Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 10, 2007

Da cultura da montagem ao imaginário do desmanche, por Juliana Monachesi

zerbini.jpg

Da cultura da montagem ao imaginário do desmanche

JULIANA MONACHESI

Impossível não associar a exposição atualmente em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, 80/90 Modernos, pós-modernos etc., cuja curadoria é assinada por Agnaldo Farias, ao livro Moderno pós moderno - Modos & versões (ed. Iluminuras, 2005 [1995]), de Teixeira Coelho. A "ligeira" diferença entre os títulos reside em uma simples vírgula e num prosaico hífen. Os dois singelos sinais gráficos sugerem que Agnaldo Farias aposta, em sua curadoria, na existência de um panorama em que convivem artistas (ou trabalhos) modernos e artistas (ou trabalhos) pós-modernos -o "etc" dá conta daqueles artistas (ou obras) que escapam à categorização-; enquanto Teixeira Coelho parece indicar que a produção dita "pós-moderna" nada mais é do que arte moderna tardia. Um defende que houve uma ruptura; o outro, uma continuidade.

Em seu livro, abordando primeiramente a arquitetura -onde é mais fácil identificar alguma ruptura- Teixeira Coelho propõe uma oposição entre metonímia e metáfora. A primeira carecterizaria a arte modernista, que opera por combinação (e composição); a segunda caracterizaria a arte pós-modernista, que opera por recombinação (e alteração). "A pós-modernidade devolveu à arquitetura a voz de que ela se privou durate uns bons 60 anos. O grande som da arquitetura é a metáfora, reprimida pela arquitetura modernista, toda ela metonímica. [...] A operação metafórica é um processo de substituição de um significado por outro e, portanto, dentro da cultura em que vivemos, um processo de criação de significados [...]. A operação metonímica é, antes, procedimento de combinação de significados já criados antes e fora dela (pela metáfora). É um procedimento de reprodução, de codificação (portanto, de reconhecimento) e não de instauração de significados." [p. 70]

O assunto é espinhoso e não serei eu a tentar desenredá-lo. Uma vasta bibliografia sobre o tema está à disposição para esclarecer ou confundir ainda mais: Lyotard, Jameson, David Harvey, Krishan Kumar, Terry Eagleton, entre tantos outros, apresentam visões menos ou mais catastrofistas sobre o estado atual da cultura. Um livrinho que me ajudou particularmente a enveredar pelo assunto -sem tanta carga ideológica- foi Arte contemporânea - Uma introdução, de Anne Cauquelin (importante não se deixar enganar pelo auspicioso subtítulo, porque o "livrinho" é de uma densidade...), mas não vou tentar resumir suas idéias porque a proposta aqui é outra: uma resenha ilustrada da exposição 80/90 Modernos, pós-modernos etc., com sugestões de leitura das obras pelo viés "moderno versus pós-moderno".

jorge_guinle.jpg adriana_varejao.jpg

A primeira "acareação", logo que se entra na sala 1, acontece entre uma pintura-objeto de Adriana Varejão e duas telas de Jorge Guinle. Estão um de frente para o outro. Fui com um amigo à exposição e fomos logo apontando: "Moderno [Guinle], pós-moderno [Varejão]". Por quê? Primeiro porque o título da mostra permitia a brincadeira, que fizemos até a última obra da última sala (muito instrutivo). Segundo porque a montagem da exposição é muito precisa no desenvolvimento de tensões entre os trabalhos apresentados. Nem sempre é claro assim -"esse é moderno, esse é pós-moderno"-, mas justamente por isso a proposta de tensões e confrontos é ainda mais interessante. Quando meu amigo e eu não conseguíamos chegar a um acordo sobre certo arranjo de obras apresentadas próximas uma da outra, recorríamos ao "etc." e estava resolvido. Mas não estava, tanto que volta e meia a gente conversa de novo sobre as nossas dúvidas e "certezas"; e tanto também que estou quebrando a cabeça para fazer algum sentido aqui.

benjamin_e_leonilson.jpg

Outra "acareação", no segundo ambiente da sala 1, parece ocorrer entre uma obra de Marcos Coelho Benjamin e uma pintura de Leonilson. Moderno, pós-moderno. Por quê? A escultura de Banjamin é feita de fogo sobre madeira, é uma escultura que fala de si, de seus materiais, de composição, de combinação entre elementos de um repertório moderno. A pintura de Leonilson não fala de pintura (ou, não fala apenas de pintura), fala da intimidade e da subjetividade do artista, é narrativa, é metafórica. Na outra extremidade desse segundo ambiente da primeira sala, situação semelhante acontece entre pequenas pinturas feitas com cal sobre madeira por José Spaniol e dois objetos -uma colagem de papéis de cigarro e uma delicada trama de fios de cabelo com fios de seda- de Fernanda Gomes.

fernanda_gomes_e_spaniol.jpg

(continua...) (mesmo!)

80/90 Modernos, Pós-Modernos Etc, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP - 25/05/2007 a 15/07/2007

Posted by Juliana Monachesi at 1:32 AM | Comentários(4)
Comments

Oi Juliana, tudo bem?
Estana gostando de ler ...vc vai publicar a continuação?
Simone ( da aula do Teixeira)

Posted by: Simone at julho 24, 2007 10:02 AM

Por que as pessoas complicam tanto as coisas? O que eu tenho testemunhado lendo artigos versando sobre diversas áreas do conhecimento é que as pessoas (em parrticular, no Brasil) tendem a complicar o que poderia ser explicado ou descrito de forma simples. E isto me aborrece. Recomendaria, portanto, que esses autores não lessem "livrinhos" ..., como a própria autora do artigo reconhece. Esse hábito de "escrever difícil" (ou não escrever nada, ao que me parece, é prática que vai das ciências sociais à filosofia, passando por diversas disciplinas, inclusive pela disciplina denominada de artes. Esses artigos passam-me a impressão, às vezes, que as pessoas não conseguem explicar de forma simples o que pesquisem e vêem. A tentativa da autora (segundo ela mesma) de classificação de tal ou qual obra da exposição como "moderna" ou pós-moderna" falha em seguidas ocasiões. e essa falha decorra, talvez, da falta de clareza nas definições dos conceitos.
E isto é ruim, porque o leitor ao final do texto fica completamente confuso.
Desculpe a crítica. Não é nada pessoal.

Atenciosamente,

Moacyr parahyba

Posted by: Moacyr Parahyba at julho 24, 2007 10:38 PM

ôba, obrigada pelos comentários!

simone, vou concluir o texto até o final de semana; moacyr, adoraria conseguir tratar dessa história de moderno e pós-moderno com simplicidade, mas de fato me falta clareza, é um tema imenso, mas tomara que com o avançar da resenha ilustrada alguns pontos e comentários fiquem mais claros.

abs da juliana

Posted by: julmonachesi at agosto 1, 2007 12:08 AM

O tema modernidade X pós-modernidade não é mesmo um assunto simples de ser discutido, justamente por não sabermos nem o que seja de fato o que chamamos de "pós-modernidade". Ainda bem! Afinal, "conceitos" e "definições" não esclarecem nada na realidade, são enganosos... e a única coisa que permitem é a restrição do objeto nomeado.

Posted by: Ludimila at agosto 13, 2011 10:55 PM
Post a comment









Remember personal info?