Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 24, 2015

Tombo por Thais Rivitti

Tombo

THAIS RIVITTI

Rodrigo Braga - Tombo, Casa França-Brasil, Rio de Janeiro, RJ - 02/04/2015 a 24/05/2015

[Scroll down for English version]

Há várias histórias que contam a chegada das palmeiras imperiais ao Brasil. A mais conhecida delas afirma que as palmeiras, originárias do Caribe, teriam entrado no Brasil trazidas das ilhas Maurício. Luis d’Abreu, oficial português cuja embarcação naufragara, conseguiu alcançar as Maurício e, ao sair de lá, veio para o Brasil trazendo com ele sementes da planta cultivada ali pelos franceses no Jardim Pamplemousses. A Palma Mater, a primeira em terras brasileiras, teria sido plantada pelas mãos do próprio monarca, D. João VI, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ainda em 1809, um ano depois da corte portuguesa ter se instalado no Brasil. E as demais palmeiras do Jardim Botânico seriam todas “filhas” diretas da Palma Mater, guardando essa origem comum. Por mais fantasiosa que a narrativa seja, é preciso reconhecer que ela está em plena consonância com a ideologia do regime monárquico do século XIX, cujo poder tinha origem numa única fonte, o Rei ou Imperador, e cuja sucessão era hereditária. Não demorou para as palmeiras imperiais tornarem-se símbolos do Brasil, juntando-se a outros elementos que viriam a compor a noção de identidade nacional.

A urbanização que acompanha a vinda da corte portuguesa ao Brasil introduz na paisagem do Rio elementos que, como as palmeiras imperiais, passaram a compor o imaginário nacional, no momento em que o país ainda gestava sua independência. As construções erguidas na cidade no início do século XIX eram neoclássicas, evocavam um passado (a tradição clássica greco-romana) que o Brasil nunca tivera. O arquiteto francês Grandjean de Montigny, depois de passar uma temporada na Itália pesquisando a arquitetura antiga e renascentista, chega ao Brasil em 1816, como integrante da Missão Francesa. No Brasil, Montigny foi professor da Academia de Belas Artes e construiu alguns edifícios, dentre eles a própria Academia (da qual hoje só restou o portal, que foi transportado por Lúcio Costa para o Jardim Botânico) e Praça do Comércio, atual Casa França-Brasil.

A exposição Tombo, de Rodrigo Braga, articula esses dois elementos essenciais à formação de uma identidade nacional: o natural e o arquitetônico, ao sugerir uma analogia visual entre os troncos (estipes) das palmeiras e as colunas do salão do espaço expositivo. Para além de problematizar o caráter postiço da noção de brasilidade, construída por meio da apropriação de elementos exógenos, o trabalho de Rodrigo Braga atravessa a história para se colocar no presente.

As palmeiras, caídas, em posição horizontal, formam um espaço em ruínas. Grossos caules em decomposição mostram um corpo que testemunhou quase 200 anos de história brasileira e que, finalmente, cedeu. O vídeo, em exposição em uma das salas, traz imagens da retirada de palmeiras já sem vida, já sem coroa, revelando a paisagem atual do Rio de Janeiro em franca transformação.

Abordando esgotamento de uma certa concepção de identidade nacional, o trabalho abre-se àquilo que ainda está por vir. Questionando a lógica segundo a qual o passado prescreve o futuro, o próprio passado aparece na exposição como uma série de narrativas abertas, a serem escritas ou recontadas. O conjunto de cópias de documentos, fotografias, pranchas botânicas, plantas e desenhos arquitetônicos em uma das salas expositivas são pontos a serem ligados por uma narrativa histórica sempre atualizada no presente.

Thais Rivitti
Curadora


Rodrigo Braga - Tombo, Casa França-Brasil, Rio de Janeiro, RJ - 02/04/2015 a 24/05/2015

There are a number of stories that tell how imperial palms first reached Brazil. The best known of them says that the trees, native to the Caribbean, were brought to Brazil from Mauritius. After surviving a shipwreck, Luis d’Abreu, a Portuguese officer, managed to reach that island, and from there he headed for Brazil bearing seeds of the plant, which was grown there by the French in the Pamplemousses botanic garden. The first Palma Mater to grow in Brazil is said to have been planted by the monarch himself, Dom João VI, in the Rio de Janeiro botanic garden as early as 1809, just a year after the Portuguese set up court in Brazil. The other palm trees in the botanic garden are believed to be the direct “offspring” of this first imperial palm, sharing the same common origin. However apocryphal the story may be, it is quite consistent with the nineteenth century ideology of monarchic rule, whose power derived from a single source, the king or emperor, and whose succession was hereditary. It was not long before the imperial palm became a symbol of Brazil, alongside other elements that gradually combined to form the notion of national identity.

The urban development spurred by the arrival of the Portuguese court in Brazil introduced new elements to the Rio landscape that, like the imperial palms, started to inhabit the national imaginary at a time when the idea of independence for the country was still embryonic. The buildings erected in Rio in the early 1800s were neoclassical, alluding to a past (the Greco-Roman tradition) that did not pertain to Brazil. French architect Grandjean de Montigny, after spending some time in Italy researching ancient and renaissance architecture, disembarked in Brazil in 1816 as part of the French artistic mission. He taught at the Academy of Fine Arts and designed some buildings, including the Academy’s own premises (of which all that remains is a doorway, which Lúcio Costa transported to the botanic gardens) and Praça do Comércio – the hub of the city’s trade activities – now Casa França-Brasil.

Rodrigo Braga’s exhibition, Tombo, articulates these two essential elements in the formation of a national identity – the natural and the architectural – by suggesting a visual analogy between the trunks (stems) of the palm trees and the columns of the exhibition room. While it addresses the artificiality of the notion of Brazilianness, pieced together by appropriating foreign elements, Braga’s work traverses history to bring it into the present.

The palm trees, toppled over, lying horizontally, form a space in ruins. Their thick, decomposing stems are bodies that witnessed almost two hundred years of Brazilian history and finally surrendered. The video, screened in one of the adjoining rooms, shows how the palm trees, already dead and stripped of their crowns, were removed, revealing the present-day landscape of Rio in the very throes of transformation.

Investigating how a certain conception of national identity has run its course, the work is receptive to whatever is yet to come. Questioning the logic by which the past dictates the future, the past itself appears in the exhibition in the form of a series of open narratives to be rewritten or retold. The copies of documents, photographs, botanical sketches, plans, and architectural drawings in one of the exhibition rooms are all dots to be joined together by a historical narrative that is forever being renewed in the present.

Thais Rivitti
Curator

Posted by Patricia Canetti at 4:03 PM