Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 30, 2015

Julia Amaral no Sítio, Florianópolis

AGENDA SC Hoje 03/06 às 19h: Julia Amaral @ O Sítio http://bit.ly/O-Sitio_J-Amaral

Posted by Canal Contemporâneo on Quarta, 3 de junho de 2015

O Sítio apresenta a exposição Apesar de da artista Julia Amaral, resultado de um processo cultivado ao longo de alguns anos. Tudo começou com a busca por uma pena de qualquer ave para a disciplina de fundição em metal, ainda durante sua graduação em artes visuais. Acabou encontrando um pássaro morto no próprio ninho, engasgado com um fio de náilon. Deste encontro com a morte passou a conceber insetos e bichos em esculturas de animais. A artista define este momento como crucial para o seu processo de criação com a técnica de fundição em cera perdida. "Aquele pássaro significou muito pra mim. Com ele usei uma técnica de fundição escultórica antiquíssima e clássica. Ele precisava ser de metal, ele precisava ser fundido, não poderia ter sido feito de cerâmica, de gesso, ou ser uma foto ou um desenho. Ele é único e sem reprodução. Não passa por uma mediação, por uma elaboração formal", esclarece Julia.

Assim, surgiu o primeiro elemento da série Apesar de, composta de esculturas e adesivos. "Os besouros foram os insetos que me fisgaram para dar continuidade às esculturas em fundição. Quase dois anos se passaram entre a realização do pássaro e o início da série Apesar de. Diferente da maneira usual de fundição em cera perdida, onde se costuma modelar a peça e depois tirar um molde em cera e usá-la como matriz, Julia elimina uma etapa da técnica tradicional, com o uso do próprio corpo do inseto, do bicho como matriz. A artista explica que usa "o elemento da natureza, a coisa em si, um besouro, uma lacraia, um pássaro e não uma modelagem. Desta forma trago para o trabalho a riqueza de possibilidades de um contato direto."

O processo de moldagem, da-se com "a ausência do inseto morto (que teve seu corpo queimado dentro do molde)", assegura. Depois disso, o vazio é preenchido pelo metal quente e líquido que toma a sua forma e em seguida esfria e endurece. Para retirar a peça do molde é necessário quebrá-lo, perdendo de vez o molde e também a possibilidade de reprodução: a peça é necessariamente única, assim como o indivíduo que lhe deu origem. Não há como multiplicá-los, ou, reproduzí-los.

Julia aborda questionamentos acerca do irreversível apodrecimento, mesmo que não queira eterniza-los, mas os insetos e outros pequenos bichos transformados em corpo de metal penetram num outro campo, outro tipo de processo de decomposição, de duração mais longa. No ínterim deste complexo procedimento técnico não há comedimento, a fundição tem um comportamento próprio, principalmente ao se tratar de uma ‘subversão’ da técnica." Como utiliza o corpo do próprio animal, abre margem para uma gama bem maior de erros e surpresas. "As coisas saem do controle e os resultados são diversos. Inúmeras vezes perdi insetos porque a fundição não deu certo.", diz. Suas formas também não ficam perfeitas sempre, o molde entope em alguma parte, o gesso infiltra, perde-se detalhes de asas, patas... As superfícies ficam irregulares e corroídas e os insetos continuam frágeis. Ela nunca dá acabamento às esculturas, não tenta imitar texturas e nem polir, eles ficam como saíram do molde. Os próprios animais não são mexidos e vão para a fundição do jeito que foram encontrados, patas retraídas, corpo curvado, rabo quebrado. A moldagem é um processo direto de impressão que, reforçado pela falta de acabamento, anula a mediação e a distancia. É feito às cegas. Mesmo tendo sido transformados em metal, os bichos continuam frágeis e precários.

Seu trabalho é de ourivesaria, tamanho o cuidado e a delicadeza das peças. Mesmo já tendo exposto a série Apesar de em outras cidades e locais, esta será a primeira vez que apresentará a série completa, agora também com grilos, mariposas, borboletas e libélulas, que ultrapassam o número de 100. Nos arredores do espaço expositivo, Julia apresentará os seus conhecidos urubus, feitos de adesivo vinil que irão pousar por ali, durante a sua individual.

Posted by Patricia Canetti at 11:08 PM