Página inicial

Arte em Circulação

 


junho 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
junho 2021
maio 2021
abril 2021
fevereiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 26, 2003

O último poema: um texto homenagem

Veja a imagem

Carlão, atrás de uma árvore, depois de uma performance coletiva no Restaurante Universitário (UEL - Londrina), realizada em setembro de 2003.

No hospício

No hospício
As noites caiam do teto
Como insetos pejados de brilho
No hospício
Os dias rolam sobre os ladrilhos
Com suas bocas cheias de flores concretas
No hospício o silêncio
Aprendeu a ficar inquieto
E os gritos desvendavam
Sonhos secretos
De multidões de criaturas
O hospício definitivamente
Não é a casa
Da loucura.
Carlos Zago


Escreveu seu último poema na poça de sangue que refletia o azul do céu, em uma tarde qualquer, dia alucinado, marca deixada para trás, rastro.
Alguém se abandonava como uma bituca de cigarro que voa da sacada do 3º andar para morrer na rua, brasa espatifada contra a sarjeta. Morreu, brother? Morreu!
Deus. A história. A arte. A filosofia. O homem. Pois é, morreram todos. Faltava acabar com o quê mais? Só o suicídio. Pai, mãe e mestres já estavam mortos. Matou todas as idéias, todos os ideais.
Morreu como um anticlímax. Coisa chata de falar. Antes de tudo era nosso amigo. E deixou poemas para a gente ler.
Embora sua arte esteja além da complexidade que a sua obra poética possa suscitar, temos as atitudes de um ser convulsionado, vivendo seu personagem como único contato que se permitia: para a profundidade da expressão, quer dizer, a autoconstrução de um mito.
Lembrava quem? Ah, deixa pra lá! Outro gesto sujo, outra forma de lidar com um cara que marcava sua presença, o tempo todo, como um meteoro incandescente riscando o céu noturno com sua face irisada. Atitude, desconcertos! A cabeça não parava de pensar, mas não em idiotices terrenas, a começar pela mídia, cagada; os amigos, um peido. Ora, dou de frente com um bruxo e já o reconheço!
Pode chamar de gênio, bobo, pateta. Artista, vigarista, tarado. Pedófilo, necrófilo, viado. Qualquer papel social dado, qualquer troca com o Estado. Qualquer tentativa de se tecer um tratado. Aqui, um documento, registro, retrato. Estabelecida a cópia, vamos alegar o quê? Coisa mais sem originalidade. Mais um suicídio de poeta. Que papo!
Morreu por Amor, Êxtase e Desespero. Mais um jovem virou estrela e se acabou em uma Londrina triste, com suas banalidades acadêmicas, seus aspectos jurídicos, burocracia, trânsito, instituições bundas. Cidade que mal viu essa flor de Lótus se destacar da multidão de esgotos onde paira uma mutilação. Párias. Pare. Pare!
A cura de uma criatura caricatura de si. Em estado absoluto. Suportado pelo vento. Lá vai a bituca desprezada rumo ao Nada! Poemas e poemas jogados fora. Iria poupar-se? Ora, por Kurt Kobain! Por Jim Morisson! Raul! Leminski! Cazuza! Noel! ________,.!!!!!!!!!!!!!!
Esses moços! Eu entendo a. Mesmo aqui no samba-canção: garotas, dêem aos seus namorados, mas lembrem-se do Insatisfeito, do Por Fazer-se, do Incompleto, o homem que tinha "rabia al silencio": me amem, se puderem. Eu caio fora dessa PRA UMA MELHOR. Fui. Scraaaaaaaaaatcccchhhhhhhh nhê innnnnnnn tum.
E voou. Para seu último poema. Sua derradeira performance como artista. O personagem assassino de seu autor. E deixou-nos sós, no escuro da noite, bocas abertas a olhar estrelas em vão.

Posted by Rubens Pileggi Sá at 2:32 PM | Comentários(2)
Comments

Hoje, seis de Agosto, em Presidente Prudente, uma tristeza imensa tomou conta de mim, essa noticia veio sem jeito, saiu de uma boca Matilde,espremida e contida, perdida no vazio que Carlão deixou subitamente!
Não sou poetiza e nem poderia, mas sou sua amiga e me arrisco em suas linhas, quem sabe você leia
um dia!

Era noite, uma terça feira talvez!
Tempos de Maio!
Eu vi você
Olhos, cabelos.
Boca castanha,
Já não exibia cachos tão longos

A partir daí nos diluímos
Numa louca paixão
Para mim um romance alucinante
Para você só um susto
Quase se apaixonou
Mas não poderia!

Nunca pertencera a ninguém
O mundo aos seus pés
E você acima de todas as coisas
Como eu te amei naqueles dias!

Mas o tempo tratou da gente
E cada um seguiu o seu rumo
Em busca de novas paixões
Nos perdemos e nos encontramos
Tantas vezes...

Sua dor permaneceu latente
E você se jogou ao vento
Tentou voar...
Mas o chão seus pés não alçaram

Quero guardar essa historia
Seus gestos, sua casa,
Suas lembranças e suas palavras
Um sorriso eternamente
Porque Carlos partiu para sempre?

Não sei quem receberá este comentário, também não me importo com isso, só queria deixar minha homenagem, queria lembrar dele.

Obrigada

Gisele Navarro

Posted by: Gisele at agosto 6, 2004 12:56 PM

Eu achava o Carlão um tosco.

Estuprador de meninas inconscientes...

Posted by: Maneco at janeiro 18, 2006 11:22 AM
Post a comment









Remember personal info?