Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 11, 2015

Julião Sarmento no Galpão Fortes Vilaça, São Paulo

AGENDA SP Hoje 15/08 às 11-14h: Julião Sarmento @ Galpão Fortes Vilaça http://bit.ly/GalpaoFortes_J-Sarmento

Posted by Canal Contemporâneo on Sábado, 15 de agosto de 2015

A Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar Easy, Fractals & Star Map, a nova exposição do artista português Julião Sarmento, sua primeira no Galpão Fortes Vilaça.

[Scroll down for English version]

A mostra é composta por pinturas e esculturas recentes e estabelece uma relação ficcional entre Edgar Degas e Marcel Duchamp – “gigantes da história da arte”, nas palavras do artista. Ao criar um diálogo entre os dois mestres, Julião reafirma temas frequentes de sua própria obra: o hiato entre ficção e realidade, mecanismos de representação e erotismo.

O arquétipo feminino – elemento central na prática de Julião Sarmento – reaparece em Fifth Easy Piece, tomando como inspiração a icônica obra de Degas, La Petite Danseuse de Quatorze Ans (c. 1881). Na reinterpretação do artista, a dançarina adolescente é transformada em uma mulher madura, moldada através de um moderno processo de impressão 3D. Em Alma, os moldes de gesso são arranjados em uma armação de ferro, expondo o avesso da escultura e aludindo dessa vez a Duchamp – algo ainda mais explícito na obra O Grande Vidro, feita especialmente para a mostra.

A referência aos dois mestres espalha-se ainda nas pinturas da exposição, seja por citações gráficas, seja por alusões obscuras. Nesse conjunto de obras, Sarmento emprega diferentes pigmentos, solventes e técnicas, criando formas triangulares que se multiplicam como fractais. A quase completa ausência de cor, outro traço marcante do artista, reafirma o forte diálogo que sua pintura mantém com o desenho. Os títulos referem-se a nomes de estrelas e, uma vez espalhadas na parede, parecem formar constelações. Em Piscis Austrinus, um díptico de cinco metros de largura, manchas orgânicas se contrapõe às formas geométricas e criam uma elegante composição. Os volumes prateados de Sirrah, por sua vez, evocam a superfície lunar.

Ao cruzar diferentes tempos históricos e planos físicos, Easy, Fractals & Star Map instaura uma narrativa fictícia, possível apenas no campo da arte. As associações livres propostas por Sarmento apontam para o desconhecido, como um convite para mapear os astros.

Julião Sarmento nasceu em Lisboa, em 1948, e atualmente vive e trabalha em Estoril, também em Portugal. Considerado um dos mais renomados artistas portugueses, ele esteve em duas edições da Documenta de Kassel (1987 e 1982) e em duas Bienais de Veneza (2001 e 1997), além de muitas outras mostras. Entre suas exposições individuais recentes, destacam-se: Una forma extrema de privacidad, Museo de Arte Carrillo Gil (Cidade do México, 2013); Noites Brancas, Museu Serralves (Porto, 2012); Artist Room, Tate Modern (Londres, 2010); Grace under Pressure, Estação Pinacoteca (São Paulo, 2009). Sua obra está presente em diversas coleções públicas, entre as quais: Guggenheim (Nova York), Tate Modern (Londres), SFMOMA (San Francisco), Moderna Museet (Estocolmo), Centre Pompidou (Paris), CaixaForum (Barcelona).


Fortes Vilaça is pleased to present Easy, Fractals & Star Map, the new exhibition by Portuguese artist Julião Sarmento, his first at Galpão Fortes Vilaça. The show features recent paintings and sculptures and establishes a fictional relationship between Edgar Degas and Marcel Duchamp – “giants of art history”, in the artist’s words. By creating a dialogue between the two masters, Julião reaffirms frequent themes of his own work: the gap between fiction and reality, mechanisms of representation and eroticism.

The feminine archetype – a central element in Julião Sarmento’s practice – reappears in Fifth Easy Piece, inspired by the iconic work by Degas, La Petite Danseuse de Quatorze Ans (c. 1881). In the artist’s reinterpretation, the teenage dancer is transformed into a mature woman, molded through a modern process of 3-D printing. In Alma [Soul], the plaster molds are arranged in a steel framework, displaying the sculpture inside out and this time making an allusion to Duchamp – as he does even more explicitly in the work O Grande Vidro [The Large Glass] made especially for the show.

The reference to the two masters is also made in the paintings in the exhibition, whether through graphic citations or obscure allusions. In this set of works, Sarmento uses different pigments, solvents and techniques, creating triangular shapes that are multiplied like fractals. The nearly complete absence of color, another hallmark of the artist, reaffirms the strong dialogue that his painting maintains with drawing. The titles refer to names of stars and, when scattered on the wall, they seem to form constellations. In the five-meter-wide diptych Piscis Austrinus, organic splotches are contraposed to geometric shapes to create an elegant composition. In Sirrah, the silvery volumes recall the lunar surface.

By intercrossing different historical times and physical planes, Easy, Fractals & Star Map instates a fictitious narrative, possible only in the field of art. The free associations that Sarmento proposes point to the unknown, like an invitation to map the stars.

Julião Sarmento was born in Lisbon, in 1948, and currently lives in Estoril, also in Portugal. One of the most renowned Portuguese artists, he has participated in two editions of the Kassel Documenta (1987 and 1982) and in two Venice Biennales (2001 and 1997), in addition to many other exhibitions. His recent solo shows have most notably included Una forma extrema de privacidad, Museo de Arte Carrillo Gil (Mexico City, 2013); White Nights, Museu Serralves (Porto, 2012); Artist Room, Tate Modern (London, 2010); and Grace under Pressure, Estação Pinacoteca (São Paulo, 2009). His work figures in various public collections which include those of Guggenheim (New York), Tate Modern (London), SFMOMA (San Francisco), Moderna Museet (Stockholm), Centre Pompidou (Paris), and CaixaForum (Barcelona).

Posted by Patricia Canetti at 9:00 PM