Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2015
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

maio 4, 2011

Sobre a SP-Arte no Pavilhão da Bienal, São Paulo

Sobre a SP-Arte

Leviatã_150x100cm_2011_fotografia.jpgDeborah Engel / Franklin Cassaro, Leviatã, 2011

Artur Fidalgo Galeria

Lista de artistas da Artur Fidalgo galeria na SParte 2011:
Albano Afonso, Claudio Paiva, Danilo Ribeiro, Deborah Engel, Derlon, Edgard de Souza, Fernanda Gomes, Franklin Cassaro, Marcos Bonisson, Marcos Chaves, Marta Jourdan, Rafael Carneiro, Sergio Allevato, Sofia Borges, Vicente de Mello

Sobre a obra de Deborah Engel para SP-Arte:
Como trabalho especificamente produzido para a feira, podemos citar o trabalho produzido pela Deborah Engel que contou com a colaboração do escultor Franklin Cassaro.

Apartir de uma idéia desenvolvida por Franklin Cassaro - Inclusão Robótica Social - a artista visual encomendou a confecção de um robô utilizando embalagens de remédios, fita Micropore e BAND-AID.

Galeria Anita Schwartz

Artistas da Galeria Anita Schwartz que participarão da SP-Arte

Gustavo Speridião_Sem_Titulo_2011_202x300_carvao_nanquim_e_acrilica_sobre_lona - Anita Schwartz.jpg

Gustavo Speridião, sem título, 2011

Abraham Palatnik, Ana Holck, Antonio Manuel, Artur Lescher, Carla Guagliardi, Carlos, Zilio, Celia Euvaldo, Claudia Bakker, Daisy Xavier, Daniel Feingold, Eduardo Frota, Estela Sokol, Everardo Miranda, Fábio Miguez, Germana Monte-Mór, Gonçalo Ivo, Gustavo Speridião, Ivens Machado, José Paulo, Laura Vinci, Marco Giannotti, Marco Veloso, Niura Bellavinha, Nuno Ramos, Otavio Schipper, Paulo Jares, Paulo Whitaker, Roberto Lacerda, Romano, Rubem Grilo, Suzana Queiroga, Wagner Morales, Wanda Pimentel, Waltercio Caldas

Baró Galeria

Lista de artistas da Baró Galeria na SParte 2011:
Ana Teixeira, Claudia Jaguaribe, Courtney Smith, Dario Escobar, David Medalla, Enrique Radigales, Erica Bohm, Fabiano Gonper, Felipe Barbosa, Giselle Beiguelman, Iván Navarro, Joan Fontcuberta, Jorge Menna Barreto, José Spaniol, Marcone Moreira, Marcos López, Marcus André, Mariana Sissia, Mariannita Luzzati, Mónica Espinosa, Mônica Piloni, Nicola Constantino, Pablo Siquier, Patrick Hamilton, Raquel Kogan, Renata Padovan, Ricardo Alcaide, Roberto Bethônico, Roberto Jacoby, Rosana Ricalde, Tamara Andrade, Toby Christian, Túlio Pinto, Wilfredo Prieto

Baró Galeria leva seu acervo a SP Arte
Mais de 35 artistas são representados pela galeria, como Ivan Navarro, Marcone Moreira e Yoshua Okon.

São Paulo, abril de 2011 – Entre os dias 12 e 15 de maio a SP-Arte - Feira Internacional de Arte de São Paulo reúne em São Paulo mais de 85 galerias, entre elas a Baró Galeria, que participa novamente da feira com obras de mais de 35 artistas representados.

Uma das maiores feiras de arte da América Latina, a SP-Arte realiza sua sétima edição no Pavilhão Cicillo Matarazzo. A galeria Baró ocupa o stand número 10 e apresenta com destaque algumas obras de seus já renomados artistas, como Claudia Jaguaribe, Dario Escobar, Marcone Moreira e Ivan Navarro.

