Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 15, 2018

Continuum por Henrique Menezes

Continuum

HENRIQUE MENEZES*

A Fundação Iberê Camargo apresenta a exposição temporária Continuum, composta por obras de videoarte de Ana Rito, Cezar Sperinde, Leonardo Remor e Denis Rodriguez. O terceiro andar da instituição recebe projeções que engendram imaginários utópicos, nos quais uma visualidade surreal contamina as obras e suas imagens — fluída transposição de um pensamento a outro, de sentimentos a sensações.

A expressão “continuum” descreve um todo que, mesmo afetado por possíveis fragmentações e limites, mantém-se uno. Partindo de operações efêmeras, as narrativas simulam ações sem fim, repetitivas e melancólicas em sua inocuidade. Alegorias meditativas sintetizam instantes, nos quais a concisão deriva em encantamento visual: a presença da ação artística contrasta com a substância material, diluindo-se, amalgamando-se e hipnotizando.

A obra Pleura (2005), da artista portuguesa Ana Rito (Lisboa, 1978), abre o percurso do visitante ditando o tom da mostra através de sua sutileza estética. A corrente de um rio passa tranquilamente por uma escultura clássica imóvel. A obra evidencia o fluxo do sensível, numa permanente evocação do tempo e da finitude. Nas palavras do crítico João Silvério, a poética de Ana Rito nos dá a sentir “a aura luminosa das imagens, as sombras, os sons e as palavras que se configuram numa corporalidade que resgata a matéria possuída pelo ânimo da imagem em movimento e pela sua operatividade enquanto referência ou memória”.

Continuum é conexão sem interrupção. A artificialidade presente em Pleura flerta com a obra “Pindorama - dancing palm trees” (2014), de Cezar Sperinde (Porto Alegre, 1981). A projeção em grande formato é o registro de uma performance do artista em Londres, onde imensas palmeiras infláveis agitam-se em frente a colunas de uma imponente construção neoclássica. Este oásis alegórico, inusitado e anacrônico, explora reflexões sobre identidades e arquiteturas, em análises sociais e históricas que tocam o choque das experiências culturais contemporâneas. A similitude das obras extrapola a harmonia visual: a construção poética do efêmero, perseguida também em “Cinema é Cachoeira” (2015), reitera um impulso ilusório. A obra de Leonardo Remor (Getúlio Vargas, 1987) e Denis Rodriguez (São Paulo, 1986) encerra o gesto artificial em uma miragem de ritmo constante e de eterno recomeço. É um paralelo entre o looping do filme e o fluxo contínuo da água que corre em uma escadaria — inspirado em uma citação de Humberto Mauro.

O efêmero se reconstitui em Continuum, colocando em jogo sua essência: flagrantes sucessivos daquilo que o tempo poderia turvar mas o gesto artístico captura, recitando a potência do instante.

*Pós-graduado em Arte Contemporânea e Curadoria pela Universidade de Lisboa, Henrique Menezes é Curador Assistente na Fundação Iberê Camargo e colunista da Contemporary Art Curator Magazine. Durante seu período na capital portuguesa, foi curador da exposição individual PARALLAX, do artista Aires de Gameiro (Portugal). Colaborou com a galerista alemã Alda Galsterer e trabalhou na The Switch Gallery - do francês Skoya Assémat-Tessandier. Produziu textos para exposições de artistas como Lorraine Mahot de La Querantonnais (França), Anzelika Ishkova (Rússia) e Lizzie Joyce Pearl (Suíça). Suas áreas de interesse circundam temas como pertencimento e identidade, geração Millennial (pós-1980) e o impacto da cultura digital no sistema\mercado das Artes.

Posted by Patricia Canetti at 11:40 AM