Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 21, 2015

Vilanova Artigas no Itaú Cultural, São Paulo

Vilanova Artigas na mais recente mostra da série Ocupação do Itaú Cultural

Ao visitar esta exposição, o público entra no universo de um brasileiro que tratou a sua obra como ferramenta indispensável para a transformação da realidade das cidades; revisita o legado vanguardista e contemporâneo que deixou como professor e intelectual e conhece o cidadão por trás da personalidade pública

A 24ª mostra da série Ocupação é dedicada a um dos mais importantes arquitetos e urbanistas do Brasil, João Batista Vilanova Artigas. Com curadoria compartilhada entre a equipe Itaú Cultural, a sua filha, Rosa,e o arquiteto Alvaro Razuk, a exposição, instalada em todo o mezanino do instituto,abre para convidados no dia em que ele completaria 100 anos: terça-feira, 23 de junho. Para os visitantes fica em cartaz de 24 de junho a 9 de agosto. No dia seguinte, 25, estreia do documentário Vilanova Artigas: o arquiteto e a luz. Dirigido por sua neta, Laura, o filme será exibido nos espaços Augusta, Frei Caneca e Pompéia, em São Paulo; e na mesma rede no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Brasília e Salvador.

O Centenário Artigas é uma parceria cultural do instituto com a família do arquiteto e tem ações patrocinadas pelo Banco Itaú, como o site criado para comemorar a efeméride, o documentário e a edição pela Terceiro Nome dos livros Vilanova Artigas e A mão livre do vovô.

Projetos, desenhos de trabalho,maquetes,fotos públicas e pessoais, projeções, objetos, bilhetes, cartas, manuscritos e artigos de jornais fazem parte desta exposição que revela ao visitante apostura política e a visão social do arquiteto, e como elas eram transportadas para o seu trabalho.

Vilanova Artigas nasceu em Curitiba em 23 de junho de 1915. Mudou-se para São Paulo e se formou na Escola Politécnica da USP, em 1937. Foi fundador da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), em 1948, na qual liderou, mais tarde, em 1962, um movimento para a reforma de ensino que influenciou outras faculdades de arquitetura no Brasil.

Foi membro do Partido Comunista e militante de movimentos populares e, por isso, perseguido pela ditadura militar, sendo cassado em 1969 por força do AI-5. Este processo não somente aboliu por 10 anos o seu direito de lecionar, como, ao voltar em 1979, foi estabelecido que sua função seria a de auxiliar de ensino da FAU, ao invés de retomar como professor titular. Ele somente recuperou o cargo quatro anos mais tarde ao ter de, obrigatoriamente, prestar um concurso em junho de 1984,sete meses antes de morrer.

Duas vezes premiada internacionalmente – Prêmio Jean Tschumi, em 1972, e Prêmio Auguste Perret, em 1985, este póstumo –, a sua obra segue influenciando arquitetos até hoje. Entre os 700 projetos que produziu durante a sua carreira, destacam-se ojá citado edifício da FAU; o conjunto Habitacional Zezinho Magalhães Prado, em Guarulhos; o Estádio do Morumbi; o Edifício Louveira, clubes, sindicatos, edifícios, apartamentos e casas.

Mantendo o espírito desta série de exposições idealizada pelo Itaú Cultural para fomentar o diálogo entre gerações, apresentando a vida, obra e o processo de criação de veteranos consagrados que servem de referência aos que despontam em todas as áreas de expressão, a Ocupação Vilanova Artigas entra neste universo e acompanhaa vida do arquiteto desde que despontou até a sua morte aos 69 anos.

A mostra

De um lado, há na exposição um Artigas articulador fundador de instituições como a seção paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). Do outro, um atuante ativo no Partido Comunista Brasileiro (PCB), cuja casa – situada no Campo Belo e conhecida afetivamente como Casinha –era um ponto de encontro e de debate para referências da esquerda.

A curadoria da Ocupação optou por apresentar Artigas em três núcleos: Arquiteto, Educador e Homem Público. No primeiro se desvenda a sua produção, que vai muito além da simples construção de edifícios em série. A sua obra é caracterizada pela preocupação com os espaços de convivência, pelo uso da luz natural e de rampas, em uma tentativa de integrar o prédio à cidade – como se vê, entre outros,no edifício Louveira, no estádio do Morumbi, na própria FAU.

O núcleo Educador se debruça no papel desempenhado por Artigas em nome da educação e da arquitetura. A sua atuação foi decisiva, por exemplo, no movimento que, em meados de 1940, criou o curso superior de arquitetura deixando de ser apenas uma matéria na grade dos estudantes de engenharia. Atuando como professor, foi um dos responsáveis pela fundação, em 1948, da FAU/USP, e nos anos de 1960, deu forma ao atual prédio da instituição, propondo, ainda, uma ampla reforma no currículo, depois adotada por escolas de todo o país.