No andar superior, reservado a obras de grandes dimensões, Renata Padovan e Ivan Navarro vão particiar de um solo project. Renata apresenta objetos em que trabalham junto a paisagem e modificam seu entorno. Já o chileno Ivan Navarro se utiliza novamente de lâmpadas em neon para criar peças de forte apelo visual, mas que também lidam com conteúdos políticos ou sociais. Protagonistas de mostras recentes na galeria Baró, os sulamericanos Yoshua Okon, Ricarldo Alcaide, Cristian Segura e Patrick Hamilton também estão presentes na feira, com fotografias e instalações.

Dumaresq Galeria de Arte

O.jpg

Otto Sulzbach, Criança

Texto de Otto Sulzbach sobre seu trabalho

Essas criações são imbuídas de reminiscências infantis referentes a perdas e ganhos inerentes a tal etapa da vida. Assim é que procuro retratar imagens resgatadas dos primeiros quatro anos de vida de um infante, apresentando situações que passam pelos laços familiares (paternos/maternos/fraternos) e relacionais mais amplos (amigos). Como que num passeio pelas mais variadas infâncias, procuro oportunizar ao espectador uma gama de sentimentos que emerge ao nos depararmos com representações também da perversidade infantil, ora pela impressão de aprisionamento, ora pela sensação da infância cortada – “mutilada”.






Galeria Laura Marsiaj

Fábio Baroli_Sujeito da Tansgressão - o nucleo familiar #4_óleo sobre tela_110x150cm_2011.jpg Fábio Baroli, Sujeito da Tansgressão

Estaremos no stand #30 na SP Arte, e as maiores novidades ficam por conta dos jovens artistas.

A talentosa Ana Elisa Egreja, sempre com uma fila de espera para aquisição, exibirá quatro novas telas. Fábio Baroli está iniciando uma nova fase do seu trabalho, a série Sujeito da Transgressão, com pinceladas ainda mais vigorosas, e em telas de grande formato. Um novo nome será lançado na feira, é o de Rafael Zavagli.

Além disso, na área das instalações a Moura Marsiaj, nova galeria em São Paulo com parceria da Mariana Moura, de Recife, vai exibir uma grande instalação inédita de Paulo Vivacqua.

Outros artistas também já estão com os trabalhos prontos para embarcar, são eles: Gabriela Machado, Lucia Laguna, Iole de Freitas, Renata de Bonis e Waléria Américo.

Ybakatu Espaço de Arte

Sobre a Ybakatu Espaço de Arte

02.jpg

Claudio Alvarez, Perspectiva

A Galeria Ybakatu Espaço de Arte participará da 7 ª edição da SP Arte 2011 / stand 57 e no 2º Pavimento no Projetos Especiais.

A Ybakatu Espaço de Arte iniciou suas atividades em 1995 com a proposta de apresentar arte contemporânea. Inicialmente mostrou a produção de artistas locais dos anos 90 e mais recentemente viu suas atividades se expandirem.

Em outubro de 2002 a galeria inaugurou mais um espaço expositivo e uma reserva técnica apropriada para a manutenção das obras.

Atualmente realiza exposições individuais e projetos curatoriais com curadores convidados, que abrangem a produção local, nacional e algumas incursões internacionais.

Após 15 anos instalada na Rua Itupava 414, Curitiba/PR a galeria mudará de endereço. A partir de Abril estará na Rua Francisco Rocha 62 lj 6.

