Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 30, 2010

Sobre Desfazer o espaço por Fábio Tremonte

Sobre Desfazer o espaço

Fábio Tremonte
Especial para o Canal Contemporâneo

A exposição Desfazer o espaço, do norte-americano Gordon Matta-Clark, apresentada no MAM São Paulo até o dia 4 de abril é um convite a conhecer e refletir sobre a vigorosa produção desse artista morto prematuramente aos 35 em decorrência de um câncer, e que deixou um corpo de trabalhos que influencia muitos artistas até hoje.

Seus trabalhos mais conhecidos são os cortes em casas e prédios, intervenções na arquitetura. Matta-Clark estava, sim, discutindo o espaço, sem dúvida. Arquiteto por formação (formado pela Cornell University, no final dos anos 60), tinha na arquitetura e no espaço urbano sua atenção, preocupação e reflexão. Entretanto, dizer que suas intervenções nesse espaço são pura e simplesmente formais é um engano, assim como o é dizer a mesma coisa de Lúcio Fontana quando toma um estilete e corta a superfície de uma tela, mas isso pode ser assunto para um outro texto.

Quando Matta-Clark toma uma serra e parte a parede de uma casa ao meio (Splitting, 1974), ele está atacando um corpo, criado para abrigar outros corpos. A fenda criada não é apenas um corte, mas a criação de um outro espaço, a possibilidade de criar um "entre" entre exterior e interior. Há o risco de se machucar, pois pega a serra e parte para cima da construção sem o uso de equipamentos de segurança ou, talvez, um estudo da estrutura do edifício (aqui estou fazendo uma suposição, pois me agrada esse risco que corre).

Também cria esse espaço "entre" quando atira nas janelas do Edifício da sede do Instituto de Arquitetura e Estudos Urbanos de Nova York, em 1976, no trabalho intitulado Window blow out. A partir desses trabalhos e de outros em que o artista interfere na arquitetura, ao abrir uma fenda, ao quebrar uma janela, ao abrir um buraco na parede, permite que a luz natural invada o ambiente, o espaço, antes iluminado por luzes artificiais ou sem iluminação, no caso de edifícios sem uso, vejo que Matta-Clark está pensando na cidade e repensando e recriando seu uso, a sua apropriação.

Viveu isso intensamente em Nova York, quando as leis de zoneamento foram alteradas e permitiram que artistas ocupassem galpões abandonados em uma determinada região da cidade, conhecida posteriormente como SoHo. O deslocamento para uma região distante e a alteração no uso dos edifícios ali presentes e o contato com outros artistas e moradores dessa região estão intimamente ligados com essa atuação no espaço urbano.

Mas, não só de cisão na arquitetura é formado o trabalho de Matta-Clark. Estava interessado nos cantos, nos vão da escada, nos subterrâneos e também na vida coletiva. Participou de muitos trabalhos em parceria com outros artistas. Fundou, em 1971, um restaurante chamado Food, onde artistas se revezavam na cozinha, no serviço afim de juntar recursos para financiar seus projetos artísticos. Local que imediatamente se integrou a paisagem do SoHo, tornando-se ponto de referência entre os frequentadores da região.

Termino com dois trechos da entrevista feita com Matta-Clark e publicada na Arts Magazine, em maio de 1976 que foi traduzida para português no Guia da 27a. Bienal de São Paulo: "O mais importante é que escolhi não me isolar das condições sociais, mas lidar com elas, por uma implicação física, como ocorre com a maioria dos meus trabalhos com edifícios, ou por um envolvimento comunitário direto (...) O ato de cortar através de um espaço produz certa complexidade que envolve uma percepção em profundidade. Aspectos da estratificação provavelmente me interessam mais do que as inesperadas visões geradas pelas modificações - não a superfície, a camada fina, a superfície rompida que revela processo autobiográfico da sua feitura".

Posted by Cecília Bedê at 11:17 AM