Página inicial

Livraria do Canal

 

A Livraria on line:

- como comprar

- como vender

Arquivos:
As últimas:
 

junho 5, 2008

CONCINNITAS N. 10

capa10a.jpg

CONCINNITAS N. 10 - Revista do Instituto de Artes da UERJ

Preço: R$ 25 + correio

Como comprar: clique aqui para se informar

Formato fechado: 19,2 x 23,1 cm
Nº páginas: 160
Impressão: capa 3 cores e miolo com caderno de ilustrações colorido (4 cores).
Peso: 357g

Autores: Alexandre Vogler, Aurora Fernández Polanco, Carmen Navarrete Tudela, Cristina Ribas, Daniela Labra, Dária Jaremtchuk, Jaime Vindel, Javier Hernando Carrasco, José Miguel G. Cortés, Josu Larrañaga Altuna, Juan Vicente Aliaga, Lídice Matos, Loreto Alonso, Maria Iñigo Clavo, Sheila Cabo Geraldo, Yayo Aznar Almazán
Organização: Sheila Cabo Geraldo
Editora: Sheila Cabo Geraldo


Sumário
Dossiê arte e política
Josu Larraiiaga Altuna Acerca de la condición política de lo artístico en la sociedad del conocimiento.
José Miguel G. Cortés Identidad, género y espacio urbano
Juan Vicente Aliaga Polifonías discordantes: sobre la significación de las micropolíticas en las prácticas artísticas y culturales
Aurora Fernández Polanco Resonancias: arte y vida. Una lectura de Jacques Ranciêre
Javier Hernando Carrasco Activismo ecologico y arte medioambiental: el caso de César Manrique
Yayo Aznar Almazán y Maria liiigo Clavo Arte, política yactivismo
Carmen Navarrete Todo arte es político. Representaciones de lo político y políticas de la representación.

Notas sobre feminismo y globalización
Dária Jaremtchuck Ações políticas na arte contemporânea brasileira
Sheila Cabo Geraldo Qual política: microagências artístico-historiográficas

Artigos
Jaime Vindel Claves teóricas para la comprensión del arte conceptual y del conceptualismo argentino.
Lidice Matos Arte é este comunicado agora - Paulo Bruscky e a crítica institucional

Ensaio de artista
Alexandre Vogler Fé em Deus / Fé em Diabo

Resenhas
Loreto Alonso Ganarse la vida
Daniela Labra Zexe.net - Canal motoboy
Cristina Ribas Invenção de multidão


Apresentação

SHEILA CABO GERALDO

O dossiê da edição que agora trazemos a público trata da relação entre Arte e Política, uma relação implícita no processo de modernidade artística, mas que se vem colocando no foco dos debates mais acirrados das últimas décadas, sobretudo quando as definições, tanto de arte como de política, passam a sofrer necessário processo de redefinição na chamada sociedade do conhecimento. Os textos que compõem este debate foram apresentados no seminário Lo político desde el arte, que aconteceu em maio de 2006, na cidade de Madri, coordenado pelo artista, professor e pesquisador Josu Larranaga Altuna, como parte do projeto de pesquisa Arte y política - Argentina, Brasil, Chile y Espana, 1989-2004, e foram gentilmente cedidos por seus autores, a quem agradecemos.

Convidamos para compor este número o artista Alexandre Vogler, que preparou a capa e o ensaio "Tridente de Nova Iguaçu". O trabalho aqui publicado é o desdobramento da intervenção realizada em agosto de 2006, no município de Nova Iguaçu, que podemos considerar uma espécie de reverberação das ações desenvolvidas no grupo Atrocidades Maravilhosas, de que participou em 2000/2001, deflagrando intervenções com cartazes lambe-lambe na cidade do Rio de Janeiro e em São Paulo, e provocando reações e conflitos, o que também aconteceu no caso de 2006. Os cartazes colados em São Paulo, Fé em Deus / Fé em Diabo, compõem a capa desta edição. Acreditamos que sua inserção possa ser mais uma contribuição para o debate que o dossiê apresenta, já que a relação entre Arte e Religião constitui-se parte da discussão que envolve Arte e Política.

Publicamos, também, neste número o artigo que recebemos de Jaime Vindel, assim como o de Lidice Matos, que certamente ampliam o tema do debate, mostrando outras leituras sobre arte contemporânea na Argentina e no Brasil.

Como coroamento da publicação, apresentamos as resenhas solicitadas especialmente para este número a Loreto Alonso, Daniela Labra e Cristina Ribas, que as prepararam em tempo recorde. Ficamos muito gratos por isso.

Posted by João Domingues at 12:22 PM