Conheça os artistas da Ybakatu Espaço de Arte que participarão da SP-Arte

ALEX FLEMMING

Nasceu em São Paulo,1954 - Vive e trabalha em Berlim/Alemanha.
www.alexflemming.com

O artista brasileiro radicado na Alemanha Alex Flemming (56) apresenta os seus mais novos trabalhos na SP-Arte através da Galeria Ybakatu : säo Mapas do Brasil pintados com uma espessa camada de tinta acrilica e cobertos por verdadeiras pedras preciosas brasileiras. A nova série, em pequenos formatos mas de grande valor pelos próprios materiais utilizados (ametistas, topázios, citrinos, rubilitas e peridotos), representa para o artista um retrato de seu país de origem, as suas riquezas e a sua diversidade, e também traz uma crítica conceitual ao mostrar a má distribuicäo desta mesma riqueza dentro do país bem como a avareza que ela desperta, este último aspecto tendo como símbolo a bolha de acrílico que cobre cada obra impedindo o roubo das pedras. Alex Flemming dá assim continuidade a sua longa trajetória artistica, onde sempre privilegiou a pintura sobre superficies nao tradicionais e sempre nos surpreendeu com a utilizacao em seu trabalho de materiais imprevistos.

Alex Flemming, Claudio Alvarez, Debora Santiago, Isaque Pinheiro, Rogério Ghomes, Sonia Navarro, Tatiana Stropp e Washington Silveira

C. L. SALVARO
Nasceu em Curitiba, 1980. Vive e trabalha em Curitiba / Brasil.

O artista participará na SP-Arte dos projetos especiais no 2º pavimento da feira.
Os trabalhos de C. L. Salvaro relacionam-se de forma livre resgatando aspectos comuns entre si. Passando pelo ajuntamento de materiais que formam estruturas simples, intrínsecas ao próprio objeto, e também pela reconstrução do próprio espaço expositivo, explicitando a manipulação daquilo que é descartado ou já absorvido como código comum, daquilo que passa despercebido.

CLAUDIO ALVAREZ
Nasceu em Rosário Argentina. Vive e trabalha em Curitiba, Brasil

DEBORA SANTIAGO
Nasceu em Curitiba, 1972 - Vive e trabalha Curitiba – PR, Brasil.

A artista desenvolveu sua produção através de questões relacionadas ao corpo em objetos, esculturas e desenhos. A partir de 2000, formas esféricas foram tratadas como células, matéria mínima para a construção de obras que, desde então, envolvem corpo e o espaço ocupado por este. Hoje, a artista trabalha com mídias diversas, vídeo, performance, desenhos, objetos e, muitos de seus trabalhos caracterizam-se pela maneira como integram o espaço expositivo, num diálogo delicado com a arquitetura.
Formada pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná e mestre em Artes Visuais pela Universidade de Santa Catarina. Participou do Programa Rumos Artes Visuais, edição 2005/2006, do Instituto Itaú Cultural.

Durante a Sp-Arte, no stand da galeria Ybakatu , a artista apresenta obras em papel: os desenhos “Placas Tectônicas” e a serie “Entre Rios”, nesta a forma circular foi feita com nanquim azul e bico de pena, cada um dos cinco módulos possui a mesma medida (50 x 35 cm) e são montados lado a lado. Os círculos e criam linhas no papel que exploram a idéia de circulação dos líquidos, aqui mais precisamente o movimento da água nos rios.

Tambem estará na feira a obra “Caderno Confete”, projeto que possui característica de desenho e de objeto, é um caderno artesanal em grandes dimensões (100 x 35 x 3 cm). Suas folhas foram coloridas com aquarela e depois perfuradas. Ao ser manuseado diferentes camadas de cor podem ser percebidas, alem das formas circulares que vão soltando-se das folhas, lembrando o confete usado nas brincadeiras de carnaval.

ISAQUE PINHEIRO
Nasceu em Lisboa, em 1972 - Vive e trabalha no Porto.
Site www.isaquepinheiro.com

O artista trabalha com escultura e faz uso de objetos do cotidiano descontextualizados, este princípio do ready made, é precisamente o que articula o trabalho de Isaque Pinheiro sempre guiado pelo ofício, pelo domínio das formas e do material e por uma novidade na hora de manipular referências e assumir a história conceitual e expandida da escultura moderna.

