderna de São Paulo (1992). His group shows have included participations in Desejo da forma, Akademie der Künste (Berlin, Germany, 2010) and Um Mundo Sem Molduras, MAC-USP (São Paulo, 2009). His work figures in important collections such as those of Instituto Inhotim (Brumadinho), MAM Rio de Janeiro, MAC-USP (São Paulo), and others. A catalog of the exhibition will be released this year with a text by Dutch curator Carolyn Drake.

Posted by Patricia Canetti at 2:33 PM