Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 20, 2019

A Casa do Parque: São Paulo ganha nova casa de cultura em frente ao Parque Villa-Lobos

Programação de abertura inclui exposição de arte contemporânea, debates sobre colecionismo e outras atividades

A Casa do Parque é uma nova casa paulistana de cultura, idealizada pela colecionadora Regina Pinho de Almeida. Com abertura marcada para 23 de março, quando acontecerá o vernissage da exposição Tensão relações cordiais, com curadoria do crítico de arte Tadeu Chiarelli, A Casa do Parque oferece uma programação cultural e de cursos de alta qualidade, com exposições de arte, oficinas, palestras, ciclos de debates e projetos especiais em torno de arte, cultura e conhecimento.

A Casa do Parque está localizada em frente ao Parque Villa-Lobos. A coordenação da programação cultural, que ao longo do ano realizará eventos fora da Casa do Parque, como o Festival Literário do Parque Villa-Lobos, é do editor Paulo Werneck.

Programação de abertura

Para a abertura ao público, marcada para o fim de semana de 23 e 24 de março, a equipe da Casa do Parque preparou uma exposição, um ciclo de debates sobre colecionismo de arte contemporânea e jornadas abertas de dança e comida & cultura, temas que estão presentes na programação de cursos da Casa do Parque. Todos esses eventos são gratuitos.

Exposição de arte contemporânea

O crítico Tadeu Chiarelli foi convidado a inaugurar a Galeria do Parque com a mostra Tensão relações cordiais, um recorte muito pessoal da coleção de Regina Pinho de Almeida.

O título da exposição evoca os diversos tensionamentos intrínsecos a uma coleção de arte e ao gesto do colecionador, desde aqueles que se produzem entre as obras, ao serem dispostas lado a lado, até as tensões próprias da sociabilidade do mundo da arte e das instituições, que se dão entre curadores e colecionadores, artistas e gestores, público e instituições, vida privada e interesse público.

Tensão relações cordiais apresenta obras de 42 artistas. O projeto expográfico do arquiteto Pedro Mendes da Rocha transforma a Galeria do Parque em uma "caverna" que joga luz de forma dramática sobre cada obra individualmente.

A ênfase está menos no conjunto ou na suposta temática comum às obras e mais nos atritos e conexões inesperadas que se criam entre trabalhos aparentemente sem relação entre si. Algumas obras, diz o curador, convidam a um mergulho em sua espacialidade; outras como que nos repelem para fora de seus limites.

A Galeria do Parque será ocupada por outros projetos em 2019: está prevista para o segundo semestre uma mostra da artista plástica paulistana Edith Derdyk. As exposições têm um serviço educativo gratuito, voltado a visitas de escolas de toda a cidade, que se dedicará a sensibilizar o público para experiência artística, estimulando aspectos sócio-emocionais em públicos de diferentes idades e trazendo referências para professores e arte-educadores.

Ciclo de debates

O ciclo de debates Dinâmicas do Colecionismo de Arte Contemporânea, que tem início em 25 de março, na Casa do Parque, é fruto de uma pesquisa de fôlego desenvolvida por Nei Vargas da Rosa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e realizada com uma bolsa concedida pelo Instituto de Cultura Contemporânea (ICCo). Vargas fez um raio-X de todas as artes e ofícios ligados ao colecionismo de arte contemporânea.

Com 30 convidados e cinco dias de debates, sempre a partir das 18h, o ciclo reunirá expoentes de instituições de arte brasileiras, colecionadores, representantes de museus e fundações públicos e particulares, advogados, especialistas em seguro, em estratégias de financiamento, galeristas, editores, advisers e outros profissionais.

Esse panorama do que há de melhor no colecionismo de arte contemporânea no Brasil revela um setor dinâmico, altamente profissionalizado, relevante para a cultura e para a economia criativa do país.

Programação de cursos

Além da programação cultural, A Casa do Parque oferece uma programação de cursos elaborada pelo artista plástico e educador Claudio Cretti. Mesclando artes, botânica, dança, design, arquitetura e cozinha, a programação foi concebida para fazer pensar com a cabeça e o corpo inteiro, ao combinar, num mesmo curso, técnicas artesanais, saberes tradicionais e abordagens inovadoras sobre a experiência artística. O público alvo são pessoas não especializadas, interessadas em desenvolver trabalhos manuais que despertem reflexões, mobilizando o corpo e o intelecto.

A programação de cursos terá início em abril. Em 23 e 24 março, para celebrar a abertura dos trabalhos, A Casa do Parque vai promover uma jornada aberta com dois desses cursos programados.

As professoras Uxa Xavier, do projeto Dançando Juntos, e Priscila Vieira e Ariela Doctors, do projeto Comida & Cultura, vão dar as boas-vindas ao público do bairro e frequentadores do parque com atividades gratuitas, abertas a todos, durante um fim de semana.

A Casa do Parque

Idealizada e fundada por Regina Pinho de Almeida, A Casa do Parque representa um novo passo na atuação de uma família presente no mundo das artes e da cultura que remonta à Semana de Arte Moderna, em 1922, que teve entre seus participantes o poeta Tácito de Almeida.

O Instituto de Cultura Contemporâneo (ICCo), fundado por Regina Pinho de Almeida em 2010, realizou exposições de arte e poesia, como REVER, sobre a vida e a obra de Augusto de Campos, no Sesc Pompeia, e a edição fac-similar da revista modernista Klaxon, marco da literatura brasileira, lançada originalmente em 1922.

Com A Casa do Parque, o ICCo abre sua sede ao público e expande sua atuação institucional para a arte educação, o pensamento e o debate multidisciplinar.

Como chegar

A Casa do Parque está localizada em frente ao Parque Villa-Lobos, na Zona Oeste de São Paulo, no bairro de City Boaçava.

A melhor forma de chegar é a pé, se você estiver no Parque Villa-Lobos, ou de bicicleta, pela ciclovia que vai da avenida Faria Lima, passa pelo Largo de Pinheiros e pela Praça Panamericana, terminando no parque.

Outra forma esperta de chegar é de táxi ou transporte público – além das linhas de ônibus que passam em frente à Casa, é possível chegar de trem, pela linha Estação Villa-Lobos Jaguaré.

Pedimos que evite ao máximo vir de carro, pois A Casa do Parque não tem estacionamento nem possui serviço de valet.

Posted by Patricia Canetti at 11:29 AM