Na Sp-Arte a galeria Ybakatu Espaço de Arte irá expor uma nova escultura, intitulada “ A medida”, um metro de madeira em forma de árvore , feita em madeira de Maple.

ROGERIO GHOMES
Nasceu em Ponta Grossa PR em 1966 - Vive e trabalha em Londrina PR
Site - http://rogerioghomes.com/indexhibit/

Durante a Sp-Arte o artista Rogério Ghomes vai apresentar 5 peças em metacrilato da série Sonhos de 2010. Nesta série, Rogério cria um espaço onírico ao utilizar o recurso de saturação da cor associada a um captura da imagem em desfoque distanciando desta forma da realidade, proporcionando ao espectador novas possibilidades imagéticas. E também 3 peças da série “Projeto Space”, 2010.

SONIA NAVARRO
Nasceu em Puerto Lumbreras/Espanha, 1975 - Vive e trabalha em Puerto Lumbreras/Espanha.
http://sonianavarroartista.blogspot.com

Durante a Sp-Arte a artista terá desenhos sobre papel e feltro. Os desenhos de Sônia Navarro são elaborados através de costura sobre papel e tecidos.

TATIANA STROPP
Nasceu em Campinas, em 1974 - Vive e trabalha em Curitiba/PR.

Tatiana Stropp desenvolve, desde 2003, pinturas com tinta a óleo sobre chapas de alumínio utilizando-se de procedimentos simples: faixas de cor criadas com uma única pincelada. A grade forma-se com as diferentes cores de faixas que são sobrepostas e/ou justapostas tanto na horizontal como na vertical.
A artista explora a opacidade e as transparências na soma cromáticas que acontece na superfície do alumínio. As finas e transparentes camadas de tintas fazem com que as cores se misturem na própria superfície do alumínio, que em algumas situações rebatem a luz do ambiente.

WASHINGTON SILVERA
Nasceu em Curitiba, em 1969 - Vive e trabalha em Curitiba.

"O trabalho de Washington Silvera nos mostra interessantes aspectos envolvendo arte e técnica. Sua diversidade de possibilidades permite a ele transitar com facilidade através de diversas linguagens, sendo as instalações, objetos e fotografias os meios mais pulsantes." Marcos Hill

Cursou licenciatura em Artes Plásticas na Universidade Federal do Paraná. Expõe desde 1994, participando de várias exposições coletivas e individuais.

Posted by Cecília Bedê at 3:43 PM

maio 2, 2011

Daniel Blaufuks na Progetti, Rio de Janeiro

Daniel Blaufuks na Progetti, Rio de Janeiro

Sobre a exposição e o artista

Extraído do texto de Paulo Reis, publicado no livro "O Arquivo" de Daniel Blaufuks, 2008.

...Daniel Blaufuks trabalha com os escombros do poder e usa a memória como arma definitiva, criando uma narrativa sobre outras narrativas, algumas anônimas, outras de seu círculo familiar.

Pensar na obra de Daniel Blaufuks leva-me a omnipresença intelectual de Walter Benjamin. O apego à memória tanto do filósofo quanto do artista, de forma inequívoca, revelam-nos a sensação da dor e da delícia de saber-se o que se é. Seja porque ambos, através de suas obras, ensinam-nos o valor da memória, do afeto, ou do desespero, ao lutar contra a escassez da memória, contra o hiato do tempo, agarrando-se aos fatos para que estes não escapem como uma água escorre pelo ralo. Um e outro, demiurgos, avisam-nos: sim, a memória deve ser cultivada, pelo bem da saúde e evitar a doença e não que corrói a alma. A deambulação em torno da obra de Daniel Blaufuks leva-me sempre aos escritos memoráveis de Walter Benjamin. Penso benjaminianamente que escrever é deambular sobre a própria história do que se escreve, naquilo que o filósofo chamou de “faire de la flannerie”. O interesse na fiel e na assente marca do filósofo em maximizar a capacidade mnemônica leva-me diretamente ao pequeno, precioso e intenso texto intitulado Escavando e recordando. Ipso fato, para quem não o conhece, ressalto sua eloqüência ao transcrevê-lo ipsis litteris:

