Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 24, 2013

Mauro Restiffe no Galpão Fortes Vilaça, São Paulo

Mauro Restiffe - San Marco, Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, SP - 01/10/2013 a 09/11/2013

[Scroll down to read in English]

Temos o prazer de apresentar San Marco, a segunda individual de Mauro Restiffe na Galeria Fortes Vilaça. O artista ocupa o espaço do Galpão com onze fotografias inéditas tiradas dos afrescos pintados por Fra Angelico dentro das celas dos frades no Mosteiro de San Marco, em Florença.

A investigação poética de Restiffe sobrepõe a linguagem documental a referências da história da arte e da fotografia. A utilização do filme analógico preto e branco de alta sensibilidade não é aleatória, é um recurso formal que possibilita ao artista trabalhar a ideia de representação e de uma desconstrução do real. A granulação das imagens e as gradações de cinza funcionam como a tinta em uma tela – suas fotos são repletas de textura.

As obras da mostra rompem com a frontalidade de enquadramento características de outros trabalhos do artista. A fotografia é feita de modo que uma área homogênea escura fica em primeiro plano mas onde ainda assim é possível ver, através das sutis gradações de cinza, os detalhes dos arcos da entrada de cada cela. A questão arquitetônica constantemente presente na obra de Mauro aparece também aqui. O artista tira as fotos todas de um mesmo ângulo, usando o arco como um elemento repetido em uma estrutura minimalista.

Há um certo voyeurismo presente nas imagens que surge como uma novidade em seu trabalho. Os afrescos ficam ao fundo, distantes, como se olhássemos através de um buraco de fechadura. Mas diferentemente do que acontece no mosteiro, onde cada afresco é visualizado individualmente, na mostra é possível ver todos como um conjunto, assim observando as mínimas nuances e diferenças entre cada imagem.

As situações de representação e reprodução de obras de arte já foi abordada pelo artista em outras ocasiões. Na sua série Vermeer, em exposição atualmente em Inhotim, Restiffe fotografa uma mesma obra do famoso pintor holandês de várias maneiras. Já na exposição Planos de Fuga realizada pelo CCBB em 2012, a participação do artista se deu através da documentação das obras da mostra.

Mauro Restiffe nasceu em São José do Rio Pardo em 1970 e vive e trabalha em São Paulo. Entre suas exposições individuais, podemos destacar sua recente individual Obra no MAC São Paulo, que fica em cartaz até outubro de 2013, com fotografias feitas durante a reforma do prédio projetado por Oscar Niemeyer. O artista participa ainda este ano da Bienal de Fotografia do MASP e do Panorama de Arte Brasileira do MAM de São Paulo. Sua obra está presente nas coleções do Inhotim, Brumadinho; Tate Modern, Londres; SFMOMA, São Francisco; Museu de Arte Moderna de São Paulo, entre outras.


Mauro Restiffe - San Marco, Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, SP - 01/10/2013 til 09/11/2013

We are pleased to present San Marco, Mauro Restiffe’s second solo show at Galeria Fortes Vilaça. The artist is occupying the space of the Galpão with eleven new photographs taken of frescoes painted by Fra Angelico in the friars’ cells of the San Marco Monastery, in Florence.

Restiffe’s poetic investigation overlays a documental approach with references to art history and photography. The use of highly sensitive black-and-white analog film is not by chance; it is a formal resource that allows the artist to work with the idea of representation and of the deconstruction of the real. The graininess of the images and the gradations of gray work like paint on a canvas – his photos are full of texture.

The works featured in the show break away from the straight-on frontal framing characteristic of other works by the artist. The photographs are taken in a way that results in a dark homogeneous field in the foreground, where it is still nonetheless possible to see, by way of the subtle gradations of gray, the details of the entrance arches of each cell. The architectural question constantly present in Mauro’s work also appears here. The artist has taken all the photos from the same angle, using the arch as a repeated element in a minimalist structure.

There is a certain voyeurism present in the images that arises as a novelty in his work. The frescoes are in the background, distant, as though we were looking at them through a keyhole. But unlike what takes place in the monastery, where each fresco is seen individually, in the show it is possible to see all of them as a set, thus observing the minimal nuances and differences among the various images.

The artist has already dealt with situations of representation and reproduction of artworks on other occasions. In his Vermeer series, now being shown at Inhotim, Restiffe photographs in various ways a work by the famous Dutch painter. In Planos de Fuga, held at CCBB in 2012, the artist’s participation took place through the documentation of the works in the show.

Mauro Restiffe was born in São José do Rio Pardo in 1970 and lives and works in São Paulo. His solo shows have most notably included the exhibition Obra at MAC São Paulo, running until October 2013, with photographs made during the remodeling of the building designed by Oscar Niemeyer. Also this year, the artist is participating in the Bienal de Fotografia of MASP and the Panorama de Arte Brasileira of MAM São Paulo. His work figures in the collections of Inhotim, Brumadinho; Tate Modern, London; SFMOMA, San Francisco; Museu de Arte Moderna de São Paulo, and others.

Posted by Patricia Canetti at 9:11 AM