Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 18, 2011

1040 M Underground na Fundação Izolyastia por Adriano Casanova

1040 M Underground

Por Adriano Casanova

Em Agosto deste ano a Fundação Izolyastia - recentemente fundada na cidade de Donestk, ao sul da Ucrânia, inaugurou a mostra ‘1040M Underground’ do artista chines Cai Guo-Qiang.

Cai já mostrou suas obras no país nas 23ª e 26ª Bienal de São Paulo e tem planos de inaugurar uma grande mostra itinerante no Brasil no próximo ano.

Mas antes de falar sobre o trabalho que Guo-Qiang apresentou é preciso contextualizá-lo em torno da Fundação Izolyastia.

Criada com o intuito de se tornar mais um importante polo de exibição e promoção da arte contemporanea internacional, a fundação priporiza sua atuação com residencias de fotógrafos e mostras de artes visuais que abordam temáticas contemporaneas relacionadas a cidade e ao histórico de onde esta sediada, uma antiga fábrica de minério ao sul da Ucrânia.

002_0825_coalinstall_An.jpg

Fundada pela empresária e colecionadora Luba Michailova, a antiga fábrica de 1955 que em seus grandes galpões produziam mineral bruto foi reestruturada por arquitetos ingleses para receber mostras e sediar encontros com diversos agentes culturais.

Hoje, Michailova se apropria deste espaço industrial - que foi dirigido por seu pai durante todos esses anos – e o transforma em um centro de exibição de uma matéria prima artística ainda em lapidação; em um território aonde o arquivo histórico e a memória local está em constante uso e diálogo com diferentes vanguardas artisticas atuais.

Esta não é a única inicitativa para a arte contemporanea que desponta atualmente na Ucrania. De mesma importancia, a capital Kiev sedia o Pinchuk Art Center, parte da fundação de Victor Pinchuk, responsável pela premiação internacional “Future Generation Art Prize”, que este ano premiou a brasileira Cinthia Marcelle com um jurí de peso como Jeff Koons, Demian Hirst, Takashi Murakami e Ai Wei Wei.

Cai Guo –Qiang se apropria deste contexto da fundação Izolyastia e do processo de expansão cultural do país para construir as obras presentes na mostra “1040M underground”.

Em direta colaboração com 27 mineradores, 18 da mina de carvão Oktyabrskyi Rudnik e 9 da mina de sal Soledar Salt Guo-Qiang colaborou com desenhistas e artistas locais na criação de retratos dos mineradores que posteriormente foi redesenhado com pólvora e implodidos. Estas obras fizeram parte da instalação “Monuments on Shoulders” que ocupou o galpão inicial da fundação.

003_0825_nurserytrain_An.jpg

Carvão e sal foram jogados no chão, criando uma trilha onde o visitante caminhava para ver os retratos dos mineradores dispostos em ordem aleatória.

Cai, por sua vez, usa temáticas muito presentes na arte contemporanea hoje: memória, arquivo, história e identidade são algumas das várias reflexões criadas por este trabalho.

Propondo confrontos entre uma arte social e uma obra de arte visualmente contemplativa, o discurso site-specific não dialoga somente com o espaço expositivo mas principalmente com os preceitos da situação política local.

Uma outra obra feita especialmente para a exposição foi o trabalho ‘Nursery Rhymes”, exibido no segundo espaço expositivo.

Composta por nove carros antigos para transporte de minério, conectados uns aos outros através de um sistema eletronico, a instalação criava um movimento similar ao de o ninar de um berço. Em cada ‘berço’ videos e objetos da época Soviética eram projetos criando uma narrativa alinear entre o movimento de ida e vinda destes ‘berços’ e a sensação do ritmo e do som de quando se adentrava a sala.

A mostra se completa com uma série de videos documentais sobre as intervenções que Cai já realizou, trazendo um aparato de sua produção para o publico que não é familiarizado com o trabalho do artista.
Mais uma vez a história se via presente pelo vies deste artista, que nos colocava em um museu vivo de uma cidade que ainda tem muita história a frente para ser documentada.

09_0821_ignition_DS.jpg

Fotos: Andrei Parahin, cortesia IZOLYATSIA

Posted by Gilberto Vieira at 11:04 AM