"A língua tem indicado inequivocamente que a memória não é um instrumento para a exploração do passado; é, antes, o meio. É o meio onde se deu a vivência, assim como o solo é o meio no qual as antigas cidades estão soterradas. Quem pretende se aproximar do passado soterrado deve agir como um homem que escava. Antes de tudo, não deve temer voltar sempre ao mesmo fato, espalhá-lo como se espalha a terra, revolvê-lo como se revolve o solo. Pois “fatos” nada são além de camadas que apenas à exploração mais cuidadosa entregam aquilo que recompensa a escavação. Ou seja, as imagens que, desprendidas de todas as conexões mais primitivas, ficam como preciosidades nos sóbrios aposentos do nosso entendimento tardio, igual a torsos na galeria do colecionador. E certamente é útil avançar em escavações segundo planos. Mas é igualmente indispensável a enxada cautelosa e tacteante na terra escura. E se ilude, privando-se do melhor, quem só faz o inventário dos achados e não sabe assinalar no terreno de hoje o lugar no qual é conservado o velho. Assim, verdadeiras lembranças devem proceder informaticamente muito menos do que indicar o lugar exato onde o investigador se apoderou delas. Em rigor, épica e rapsodicamente, uma verdadeira lembrança deve, portanto, ao mesmo tempo, fornecer uma imagem daquele que se lembra, assim como um bom relatório arqueológico deve não apenas indicar as camadas das quais se originam seus achados, mas também, antes de tudo, aquelas outras que foram atravessadas anteriormente."(ii)

Como Walter Benjamin, Daniel Blaufuks é um artista que pensa numa escala temporal e percebemos que há na sua obra uma tendência para a paralisação do tempo, operando como uma Medusa: seu olhar congela o movimento para nos revelar novas facetas, novas interpretações, até então insuspeitas, do real. Por isso, a fotografia e o filme convertem-se neste olhar mediado entre o real e a interpretação. Com seu close-up nos pequenos detalhes das letras apagadas, dos papéis de parede com bolor, dos vidros partidos, do pó e da sujidade dos ambientes ou na câmara lenta que perscruta e releva o não revelado (vídeo "Traum"). A teoria da alegoria e da melancolia desdobra uma dialética tensa entre o verbal e o visual, entre o silêncio e o tautológico. Tal como Benjamin que criou uma obra oscilante entre o fonético e o imagético, Blaufuks realiza imagens do quiasma temporal, sempre ao ver cada fotograma como uma espécie de fóssil, uma história individual, mas também coletiva. O artista, tal e qual o filósofo, luta contra uma espécie de "história natural da destruição". ...

(ii)Benjamin, Walter. Obras Escolhidas II – Rua de mão única. 5ª ed. São Paulo: Brasiliense.

(i) citação de José De Almada Negreiros

Obras em exposição:

- Da série "Hoje é sempre ontem", 8 fotografias, 107 x 80 cm, 2011
Em 2010 o artista português-alemão visitou pela quarta vez o Rio de Janeiro e finalizou um trabalho fotográfico, iniciado anteriormente, a partir das suas impressões e vivências nesta cidade. Este projeto é assim uma leitura pessoal de uma cidade em transformação, entre a memória e a realidade e em constante debate com a sua realidade e a sua imagem de “cidade maravilhosa”.

Blaufuks, como estrangeiro, procurou trabalhar e pesquisar este espaço urbano de uma forma subjetiva, que é também poética. As imagens estabelecem relações próprias com algumas zonas da cidade, mas igualmente com trabalhos anteriores seus sobre histórias e memórias pessoais e coletivas. Ao serem apresentadas pela primeira vez no seu próprio espaço original, a cidade do Rio de Janeiro, serão motivo de novas memórias e interações com os espectadores
que aqui vivem. Esta leitura, que é não só pessoal como de “alguém de fora” será necessariamente diferente de a de qualquer habitante da cidade a que se refere.