Em Homem Público, o visitante conhece muito além do Artigas profissional. Neste núcleo surge o pensamento do professor e intelectual, que se coloca criticamente frente à história,a casa, a cidade e o país, o aprendizado e a política.

Lançamento de livros em programação paralela

No primeiro dia de julho (quarta-feira), às 21h, é lançado Vilanova Artigas (Ed. Terceiro Nome). O livro de autoria de Rosa Artigas, em coedição de Marco, neto dele, oferece pistas para a trajetória do homenageado, por meio da publicação de 43 projetos, construídos e ainda existentes, incluindo duas obras nunca executadas – o concurso do Plano Piloto de Brasília e a proposta de reurbanização do Vale de Anhangabaú.

Uma hora antes, às 20h, neste mesmo dia, o arquiteto Paulo Mendes da Rocha debate o trabalho de seu amigo, de quem foi assistente. Ele abre, assim, a série de conversas que se estendem por todo o mês com Nabil Bonduki, Luiz Gê, Jorge Mautner, cada qual descrevendo a sua vivência ou experiência com Artigas.

No dia 11(sábado), das 14h30 às 16h, é lançado o livro A mão livre do vovô (Ed. Terceiro Nome), baseado nos desenhos que ele fazia quando contava histórias para os seus netos e para os quais Michel Gorski e Silvia Zatz criaram uma narrativa que os une. Nesta mesma data, das 14h30 às 15h30, tem uma Contação de História. A atriz Ana Luísa Lacombe, e Betinho Sodré, na sonoplastia e percussão,interpretam um texto escrito a partir deste livro que também conta a vida de Artigas, desde a sua infância à luta política, passando pelo seu legado na arquitetura e sua relação com os netos em linguagem adequada às crianças.

Simultaneamente, no andar de cima, a Casa das Ideias ministra a oficina Desenhos Artigas. Voltada para crianças, ela ensina a construir brinquedos feitos com materiais como madeira, plástico, motores, fios, botões, luzes. Todos fazem referência aos desenhos que Vilanova Artigas fazia junto a seus netos e podem ser levados para casa.

O Núcleo de Educação e Relacionamento do instituto também programou atividades paralelas à exposição. Entre julho e agosto, estudantes, pesquisadores, e interessados em arquitetura são convidados a participar da ação Próxima Parada: Vilanova Artigas. Acompanhados pelo arquiteto Marco Artigas, neto de Vilanova Artigas, o público é levado a visitar algumas obras do arquiteto homenageado, como o Edifício Louveira, Conjunto Habitacional CECAP e Casa do Arquiteto.

Em Mais de Artigas, outra atividade, os educadores do Itaú Cultural falam em conversas descontraídas sobre o universo do arquiteto abordando temas como arquitetura, educação e homem público a partir de algumas obras presentes na exposição.

PROGRAMAÇÃO

25 de junho, quinta-feira
Estreia documentário Vilanova Artigas: o arquiteto e a luz
Nas salas Espaço Itaú de Cinema em Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo

1 de julho, quarta-feira
Encontro com Paulo Mendes da Rocha: A arquitetura de Artigas
Sala Itaú Cultural, 20h
Lançamento: Vilanova Artigas
Itaú Cultural, Piso Paulista, 21h

11 de julho, sábado,
Lançamento: A mão livre do vovô
Itaú Cultural, Piso Paulista, 14h30-16h
Contação de história: A mão livre do vovô
Com Ana Luísa Lacombe e Betinho Sodré
Itaú Cultural, Piso Paulista, 14h30-15h30
Oficina: Desenhos Artigas
Ministrada pela Casa das Ideias, 14-15h30
É necessário fazer inscrição com meia hora de antecedência

Todos os domingos, 18h
Conversas descontraídas com os educadores do Itaú Cultural sobre o universo do arquiteto abordando temas como arquitetura, educação e homem público a partir de algumas obras presentes na exposição.
Duração aproximada: 30 minutos; 20 vagas
Mais informações pelo telefone 2168-1876, de terça à sexta, das 9h às 20h ou no balcão de atendimento ao público – Piso Térreo

Visitas
A partir de 16 anos. Inscrições pelo telefone 2168-1876, de terça à sexta, das 9h às 20h.

11 de julho, sábado, 10h
Visita a obras situadas em Higienópolis – Pacaembú - Sumaré
20 vagas – inscrições a partir do dia 7

18 de julho, sábado, 10h
Visita a obras em Guarulhos
40 vagas – inscrições a partir do dia 14

25 de julho, sábado, 10h
Visita a obras na Zona Sul
20 vagas – inscrições a partir do dia 21

Posted by Patricia Canetti at 6:36 PM