Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 8, 2013

Roesler Hotel: Cães Sem Plumas [prólogo] na Nara Roesler, São Paulo

Hotel Roesler: Cães sem Plumas [prólogo], Galeria Nara Roesler, São Paulo, SP - 12/09/2013 a 09/11/2013

Em 11 de setembro, a partir das 19h, a Galeria Nara Roesler recebe a exposição Cães sem Plumas [prólogo] como parte da programação do Roesler Hotel, projeto curatorial permanente relançado pela galeria em 2012.

Cães sem Plumas [prólogo], com curadoria de Moacir dos Anjos, reúne artistas brasileiros de gerações diversas, agrupados em torno de uma invenção de linguagem de João Cabral de Melo Neto. Um “cão sem plumas”, segundo o poeta, “é quando uma árvore sem voz. / É quando de um pássaro / suas raízes no ar. / É quando a alguma coisa / roem tão fundo / até o que não tem”.

A exposição é sobre aqueles que, no Brasil, vivem na iminência de perder o que lhes confere humanidade – sobre pessoas que vivem à margem de quase tudo que outros já alcançaram. Cães sem Plumas [prólogo] lança luz sobre a questão manicomial, sobre a condição dos povos indígenas e das pessoas em situação de rua, e sobre a população carcerária, através do desdobramento da pesquisa que o curador desenvolve junto à Fundação Joaquim Nabuco, em Recife.

Participam da exposição os artistas Antonio Dias, Marcos Chaves e Paulo Bruscky, representados pela galerias, além de Armando Queiroz, Berna Reale, Cildo Meireles, Claudia Andujar, João Castilho, José Rufino, Paula Trope, Paulo Nazareth, Regina Parra, Rosângela Rennó, Thiago Martins de Melo e Virginia de Medeiros.

Obras de caráter histórico serão exibidas, entre elas Cabeças (1968), de Antonio Dias, uma congregação de cubos colocados diretamente sobre o chão, cada qual com uma fenda semelhante às de caixas de correio ou urnas eleitorais, pela qual segredos, bilhetes e papeizinhos podem ser inseridos, mas nunca recuperados.

Cildo Meireles participa com algumas de suas mais emblemáticas obras, como a intervenção Ética como Estética / Estética como Ética, feita sobre o catálogo da 50ª Bienal de Veneza (2003). Trata-se de uma série de fotografias em preto e branco de uma chacina ocorrida no Rio de Janeiro em 1996. A primeira imagem reproduz a capa do jornal A Notícia, onde se lê em letras vermelhas garrafais o ambíguo título “Exposição Macabra”. Seguem mais oito imagens dos cadáveres de cinco traficantes fuzilados, equilibrados em manilhas abandonadas no meio da rua, que ficaram expostos durante horas antes de serem recolhidos. Zero Cruzeiro foi criada, impressa e distribuída no ano de 1974 colocando um índio e um desalojado como figuras centrais da cédula. Inserções em Circuitos Ideológicos – Projeto Cédula teve início na década de 1970. Cildo Meireles carimba, sobre dinheiro circulante, “opiniões críticas” e instruções sobre como proceder para fazer o mesmo. Em 1975, veiculou a pergunta “Quem matou Herzog?” sobre notas de cruzeiro – padrão monetário brasileiro vigente à época –, em referência às causas omitidas da morte do jornalista Vladimir Herzog enquanto estava em poder dos órgãos repressivos. Segundo declaração feita à época pelas autoridades militares, ele teria cometido suicídio por enforcamento quando deixado sozinho na cela, versão contestada e depois provada ser falsa. É somente em junho de 2013, contudo, que uma nova Certidão de Óbito do jornalista é emitida pelo Estado brasileiro, reconhecendo que Vladimir Herzog morreu em função de “lesões e maus tratos” nas dependências do DOI-CODI de São Paulo. Uma resposta oficial, ainda que tardia, à sua família, ao país, e à pergunta feita por Cildo Meireles em seu trabalho.

Claudia Andujar contribui com as séries Malencontro e Juqueri. Em Malencontro (2005), a fotógrafa, engajada na questão indígena, acompanha a população Yanomami na Amazônia brasileira. A série Juqueri (1963) nos dá acesso ao Hospital Psiquiátrico do Juqueri, que ao final da década de 1950 e início da década de 1960, chegou a abrigar mais de 14 mil internados.

A mostra fica em cartaz até 9 de novembro, na Galeria Nara Roesler.

Sobre o curador

Moacir dos Anjos é curador e pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, onde coordena o programa de exposições “Política da Arte” e a pesquisa “Cães sem Plumas: a representação de danos nas artes visuais”, da qual a presente mostra é parte. Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, no Recife (2001-2006), do 30º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (2007) e da 29ª Bienal de São Paulo (2010). É autor, entre outros, dos livros Local/Global. Arte em Trânsito (Rio de Janeiro, Zahar, 2005) e ArteBra Crítica: Moacir dos Anjos (Rio de Janeiro, Automática, 2010).

Posted by Patricia Canetti at 3:07 PM