Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 1, 2017

Vão e Vazão, intervenções urbanas de Renato Pera em São Paulo

Renato Pera apresenta intervenções urbanas motivadas por investigações e vivências em SP

As obras foram pensadas para provocar experiências inusitadas de espaços arquitetônicos cotidianos da cidade

O projeto “Renato Pera: Vão e Vazão” entra em cartaz a partir de 4 de março de 2017, na estação São Bento do Metrô de São Paulo- Linha 1 Azul e na Unibes Cultural, Oscar Freire 2500 e Rampa de acesso à estação Sumaré do Metrô, com as instalações ‘Vão’ e ‘Vazão’, respectivamente.

O projeto foi aprovado e incentivado pelo ProAC-ICMS / Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo, tem apoio da Ação Cultural do Metrô de São Paulo e da Unibes Cultural, produção e captação de recursos realizada pela OitO produções artísticas.

Olhar para a arquitetura

No projeto ’Vão’, seis desenhos de janelas foram escolhidos para relacionar-se com os espaços públicos da Estação São Bento do Metrô de São Paulo. Transformados em luminosos, com tamanho e formato de janelas reais, foram instalados em locais de passagem, como corredores subterrâneos, no alto de escadas, em cantos escuros e inativos, para gerar situações arquitetônicas inusitadas ou mesmo absurdas, capazes de produzir descontinuidades na experiência de trânsito pela estação. Visam acentuar a já exagerada sobreposição de perspectivas que o próprio espaço labiríntico da estação apresenta.

Como uma arqueologia de elementos arquitetônicos da cidade, os desenhos das janelas referem-se a tipologias de diferentes épocas. São, em sua maioria, modelos obsoletos que estão ou já entraram em desuso. A escolha do local deve-se também à sua localização geográfica, pois está em contato com o “triângulo histórico”, local de fundação e desenvolvimento da cidade de São Paulo.

Dando vazão à memória das águas na cidade
No projeto ‘Vazão’, 18 objetos pretos espelhados, em formato de gota, ocupam cerca de 30 metros do muro da Unibes Cultural, localizado na rampa de acesso à estação Sumaré do Metrô de São Paulo. Algo obscuro parece “escorrer” por este muro, uma espécie de “suor” na pele desta arquitetura.

A ação é motivada pela memória das chuvas, das cheias, das inundações e das canalizações de alguns rios, como o Tamanduateí, Tietê, Pinheiros, entre outros. O muro da Unibes Cultural e a Estação Sumaré do Metrô de São Paulo marcam simbolicamente o local onde nasce o córrego Sumaré, que corre debaixo da avenida de mesmo nome. Testemunha-se aí o modo como o urbanismo em São Paulo foi muitas vezes organizado, com o aproveitamento dos fundos de vale para a construção de extensas avenidas, como é ainda o caso da Vinte e Três de Maio, Nove de Julho e Pacaembú, para citar alguns exemplos. Em todas elas oculta-se um rio subterrâneo.

Existe a vontade de promover uma reflexão sobre as relações entre os meios naturais hídricos e a apropriação feita pelos processos de desenvolvimento urbano, muitas vezes capturados por interesses privados, assim como o comprometimento da relação direta e afetiva do habitante com esses mesmos recursos.

“Gosto de operar em lugares da cidade com os quais me relaciono em minha experiência cotidiana. São lugares ou situações que provocam a minha percepção por revelarem algum tipo de tensão. Eventualmente, podem solicitar uma resposta que se traduz em intervenção efetiva, em obra efêmera no espaço público. Imagino que consigam provocar outras pessoas a perceber e estranhar esses mesmos lugares ou situações”, afirma Pera, que tem um grande interesse pelos espaços públicos.

Renato Pera - Artista multimídia. Mestre e bacharel em Artes Visuais pela Universidade de São Paulo (USP), onde realiza atualmente o seu Doutorado. Interessa-se pelo cruzamento de linguagens e disciplinas.

Foi contemplado com o Prêmio Visualidade Nascente (2016), Prêmio Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais (2012), e Destaque do Júri no VI Encontro de Artes de Atibaia, SP (2007). Participou das residências artísticas Red Bull House of Art, São Paulo, SP (2011), e do Programa de Residencias Artísticas Para Creadores de Iberoamérica y Haití en México (2010).

É propositor inquieto de obras realizadas em espaços públicos, como o Projeto “Vitrinas MASP / Metrô de São Paulo”, concebendo e inaugurando o programa, e então atuando como co-curador e coordenador para a exposição do trabalho de trinta outros artistas (2011 a 2015). Além de intervenções na cidade do Rio de Janeiro ("Vazão", 2015, Galeria A Gentil Carioca), e São Paulo (“Volteador-de-Salão”, 2014, "Cosmogonia", 2012, Ateliê 2e1, e intervenções no Campus Butantã da USP, 2006, 2007 e 2008).

Realizou exposições individuais, das quais destacam-se: “Sangue” (Sesc Santana, São Paulo, SP, 2014), “Reminiscências” (Galeria Tato, São Paulo, SP, 2015), “O Muro”, (Sesc Ipiranga, São Paulo, SP, 2014). Entre as coletivas, “Metáforas Construidas”, (Bogotá, Colômbia, 2016), “Abre Alas”, (Galeria A Gentil Carioca, Rio de Janeiro, RJ, 2015), Red Bull Station (São Paulo, SP, 2014), Bienal de Ural (Rússia, 2012), “La Otra” (Bogotá, Colômbia, 2011), “Aluga-se” (São Paulo, SP, 2010) e “Justapostos” (Paço das Artes, São Paulo, SP, 2009). Seu trabalho integra coleções do Município de Atibaia, SP, e do Museo Diego Rivera – Anahuacalli, Cidade do México. Ministra atividade docente em palestras, cursos e oficinas de arte. Publica obras e textos em diversos meios.

Posted by Patricia Canetti at 3:09 PM