- "A Primeira Imagem", série de 14 “polaroides”, 8.5 x 8.5 cm, 2011
Um trabalho que parte de uma imagem de Niépce e que é considerada por alguns a verdadeira primeira imagem fotográfica. Trata-se da reprodução de uma mesa com alguns objetos de uso doméstico. Este projeto em “polaroid” é inteiramente fotografado na casa/atelier do autor, utilizando alguns utensílios semelhantes. A película utilizada, fora do seu prazo de validade, foi ainda sujeita a tratamentos térmicos, criando provas únicas e irrepetíveis e levando assim para a fotografia uma “aura” e uma memória de objeto único, hoje perdida na era do digital.

- "Carpe Diem", dvd a partir de película super 8, 30’ min., 2010
Um filme rodado no Palácio do Marquês de Pombal em Lisboa, que hoje alberga o espaço expositivo Carpe Diem, criado pelo curador Paulo Reis. A obra filmada em película super 8 entrecruza os sons atuais do palácio, passos dos visitantes, da equipa, pássaros, aviões, etc., com as composições para piano de Luís de Freitas Branco, que aqui viveu e faleceu. Na sua apresentação original no próprio espaço do Carpe Diem, os registros gravados juntavam-se ainda aos ruídos em curso naquele próprio momento, criando uma certa confusão sonora entre o gravado e o real, entre o passado e o presente.

Sobre o artista

www.danielblaufuks.com
Nasceu em Lisboa

Estudos - AR.CO, Lisboa, 1989, Royal College of Art, London, 1993, Watermill Center, New York, 1994 - International Studio and Curatorial Program, New York, 2001, 2002, Location One, New York, 2003.
Professor e Orador - AR.CO, Lisboa, ETIC, Lisboa, EPI, Lisboa, Maumaus (co-founder), Lisboa, SESC, Rio de Janeiro, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes, Lisboa, Biennale de la Photographie, Lyon.

PRÈMIOS Best Project, Loop, Barcelona, 2008
2007 -Shortlisted for the Pilar Citoller Award - Selected for the Deutsche Boerse Award - Best Photography Book of the Year in the International Category, Photoespaña - BES Photo Award – 2002 Best Director, Caminhos do Cinema Português, Coimbra – 2001 Best Director, Vila do Conde International Short Film Festival – 1990 Kodak National Awar

