Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 17, 2019

Comigo Ninguém Pode na Jaqueline Martins, São Paulo

Galeria Jaqueline Martins discute o feminino com grande exposição de artistas mulheres: pesquisas de artistas e intelectuais atuantes em diversas linguagens atestam e dão continuidade ao impacto das práticas emancipadoras dos anos 1960.

A Galeria Jaqueline Martins tem orgulho em apresentar Comigo Ninguém Pode, exposição coletiva que reúne trabalhos realizados por artistas e intelectuais mulheres desde os anos 1960 até a atualidade. A mostra, realizada em colaboração com a curadora Mirtes Marins de Oliveira, com a a ocupa dois andares da galeria e terá sua abertura no sábado, dia 21 de setembro, às 14 horas.

A partir de obras de artistas como Amelia Toledo, Ana Mazzei, Georgete Melhem Isabela Capeto, Letícia Parente, Lydia Okumura, Maria Noujaim, Marta Minujín, Martha Araújo, Paula Garcia, Regina Vater, Lenora de Barros, Flora Rebollo e Ubu Editora., a mostra busca questionar entendimentos sobre a noção de feminino, caracterizado pelos atributos de delicadeza, intuição, intimidade, acolhimento, afeto, que são, em geral, apontados como oposição ao universo da racionalidade, força, organização e precisão.

A mostra apresenta em justaposição, confronto e sobreposição, produções de diferentes momentos históricos, linguagens e temáticas divergentes, realizadas a partir de perspectivas individuais e/ou sociais, verificando de que forma a produção de artistas dos anos 1960/1970 (e mesmo em períodos anteriores) reverbera nas práticas contemporâneas. Como emblema dessas relações, o trabalho “Comigo ninguém pode”(1981), de Regina Vater, dá nome ao evento por evidenciar o interesse da artista em discutir categorias limitadoras e excludentes, a partir de uma pesquisa sobre cultura popular. Temas caros aos dias atuais.

A exposição, realizada em colaboração com a curadora Mirtes Marins de Oliveira, conta ainda com seleção exclusiva de publicações e livros de artistas mulheres, organizada por Desapê, e conta com uma mostra especial de obras em vídeo feita em parceria com a Associação Cultural Videobrasil. Para fundamentar o pano de fundo histórico da mostra são apresentados textos feministas, com destaque para os manifestos feministas futuristas de Valentine de Saint-Point (1875-1953) e “A mulher é uma degenerada” (1924), de Maria Lacerda de Moura.

Mirtes Marins de Oliveira é curadora, crítica de arte, doutora em Educação, História e Filosofia. É docente e pesquisadora na Universidade Anhembi Morumbi e Pós-Doutora pela FE-USP

Posted by Patricia Canetti at 9:11 AM