Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 31, 2018

50ª Anual de Arte FAAP no MAB FAAP, São Paulo

Exposição chega à 50.ª edição com o objetivo de apresentar o processo de reflexão em artes visuais de futuros artistas, a partir de investigações e experimentações pioneiras em arte contemporânea, com diversas abordagens sobre questões da atualidade

A tradicional exposição coletiva de artes visuais, dos alunos da Faculdade Armando Alvares Penteado, a Anual de Arte FAAP, abre as portas ao público no próximo dia 7 de novembro. Serão apresentadas nesta edição 33 obras selecionadas, entre 115 inscrições. Performance, pinturas, vídeos, desenhos, gravuras, colagens, objetos, publicações e instalações são alguns dos meios e linguagens presentes na mostra, que comemora 50 edições, em 2018.

A Anual de Arte é uma das mais duradouras mostras de arte contemporânea do País e configura-se como um espaço que privilegia a experimentação e o potencial criador dos artistas. De acordo com o professor Marcos Moraes, coordenador dos cursos de Artes Visuais da FAAP e responsável pela exposição, também é um ambiente de reflexão sobre os possíveis rumos da produção contemporânea, de investigação e de provocação artística.

A mostra permitirá ao público entrar em contato com obras que propõem reflexão sobre várias questões, como o consumo, a política, a relação com o tempo e com o cotidiano. "O aluno, e futuro artista contemporâneo, deve ter o espaço para exercitar esse olhar crítico em relação ao tempo no qual está inserido", ressalta o professor.

Seleção

A comissão responsável pela seleção das 33 produções foi composta por Maria Carolina (Caru) Duprat, coordenadora do curso de pós-graduação em História da Arte da FAAP; Aline van Langendonck, artista e professora da FAAP; Mônica Barth, pintora, artista multimídia e professora da FAAP; e pelo curador e professor Marcos Moraes.

Para alicerçar o método de trabalho, a comissão levou em consideração a qualidade das propostas e projetos, o potencial dos processos e a possibilidade de inovação, além do domínio das linguagens utilizadas e a pertinência com os referenciais de contemporaneidade.

"O que me chamou atenção na seleção deste ano foi a participação de alunos dos semestres inicias com trabalhos que nos surpreenderam pela qualidade, além da participação de alunos formandos da licenciatura, que também foi muito expressiva", explica a professora Caru Duprat, para quem a Anual é uma excelente oportunidade, dada a sua importância e visibilidade no sistema da arte, além de fazer com que os alunos, antes de se formarem, exercitem a maneira de apresentar seus próprios trabalhos.

A professora Monica Barth compartilha da mesma opinião. Segundo ela, os trabalhos apresentam diversidade de experimentos trazendo instigantes narrativas nas várias linguagens contemporâneas. "A Anual de Artes da FAAP, em suas 50 edições, vem sendo um importante espaço de incentivo para novos artistas, além de proporcionar visibilidade para suas produções", disse.

Sala especial

Além das obras selecionadas, a Anual de Arte conta com uma sala especial onde são apresentados os trabalhos de artistas convidados, que participaram do Programa de residência artística da FAAP na Cité des Arts, em Paris, a partir do convênio entre as duas instituições. Nesta edição, o público poderá conferir os trabalhos de Karola Braga e Paula Scavazzini, além de materiais que documentam e apresentam a pesquisa que ambas desenvolveram na cidade.

Karola Braga vai apresentar a obra Sillage de la Reine, composta por 10 mil rosas de gesso, perfumadas, formando um tradicional jardim francês. Camuflado no jardim haverá um busto de gesso da rainha Maria Antonieta guilhotinada. De acordo com a artista, o slogan de uma das maiores casas de perfume da história, a Houbigant Paris, fundada por um dos perfumistas da rainha, dizia que quando o rei Luiz XVI e Maria Antonieta tentavam fugir durante a revolução francesa, a rainha foi descoberta por conta do seu perfume, levando-os à guilhotina e ao final da monarquia constitucional.

"Durante o meu processo de residência coletei o maior número de perfumes que dizem ser o cheiro um dia usado pela rainha. Portanto, será possível sentir desde o perfume de 8 até o de 8 mil euros", explica a artista que questiona em sua obra: "Afinal, qual é o cheiro real?".

Paula Scavazzini vai expor 16 trabalhos, de um total de 25 desenvolvidos a partir de sua residência em Paris. Peintures d´Intérieurs consiste na investigação de imagens de pinturas presentes nos interiores de cavernas pré-históricas francesas. Para tanto, foram utilizados diversos suportes, encontrados em Paris, como papel marmorizado, amostras de papéis de parede, tela de linho, mármores, pasta de modelagem e madeira. A pintura em tinta a óleo, técnica recorrente em seus trabalhos, também está presente em todo o conjunto de obras.

"Os trabalhos buscam discutir alguns aspectos já existentes no meu trabalho, como a própria pintura, a camuflagem, a padronagem, o trompe-l'oeil e o retrato. Também abordo a relação entre as partes e o todo e como essas partes podem criar autonomia, o registro do recorte de uma época, por meio das pinturas dos interiores de residências e as milhares de camadas de texturas e de cores encontradas nas pinturas rupestres e nas formações rochosas, entre outras questões", destaca a artista.

Posted by Patricia Canetti at 11:31 AM