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS 2010 Perecs Büro, Kunstverein Ruhr, Essen, (curated by Sérgio Mah) - A memória da memória, Carpe Diem, Lisboa - O ofício de viver, Galeria Carlos Carvalho, Lisboa – 2009 Viagens com a minha tia, Galeria Solar, Vila do Conde – 2008 Album, Centro Cultural Vila Flor, Guimarães - O Arquivo, Vera Cortês Agência de Arte, Lisboa – 2007 Terezín, Galeria Manoel Macedo, Belo Horizonte - Blaufuks, Galeria La Caja Negra, (Photoespaña), Madrid - Next to Nothing, Centro Cultural de Belém, Lisboa – 2006 Cinema Motel, Elga Wimmer PCC, New York City - No Próximo Såbado, Galeria Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa – 2005 Motel, Agência Vera Cortes, Lisboa - A Perfect Day, Museu do Chiado, Lisboa, 2005 (curated by Pedro Lapa)- 2004 Tomorrow is a Long Place, Lurixs Arte Contemporânea, Rio de Janeiro - Sobre o Infinito, Centro Cultural Emmerico Nunes, Sines - Combo, Centro Cultural de Lagos - Tomorrow is a Long Place and a Perfect Day, Elga Wimmer PCC, New York City – 2003 Collected Short Stories, Centro de Arte Moderna, F.C. Gulbenkian, Lisboa, (curated by Jorge Molder) – 2001 Exile, Image Galery, Aarhus - Lisboa, Pessoa, Exílio, Saramago, Galeria Luís Serpa, Lisboa – 2000 Fotografias Recentes, Galeria Maria Martin, Madrid - Andorra, Galeria André Viana, Porto – 1998 Uma viagem a São Petersburgo, Encontros de Fotografia, Coimbra - Flores para Walt e otras historias, Galeria Maria Martin, Madrid - The White Sands Project/ion Room, Project Room, ARCO, Madrid – 1997 O Livro do Desassossego, Galeria Luis Serpa, Lisboa – 1996 Tasso, Mois de la Photo, Paris, 1996 (curated by Jorge Molder) - Ein Tag in Mostar, Haus der Kulturen der Welt, Berlin, Goethe-Institut, Madrid, (curated by Alfons Hug) – 1994 London Diaries, Primavera Fotografica,, Barcelona, Centro Cultural de Belém, Lisboa, The Akehurst Gallery, London – 1992 A Terra é azul como uma laranja, Galeria Cómicos, Lisboa – 1995 Fund. Athos Bulcão, Brasilía – 1991 Cinema Paraíso, Cinema Eden, Lisboa - My Tangier, Ministério das Finanças, Lisboa – 1990 Para mais tarde recordar, Galeria Ether, Lisboa

EXPOSIÇÔES COLECTIVAS 2010 - Entretiempos, Photoespaña, Madrid, 2010 (curated by Sérgio Mah) - Do outro lado do Atlantico, Centro de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, (curated by Paulo Reis) – 2008 Parangolé: Fragmentos desde los 90 en Brasil, Portugal y España Patio Herreriano - Museo de Arte Contemporáneo Español, Valladolid (curated by Paulo Reis and David Barro) – BESart, Colecção Banco Espirito Santo, Centro Cultural de Belém, Lisboa – 2007 50 Anos de Arte Portuguesa, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa - Foto Rio, Rio de Janeiro - BES Photo Award, Centro Cultural de Belém, Lisboa, (winner) – 2006 Surrounding Matta-Clark, Galeria Carlos Carvalho, Lisboa, (curated by Paulo Reis) – 2005 Densidade Relativa, Fundação Calouste Gulbenkian, (curated by Leonor Nazaré) - Del Zero al 2005, Fundácion Marcelino Botin, Santander, (curated by David Barro) - Erich Kahn, Museu de Arte Moderna – Colecção Berardo, Sintra - Portugal: algumas figuras, Laboratório de Arte Alameda, Cidade do México, (curated by João Pinharanda) -[RE]Visitações a partir de Pontormo, Galeria Luís Serpa, Lisboa - Uma Extensão do Olhar, Centro de Artes Visuais, Coimbra - 2004 Horizont(e), Galeria Luís Serpa Projectos, Lisboa - 20 + 1, Centro Galego de Arte Contemporânea, Santiago de Compostela - We Are The World, Chelsea Art Museum, New York City, (curated by Elga Wimmer) - PhotoEspaña, Madrid, (curated by Horácio Fernandez) - RE-Location Shake, National Museum of Contemporary Art, Bucharest, (curated by Maria Bojan) – 2003 Flesh for Fantasy, Cantieri Culturali ex-Macelli, Prato, (curated by Lorenzo Fusi) - Rencontres Photographiques en Sud Gironde, (curated by Gabriel Bauret) - Pallazzo delle Libertà, Palazzo delle Papesse, Siena, (curated by Lorenzo Fusi) Arquivo e Simulação - Archive and Simulation, LisboaPhoto, Lisboa, (curated by Sérgio Mah) - Artists in Residence 2002-2003, Location One, New York – 2002 Vandskel - Watershed. KunstCentret, Silkeborg Bad, (curated by Beate Cegielska) – 2002 - Open Studios, International Studio and Curatorial Program, New York – 2001 -Think of your ears as eyes, Project Room, Rotterdam Art Fair - Rotterdam-Porto, Galerie Cokkie Snoei, Rotterdam – 2000 -FIAC, Galeria Maria Martin, Paris - Quinze en Europe, Théatre de la Photographie et de l'Image, Nice, (curated by Gabriel Bauret) - London Art Biennale, Shoreditch Town Hall, London, (curated by Isabel Carlos) – 1999 -O Autoretrato na Colecção, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, (curated by Jorge Molder) - Linha de Sombra, Centro de Arte Moderna, Lisboa, (curated by João Miguel Fernades Jorge) – 1989 -Arte Portugués desde 1960, Fundación Pedro Barrié de la Maza, (curated by Jorge Molder) – 1997 -Biennale Internazionale di Fotografia, Palazzo Bricherasio, Torino, (curated by Giorgio Persano) - En la piel de Toro, Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, (curated by Aurora Garcia) - Carnets de Route, Galerie Contretype, Bruxelas, 1997 (curated by Jean-Louis Godefroid) – 1996 - European Photography Award, Kulturzentum Englische Kirche, Bad Homburg – 1993 Imagens para os Anos 90, Fundação de Serralves, Porto, Culturgest Lisboa, (curated by A. C. Pinto) – 1992 Lusitania, Circulo de Bellas Artes, Madrid, (curated by Teresa Siza) – 1991 - Portrait, Galeria Artforum, Praha - Fotografia Portuguesa, A Imagem das Palavras, Europália, Bruxelas, (curated by António Sena) – 1989 -Museu de Zoologia, with Jorge Molder, Encontros de Fotografia, Coimbra - European Kodak Award, Arles - Nível de Olho, Fotografia Portuguesa dos Anos 80, Ether / S.E.C., Lisboa, Porto, Macau.

VIDEO - Carpe Diem, 30', sound, super 8 mm on video, 2010 - The Square, various, 3 projections, loop, sound, video - 2009 - What is left is right and what is right is wrong, 5', loop, sound, video, 2009 -The Absence, 20', loop, sound, video, 2009 - A Perfect Day at Wannsee, video, 27’, 2008 - The Daily Practice, video, 23:29’, 2008 - Now Remember, video, 105', 2005-2008 - Theresienstadt, video, 90’, 2007 - Cinema Motel, video, 10.50’, 2006 - Slightly Smaller Than Indiana, video, doc., 78’, 2006 - Traum, video, 13’ loop, 2006 - Motel, video, 4’ loop, 2005 - A Perfect Day, video, 40’ loop, 2003-2005 - Mein Kampf, video, 10' loop, 2004 - Endless End, video, 10' loop, 2004 - Combo, music videos, 26', 2000-2004 - Paisagens Invertidas / Reversed Landscapes, video, doc., 37', 2002 - Under Strange Skies, digital, doc., 57´, 2002 - black > white, 35 mm, fiction, 21´, 2000 - Life is not a Picnic, video, art, 44', 1998.

COLEÇÕES PÚBLICAS - Byrd Hoffman Foundation, New York - Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa - Centro Cultural de Belém, Lisboa - Centro Galego de Arte Contemporânea, Santiago de Compostela - Centro Português de Fotografia, Porto - Centro de Artes Visuais, Coimbra - Colecção Berardo, Lisboa - Colecção BES, Lisboa - Fundação PLMJ, Lisboa - Museu Extremeno e Ibero Americano de Arte Comtemporaneo, Badajoz - Museu de Arte Contemporânea, Funchal - O Museu Temporário, Lisboa - Museu da Cidade, Lisboa - Palazzo delle Papesse, Siena - Sagamore Art Collection, Miami - The Progressive Collection, Ohio

Posted by Cecília Bedê at 5:40 PM